Em hives:

The Hives vem com o Arctic Monkeys para SP e Rio

>>

* A agitada banda sueca The Hives, liderada pelo vocalista e “animador de torcida indie” Pelle Almqvist, deve desembarcar em novembro no Brasil, na bagagem da turnê do grupo inglês Arctic Monkeys. Pelle e companheiros escandinavos serão a atração de abertura dos shows dos britânicos nos dias 14 e 15/11, respectivamente em São Paulo (Anhembi, Live Music Rocks) e Rio (HSBC Arena), deve ser confirmado semana que vem.

Screen Shot 2014-07-10 at 11.52.39

O Hives, que tocou em São Paulo em 2013, no último dia do Lollapalooza Brasil no Jockey Club, não solta disco novo desde 2012, quando lançou o disco “Lex Hives”. Mas em recente apresentação em Israel a banda sueca mostrou ao vivo uma música nova chamada “Two Kinds of Trouble”.

Informações sobre venda de ingressos para o Arctic Monkeys, com abertura do Hives, também aparecem ao público na semana que vem, quando o circo da Copa do Mundo for embora e o país voltar a respirar normal.

O Arctic Monkeys/Hives já está no pôster oficial do show de Bogotá, o que abre a turnê sul-americana da galera do Alex Turner.

Screen Shot 2014-07-10 at 11.25.12

>>

Mais Lollapalooza: alguns shows completos, tipo Queens of the Stone Age, The Hives e Black Keys

>>

Já estão dando sopa por aí algumas gravações de shows completos do Lollapalooza. O festival, que foi transmitido via web e TV pelas mãos do canal Multishow, teve aquele momento de tensão aos 45 do segundo tempo com a proibição por parte do Pearl Jam, que não deixou seu show cheio de hits ser mostrado. Conseguiram fazer um acordo depois da polêmica toda e o Multishow vai exibir o show na íntegra, no próximo sábado (6 de abril), às 21h30. Única faixa horária, sem reprises.

Os outros shows lindos rolaram beleza. Quem foi pode acompanhar melhor agora, no conforto do computador. Alguns com som melhor do que foi experimentado lá ao vivo, principalmente o Black Keys.

Enfim, tudo aqui. Queens of the Stone Age, Two Door Cinema Club, Hives, Killers, Planet Hemp, até o Deadmau5 entre outros… Tem para todo mundo.

* QOTSA

* THE HIVES

* THE KILLERS

* OF MONSTERS AND MEN

* TWO DOOR CINEMA CLUB

* PLANET HEMP

* DEADMAU5

>>

* BLACK KEYS

* Foto: Fabrício Vianna

>>

Lollapalooza Brasil domingo – O dia em que o Planet Hem-pá fez os isqueiros acenderem, o Kaiser Chiefs mostrou que ainda existe, o Hives chapou, o Hot Chip e o Foals foram lindos e ainda teve Pearl Jam, que…

* Que festivalzão foi esse Lollapalooza Brasil 2013!!!
Com tudo o que um festival bom (e ruim) e grande pode oferecer: perrengues de várias ordens, grandes shows, cheiro de cocô de cavalo, grandes shows de quem a gente não esperava que ainda faria grandes shows, filas absurdas para tudo, grandes shows rolando nas tardes bonitas, grandes shows à noitinha, frio e calor tudo junto, graves problemas de som em alguns momentos, som ótimo em alguns outros momentos, bandas decepcionando, pessoas decepcionadas com quem achou que tinha bandas decepcionando, galera gostando e sendo trollada por quem não gostou e defendida por quem também gostou, Didi e Dedé no Multishow, o celular que não deixava ninguém extravasar a emoção twittando ou instagramando (o que muitas vezes não é uma coisa ruim…), os já famosos “comentaristas de sofá”. Pena que não tem um Lollapalooza por semana para nos tornarmos seres humanos melhores.

O Lollapalooza Brasil se consolida como o grande festival brasileiro. Porque o Rock in Rio é meio doido, né?
Tudo bem, o Lollapalooza já vem “empacotado” dos EUA na dobradinha Geo brasileira e C3 americana, muitas outras bandas “do momento” poderiam estar escaladas, ou outras bandas de “outrora”, grupos nacionais mais relevantes para um festival hoje poderiam estar na programação, mas é quase impossível alguém não achar boa diversão numa escalação com 70 bandas, a maior parte dela que o Perry Farrell manda para gente. Só de não ter o Rappa e sim o Planet Hemp já mostra que esta edição foi melhor que o ano passado.

O grande assunto do showbiz brasileiro nos últimos tempos é a “falência”, a “crise”. Os megashows do ano passado para cá afundando na falta de público (ou do público esperado), os cancelamentos e os prejuízos absurdos assustaram a cena depois da “afirmação” do tempo gordo que apontava o Brasil como rota definitiva de grandes concertos internacionais. Todo mundo queria ganhar muita grana no mercado outrora carente mas então bombado economicamente. Enormes festivais inflacionando tudo, agentes espertos leiloando grandes nomes, marcas bancando atrações exclusivas. Daí a bolha estourou. O Sónar São Paulo, que foi “sucesso” no ano passado, cancelou a edição 2013 com grande parte bandas anunciadas e estrutura divulgadas. A luz vermelha, há muito amarela, acendeu com força. Deu medo. Está dando medo.

O SWU “deu um tempo” dizendo que volta e até agora nem notícias. O Planeta Terra, depois do tombaço de 2012, chacoalhou suas entranhas e decide NESTA SEMANA se volta em 2013 ou não: depende de conchavos e uma segurança “antiprejuízo” que estão difíceis de alinhavar. Bandas e artistas “de destaque” estariam na agulha e produtores aguardam o sinal de “Sim, vai rolar”. Alguns insiders dizem que logo, logo se confirma sua continuação e vem forte em 2013. Bem menor, mas forte. Mas muita gente “de dentro” diz que o PT 2013 não sai de jeito nenhum, não tem como.
Quando no ano passado a Popload afirmou aqui que o festival indie mais importante desde o fim do Tim Festival tinha acabado, foi porque internamente havia-se decidido pelo fim dele. E este blog tem orgulho de dizer que uma fonte importante de dentro do Planeta Terra disse que a notícia da Popload naquela ocasião poderia estar salvando o festival, porque imediatamente mexeu nos brios dos responsáveis e fez perceberem a dimensão da marca que o evento conquistou nos últimos anos. E “bafo do fim do PT” provocado por este blog poderia reverter decisões. Essas decisões que a gente espera para esta semana. Ou…

Mas voltando ao Lollapalooza, e envolto nos últimos meses no papo de “os ingressos estão encalhando”, o festival que mobilizou a Páscoa brasileira ao vivo, na TV, na internet juntou quase 170 mil pessoas no Jockey Club em São Paulo, passando longe da crise. Segundo sua organização, o dia “mais fraco”, o primeiro, vendeu 52 mil entradas. O último esgotou os 60 mil, deu sold-out no dia de sua realização. O Pearl Jam claramente arrastou mais público que o Foo Fighters no ano passado, na ordem de multidões absurdas.

Festival bom é assim: faz o Pearl Jam ainda ser bom, o maravilhoso Flaming Lips soar modorrento, o pequeno DIS MOI arrasar tocando para pouquinhos no palco de crianças, o Black Keys fazer um excelente show que ninguém ouviu, ressuscita uma excelente apresentação do Kaiser Chiefs que a gente nem lembrava que ainda existia, consegue agradar com bom concerto do Killers, provoca o melhor show nacional que eu vi em muitos anos (o Planet Hemp, desde um do Racionais nos anos 90 e desde que o Los Pirata acabou e desde um do Holger numa livraria de rua deserta em São Paulo. Com a intrigante e incômoda questão de achar o Planet Hemp datado e moderno ao mesmo tempo). Festival bom, hoje, tem os maravilhosos Foals e Hot Chip na mesma programação. Traz muita gente de fora para São Paulo. Espalha suas atrações em shows lindos em lugar mais intimista como Hot Chip/Of Monsters and Men/Alabama Shakes no Cine Joia. Bota o Foals para tocar house no Beco, os Franzs para entupir o Secreto, o Diplo sacudir o Clash, o Marky no Lions, e o Hot Chip discotecar (com Diplo e alguns dos Franz) no grand finale, de novo no Secreto, ontem.

Da sujeira, areia, terra, lama, até a confusão na compra e/ou retirada de ingressos comprados, o Lolla Brasil 2013 rebolou durante os dias do festival para ir aliviando os problemas. A gente elogiou a pista de areia lateral que era um caminho bom para se locomover entre os palcos fora da lama e da multidão. Daí, nos outros dias, para reforçar o número de banheiros químicos que eram um outro problema crônico, encheram a pista de areia lateral de banheiros, embolando os que passavam com as filas para o xixi. Poim!

Para o dia de ontem, o de encerramento, ficar completo, faltou o Eddie Vedder liberar a transmissão do show do Pearl Jam. Justo você, Vedder?

Abaixo fotos incríveis nossas e vídeos selecionados. O assunto Lollapalooza ainda vai render durante a semana.

E a edição 2014 do festival está assegurada e já tem as datas: 18, 19 e 20 de abril, a Páscoa do ano que vem.

************** FOTOS

O maestro da esquadrilha da fumaça! Planet Hemp incrível sob o comando de Marcelo D2, no Lollapalooza

Pelle Almqvist e a melhor banda de festivais do planeta, o Hives. Palhaçada e rock’n’roll dos bons

Foals e seu concerto lindo no cair da tarde no Jockey Club. Yannis, we love you

Às vezes era difícil de conseguir. Mas, quando se conseguia, o festival fazia mais sentido

Hot Chip e seu concerto lindo ao anoitecer no Jockey Club. Alexis, we love you

Eddie Vedder em momento rock’n’roll. Showzão do Pearl Jam, mas custava liberar a transmissão para a galera?

************** VÍDEOS


*********

* Cobertura Popload: Alisson Guimarães (base), Ana Carolina Monteiro, Fabríco Vianna (fotos), Fernando Scoczynski Filho, Lúcio Ribeiro

>>

Pearl Jam, Odd Future, Skrillex, The Hives, Santigold… Conheça o Made In America, o festival indie do Jay-Z

>>

* Popload em Los Angeles, dando uma espiadinha na Filadélfia.

Enquanto a Popload acompanhava in loco o Fuck Yeah Festival em LA, maior festival pequeno do mundo, acontecia na Filadélfia o Made In America, evento que teve como curador principal o bamba Jay-Z, que – veja bem – montou um ótimo line up indie nos dois dias de festival, que aconteceu no tradicional Benjamin Franklin Parkway, por onde passaram cerca de 100 mil pessoas sábado e domingo.

Só para se ter uma noção, algumas atrações que passaram pelo festival do Jay-Z: Miike Snow, Passion Pit, Skrillex, Dirty Projectors, Calvin Harris, Santigold, Hives, DJ Shadow, Odd Future, Pearl Jam, o Run DMC fazendo seu primeiro show em 10 anos, além do próprio Jay-Z, claro. O diretor Ron Howard esteve na cidade gravando um filme sobre o evento.

O ponto alto do Made In America foi a participação surpresa de Jay-Z no show do Pearl Jam, que encerrou o festival na noite de ontem. Em uma apresentação que durou mais de duas horas, Jay-Z subiu ao palco para mandar seu mega hit “99 Problems”, tendo a turma do Eddie Vedder como banda de suporte. Pensa…

* Outro vídeo que apareceu é o do show completo do combo arruaceiro Odd Future, que também terá seu próprio festival no final do mês, em Los Angeles. Tá virando moda artista ter seu próprio festival?

* O show completo da Santigold também está na área.

* Foto: Rolling Stone

* A Popload está em Los Angeles a convite da Chilli Beans, patrocinadora do FYF (Fuck Yeah Festival), o maior festival pequeno do planeta, com 70 bandas, de M83 a Paul Banks, de Dinosaur Jr a Glass Candy.

Coachella, dia 3 – A música mais cantada do festival? A do Gotye, óbvio. A incrível volta do At the Drive In. E a mais incrível ainda volta do Tupac, que inclusive já morreu!!!

>>

Os portões nem haviam sido abertos e a organização do Coachella já avisava em seu twitter: “Hoje é o dia mais quente do festival”. O domingo, terceiro dia da primeira parte do Coachella, mostrou mesmo que Indio é um dos lugares mais quentes do mundo. Tanto na música quanto no clima.

Com uma programação menos explosiva se comparada aos dois dias anteriores, até para dar uma trégua para quem já esteve por lá na sexta e no sábado, o festival tinha como destaques uma mescla entre uma turma nova, liderada pela Santigold, os ótimos Real Estate e Wild Beasts e a Florence and the Machine, uma turma nova-velha, ali da virada do século, como o The Hives e o Justice, e a turma das antigas, representada pelos casca-grossa Dr. Dre e Snoop Dogg.

Nome forte do novo hip hop, a louquinha Santigold arrastou muita gente para o seu show. O rap é o novo rock, você sabe. Ela, que é queridinha por toda galera do indie, prepara o lançamento de seu segundo álbum – “Master of My Make-Believe” – no próximo dia 1º de maio. Show concorrido, cheio de misturas musicais e gente empolgada.

Banda que costuma ser sempre explosiva ao vivo, o Hives, grupo sueco que estourou ali mais ou menos em 2002, continua fazendo o mesmo show de sempre. Mas isso não quer dizer que seja ruim, pelo contrário. No palco, Pelle Almqvist sempre se entrega como se fosse o último show da vida. E ainda fez o Coachella “todo” SENTAR. Você viu na transmissão?

Pegou mal o atraso do Justice. Um dos maiores nomes da eletrônica moderna, atração imperdível do Sónar SP mês que vem, o duo francês demorou mais ou menos meia hora para começar seu show, deixando muita gente irritada. Nem no YouTube rolou o show na íntegra, por conta disso. Mas, quando começou, foi a catarse coletiva de sempre, com aquela cruz iluminada chapando os olhos em todo momento.

“Insano” tem sido a descrição lugar comum nos blogs gringos para a apresentação do Gotye. O belga-australiano virou praga musical boa com o mega hit “Somedoby That I Used to Know” – vídeo original com mais de 162 milhões de views no YouTube – música mais tocada este ano na Inglaterra e, hoje, segundo lugar da “Billboard”, executada em programas como o Saturday Night Live e Glee. A imprensa australiana crava que, se o som não chegar ao #1 da Billboard desta semana, nunca mais vai chegar. Seria a primeira aparição de um representante da Austrália nas paradas americanas em 12 anos. No Coachella, “Somebody That I Used to Know”, som que relata um desencontro amoroso indie, deve ter sido o mais cantado (e registrado) pela galera durante todo o final de semana.

A reformada At the Drive in, fundamental banda de indie hardcore, não fez feio em seu retorno oficial aos palcos, após mais de uma década de hiato. Na mira do ecofestival brasileiro SWU, o grupo de El Paso botou o volume de suas guitarras no máximo e foi bem recebido por público e crítica. At the Drive in, né?

Em mais de 10 anos de história, um dos momentos mais marcantes do Coachella foi a “ressurreição” do rapper Tupac Shakur, assassinado brutalmente há mais de 15 anos, durante o show dos pesos pesados Dr. Dre & Snoop Dogg, através de um holograma. Em um show audiovisual de deixar até o Thom Yorke de boca aberta, a dupla ainda “recebeu” no palco outros nomes como 50 Cent e Eminem. Coa-rap-chella.

Confira alguns vídeos marcantes do domingo, incluindo a “aparição” do Tupac.

No próximo final de semana, a Popload vai acompanhar in loco toda essa bagunça sonora no deserto da Califórnia.

>>