Em honey bomb records:

CENA – Catavento, de Caxias do Sul, respirando ares ansiosos em novo e bonito vídeo. Álbum sai em agosto

>>

1 - cenatopo19

image (1)

* De Caxias do Sul direto para Cubatão. Grande banda das pequenas da cena brasileira, o septeto gaúcho Catavento lança agora, via Popload, sua música nova, “Panca Úmida”, som e vídeo, apontando para seu próximo álbum, o encorpado (já explico) “Ansiedade na Cidade”. Single sai hoje. Disco cheio, dia 3 de agosto.

Catavento por Rodolfo Cemin 03

“Panca Úmida”, a música, traz tipo um novo Catavento, antes um exemplar da nova psicodelia brasileira, principalmente a que vem da cena muito jovem do sul do país, principalmente ainda a que é propagada pelo excelente selo gaúcho Honey Bomb Records, hoje em dia mais “brasileiro” no alcance do que sulista na geografia. O que dá pinta com esse primeiro single da nova fase do grupo, rumo ao terceiro álbum, é que o som da banda “cresceu”, assim como sua formação. O Catavento, do primeiro disco (2014) e especialmente de “CHA” (2016) para cá, está mais universal, digamos. Ouve-se inclusive metais na canção.

CAPA_PancaUmida

Acima, a capa do single “Panca Úmida”, do Catavento. Abaixo, a capa do novo álbum, “Ansiedade na Cidade”, o terceiro da banda indie da Serra Gaúcha

CAPA_AnsiedadeNaCidade

“Panca Úmida”, o vídeo, tem uma história visual aflitiva para dar imagens à música nova do Catavento. E aí entra a citada Cubatão. Enquanto o som fala de enxergar na sombra, talvez uma pegada de conhecer além do que se vê, o vídeo traz uma menina com problemas respiratórios que busca uma cura através de outras respirações, enquanto que anda de moto inalando o ar na poluidaça cidade industrial da Baixada Santista.

Driblar problemas e inquietudes de opções urbanas não é fácil para ninguém, conta o Catavento no belo vídeo dirigido por Manoela Cezar e Pedro Geraldo, que também foi filmado em São Paulo. Curioso o fato de a banda, de uma das prováveis áreas mais respiráveis do Brasil, a Serra Gaúcha, escolher tal tema e tal cenário para o primeiro vídeo do novo álbum. Ansiedade?

A fase encorpada da Catavento se dá também nos selos que bancam o vídeo e o disco novos da banda gaúcha, como está bem mostrado nos créditos. Além da Honey Bomb Records, o selo Natura Musical em parceria com dois órgãos de cultura estatais, no caso do Rio Grande do Sul, financiam a pequena grande banda indie, cujas ambições agora não cabem mais na altitude do RS.

Como podemos ver por todos os lados de “Panca Úmida”, o novo vídeo, abaixo, em um lançamento Popload.

**

* As fotos do Catavento, a deste post e a da home da Popload que chama para este texto, são de Rodolfo Cemin.

>>

CENA – Festival Enxame oxigena a cena gaúcha (e não só) em camping ecológico

>>

popload_cena_pq

* Desde 2013 sempre (hiper)ativos, os gaúchos do selo Honey Bomb Records, de Caxias do Sul, vão dar um novo passo em sua história no próximo dia 4 de novembro, sábado agora. Junto de alguns importantes parceiros locais, eles irão realizar o Enxame, um dos primeiros festivais da serra gaúcha e também um dos recortes mais precisos do que de interessante está acontecendo na cena indie do Sul do país.

festival-enxame

A produção que acontece um mês antes do maior festival independente da região, o Morrostock, vai reunir algumas das principais bandas independentes da nova safra do sul do país. Supervão (foto da chamada para esta nota na home da Popload) de São Leopoldo, Catavento de Caxias, Cora de Curitiba e Musa Híbrida de Pelotas são alguns dos nomes que formam esse time de revelações recentes da cena, que vai do RS até Curitiba e ainda faz escala em Brasília. É, no Distrito Federal mesmo.

Mais do que apenas uma porção de shows de bandas do Sul, a Honey Bomb Records fortalece suas conexões nacionais com a participação de um dos destaques da cena do DF, os garotos do Supervibe. A banda, que se apresentou na última edição do Picnik e foi um dos achados da Popload em meio ao bom line-up do evento, viaja até o interior do RS junto de Miguel, uma das cabeças por trás do Picnik e atração confirmada com seu DJ Set localmente famoso, sob o nome de The Miguelitos.

Essa parceria entre Honey Bomb e Picnik não é de hoje, já que há algumas edições do clássico festival de Brasília quem auxilia na curadoria das bandas que integram o line-up do evento são os gaúchos do selo. Winter e The Blank Tapes da Califórnia e os Night Beats de Seattle são alguns dos nomes que surgiram da conexão HBR e Miguel.

Voltando à programação, o Enxame também vai seguir a onda dos festivais/conferências de música, trazendo uma série de painéis para tratar o futuro da produção independente nacional e todo aquele papo necessário que está rodando o país. Todos esses bate-papos acontecem em paralelo aos shows e avançam no início da noite.

Para quem quiser experimentar esse dia inteiro de imersão na cena indie do Sul, pode adquirir seu ingresso através deste link e conferir mais informações no site oficial do evento.

22499119_1962374760445739_4316125811970739208_o

O Enxame acontece, então, no sábado, a partir das 14 horas, no Cheiro de Mato Eco Camping (foto acima), no interior do Rio Grande do Sul. Logo abaixo você confere o vídeo promocional com a lista das atrações:

>>

CENA – Bananada, 2 de 7 – O barulho girlie do Brvnks e a pós-banda de Caxias do Sul

>>

popload_cena_pq

* Popload ainda em Goiânia. God bless Bananada Festival. Porque em julho vem aí o Villa Mix Festival Goiânia.

poploadbananada2017

A terça-feira de um dos principais festivais indie do Brasil movimentou seis locais e acabou com a polícia brecando um Popload DJ set bem na hora em que um Soulwax com Iggor Cavalera estourando na bateria estremecia o Rock. Alegaram barulho, as autoridades, imagine. Mas o importante da segunda noite do Bananada foi que…

Mais cedo, no simpático Complexo, bar-estúdio-laje=clubinho no centro da cidade, de propriedade dos caras do Hellbenders, heróis locais, rolou um showcase do selo sulino Honey Bomb, de Caxias do Sul. Duas bandas e uma pós-banda do selo se apresentaram, explico.

Na abertura da noite, que ainda teria shows da banda Supervão e My Magical Glowing Lens, teve um show de abertura genial. Ok, mais na sua ideia do que na execução, mas ainda sim. Três membros da Honey Bomb Records montaram uma banda, aliás chamada de pós-banda, que consiste em um “mestre de cerimônias”, um baterista e um cara operando um sintetizador interferindo em remixes de músicas de bandas do próprio selo. Entendeu? É uma espécie diferente de apresentar o selo, as bandas do selo e ainda produzir um caldo musical disso. Um pós-caldo, melhor dizendo.

Em outro canto da cidade, no misto de bar, casa de show e galeria de arte, o Rock, a noite começou com a neopsicodelia local dos Peixefante, o grupo da foto abaixo. Em matéria de psicodelia, Goiânia parece saber sobre o que está falando (ou tocando).

Captura de Tela 2017-05-10 às 4.49.59 PM

Depois, o bom grupo local Brvnks fez seu vigoroso show num volume em que, parecia, a casa não estava preparada. Som agridoce tipo Throwing Muses anos 90, quando doce já mostrava toda a ferocidade pós-teen incontrolável da guitarrista e cantora Bruna, ela-mesma a Brvnks. Quando agri, a maçaroca sonora grunge vinha tão violenta que, acho, balançava os quadros e obras expostos na ala artsy do Rock.

Do Brvnks, consegui pegar um momento “tranquilo” em vídeo.

Daí a noite do Rock acabou com a polícia…

>>

CENA – Bananada junta nesta terça Brvnks, Papisa, showcase dos Honey Bomb e as eletronices de Bruno Abdala

>>

popload_cena_pq

* Popload em Goiânia. A cidade que nem liga pela fama de sertaneja porque é a Goiânia Rock City, na real.

poploadbananada2017

* O Bananada 2017 daqui a pouco entra em seu segundo dia musical (porque o gastronômico já rolou bem no almoço thankyouverymuch), esquentando bem sua programação em relação a ontem, mas ainda nem perto das chamas que vão arder na cidade a partir de quinta-feira, até o encerramento no domingo.

Hoje, novamente se espalhando pela cidade, o festival ocupa seis endereços, com 16 apresentações. Alguns dos destaques da noite são Papisa, o projeto solo da multiinstrumentista Rita Oliva (Cabana Café); o pequeno grande grupo local Brvnks, que acha que vive em Newport nos anos 90; o showcase do ótimo selo gaúcho Honey Bomb Records, gaúcho mas de Caxias do Sul é bom dizer, com três bandas, entre elas o My Magical Glowing Lens; e Bruno Abdala, ou B.Abdala, reconhecido nacionalmente pelo vasto alcance de suas eletronices.

O Bananada 2017, ainda na terça-feira, começa a esquentar bem. Confira a programação abaixo.

Captura de Tela 2017-05-09 às 7.51.05 PM

>>