Em jack white:

Em Seattle, Jack White retribui gentileza e faz cover de “Daughter”, do Pearl Jam

>>

Jack White em Seattle, na última segunda-feira. (Foto: Divulgação)

Jack White em Seattle, na última segunda-feira. (Foto: Divulgação)

Semana passada, o Pearl Jam fez shows históricos em Seattle e chegou a homenagear os professores do mundo todo com uma cover de “We’re Going to Be Friends”, do inesquecível The White Stripes.

Graças às coincidências que o destino prega, na última segunda-feira foi a vez de Jack White se apresentar na cidade, uma ótima oportunidade para retribuir a gentileza. E foi justamente o que aconteceu.

O ex-parceiro da Meg tocou em seu show a clássica “Daughter”. Como os celulares são proibidos nos shows de Jack, alguém gravou bem escondido o registro em áudio, que pode ser ouvido no fim do post.

Em julho, Pearl Jam e Jack White trocaram figurinhas em um festival em Portugal, quando tocaram juntos uma cover de “Rockin’ in the Free World”, de Neil Young.

>>

Mais Arctic Monkeys: agora a cover foi para o White Stripes, em Detroit. Para quem eles fariam a cover em São Paulo?

>>

* Titãs? Ultrage a Rigor? Estou brincaaaaaaaando!!!!!

Captura de Tela 2018-08-02 às 11.00.26 AM

* Na melhor linha U2/Arcade Fire de prestigiar nas turnês as bandas locais, o grupo inglês Arctic Monkeys, que toca no Lollapalooza Brasil em abril do ano que vem, segue homenageando bandas “da casa” em sua turnê americana. Em show recente em Nova York, fizeram uma cover dos Strokes, a gente deu aqui.

Ontem à noite, em Detroit, Alex Turner sacou um White Stripes nada básico para os habitantes da Motor City. Na real, talvez pare por aí. Strokes e White Stripes, da geração que “revolucionou” o novo rock nos 2000, são influências descaradas e deflagradas na formação do Arctic Monkeys. Mas vamos aguardar.

O caso é que ontem, então, em Detroit, no Masonic Temple Theatre, o carequinha Alex Turner chamou a cover de White Stripes logo no começo do show, não foi no bis, não. “Vamos mandar um pouco do ‘White Blood Cells’ para Detroit”, disse na quinta música do show do Arctic Monkeys, se referindo ao terceiro disco da banda de Jack White, lançado em 2001, quando Turner aprendia guitarra sozinho em seu quarto, para formar no ano seguinte o grupo que a gente conhece hoje.

A canção pinçada do maravilhoso “White Blood Cells” foi a peculiar “The Union Forever”, que nem single foi à época.

Bom, o resultado você vê abaixo. O Arctic Monkeys toca hoje no Lollapalooza Chicago, com transmissão ao vivo aqui na Popload. Em próximo post você vê os esquemas. Em abril, a gente encontra o grupo britânico em Interlagos. Tô errado, Alex?

>>

Os agitados dias de Jack White, incluindo covers do Elvis e um vídeo novinho e carregado de suspense

>>

230718_jack2

Jack White anda com sua agenda cheia. Na estrada divulgando seu mais recente disco, “Boarding House Reach”, o gênio norte-americano esteve envolvido em alguns episódios legais nos últimos dias.

Semana passada, por exemplo, foi ao ar o podcast Revisionist History, com Malcolm Gladwell, e nesta edição uma entrevista especial de White, que falou, por exemplo, de seu amor por Elvis Presley. “Às vezes eu o amo tanto que fico com medo de saber mais sobre determinadas coisas. Você está tão perto disso e passou por certas coisas, mesmo que não seja nada comparado com o que ele passou, mas no fim das contas fazemos quase o mesmo. Nos apresentamos, subimos ao palco, gravamos discos e tudo isso. Sou de um tempo diferente, mas você nota todos estes pequenos momentos onde você vê certas coisas e é tipo: ‘sei exatamente o que é isso e como isso me faz sentir'”, disse em um trecho.

Como se isso não fosse o bastante, Jack cantou duas faixas eu ficaram famosas na voz do Rei do Rock, sendo elas “Love Me” e “Are You Lonesome Tonight”. A parte com White começa no minuto 20:50 deste link.

Nesta segunda, Jack divulgou para o mundo todo (estava disponível só no Tidal há alguns dias) um novo vídeo para o single “Corporation”, uma das melhores faixas de seu último álbum. Na produção cool de mais de 7 minutos, há uma série de assassinatos e um interrogatório que só faz o suspense em torno deles aumentar.

>>

Após a Copa, “Seven Nation Army” volta para a Bélgica. Hein?

>>

* Futebol é pop. E o hino indie “Seven Nation Army”, a gente sabe, é a maior música da história do futebol mundial.

Dito isso, temos a seguinte situação.

Captura de Tela 2018-07-16 às 4.36.31 PM

Ontem, em Bruxelas, um mar de gente (dizem 80 mil pessoas, aproximadamente) foi para praça em frente à prefeitura da cidade para homenagear o belíssimo time da Bélgica, que deixou a Copa do Mundo em terceiro lugar. Os carrascos do time do Neymar e do Tite foram recebidos em casa em uma festa absurda, em que o craque Eden Hazard foi uma espécie de mestre-de-cerimônias, puxando cânticos para a galera entoar.

Um deles, obviamente, foi “a música da Copa”, a onipresente (e aparentemente imortal) “Seven Nation Army”, hit master do saudoooooso grupo americano White Stripes, lançada em 2003, que foi das rádios para as pistas para os festivais para as arquibancadas para virar música oficial da FIFA, botando assim o sucesso de Jack White, já em domínio público, para servir de trilha sonora da entrada das seleções em campo em todos os jogos do Mundial da Rússia 2018, que se encerrou neste final de semana.

“Seven Nation Army” para o mar de gente belga fez todo sentido do mundo e coroou a “campanha” da música no Mundial russo. Vale relembrar pela terceira vez neste espaço que o hino do White Stripes começou a ser cantado no mesmo ano em que foi lançado pela torcida do time belga Brugge. Para depois ir fazer fama entre os italianos futeboleiros e depois ganhar as arquibancadas do mundo todo.

Então praticamente dá para dizer que, neste final de semana e com o fim da Copa, “Seven Nation Army” voltou para seu lugar.

Que história tem essa música.

Veja “Seven Nation Army” voltando para a Bélgica no link abaixo.

Aqui:

video7NationArmynaBelgica

e aqui:

https://youtu.be/-Ji3mFidMt0

>>

No gás, Jack White anuncia disco ao vivo em vinil azul. Vem até uma bandeira no kit

>>

020718_jackwhite2Fotos: David Swanson

Mr. Jack White está novamente com novidades. O cara mais imparável do rock anunciou para o último dia de julho o lançamento de um disco ao vivo, que vai sair apenas em uma versão em vinil.

O projeto engloba dois shows intimistas com canções de seu mais recente disco de estúdio, “Boarding House Reach”, lançado no primeiro semestre deste ano. O título: “Jack White Live at Third Man Records ||| Nashville & Cass Corridor”.

O vinil será especial em azul e branco. O kit completo vem ainda com uma coleção de fotos inéditas feitas por David Swanson e ainda uma, atenção, bandeira com a logo de Jack White.

O disco sairá, claro, pela sua gravadora Third Man Records e os assinantes dos serviços do selo poderão fazer suas reservas até o dia 31 de julho. Como amostra, Jack soltou a versão pesada de “Corporation”.

020718_jackwhitedisco

>>