Em jáder:

CENA – Mulungu lança vídeo novo e traça triângulo pop que liga Recife, Paraíba e Natal

1 - cenatopo19

Captura de Tela 2020-09-03 às 12.10.47 PM

* “Deus Tempo”, segundo single da banda pernambucana Mulungu, quase não tem o sotaque que a princípio se espera de uma banda pernanmbucana. A música, que segue a deliciosa “No Ar” a caminho do álbum de estreia a ser lançado em novembro, tem uma cadência indie-pop universal.

Talvez seja pela “bagunça” geográfica que está em seus integrantes: Jáder e Guilherme Assis, de Recife, que têm um estúdio na capital pernambucana e fazem experimentações sonoras e artísticas com o Mulungu desde 2018, e o baterista Ian Medeiros, da conhecida banda Mahmed, de Natal, RN, convidado a se juntar à dupla a posterior.

O terceiro vértice de um triângulo criativo universal que aproxima o trio mais do Talking Heads do que do mangue beat é Mulungu, uma cidadezinha encravada num brejo do sertão paraibano que deu nome ao trio, onde os avós de Jáder tinham uma fazenda e ele passava a infância. A banda descobriu recentemente, Mulungu tem exatamente a mesma distância de Natal e de Recife.

Veja o novo vídeo-single de “Deus Tempo”, feito 100% por mãos LGBTQI+, e confira também o de “No Ar”, a música lançada anteriormente. As duas canções estarão em “O Que Há Lá”, o álbum de estreia, de novembro.

>>

Popload Live: hoje, 17h, no Stories da @poploadmusic, conversa e música com Jáder, da banda pernambucana Mulungu

>>

* Nosso convidado de hoje na Popload Live, 17h no canal de Stories da @poploadmusic, é o Jáder, da banda Mulungu, outro bom produto-exportação da cena de Recife, embora o trio que compõe a banda tem um potiguar infiltrado.

Mulungu é Jáder, o parceiro conterrâneo Guilherme Assis e o multiinstrumentista importado Ian Medeiros, que era da grande banda Mahmed, de Natal.

A banda lança nesta semana, e é isso que vamos mostrar na live, seu segundo single, “Deus Tempo”, que vai estar no disco de estreia do Mulungu, “O Que Há Lá”, marcado para sair em novembro.

Sobre os singles, o álbum, o nome Mulungu, a deliciosa sonoridade pop, os tão-falados sentimentos autobiográficos dos músicos que estão nas letras, que Jáder conversa, canta e toca logo mais às 5 desta tarde, no @poploadmusic.

WhatsApp Image 2020-09-02 at 13.55.30

A live da Popload foi criada para proporcionar, em tempos de clausura, papo e performance com pessoas legais da nossa música. Inclusive… tocando música.

Já rolou por aqui conversa e som com Flavio FingerFingerrr, André Aldo, Eduardo Apeles, Vivian Kuczynski, Lucas Fresno, Rita Papisa Oliva, Ale Sater, do Terno Rei, Bianca e Rodrigo do Leela, Lucas da Glue Trip, Fefel do Boogarins, Duda Brack, Clarice Falcão, Gabriela Deptuski, do My Magical Glowing Lens, Jay Horsth, do Young Lights, Salma & Macloys, do Carne Doce, a trinca Naíra, Érica e Caro, do sexteto Mulamba, João Erbetta, do Los Pirata, o Popoto, da banda Raça, a Sara Não Tem Nome, o produtor paulistano CESRV, o internacional Sessa, o cheio-de-histórias-incríveis Supla, a multimídia Lia Paris, o rapper afrojaponês-andróide Yannick Hara, a guitarrista e cantora Brvnks, o professor Frank Jorge, o brit-paulistano Charly Coombes, Tim Bernardes de O Terno, Mario Bross, do Wry, a diva Ava Rocha, o produtor mashapeiro Raphael Bertazzi, com o engenheiro de som e beatmaker Master San, com o músico mineiro André MOONS, com o enigmático cantor Gevard DuLove, com o músico, agora escritor e eterno VJ Luiz Thunderbird, Tatá Aeroplano, com o Pata, do Holger, com o mineiro JP, Jair Naves, Zé Antônio (dos Pin Ups), com o graaaande Clemente, do Inocentes, com a Giovanna Moraes, com Marcelo Perdido, com o Chico Bernardes, com Mário Arruda, do Supervão, o electroindígena Nelson D, a Larissa Conforto (Àiyé), o Vovô Bebê, o Gustavo Bertoni, do Scalene, Julio The Baggios, o grande Chico César, o rapper Hiran, a multiartista Jup do Bairro, Eduardo Porto (do ATR), o pernambucano Tagore, a baiana Jadsa, o gaúcho Erick Endres, o lendário cantor Odair José, o músico Thiago Nassif, a cantora e guitarrista Fernanda Takai, o cantor baiano Giovani Cidreira, o rapper mineiro Flavio Renegado, o guitarrista Gabriel Thomaz (Autoramas), a cantora e taróloga Ella, o gateiro Pedro Pastoriz (Mustache & Os Apaches), o grande Samuel Rosa, do Skank, o piauiense Valciãn Calixto, o “cigano” Juliano Abramovay, Gabriel Serapicos (Compositor Fantasma), Vallada (Viratempo), o veterano Marco Polo (da histórica banda pernambucana Ave Sangria), o músico agitador Otto Dardenne, o rapper Xis, o saxofonista Anderson Quevedo, a cantora Anne Jezini, de Manaus, e a cantora paraense Mai.

Tudo regado a som ao vivo, adaptado, rearranjado, diferente, tecnicamente perdoadíssimo.
Já teve DJ set, do ótimo Willian Mexicano, com a digníssima diva pop Pabllo Vittar participando animada. E a do Lúcio Morais, do Database. Do Trepanado, da Selvagem. Do Lúcio Caramori. Do Paulão, do Garagem. Do gaúcho hard-funk Fredi Chernobyl. Do Fetusborg, que virou uma residência mensal de hip hop. Da incrível dupla electroflorestal Xaxim. Dá ótima DJ Kysia, de Fortaleza.

Já teve conversa sobre a história da CENA brasileira com um dos personagens principais dela desde sempre, o agitador Fabrício Nobre. Já teve papo de jornalismo musical com Pedro Antunes, editor da “Rolling Stone”, também conhecido como o inventor do programa “Tem um Gato na Minha Vitrola”. Já conversamos com Bruno Natal, do podcast Resumido, Thiago Ney, da newsletter MargeM, dois instrumentos ~modernos~ vitais para entender o mundo hoje. Falamos também com Ronaldo Lemos, o maior especialista em internet no Brasil e ex-curador do Tim Festival. Com o jornalista-boleiro Mauro Beting, que tem uma série de serviços prestados à música. Com a jornalista, escritora, DJ e agitadora Claudia Assef. Com Alexandre Matias, o inventor do Trabalho Sujo. Com o conhecidíssimo Zeca Camargo. Com o importante produtor Marcelo Damaso, do festival Se Rasgum (Pará). Com o renomado jornalista Álvaro Pereira Júnior. Com o podcaster Vinícius Felix. Com o correspondente de cinema em Los Angeles Rodrigo Salem. Com o empresário indie Fernando Dotta.

A ideia da live é que ela, diária, de segunda a sexta no período de quarentena, não necessariamente tenha um horário padrão para rolar, mas até que tem razoavelmente acontecido às 17h, 18h.
A gente avisa aqui e nas redes o horário certo do dia.

Então, hoje, às 5 da tarde, no Stories do @poploadmusic, conversa e música com Jáder, do Mulungu.

E lembrando que as Lives passaram a ficar disponíveis no igtv da conta do Popload Music, para outras revisitações ou mesmo para ver pela primeira vez. Escolha sua opção, mas veja.

>>