Em james:

Curitiba: 319 anos, 319 bandas indies e um festival com 319 peças

>>

* O sul é azul, meu bem. Manchete meteorológica de hoje: “Previsão de geada”. Resultados da rodada: Coxa e Furacão ganharam e embolam com o Tubarão a disputa da liderança do segundo turno do Paranazão 2012. Ok?
Fui ao jogo do Coritiba. Não ia perder a chance de ver o Lincoln e o Tcheco.

* Não, não comi o X-Montanha, hambúrguer tradicional curitibano que não é hambúrguer, mas sim um bolinho de carne amassado (entende a diferença?). Vai presunto e, atenção, tem um risóles no meio. De queijo ou carne, a escolher. Pensa num hambúrguer que não é hambúrguer, com bolo de carne, presunto e risóles de carne. O Morrissey nunca mais vai tocar em Curitiba na vida.

* Peça do dia, no Festival de Teatro de Curitiba: “Deus É um DJ”, adaptação do brother palmeirense Marcelo Rubens Paiva. Tem ainda a peça “Como Conquistar Mulher Sem Dinheiro, Sem Carro e Desempregado em Curitiba”, mas essa já é demais.

* A Popload invadiu o ensaio da banda Subburbia, quarteto da lista “prediletos da Popload” e grande expoente da “onda” dos novos curitibanos, cuja cena tem hoje banda em londres e outra construindo casa para os pobres de São Paulo. O tentáculo curitibano do novo rock é tão grande que quase estou precisando de mala extra para voltar para casa, tantos foram os CDs/DVDs entregues a mim por bandas no James, um dos redutos fortes da noite na capital paranaense. Acho que tem mais banda indie em Curitiba que em São Paulo.
Voltando ao Subburbia, a Popload visitou o habitat da banda, o andar de cima do sebo Taborda Livros Lidos, também de discos ouvidos, onde o quarteto ensaia. De lá, saiu com um vídeo de iPhone do Subburbia tocando “When Trance Was on Fire”. Sinistro.

>>

Popload em Curitiba: terra do teatro (!), do James e dos novos curitibanos

>>

* Vá a Curitiba e me convide.

* A partir de hoje a Popload passa uma curta temporada na capital paranaense, que vira o centro da cultura brasileira por alguns dias, graças ao Festival de Teatro, megaevento nacional que convidou o blog.

Vou aproveitar o rolê para investigar o seguinte:
– essa peça “Deus É um DJ”, dirigida pelo Marcelo Rubens Paiva, é boa mesmo?
– O Keirrison estreia no jogo de líderes Coxa x Londrina ou não?
– O que estão tramando os Novos Curitibanos?
– Cadê o Drunk Disco nesta semana?
– O Subburbia é mesmo uma das melhores bandas indie do país?
– E essa Quick White Fox, banda com TRÊS JAPONESAS e um vídeo-bafo recém-lançado?
– Popload DJ Set no James amanhã, nas comemorações de 9 anos da Quarta Rock, vai ter eletrônico e tudo bem?
– Como está a onda das muitas bandas-cover de muitas bandas indies legais?
– E esse show do inglês Steven Severin dentro do Festival de Teatro do Curitiba. O cara foi um dos fundadores do Siouxsie and The Banshees, parceiro do Robert Smith e está no festival para apresentar um espetáculo chamado “Music for Silents”, que é tocar com importantes filmes mudos passando ao fundo.

* Show me your teeth, Curitiba!

A banda Quick White Fox, da movimentada cena dos novos curitibanos, que tem três japoneses e um baiano. É a composição mais “diferente” da cidade desde o Bonde do Rolê, que tinha três curitibanos fazendo funk carioca

O inglês Steven Severin, membro importante do pós-punk inglês dos anos 80, fundador do Siouxsie and the Banshees, se apresenta no Festival de Teatro de Curitiba botando som em filme mudo

>>

James no Brasil. 30 de abril. Cine Joia

>>>

A Popload avisou mês passado, eles confirmaram data, mas ainda não tinham divulgado o local. Agora está tudo certo: o JAMES, um dos grupos mais legais da história musical rica dos britânicos, bandeira de Manchester, traz seu rock influenciado pelos Smiths ao Cine Joia, dia 30 de abril.

De acordo com o site oficial da banda, a venda de ingressos deve começar amanhã, dia 7 de março.

Senta perto de mim. JAMES em São Paulo, em abril

>>

* Eu sei que a referência no título, que evoca o hit “Sit Down”, não é tão claro assim, mas…

* A prezada banda inglesa James, que esta armando shows na América do Sul, finalmente fechou com o Brasil e anuncia em seu site um show único em São Paulo, ainda em lugar a definir. A data é 30 de abril. Atração também do Coachella 2012, o James foi formado em Manchester nos anos 80, influenciado pelo rock inglês lindo da época, principalmente pelos Smiths. Mas alcançou o “estrelato tipo Oasis” antes do Oasis, no começo dos 90. Pelo que se acompanha no Youtube, em relação ao gás da veterana banda hoje em dia, o show vai ser bom. Vem, James.

Uma das minhas músicas favoritas do James é tranquilinha e combina com os posts do Dia dos Namorados: “Lose Control. A música é beeeeeeeeem Manchester.

>>

Status da história do James no Brasil: “quase fechado”

>>

* Segundo o vocalista Tim Booth, em papo com uma brasileira no Twitter neste final de semana, o lance de a veterana banda James, de Manchester, tocar em abril no Brasil (o grupo está confirmado no Chile), “está quase fechado”. Pela pouca experiência que eu tenho nesse ramo de “negociações”, quando um artista diz isso em tal situação é porque…

* Eu tenho até um palpite de onde pode acontecer esse show, se rolar mesmo. Mas vamos aguardar confirmar, o que deve ser nos próximos dias.

* O James toca ainda no Coachella 2012, no mesmo mês. Aqui embaixo, outra das minhas músicas preferidas da banda, “Hymn from a Village”, tocada no Royal Albert Hall, em Londres, em novembro do ano passado. Com orquestra.

>>