Em jarvis cocker:

Top 10 Gringo – Parquet Courts dance pega o primeiro lugar. É um problema? Tem banda australiana e cantora belga no pódio. É estranho?

>>

* Caramba, e a vontade de sair dançando sem máscara pela rua que dá esse disco novo “dance” dos punks do Parque Courts? Talvez seja empolgação exagerada da nossa parte, mas esse é o espírito da coisa. E essa empolgação segue pelas músicas seguintes da playlist, que está especialmente com um toque francês nesta semana, pode reparar.

parquettopquadrada

1 – Parquet Courts – “Walking at a Downtown Pace”
Estamos diante de um dos discos do ano, será? A gente fala isso para vários, sabemos, mas é que o Parquet Courts voltou com tudo em “Sympathy for Life”. Potente, diferente e (por isso) criativo, o álbum todo anima qualquer ouvinte, faça o teste. É a banda dançante como nunca. De olho no movimento da rua, esta canção aqui, em especial, escrita antes da quarentena, já parece sonhar com o fim dela: “Estou fazendo planos para o dia em que tudo isso acabará”, abre a canção, que segue: “Vendo meu caminho ali, ouvindo a musica que vou cantar”.

2 – The Goon Sax – “In the Stone”
Banda australiana cruza o oceano e se destaca na América do Norte. Essa história já conhecida parece estar rolando desta vez com o trio Goon Sax, da “outsider” Brisbaine (ufa, não é ooooutra de Melbourne), formada por dois rapazes no baixo e guitarra e a loirinha Riley Jones na bateria. Aliás, eles nem precisaram cruzar mar algum para mandar um sessão para KEXP, de Seattle, que está bombando e fez a gente ficar de cara com o álbum “Mirror II”, terceiro deles. A dinâmica das vozes masculina e feminina e a produção quase lo-fi podem te agradar. Abra um bom espaço aí para a Goon Sax entrar.

3 – Angèle – “Bruxelles Je T’aime”
Manja aquele gif “Vem aí”? Pois vem aí a próxima Dua Lipa. A belga Angèle participou de um feat. com a diva britânica e agora ensaia suas próprias conquistas. Seu novo single, uma declaração de amor à capital de seu país. A França já aprendeu a amá-la. Questão de tempo para o resto do mundo.

4 – Lana Del Rey – “Dealer”
Nunca entendemos essa história da Lana Del Rey com o Last Shadow Puppets, o duo de Miles Kane e Alex Turner. Real ou não, algumas músicas dessa parceria aparecem neste novo trabalho dela, “Blue Banister”. Elas são “Thunder” e “Dealer”, essa última que conta com a participação de Miles e tem bem a cara do trabalho do Last Shadow Puppets. E, claro, tem a Lana se entregando nos vocais como poucas vezes se viu, se esgoelando real. Gente…

5 – JPEGMAFIA – “DIRTY!”
É muito diferente a produção que o rapper do Brooklyn JPEGMAFIA apresenta em “DIRTY!”. Para usar uma palavra que já até esteve mais na moda, é tudo descontruído por aqui: o beat, o grave, as quebras. E tem um verso maravilhoso: “Mama used to bump Luther, no Beatles”, ao avisar que na casa dele rolava mais Luther Vandross, cantor de R&B, que o quarteto de Liverpool.

6 – Jarvis Cocker – “Aline”
O novo filme de Wes Anderson tem um acompanhamento de luxo: um álbum de músicas em francês cantadas por Jarvis Cocker, eterno Pulp. Pelo que entendemos não é exatamente a trilha sonora do filme, mas caem bem juntos, sacou? No disco, versões de clássicos do cancioneiro francês, coisas de Françoise Hardy, Serge Gainsbourg e Brigitte Bardot. E, sim, esta clássica Aline está linda em “The French Dispatch”. Luxo.

7 – Helado Negro – “Wake Up Tomorrow (feat. Kacy Hill)”
Helado Negro, músico da Flórida, filho de equatorianos, lançou seu sétimo trabalho, “Far In”. Se você ainda não descobriu o som do cara, vale dar uma sacada nesta canção quase meditativa ou na sacudida “Gemini and Leo”. A voz confortável de Helado, que na real se chama Roberto Carlos, é um convite ao relaxamento. E suas músicas trazem essa boa vibe.

8 – Hand Habits – “More than Love”
Meg Duffy, a pessoa por trás do Hand Habits, emplaca aqui mais um belo trabalho. Guitarrista de estúdio de mão-cheia, sabe para onde levar suas próprias canções. “More than Love”, ou “Mais Que Amor”, em tradução livre, abre de maneira magistral e deliciosa seu álbum “Fun Home”, que deve levar seu som das playlists folk (???) para playlists mais indie com toques eletrônicos.

9 – Duran Duran – “Give It All Up (feat. Tove Lo)”
Que saudades da Tove Lo e do seu hit “Stay High”. Simbólico que o clima de sua participação nesta nova faixa da clássica banda Duran Duran em disco novo dos ingleses seja baseado em seu hit, ainda que sutilmente. Funciona que é uma beleza, mesmo que esse clima seja mais de reflexão até um refrão épico.

10 – Elton John – “One of Me (Lil Nas X)”
Feito de pedaços da produção de Elton John durante a quarentena, “The Lockdown Sessions” tem de tudo. Músicas originais, covers, remixes e a excelente participação de Elton em “MONTERO”, de Lil Nas X. Sim, ele simplesmente pegou a faixa já lançada e tascou no seu novo álbum. A gente reaproveita o reaproveitamento de Elton e volta a dar destaque para o Lil por aqui, um dos melhores do ano.

***

***

* A imagem que ilustra este post é da banda nova-iorquina Parquet Courts.
* Este ranking é formulado pelo duo Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Popnotas – Arcade Fire lança música de meditação. H.E.R., lutando por você e pelo Oscar. Pet Shop Boys fazendo Blur no Brasil. E o Jarvis Cocker indo pro Reggae

>>

– Nesta semana o apresentador de TV americano Jimmy Fallon está levando atrações musicais com a pegada Oscar. Na terça ele botou em performance a linda Celeste, com a música dela que concorre à canção original pelo filme “Os 7 de Chicago”. Antes ainda, na segunda, a cantora H.E.R. apareceu para interpretar sua “Fight for You”, outra que briga na mesma categoria do prêmio da Academia, esta pelo ótimo “Judas e o Messias Negro”, de Shaka King. H.E.R., nome artístico da talentosa Gabriella Wilson, 23 anos, escreveu a canção especialmente para o filme. E a performance dela no Fallon foi bem classe. Ela começa cantando na bateria solitária, num corredorzão de um galpão, levanta, sai dançando e vai encontrar a banda gigante e feliz dela num outro ambiente.

***

– O dândi Jarvis Coker, que um dia fez música para pessoas rycas que só queriam ser gente comum quando liderava o incrível Pulp, tem esse projeto dele chamado Jarv Is… Sem esquecer as reticências, senão ele fica bravo. Em julho do ano passado, mundo afundado na pandemia em suas primeiras ondas, o Jarv Is… lançou seu primeiro álbum, “Beyond the Pale”. Umas lives aqui, umas aparições na TV ali e foi isso. Agora, do mesmo álbum, que tem só sete músicas, ele surge com mais um novo single, para a faixa “Swanky Modes”, que na verdade vai além da canção que está no disco de estreia. Para este single mexido, Jarvis chamou o pioneiro do reggae Dennis Bovell, para remixá-la. “Swanky Modes” ficou bem mais substanciosa, digamos. O single tem três versões: esta original “interferida”por Bowell e duas enchardas em dub, já que estamos falando nisso. Dá para ouvir todas de algum jeito por este caminho aqui.

***

* Esta eu não lembrava. A gente vem falando por aqui, o sempre importante duo britânico Pet Shop Boys lança agora no dia 30 de abril o CD duplo e DVD “Discovery: Live in Rio 1994”, baseado em apresentação nos anos 90 na casa de shows Metropolitan, no Rio de Janeiro, material que só saiu em VHS há muitos anos e acharam de escarafunchar na pandemia para dar um movimento nos lançamentos. Neil Tennant e Chris Lowe têm divulgado no Youtube da banda uns vídeos dessa performance especial que nos diz tanto. E nesta semana botaram lá, desse show no Rio em 94, eles fazendo “Girls & Boys”, do Blur. Apenas.

***

– O Arcade Fire (foto na home) fez uma música instrumental de meditação de 45 minutos. Esta é a nota. Na verdade, a banda canadense criou a obra musical “Memories of the Age of Anxiety” especialmente para o app Headspace, aplicativo criado para ajudar a meditar e a “limpar a cabeça” das nóias diárias principalmente na hora de dormir. Dentro das muitas seções do Headspace tem uma área de playlist, curada pelo famoso músico e ator John Legend, que além do mais é filantropista. A “Memories of the Age of Anxiety” do Arcade Fire está dentro dessa área do app. Com uns “três álbuns novos escritos”, segundo o líder do grupo, Win Butler, o Arcade Fire está esperando a poeira da covid baixar, para se mexer (mais). A banda não lança álbum desde 2017, quando soltou o “Everything Now”. Por enquanto o negócio é meditar. A faixa de 45 minutos só pode ser ouvida toda ela no app da Headspace. Mas aqui embaixo tem um mísero trechinho.

>>

Sextou total. Hot Chip lança vídeo mais alegre deste ano triste. Com o Jarvis Cocker e um monte de menininhas zoando

>>

hot1

* Música nova da banda electroindie Hot Chip, um dos grupos que mais botam os quadris para balançar na música já faz alguns (muitos) anos, é sempre celebração. Então toma “Straight to the Morning”, single novo que tem participação do dândi Jarvis Cocker (Pulp) e mostra uma reunião bem feliz, digamos, de umas garotas amiguinhas, na casa de uma delas, quando os pais deram uma saidinha.

Ok, não tem existido pista de dança atualmente, mas “Straight to the Morning” é perfeita para uma delas, nem que seja particular, em casa. A música já aponta para o próximo disco do grupo de Londres, que vai sair em 2021 para suceder “A Bath Full of Ecstasy”, de 2019, cujo show veio para o Popload Festival.

Parece que o vídeo tinha como meta trazer a Dua Lipa para interpretá-lo, mas parece que não deu. E veio o Jarvis: “Essa foi a última sessão musical em que estive envolvido antes do lockdown. Era muito comovente cantar uma música sobre dançar a noite toda em um clube, sabendo que não seria possível fazer isso no futuro previsível. Nós dançamos bastante pelo estúdio, entretanto. Foi divertido ser membro da Straight Through Crew por um dia”, disse o cantor do Pulp.

Faça um favor para si mesmo nesta sexta ensolarada (São Paulo, pelo menos) e ouça/veja essa delicinha nova do Hot Chip.

>>

Jarvis Cocker chegou para amenizar a quarentena. Ouça o disco de estreia do grupo JARV IS…

>>

020320_jarvis2

Uma das últimas boas notícias do velho mundo foi o anúncio do lançamento do primeiro disco da JARV IS…, nova banda liderada pelo genial Jarvis Cocker. Isso foi lá em fevereiro/março, antes da loucura toda de pandemia.

Previamente anunciado para 1º de maio, o disco de estreia “Beyond the Pale” foi lançado no dia de hoje. No total, são 7 canções inéditas.

A JARV IS… foi formada em 2017 e tem, além de Jarvis, os músicos Serafina Steer (harpa, vocal e teclado), Emma Smith (violino, vocal e guitarra), Andrew McKinney (baixo, vocal), Jason Buckle (sintetizador, sons eletrônicos) e Adam Betts (bateria, percussão e vocal).

>>

Só o Jarvis Cocker salva! Ouça a nova “Save The Whale”, que está no disco de estreia da banda JARV IS…

>>

020320_jarvis2

Poucos dias antes do mundo virar essa loucura que estamos vivenciando, o gênio Jarvis Cocker havia anunciado uma nova banda, um novo disco, um novo tudo.

Nascia a JARV IS…, com reticências e tudo, o seu novo projeto que era grupo e também significava um álbum de estreia, a ser lançado em 1º de maio. Aí veio o coronavírus e mudou (quase) tudo.

“Beyond the Pale” tem 7 canções no total e será lançado agora dia 17 de julho. A boa notícia é o lançamento de um novo single, “Save The Whale”, apresentado até com um vídeo feito por Jarvis na quarentena.

A JARV IS… foi formada em 2017 e tem, além de Jarvis, os músicos Serafina Steer (harpa, vocal e teclado), Emma Smith (violino, vocal e guitarra), Andrew McKinney (baixo, vocal), Jason Buckle (sintetizador, sons eletrônicos) e Adam Betts (bateria, percussão e vocal).

>>