Em John Lydon:

Popnotas – Luedji Luna encontra o Tiny Desk que encontrou o Afropunk. A H.E.R. e o Oscar. A H.E.R. e o single novo. A “Lady” do Marvet. E a pistolada do sex pistol

>>

– CENA – Um delicioso episódio especial da plataforma de shows apertadinhos Tiny Desk foi ao ar sexta, envolvendo a marca Afropunk, famoso selo de mobilizações musicais ligado à cultura negra. Rolou o “Tiny Desk Meets Afropunk“, com uma série de apresentações por quase uma hora de duração, com uma escalação que tinha o trio colombiano ChocQuibTown, a cantora portuguesa de 18 anos Nenny, a porto-riquenha Calma Carmona e a brasileira Luedji Luna (foto na home). A cantora baiana, amiga de Popload Festival, foi a terceira a ter sua performance de três músicas mostrada. Toda de vermelho, dela rolaram “Lençois”, “Erro” e “Chororô”, começando pouco depois do minuto 27.

– Na parte que nos toca deste Oscar 2021, teve a incrível Glenn Close fazendo twerking, o Trent Reznor e o Atticus Ross ganhando por melhor trilha sonora com “Soul” e o longa “Som do Siléncio” ganhar por “melhor som” muito pela ausência de som e pelo ator Riz Ahmed usar no filme a camiseta do histórico grupo de noise alemão Einstürzende Neubauten, com fortes ligações com o Nick Cave. E teve também a pomposa performance na cerimônia da ótima H.E.R., nome de “guerra” da californiana com traços de sangue filipino Gabriella Wilson, 23 anos. Foi num evento do Oscar transmitido antes da premiação em si. H.E.R. acabou levando a estatueta de melhor canção original pelo filme “Judas e o Messias Negro”, de Shaka King. E, em sua apresentação, para variar, ela começa a música, que fez especialmente para o filme, tocando bateria.

H.E.R., parte dois. A oscarizada cantora filipino-americana, que já tocou no Rock in Rio e no Super Bowl, lançou sexta passada uma música nova, “Come Through”, com participação do rapper, dançarino, ator e amigo Chris Brown. A música, um R&B preguiçosamente gostoso, deve compor o próximo disco da cantora, que em 2019 lançou seu último disco, o campeão “I Used to Know Her”. Que fase da H.E.R.

CENA – Nesta terça-feira o carioca Marvet lança o single “Lady”, parte de uma série de movimentações suas chamada “Projeto Três Rios”, para chamar a atenção para a cena artística de sua cidade, que fica no interior do Rio de Janeiro. Já temos o vídeo oficial da música aqui.. Três Rios fica na região de Petrópolis e é um conhecido polo cultural e arquitetônico. “Lady” é o segundo single de um álbum a ser lançado em 11 de maio, exatamente com o nome de “Três Rios”. O disco, gravado ao vivo, tem a produção do conhecido cantor alagoano Wado. Dentro desse “Projeto Três Rios”, além do disco, Marvet colocará no ar, via Youtube, um documentário que abordará não só seu primeiro trabalho solo mas também a cena de Três Rios, com o foco em artistas e produtores locais.

– Treta à vista no seriado dos Sex Pistols que está sendo filmado, com previsão de exibição ainda para este ano (Netflix?). Dirigida por Danny Boyle (“Trainspotting”) e com o nome de “Pistol”, a produção de seis episódios está sendo ameaçada de parar por ninguém menos do que o “trumpista” e ex-vocalista dos Pistols, o podrão Johnny Rotten, ou John Lydon, como queira. Em entrevista à edição de domingo do jornalaço inglês “The Times”, Lydon, trumpista assumido (ok, não vem ao caso. Não?) disse que não foi consultado para ser um consultor (né?) da série, contratado e tals, e achou isso uma afronta. E promete entrar na justiça contra Boyle. Por sua vez, o diretor escocês soltou comunicado dizendo que Lydon não retornou suas últimas mensagens, tentando contado com o pistola dos Pistols. A série é baseada no livro de memórias do ex-guitarrista da banda, Steve Jones, o “Lonely Boy – Tales from a Sex Pistol”, de 2016, lançada dentro das comemorações de 40 anos do punk.

>>

Que punk! John Lydon leva garrafada na testa, mas continua o show em Santiago

>>

150816_lydon1
Um dos ícones maiores do rock, John Lydon passou por uma situação punk (cof) na noite de ontem, em Santiago, “aqui ao lado”. O inglês estava na cidade com sua banda pós-punk Public Image Limited, mas bem que poderia ser um show dos Sex Pistols.

A apresentação foi em um clubinho, abarrotado, mas com um público pequeno em números. Em certo momento do show, John foi atingido por uma garrafa bem no meio da testa. O vocalista começou a sangrar e teve que interromper a apresentação, enquanto fãs tentavam pegar o agressor.

Com o espírito punk em dia, mesmo aos 60 anos de idade, Lydon enrolou uma toalha na cabeça e avisou: “vamos continuar”.

Abaixo registros do momento em que o cantor tenta conter o sangramento e em seguida cantando a clássica “Public Image”, com a toalha enrolada na cabeça. Também uma foto publicada em seu Twitter, após o show.

>>

Glasto 2013: momento "nostalgia" com Smashing Pumpkins, Tim Burgess e Public Image Limited

>>


Entre as mil atrações do Glastonbury, é comum aparecer em meio aos novos nomes a turma que já fez bonito em décadas passadas. Nem só de música nova respira o maior festival de música do mundo, claro. Na tarde/noite de ontem, estava até difícil escolher qual era o melhor show para matar a saudade. Dos anos 90, apareceram dois representantes fortes. O Smashing Pumpkins, ainda na ativa fazendo disco e tudo, arrastou um bom público para seu show. Tim Burgess, nome bem conhecido dos ingleses especialmente por sua carreira com o incrível The Charlatans, também marcou presença. Outro ícone da música britânica, John Lydon, levou o pós-punk de seu veterano Public Image Limited para tocar sob o sol escaldante do Glastonbury.

Domingo no parque.

NME, 60. Semanário britânico lança edição histórica de aniversário e oferece cópia da edição #1

>>

Uma das principais bíblias da música desde que a música passou a ser notícia, o semanário inglês New Musical Express completa 60 anos de publicação neste ano e vem, com frequência, trabalhando pautas especiais que destacam sua vasta e rica história.

Suas famosas listas ganham conotação especial com o “60”. Recentemente, a publicação fez enquetes e listou, por exemplo, as 60 melhores músicas dos últimos 60 anos, além dos 60 maiores ícones da música em seis décadas, também, edição que rendeu capa a John Lennon na semana passada.

Nesta semana, a NME bolou um esquema todo especial de capas alternativas. No total, são 8 capas diferentes para a edição “histórica”, termo que está sendo divulgado pela própria publicação. Estrelam as capas nomes importantes da música ao longo das últimas décadas, segurando edições em que foram destaques. Estão lá os veteranos Paul Weller, John Lydon e Patti Smith, os 90’s Manic Street Preachers, Liam e Noel Gallagher (separados) e os “recentes” The Killers e Arctic Monkeys. Fora isso, a NME diz que preparou essa edição durante meses e que histórias internas da revista serão contadas.

Em anexo à edição, será oferecida uma cópia da issue #1 da revista, publicada em março de 1952!

A NME é uma das poucas publicações que conseguiu migrar com sucesso seu “nome” do conteúdo impresso para a internet na década passada. O NME.com é o site mais visitado no mundo quando o assunto é cultura pop (7 milhões de views/mês). Já a revista, em tempos de internet, circula em numeração bem menor se comparada a quatro décadas atrás, quando vendia cerca de 300 mil exemplares por semana. A tiragem atual é de mais ou menos 30 mil.

Vamos falar mais da NME nos próximos dias.