Em jorja smith:

Popload sorteia dois links para o Glastonbury Festival, que acontece neste final de semana

>>

* No próximo sábado, com a opção de ver o mesmo festival no domingo, acontece na Inglaterra a edição deste ano do majestoso Glastonbury Festival. Acontece na Inglaterra é modo de dizer. Porque ele pode acontecer, essa edição “LIVE AT WORTHY FARM”, dentro da sua casa, já que o evento vai acontecer em “global livestream”

Aí você tem duas opções para “estar” no único Glastonbury possível deste ano. Ou comprar o ingresso (27,5 dólares) para ver Coldplay, Damon Albarn, HAIM, Wolf Alice, IDLES e Jorja Smith, além das falações de PJ Harvey, Jarvis Cocker, Kate Tempest, entre outros, ou tenta a sorte conseguindo AQUI NA POPLOAD, NUM SORTEIO RAPIDÃO.

Vamos sortear dois links para o Glasto Live at Worthy Farm deste sábado, com aviso aos vencedores no fim desta sexta-feira. Para concorrer, basta mandar um email para lucio@uol.com.br solicitando, botando na linha de assunto “GLASTO” e a banda que você mais quer ver, só para sentirmos as predileções. Vamo?

O Glastonbury Live at Worthy Farm deste sábado, para brasileiros, começa às 20h, e terá uma transmissão de CINCO HORAS. Ao faturar um dos dois links do festival aqui na Popload (ou comprá-lo), você opta por ver no sábado mesmo ou ainda no domingo. O link só vale para uma das situações.

UPDATE! Os ganhadores da promo foram Laís Montagnana e André Libério.

>>

Top 10 Gringo – The Vaccines puxa o “ranking do otimismo”. Vem com a gente, com a Jorja Smith, a St. Vincent, o Glass Animals, o Noel, a Olivia Rodrigo…

>>

* Talvez a questão mais importante identificada neste Top 10 seja um indicio de que músicas alegres e otimistas estão na ordem do dia. Dos gringos, no caso. Que já começam a ver uma luz no fim do túnel da pandemia, com galera vacinada e a retomada dos eventos gigantes. Nós ficamos aqui só observando? Por ora, são duas canções muito alegres no ranking, mas não se espante se esse número explodir em breve. Nesta era da música jovem vinculada bastante aos questionamentos da saúde mental, observemos.

justinvaccinestopquadrada

1 – The Vaccines – “Headphones Baby”
No mundo que já tem vacinas (a gente é desse tipo de piadista…) começa a nascer um punhado de músicas extremamente otimistas. Ainda que sejam dias complicados, é a esperança de um retorno às ruas, aos shows. E é nesse perfil que está o novo hit de Justin Young e cia. Talvez eles nunca tenham soado tão pop, tão cantarolável, o que pode alterar o patamar da banda no mundo se a música cair no gosto de todo (o) mundo. E é meio a ideia, se pegarmos os versos: ““Eu quero viver dentro de seus fones de ouvido, baby. Eu quero viver dentro de qualquer mundo em que você esteja”. A gente quer viver dentro desta música.

2 – Jorja Smith – “Addicted”
Após uma excelente estreia, Jorja lança um disquinho que é grande demais para um EP, mas que ainda não é seu segundo álbum. O que for, mantém a excelência musical, voz e bom gosto absurdos. E mais, “Addicted” tem um refrão viciante. Tem classe e é pegajoso, duas coisas que não costumam andar juntas? Mas Jorja consegue o improvável. Na segunda vez que ela canta, você já quer chegar no falsete com ela: “The hardest thing…”

3 – St. Vincent – “…At the Holiday Party”
Complicado escolher uma só do disco novo da St. Vincent. Já destacamos alguns singles aqui antes, que tal algo surpreendente? Vale prestar atenção neste número com gosto country e uma voz que soa muito similar a momentos maravilhosos da Joni Mitchell. Não é a St. Vincent que a gente se acostumou a ver, mas é uma St. Vincent tão legal quanto sempre.

4 – Glass Animals – “Space Ghost Coast to Coast”
É por conta de um vídeo bizarro que a gente resgata por aqui um som de 2020 do adorável Glass Animals. Sempre bom lembrar quanto talento tem na cabecinha do menino inglês Dave Bayley. Que doideira boa é capaz de sair dela.

5 – Sleater-Kinney – “Worry with You”
Sendo uma das bandas mais legais da face da terra, a atual dupla Sleater-Kinney (Corin Tucker e Carrie Brownstein) nem precisa sem esforçar muito para agradar a gente, ainda que, digamos, seu tempo já tenha passado. Será que já mesmo? Nesta nova empreitada, a primeira sem a baterista de longa data Janet Weiss, elas mostram que a possível divergência musical que rendeu o rompimento ainda não está clara, já que a banda manteve sua essência em boa medida. Ou deixamos escapar algum detalhe?

6 – Black Keys – “Walk with Me”
Mestre do blues, David Kimbrough, Jr. quase passou pelo mundo sem o devido reconhecimento. Em seus últimos anos, um documentário resgatou seu trabalho e colocou ele perto de nomes como U2 e Keith Richards. Fãs de seu repertório, a dupla do Black Keys pegou diversas preciosidades do mestre para seu disco de covers. Quem escuta “Walk with Me” sente o quanto a dupla já tentou escrever algo nessa mesma linha.

7 – Green Day – “Pollyanna”
Assim como nosso primeiro lugar, o Green Day escreveu uma ode ao otimismo. A banda também encara a volta à normalidade com uma turnê por estádios a caminho já no verão dos EUA. Pensando aqui qual vai ser a reação dos brasileiros quando notarem que tudo voltou ao normal, menos por aqui… Vai passar!

8 – Olivia Rodrigo – “Good 4 u”
O novo furacão pop, saído do colorido mundo da Disney, dá seus primeiros e grandiosos passos em sua carreira solo. Em seu terceiro single após dois estrondosos sucessos, a pegada é quase roqueira com direito a todos os lugares comuns de um som roqueiro, mas vale curtir a linha de baixo do começo. Nem parece que é um provável hit pop do ano.

9 – Noel Gallagher – “We’re on Our Way Now”
É curioso que Noel já revisite sua carreira solo de apenas três discos em uma coletânea. Ainda que celebre 10 anos de nova estrada, ele precisa disso? Mas, de todo modo, vale pela novidade “We’re on Our Way Now”, uma baladaça ao seu estilo e que parece fazer com o Oasis aquilo que o Oasis fazia com os Beatles, sabe? Aquele monte de deixas que lembram outros sons? Mas nem vale ficar de teoria da conspiração, pois ele recentemente disse que não vê esse retorno da antiga banda no horizonte. Tipo não está a fim, em palavras dele.

10 – Squid – “G.S.K.”
A gente repete o som do Squid aqui mais uma semana para destacar nossa paixão ainda crescente pelo disco de estreia desta banda, que rendeu um post enorme dando uma avaliada na repercussão do som deles pelo mundo – nota alta na Pitchfork, texto na New Yorker, entre outros feitos. Acho que andam lendo nosso Top 10, só pode ser.

*****

*****

* A imagem que ilustra este post é o Justin Young, do Vaccines, animado. Desculpa o trocadilho.
* Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Popnotas – A volta do Lollapalooza (em Chicago). O disco californiano do Bruce Springsteen. O álbum que não é álbum da Jorja Smith. E a semaninha agitada da Olivia Rodrigo

>>

– Vem aí um novo disco do Bruce Springsteen. Seu anúncio discreto rolou na coletiva após ele receber ontem o prêmio Woody Guthrie, em homenagem ao grande músico de folk e ativista político americano, morto ainda nos anos 60. “A Califórnia foi uma enorme influência em alguns dos meus textos durante os meus anos 90, 2000 e até agora”. Em breve teremos um álbum que será lançado e que se passa neste ambiente. Mais alguma informação? Nada. Mas vale lembrar que na premiação Springsteen deu um pequeno show e tocou quatro músicas: “Tom Joad” e “Plane Wreck at Los Gatos (Deportee)”, de Guthrie, e as suas guthrianas (existe essa palavra?) “Across The Border” e “The Ghost of Tom Joad”.

– Parece que o Lollapalooza, o gringo, da matriz Chicago, deve voltar mesmo. É o que apurou a revista “Variety”, que noticia que talvez o evento retorne mesmo em seus moldes tradicionais ainda este ano, no gigantesco Grant Park, de 29 de julho a 1º de agosto. A prefeitura de Chicago já teria dado a liberação de capacidade quase máxima e o anúncio oficial deve rolar nas próximas semanas. A revista entrou em contato com a organização do evento e por lá ninguém quis falar de maneira oficial, embora uma fonte da empresa já tivesse demonstrado otimismo no mês anterior. Se isso acontecer, a própria “Variety” aponta que o Lolla não será o primeiro grande festival a voltar a acontecer em território norte-americano pós-pandemia. Eventos como o Rolling Loud, com capacidade para 65 mil pessoas, de Miami, dever rolar antes.

– Já está entre nós um novo projeto da cantora britânica Jorja Smith. “Be Right Back”, disquinho de oito faixas, ainda não é seu novo álbum, mas é o primeiro trabalho após o sucesso de sua estreia em estúdio, “Lost & Found”, de 2018, que rendeu a ela um Brit Award e uma indicação ao Grammy. “Se eu precisei fazer essas músicas, então alguém precisa ouvi-las também”, justificou Jorja, ao ressaltar que se trata de um interlúdio até seu segundo disco. Para divulgar o novo trabalho, Jorga se apresenta na livestream do Glastonbury no sábado 22 de maio, e de corpo e alma no All Points East, no dia 27 de agosto, em Londres.

– A sensação Olivia Rodrigo, atriz da versão seriada de “High School Musical” e já um certo fenômeno pop nos EUA, soltou hoje seu terceiro single solo, “Good 4 U”. Será que ele repete o grande feito dos singles anteriores? Ainda que impulsionada pela popularidade da série, Olivia foi a primeira artista a estrear seus dois primeiros singles no Top 10 da Billboard Hot 100 (“Drivers License” e “Deja Vu”, ambos deste ano). A semana esteve agitada para os fãs da Olivia. Ela também soltou o trailer de “SOUR”, que será seu primeiro álbum, com todos os hits até aqui e as inéditas “Brutal”, “Traitor”, “1 Step Foward, 3 Steps Back”, “Enough for You”, “Happier”, “Jealousy, Jealousy”, “Favorite Crime” e “Hope ur Ok”. Além de ter se apresentado no Brit Awards, cantando “Drivers License”. Relembra aí.

>>

Top 10 Gringo – girl in red roqueira vai para as cabeças. Jorja Smith dolorida cola no topo. E o Black Keys fecha a trinca com uma novinha dos anos 20

>>

* A gente é meio tradicional das ideias às vezes, gostamos de álbum. Daí a estranheza de uma semana onde nenhum álbum nos impactou. Por isso, o Top 10 desta vez está com muitos singles – que prometem, já que é para botar sob essa perspectiva, grandes álbuns para logo mais. Ou grandes EPs, vá lá. Tudo bem, tem material do disco de releituras do Paul McCartney – que saiu talvez até melhor que o “McCartney III” original, na nossa modesta opinião. Mas, em single ou em disco, a gente garante uma boa seleção semanal. E, principalmente, uma boa e significativa playlist para o momento.

girlinredquadrada

1 – girl in red – “You Stupid Beach”
E seguimos amando o som da norueguesa Marie Ulven, a garota de vermelho. “if i could make it go quiet”, seu álbum de estreia agendando para o próximo dia 30, apresenta mais um single nota 10. “You Stupid Beach”, assim como o último single, a ótima “Serotonin”, vem no embalo indie-rock que parece até som inglês. Longe de ser melosa, lamuriosa. Traz o gás que parece ser a real de girl in red, para além do que projetam em sua música “de menininha”, principalmente pelo séquito especial de fãs que a perseguem. Jogando isso tudo para o alto, “You Stupid Bitch” vai ao rock “puro” mais do que costuma ir Lorde e Billie Eilish, a quem com certa razão gostam de associar sua existência.

2 – Jorja Smith – “Gone”
Saudade do sotaque britânico da Jorja. Aqui ela se derrete em uma música dolorida de perda. Aquele fim de relacionamento que deixa a pessoa sem chão, sabe? Mas tudo isso naquele flow dela que quase chega ao rap, mas ainda é muito cantado, muito interessante, novo e fresco. O que nos empolga é que este é só o segundo single de um EP que ela está preparando para maio.

3 – Black Keys – “Crawling Kingsnake”
“Crawling Kingsnake” é daqueles blues que datam dos anos 20 e que a primeira gravação conhecida é dos anos 40. É nesse pique de ir atrás de relíquias que o Black Keys prepara um disco de covers. Mas tudo tocado daquele jeitão deles, que quem não manja pode até confundir com inédita. E tudo bem também.

4 – Jarv Is… – “Swanky Modes” (Dennis Bovell Remix)
O dândi Jarvis Coker tem esse projeto dele chamado Jarv Is…. Com ele lançou um álbum, “Beyond the Pale”. “Swanky Modes”, um dos sons deste disco, reapareceu em single com três versões: um remix do pioneiro do reggae Dennis Bovell e mais duas encharcadas em dub. Dennis deu um show aqui com seu leve toque que tira a coisa mais reta e caretinha da versão original. Uma provocação leve que dá um outro sabor a música.

5 – Liz Phair – “Spanish Doors”
Sem lançar um álbum novo há 11 anos, a veterana cantora e multiinstrumentista Liz Phair mostra que manteve o fôlego. Em um caldo que mistura, segundo a própria, The Specials, Madness, R.E.M., Yazoo, the Psychedelic Furs, Talking Heads, Velvet Underground, Laurie Anderson e The Cars, temos um bom saldo de seus dias de roqueira e de dias mais pop. Lá atrás Liz ajudou a formar esse rock feminino de posicionamento. Depois observou tudo o que veio. E agora ainda quer dizer, e bem, uma coisa e outra sobre isso.

6 – Chvrches – “He Said She Said”
Os escoceses do Chvrches estão de volta com a primeira inédita desde 2018. “He Said She Said” mantém os parâmetros iniciais da banda quando surgiu, a começar pela voz inconfundível da vocalista Lauren Mayberry. Em outras palavras, um indie feito para as pistas de dança. Aliás, é escutar a música e já imaginar um remix que dê uma acelerada ali ou torne a canção ainda mais chiclete, ainda que o assunto, aqui, seja misoginia daquelas bem pesadas.

7 – Rina Sawayama – “Chosen Family”
Rina encontrou um par perfeito em Elton John para esta letra sobre a família que construímos pela vida em encontros que não são de sangue, mas de algo ainda mais profundo – uma experiência que Elton tem. Além de emprestar sua voz com conhecimento de causa, o veterano Sir britânico ainda adiciona seu piano na música, dando um brilho extra e clássico onde na versão original tínhamos um instrumental mais sintético, digamos. Fino.

8 – Bomba Estéreo – “Deja”
A conhecidíssima e sempre bacana banda colombiana Bomba Estéreo, na real um duo formado por Li Saumet e Simon Mejia que é inchado quando a dupla sai em suas bombásticas turnês dance estereofônicas, está preparando sua volta e soltaram mais um single do álbum que vem por aí. “Deja”, a faixa-título, é um estouro daqueles. Sabe quando os graves tremem? Pois é.

9 – Paul McCartney – “When Winter Comes (Anderson .Paak Remix)”
A versão original da música é um típico McCartney ao violão em uma história do campo. Anderson .Paak chega no rolê com piano e bateria, joga o refrão para o começo da música e está lá: é outra canção quase. E tão boa quanto – sim, acho que comentamos isso em outras versões desse disco de releituras do “McCartney III” aqui, mas é a realidade. Será que o Paul topa dar seus outros discos para o mesmo experimento? É uma ideia. Lembra de creditar a gente, Sir Paul.

10 – White Stripes – “Fell In Love With A Girl (Alternate Take)”
O White Stripes celebra os 20 anos de “White Blood Cells”, seu terceiro disco, e solta um take alternativo da música que colocou eles no mundo – se bem que alguns anos depois outra música ia colocar eles no universo, mas essa é outra história. Uma delícia ver a dupla ainda tateando o clássico, deixando brechas nos versos, passagens instrumentais em dúvida. É como ver um hit no berço ainda. Esta versão ainda não está nos streamings, só no Youtube. Enquanto não chega, vamos com a original na playlist. Depois trocamos.

***

***

* A imagem que ilustra este post é da cantora norueguesa girl in red.
** Repare na playlist. A gente inclui as 10 mais da semana, ou quase isso, mas sempre deixa todas as músicas das semanas anteriores. Pensa no panorama que isso vai dar conforme o ano for seguindo…
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Popnotas – Só as minas e as músicas lindas, estrelando Jorja Smith, Chvrches, Rina Sawayama e Dua Lipa fazendo Arlo Parks

>>

– Deu uma saudade aqui do show da Jorja Smith no Lollapalooza 2019. Aquele clima bom, cair da noite. Um show tão foda que ela conseguiu ressignificar a tão-malhada camiseta da seleção brasileira quando apareceu com o uniforme – a banda inteira, aliás, estava uniformizada. Que bom saber que ela voltou com “Be Right Back”, um EP de oito músicas, que dá sequência ao excelente “Lost & Found”, seu álbum de 2018. Deste projeto, já temos dois singles na manga: “Gone” e “Addicted”. As outras seis músicas saem no dia 14 de maio.

A gente por aqui amou a versão que a Rina Sawayama fez com o Elton John de sua “Chosen Family”. Mais alegria em saber que ela tocou uma versão da música em sua recente participação no “Tiny Desk (Home) Concert”. Só que a apresentação não teve nada de pequena. Foi é com banda completa e até uma seção de cordas. No setlist ainda rolaram “Dynasty” e “XS”. Luxo.

– Que maravilha a cover que a musa pop Dua Lipa (foto na home) fez da delicadeza indie Arlo Parks, para o programa “Live Lounge”, da Radio One, da BBC inglesa. A música que Dua Lipa fez performance foi “Eugene”, do álbum de estreia de Parks, o intensamente belo “Collapsed in Sunbeams”, lançado no final de janeiro. Em seu Stories, Arlo Parks afirmou estar “levitando” enquanto ouve a versão da amiga famosa. “Que momento para uma canção tão calma e pessoal que foi feita na sala da minha casa”, falou Parks.

– Olha quem apareceu. A banda escocesa Chvrches, da pequena vocalista enorme Lauren Mayberry. Lançaram hoje “He Said She Said”, primeira música inédita desde o álbum “Love Is Dead”, de 2018. Mataram o amor e sumiram. “Como todo mundo, tive muito tempo para pensar e refletir no ano passado; para examinar experiências que eu havia antes encoberto ou enterrado. Sinto que passei grande parte da minha vida (pessoal e profissional) realizando o ato de equilíbrio desconfortável que é esperado das mulheres, e fica mais confuso e exaustivo quanto mais velha eu fico”, explica o desaparecimento e o novo single a cantora do trio escocês. A música nova é Lauren enfrentando forte a misoginia. “‘He Said She Said’ é minha maneira de avaliar as coisas que aceitei e que sei que não deveria. Coisas que fingi não me prejudicarem. Foi a primeira música que escrevemos quando começamos a voltar, e a linha de abertura (“He said, You bore me to death”) foi a primeira letra que saiu. Todos os versos são versões irônicas ou parafraseadas de coisas que me foram ditas por homens em minha vida. Ser mulher é exaustivo e seria melhor gritar em uma música pop do que gritar no vazio. Depois do ano passado, acho que todos podemos nos relacionar com a sensação de que estamos perdendo a cabeça.” O Chvrches vem com seu quarto álbum neste ano. O projeto já está sendo chamado de “CHV4”, mas não deve ser o título do disco.

>>