Em Josh Homme:

Após quase duas décadas, Josh Homme reúne time de craques para a retomada do Desert Sessions

>>

Desert-Sessions

Dentre os vários lançamentos musicais que estão acontecendo nesta sexta-feira, temos o aguardado novo LP do Desert Sessions. O projeto liderado por Josh Homme (Queens of the Stone Age) ficou ativo principalmente entre 1997 e 2003, reunindo músicos extraordinários para compor e gravar músicas no estúdio Rancho de la Luna, no deserto californiano. Agora, após 16 anos de silêncio, finalmente sai o sexto LP do projeto – Desert Sessions Vol. 11 & 12.

Como já comentamos aqui, o grande elenco deste álbum contém gente tipo Les Claypool (Primus), Stella Mozgawa (Warpaint), Carla Azar (Autolux, Jack White), Jake Shears (Scissor Sisters), e Billy Gibbons (ZZ Top), dentre outros. Para marcar o lançamento, foi lançado um ótimo clipe animado para a faixa “Crucifire” – com vocais de Mike Kerr (Royal Blood).

Você pode conferir o disco completo no YouTube (com os créditos detalhados de quem toca em cada faixa) e também na plataforma Deezer, parceira oficial da Popload.

>>

Josh Homme reativa a “mixtape mais duradoura da história” e anuncia a volta do Desert Sessions

>>

Desert-Sessions

Dentre os muitos projetos que Josh Homme, líder do Queens of the Stone Age, participou durante os anos, talvez o menos conhecido seja o Desert Sessions. Descrito como “a mixtape mais duradoura da história”, o projeto iniciou em 1997, quando Homme convidou alguns músicos para gravar um disco semi-improvisado no lendário estúdio Rancho de La Luna, localizado deserto californiano. Nos anos seguintes, Homme se reuniu com outros músicos mais algumas vezes, para gravar músicas “só pelo prazer de gravar”, e cada vez saia um par de EPs, comumente agrupados em um LP. De 1997 a 2003, foram dez EPs (ou cinco LPs), contando com músicos tipo Mark Lanegan, PJ Harvey, Dean Ween, Twiggy Ramirez, e praticamente todo mundo que já foi do QOTSA. Dessas sessões, saíram músicas tipo “Hanging Tree”, “Millionaire”, e “Make It Wit Chu”, hoje clássicas do QOTSA.

Pois agora, praticamente 16 anos após o último lançamento, finalmente anunciaram um disco novo – Desert Sessions Vol. 11 & 12. Marcado para lançamento em 25 de outubro, o disco conta com participações de gente como Billy Gibbons (ZZ Top), Jake Shears (Scissor Sisters), Les Claypool (Primus), e Mike Kerr (Royal Blood). No baixo, Matt Sweeney (Iggy Pop), e na bateria, as ótimas Stella Mozgawa (Warpaint) e Carla Azar (Autolux, Jack White), dentre outros nomes. O tracklist, capa e foto da galera reunida, você confere abaixo:

Tracklist
Move Together (lead vocal: Billy F. Gibbons)
Noses in Roses Forever (lead vocal: Joshua Homme)
Far East for the Trees
If You Run (lead vocal: Libby Grace)
Crucifire (lead vocal: Mike Kerr)
Chic Tweetz (vocals: Töôrnst Hülpft, Matt Berry)
Something You Can’t See (lead vocal: Jake Shears)
Easier Said Than Done (lead vocal: Joshua Homme)

>>

Eita! The Raconteurs recebe um novo guitarrista em show na cidade de Los Angeles. O nome dele é Josh Homme

>>

290719_josh_raconteurs2

O palco do famoso Greek Theatre, de Los Angeles, mostrou que está firme após aguentar uma reunião pesada na última sexta-feira, durante show do Raconteurs.

É que durante a apresentação da banda de Jack White e Brendan Benson, atração imperdível do Popload Festival deste ano, quem pintou no palco para dar uma ajudinha aos amigos foi nada menos que Josh Homme, que empunhou sua guitarra e desfilou riffs em “Blue Veins”.

Este foi o primeiro encontro de Jack e Josh em um palco. Antes, White havia sido entrevistado pelo líder do Queens of the Stone Age em seu programa de rádio, Alligator Hour, em uma conversa bastante variada. A torcida agora é para que a troca de figurinhas entre os dois astros do rock continue.

O registro de Josh com os Raconteurs em LA pode ser conferido abaixo. Se o Josh quiser, as portas do Popload Festival estão abertas caso ele queira repetir a dose, tal.

>>

Tributo a Chris Cornell em Los Angeles comove o rock. Veja muitos vídeos

>>

* Aconteceu ontem em Los Angeles, durou mais de quatro horas, no Brasil já era de manhã quando acabou e teve a maior quantidade de gente conhecida da música o evento tributo ao saudoso roqueiro grunge Chris Cornell, ex-Soundgarden e Audioslave entre outras bandas significantes, que se matou aos 52 anos em um quarto de hotel em Detroit, em maio do ano passado. Chamou-se I Am the Highway – A Tribute to Chris Cornell.

O grande show, assistido pela Popload ao vivo via Periscope, alternou entre mostrar os singles esperados e coisas menos óbvias da carreira do Chris Cornell. De cara, as melhores partes: Dave Grohl cantando “Show Me How to Live”, do Audioslave”, Ryan Adams cantando a maravilhosa “Fell on Black Days”, do Soundgarden, e Miley Cyrus (!!!!) cantando “Say Hello to Heaven”, do histórico Temple of the Dog (banda-embrião da famosa cena de Seattle do final dos 80, começo dos 90, aquela em que o Nirvana apareceu em 1991 e BOOOOOM!!. No ano passado Seattle deu a Cornell uma estátua de bronze no imponente Seattle Center, parque de artes que tem a “agulha”).

Captura de Tela 2019-01-17 às 8.27.38 PM

Miguel cantando “Reach Down”, com Temple of the Dog, foi destaque da noite, também. Os Foo Fighters, acima, mandaram três músicas bem lado Z do Soundgarden, o que foi bem interessante. O “Queen” Josh Homme cantou “Rusty Cage” na versão Johnny Cash, interpolando um trecho de “Hand of Doom”, do Black Sabbath, no meio. Metallica tocou duas covers (ruins) de Soundgarden, e inexplicavelmente, tocou duas músicas próprias (why?).

No último segmento da noite, foi o esperado momento do Soundgarden tocar com convidados nos vocais. Taylor Momsen (The Pretty Reckless) e o relativamente desconhecido Marcus Durant mandaram bem em suas respectivas músicas. Taylor Hawkins (Foo Fighters) foi excepcional nas absurdas “I Awake” e “The Day I Tried to Live” – que também contaram com Buzz Osborne (Melvins). Para fechar a grande noite em memória de Cornell, uma bela versão de “Black Hole Sun” com a cantora folk Brandi Carlile, e Peter Frampton na guitarra.

O principal evento deste ano que mal começou e já considero pacas. Entre muuuuitas coisas, teve…

* “The Day I Tried to Live (com Taylor Hawkins)

**

* “Say hello to Heaven” (com Miley Cyrus)

**

“All Night Thing” (com Fiona Apple)

**

* “Show Me How to Live” (com Dave Grohl)

**

* “Fell on Black Days” (com Ryan Adams)

**

* Todas do Foo Fighters

**

* “Hunger Strike” (Brandi Carlile e Chris Stapleton)

**

* “Hunted Down” (meio Alice In Chains, meio Pearl Jam, e Josh Freese, ex-NIN, moendo na batera)

**

* “Redemption Song” (Ziggy Marley e Toni Cornell, filha do Chris Cornell)

**

* “Black Hole Sun” (com Brandi Carlile, e Peter Frampton)

>>

Mad: Josh Homme protesta contra área vip e inicia um pequeno caos no show do Queens of the Stone Age na Espanha

>>

160718_qotsa_slider2

Vamos falar bastante sobre o Mad Cool hoje. Festival que é legal até no nome, a edição deste ano contou com um line-up espetacular, mas foram muitas as polêmicas. Além do Massive Attack cancelando seu show por causa do barulho do Franz Ferdinand em outro palco, Josh Homme comprou briga séria com a segurança e a organização do evento por causa da área vip.

Homme achou o espaço vip à frente do palco muito grande e “convidou” a galera da pista comum para invadir o espaço. “É melhor deixar aquelas pessoas entrarem. Não toco enquanto vocês não fizerem isso. Hoje vocês trabalhar para mim. Isto é um show do Queens of the Stone Age e vocês podem fazer o que vocês quiserem. Deixem-nos entrar. Olhem bem para mim. Ou deixem que eles entrem ou eu vou aí buscá-los”, disse o vocalista, durante a execução de “No One Knows”.

Logo depois, Josh emendou. “A razão pela qual pedi para abrirem a área é porque estou cansado de todo mundo dizendo a todo mundo o que fazer. Estou cansado de todo mundo se sentir ofendido. Viajamos milhares de quilômetros para tocar na sua festa, para dar a vocês uma noite inesquecível. E não vamos embora enquanto vocês não estiverem chapados, dançando, se pegando com alguém e tendo a melhor noite das suas vidas. Caso contrário, vocês são todos um bando de animais domesticados”.

Depois da convocação em tom até de ameaça, a segurança, a contragosto, liberou o espaço para o povão. Parte do incidente pode ser visto abaixo, separado. Tem também o show completo, em imagem profissional. O show começa no minuto 4:30 do vídeo.

>>