Em jp:

CENA – A boa onda do Glue Trip passa por SP no domingo. Show é no Z. E com o JP

>>

* SP, Z, JP.

1 - cenatopo19

No domingo mais movimentado do ano em São Paulo, aparentemente, guarde sua energia para o programa mais alto astral da data, que vai rolar das 18h às 22h no clube Z, no Largo da Batata, a região mais agitada da cidade hoje. (Ok, aqui não vamos contar com a festa do Palmeiras, que também promete ter o astral elevado. Só para não misturarmos assuntos.)

Captura de Tela 2018-11-30 às 5.55.57 PM

O Glue Trip, banda de psicodelia paraibana (toma essa, Tame Impala!), se apresenta na festa mensal CENA. O show, sempre bom deles, pode ser encarado como um outro lançamento em São Paulo do discaço “Sea at Night”, o segundo álbum do quarteto, que saiu em setembro e do qual já ouvi gente dizer que é tipo uma mistura praieira e malemolente de Daft Punk com Disclosure e Unknown Mortal Orchestra. Ok?

A abertura fica à cargo do músico mineiro JP Cardoso, com banda de notáveis no suporte, ameaçando tocar música nova inclusive.

Quem vamos?

Captura de Tela 2018-11-30 às 5.49.35 PM

>>

POPLOAD SESSION e CENA apresentam… JP

>>

image (2)

cena

A gente na vida comete falhas, e no ano passado eu cometi duas. Duas bem feias. Por causa da memória corroída deixei fora da lista dos dez melhores de 2016 os álbuns que talvez foram dois dos cinco melhores discos de 2016, o que diria entre os dez. Dois do Top 3, até, pensando bem, agora com esse olha de meio de 2017. São os discos “Boca”, da veterana dupla indiedance-gostosa NoPorn, e “Submarine Dreams”, álbum de estréia do novinho músico mineiro JP Cardoso, ou apenas JP, que fez tudo sozinho, com a little help from his friends. Inclusive ele fez até os pedais das guitarras que usou para compor seu primeiro disco. Enfim, quando lembrei num recap já era tarde demais. E eu esperei bastante uma oportunidade para fazer esse mea-culpa. Ei-lo.

JP Abril de 2017 por Mancha Leonel 3

Vida que segue, JP (acima) agora retorna a este espaço para uma triunfal Popload Session, gravada em São Paulo, mais especificamente “fora de” São Paulo, em Cotia, no estúdio Casa do Bóris, que pertence ao grande Sérgio Ugeda. Bóris é seu cachorro branco, que faz participação especialíssima nos vídeos da session de JP. O rapaz de Belo Horizonte, diferentemente da gravação de seu disco, que saiu pelo selo mineiro-belga La Femme Qui Roule, não está sozinho na performance especial ao vivo para a Popload, de duas faixas de seu belo “Submarine Dreams”.

Ajudam o JP nesta Popload Session, no desempenho ao vivo das incríveis “We Can’t Forget” e “Jackie Chan”, a seguinte trupe das boas: na bateria, o Mancha Leonel, da Casa do Mancha. Na guitarra e no backing vocal, Cido, parceiro de JP, que inclusive bota umas guitarras em “Submarine Dreams”. E no baixo Diogo Valentino, do grupo carioca Supercordas. Em “Jackie Chan”, aliás, o próprio Sérgio Ugeda participa da percussão.

A banda acima, inclusive e a propósito, vai dar suporte à tour que JP arma a partir deste domingo, na Casa do Mancha, em São Paulo, às 17 horas. Retorna a Minas Gerais para três apresentações, passa por Brasília e termina no grande festival Bananada, em Goiânia. Depois dos vídeos, o cartaz da turnê do JP.

Agora, ele em ação. Senhoras e senhores, com vocês… o talentosíssimo JP.


** As fotos de JP que ilustram este post e a home da Popload são de Mancha Leonel. Você pode conferir o músico ao vivo na turnê destacada abaixo, em seu cartaz:

JP-Sky-Tour

>>