Em jup do bairro:

Top 50 da CENA: E a liderança do ranking é do primeiro grande hino de 2021. Que na real é de 2017. Sabe qual?

1 - cenatopo19

* Um som de 2017 na liderança de um ranking que puxa as novidades da semana (de 2021, no caso)? Talvez essa seja a pergunta que está na sua cabeça neste momento. Está na nossa também, haha. Mas fazer o quê?

Alguém não acredita que “Bum Bum Tam Tam” é a música do ano até aqui? Além do mais, o Top 50 não existia naquela época. Então a gente pode agora dar uma reajeitada na linha do tempo e oferecer um primeiro lugar justo e merecido ao MC Fioti e seu “Melô da Vacina”.

Mas, sim, temos espaço para as novidades costumeiras também no nosso ranking semanal. Mas só algumas. É que o ano ainda segue devagar.

Cadê as músicas novas, pessoal?

3 - 960x960_letrux

1 – MC Fioti – “Bum Bum Tam Tam” (Estreia)
“Bum Bum Tam Tam” é a trilha sonora da vacina, é questão do ENEM, é o funk brasileiro mais popular no YouTube – 1,5 bilhão de plays. É um som histórico. Leandro Aparecido Ferreira, o MC Fioti, representa exatamente o que é “do it yourself” do funk brasileiro. A voz da música foi gravada no celular. A produção e um sample de Bach foram construídos em seu notebook “cheio de vírus”. Gênio é uma palavra que cabe aqui, ainda que numa concepção nada tradicional.

2 – Letrux – “Dorme Com Essa (Delirei)” (Estreia)
Integrantes da banda da Letrux andam revendo o repertório do álbum “Aos Prantos”, no que deve formar um EP chamado “Aos Prantos Pandêmicos”. Nas mão de Martha V, “Dorme Com Essa” ganhou ares acústicos e vozes adicionais. Outro clima mesmo. Tão bom quanto o original.

3 – MC Carol –  “Levanta Mina” (Estreia)
Reclamar que o funk, ou só o funk, é um gênero machista é uma imprecisão. Todos os outros gêneros musicais do país sofrem do problema. E, no funk, a luta por canções feministas está bem ativa. “Levanta Mina” é um som para levantar, mesmo, a autoestima de todas as minas. Petardado da sempre excelente MC Carol.

4 – Marrakesh – “To Comprehend” (Estreia)
Aqui um som do Marrakesh que já circulou nessa listinha quando saiu em single. É que a banda reuniu três singles do ano passado em um EP, “Knots”, lançado semana passada por selo gringo e que traz duas inéditas – que são bem boas também. Esta “To Comprehend” tem um clima irresistível demais. Dá uma chance, se não conhece ainda.

5 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (1)
Nosso disco favorito de funk em 2020. Sim, disco. E conceitual. Em um gênero que ama os singles, Marabu chega com o excelente “Fundamento”. Um álbum que passeia por misturas do funk com outros ritmos apresentando diversos pontos de vistas de uma noite pelas quebradas de SP. “Sereno”, por exemplo, se aproveita de uma clave de funk que também está nos terreiros. Por isso que um Ogã puxa a batida.

6 – Criolo – “Fellini” (2)
30 anos de rap não é para qualquer um. E a experiência parece só fazer bem a Criolo. “Fellini” é em parte isso. Uma intersecção interessante de experiência e experimentação. Como em um filme de Fellini, Criolo consegue dar sentido a diversas pontas soltas, narrativas e ideias. Aparentemente, não há um sentido claro na letra. E, ainda que os ouvintes tirem mil conclusões diferentes, todas parecem friamente calculadas pelo compositor. Trabalho nível grande mestre.

7 – Linn da Quebrada – “quem soul eu” (3)
“quem soul eu” é um som conhecido do pessoal que viu a Linn no palco durante os shows de Trava Línguas, sua experimentação no palco ao lado de BadSista que vai dar em álbum neste ano. BadSista escreveu que criar uma versão definitiva de som que mudava cada vez que rolava ao vivo foi um desafio. A gente devolve que esse desafio foi cumprido com sucesso.

8 – Cambriana – “Induction Bread” (Estreia)
Vacilamos em não dar atenção no ano passado ao novo disco da Cambriana, banda esperta de Goiânia. Também eles não ajudaram – soltaram a novidade no final de dezembro. Mas já estamos apaixonados por essa canção cheia de diferentes climas, momentos, ritmos. Ezra Koenig do Vampire Weekend ligou com invejinha.

9 – Kamau – “Pensei” (4)
Por falar em experiência no rap, parece que “Pensei”, do Kamau, é uma boa reflexão sobre seu trabalho. Sempre calculando, refletindo. Na calma e seriedade de quem não transforma a obra em um mero produto, que nasce pronto para ser consumido e esquecido.

10 – IVYSON – “Trilho” (5)
Bem bonito e delicado o trabalho desse jovem compositor de Recife. No caso desta “Trilho”, do EP “Retalhos”, é uma mera canção cotidiana sobre a morte. Mas, delicadíssima, não cita a “maldita” uma vez sequer.

11 – Maglore (feat. Josyara) – “Liberta” (6)
12 – Wry – “Absoluta Incerteza” (7)
13 – Silva e Criolo – “Soprou” (8)
14 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (9)!
15 – YMA – “White Peacock” (10)
16 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (11)
17 – Edgar – “Também Quero Diversão” (12)
18 – Luedji Luna – “Chororô” (13)
19 – Black Alien – “Chuck Berry” (14)
20 – Vovô Bebê – “Bolha” (15)
21 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (16)
22 – The Baggios – “Mantrayam” (17)
23 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (18)
24 – JP – Essa Mulher Vai Acabar com a Minha Vida (19)
25 – Zé Manoel – “História Antiga” (21)
26 – Liniker – “Psiu” (22)
27 – Ítallo – “O Time da Mooca” (23)
28 – Tuyo – “Sonho da Lay” (24)
29 – Carabobina – “Pra Variar” (26)
30 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (27)
31 – KL Jay – “Território Inimigo” (29)
32 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (31)
33 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
34 – BK – “Movimento” (33)
35 – Vivian Kuczynski – “Pele” (34)
36 – Boogarins – “Cães do Ódio” (35)
37 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (36)
39 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (37)
40 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (38)
41 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (39)
42 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (41)
43 – Don L – “Kelefeeling” (42)
44 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (43)
45 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (44)
46 – ÀIYÉ – “Pulmão” (45)
47 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (46)
48 – Edgar – “Carro de Boy” (47)
49 – Jhony MC – F.A.B. (48)
50 – Djonga – “Procuro Alguém (16)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora carioca Letrux.
** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Top 50 da CENA: Marabu estreia 2021 no topo. Criolo crava seu nome duas vezes nas “dez mais”. Isso porque o ano está só começando

1 - cenatopo19

* 2021 ainda está devagar. Normal. Com pandemia ou sem pandemia, o começo de ano dos brasileiros, na música, geralmente, sempre é menos apressado que os do gringos, que funcionam diferente nesta época do ano. Coisa do clima, coisas de país com Carnaval – se bem que…

Uma certeza é que está complicado colocar trabalhos novos na rua com todas as dificuldades de tempo, espaço e grana. Considerações iniciais feitas, algumas novidades aparecem na nossa primeira listagem do ano. Algumas já de 2021, outras perdidas do fim de 2020.

Vamos assim, devagar.

WhatsApp Image 2020-12-23 at 15.17.15

1 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (Estreia)
Nosso disco favorito de funk em 2020. Sim, disco. E conceitual. Em um gênero que ama os singles, Marabu chega com o excelente “Fundamento”. Um álbum que passeia por misturas do funk com outros ritmos apresentando diversos pontos de vistas de uma noite pelas quebradas de SP. “Sereno”, por exemplo, se aproveita de uma clave de funk que também está nos terreiros. Por isso que um Ogã puxa a batida.

2 – Criolo – “Fellini” (Estreia)
30 anos de rap não é para qualquer um. E a experiência parece só fazer bem a Criolo. “Fellini” é em parte isso. Uma intersecção interessante de experiência e experimentação. Como em um filme de Fellini, Criolo consegue dar sentido a diversas pontas soltas, narrativas e ideias. Aparentemente, não há um sentido claro na letra. E, ainda que os ouvintes tirem mil conclusões diferentes, todas parecem friamente calculadas pelo compositor. Trabalho nível grande mestre.

3 – Linn da Quebrada – “quem soul eu”
“quem soul eu” é um som conhecido do pessoal que viu a Linn no palco durante os shows de Trava Línguas, sua experimentação no palco ao lado de BadSista que vai dar em álbum neste ano. BadSista escreveu que criar uma versão definitiva de som que mudava cada vez que rolava ao vivo foi um desafio. A gente devolve que esse desafio foi cumprido com sucesso.

4 – Kamau – “Pensei” (Estreia)
Por falar em experiência no rap, parece que “Pensei” do Kamau parece ser uma boa reflexão sobre seu trabalho. Sempre calculado, pensando. Na calma e seriedade de quem não transforma a obra em um mero produto que nasce está pronto para ser consumido e esquecido.

5 – IVYSON – “Trilho” (Estreia)
Ainda não pesquisamos muito sobre o IVYSON, nem escutamos o disco todo. Mas é bem bonito e delicado o trabalho desse jovem compositor de Recife. Vamos ouvir esse EP “Retalhos” dele e voltamos com mais detalhes, porque merece.

6 – Maglore (feat. Josyara) – “Liberta” (Estreia)
A Maglore teve uma sacada e tanto. Revistar o baú de canções abandonadas pelo caminho todo mundo faz. A banda quis ir mais longe. Pegou as sobras do seu disco de estúdio mais recente, “Todas as Bandeiras”, e acrescentou participações especiais luxuosas. Essa com o feat. da Josyara levanta a pergunta aqui entre nós: “Quem cortou essa do disco?”

7 – Wry – “Absoluta Incerteza” (Estreia)
Da boa parte em português do álbum “Noites Infinitas” – a parte em inglês é tão boa quanto – se destaca “Absoluta Incerteza”. Não sei se a canção foi escrita antes ou depois da pandemia, mas é bem bom o encaixe de versos como “É louco pensar como vai ser depois, né?”.

8 – Silva e Criolo – “Soprou” (2)
Uma brisa leve. Um som relax onde Silva e Criolo quase que conversam com a música. Um som bom ainda para imaginar que se está indo para a praia neste ano de pouca praia.

9 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (3)
Na revisão de seu primeiro EP, Rico Dalasam abre o espaço onde antes botava uma reflexão sua para que Jup do Bairro mande seu texto. “Existem corpos que nunca viverão o amor de forma horizontal/ Muito cruel, eu sei bem/ Mas talvez esse sentimento criado por vocês/ Não tenha sido para ser vivido em plenitude por todos”. Pá!

10 – YMA – “White Peacock” (4)
Aqui no Top 50 a cena clássica de fim de ano é ver alguém se preparando para o próximo. É o caso da YMA em novo single-maravilha, com direito a sax, lógico, e todo um clima de amadurecimento completo – voz, produção, letra. Vem discão em 2021? Apostamos que sim.

11 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (5)
12 – Edgar – “Também Quero Diversão” (6)
13 – Luedji Luna – “Chororô” (8)
14 – Black Alien – “Chuck Berry” (9)
15 – Vovô Bebê – “Bolha” (17)
16 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (11)
17 – The Baggios – “Mantrayam” (12)
18 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (13)
19 – JP – Essa Mulher Vai Acabar com a Minha Vida (14)
20 – WillsBife, Don L – “Por Minha Conta” (15)
21 – Zé Manoel – “História Antiga” (19)
22 – Liniker – “Psiu” (22)
23 – Ítallo – “O Time da Mooca” (23)
24 – Tuyo – “Sonho da Lay” (24)
26 – Carabobina – “Pra Variar” (26)
27 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (27)
28 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (28)
29 – KL Jay – “Território Inimigo” (29)
30 – Rodrigo Alarcon – “Na Frente” (30)
31 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (31)
32 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
33 – BK – “Movimento” (33)
34 – Vivian Kuczynski – “Pele” (34)
35 – Boogarins – “Cães do Ódio” (35)
36 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (36)
37 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (37)
38 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (38)
39 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (39)
40 – Letrux – “Vai Brotar” (40)
41 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (41)
42 – Don L – “Kelefeeling” (42)
43 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (43)
44 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (44)
45 – ÀIYÉ – “Pulmão” (45)
46 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (46)
47 – Edgar – “Carro de Boy” (47)
48 – Jhony MC – F.A.B. (48)
49 – Djonga – “Procuro Alguém (16)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o rapper/cantor Criolo.
** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Top 50 da CENA: O mesmo artista em primeiro e em segundo lugar? Hein, Criolo? Fora a volta de Jup do Bairro ao pódio e Yma e Ana Frango Elétrico mostrando 2021

1 - cenatopo19

* Este 2020 em seus finalmentes, mas quem disse que a CENA tira férias e nos deixa descansar? Que nada. Temos cinco novidades das boas na lista desta semana. E de nomes grandes, até. Criolo vem em dose dupla, Silva é seu parceiro em uma delas. Jup do Bairro relê um som intimista de Rico Dalasam, enquanto YMA e Ana Frango Elétrico dão as pistas do que pretendem para 2021.
E você? O que você pretende para 2021? Uma boa trilha sonora? A gente vai te ajudar com isso…

1 - top50_yma_feed

1 – Criolo – “Sistema Obtuso” (Estreia)
Se a letra não dá um norte claro do tema, vá buscar no vídeo esse sentido. É o mundo acabando, literalmente. Caos geral. Criolo, que costuma acertar em seus recados (veja em “Menino Mimado” e “Boca de Lixo”), aqui como uma ajudinha do Tropkillaz, dá seu aviso.
2 – Silva e Criolo – “Soprou” (Estreia)
Após a porrada, a calmaria. Uma brisa leve. Um som relax onde Silva e Criolo quase que conversam com a música. Um som bom ainda para imaginar que se está indo para a praia neste ano de pouca praia.
3 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (Estreia)
Na revisão de seu primeiro EP, Rico Dalasam abre o espaço onde antes botava uma reflexão sua para que Jup do Bairro mande seu texto. “Existem corpos que nunca viverão o amor de forma horizontal/ Muito cruel, eu sei bem/ Mas talvez esse sentimento criado por vocês/ Não tenha sido para ser vivido em plenitude por todos”. Pá!
4 – YMA – “White Peacock” (Estreia)
Aqui no Top 50 a cena clássica de fim de ano é ver alguém se preparando para o próximo. É o caso da YMA em novo single maravilha, com direito a sax, lógico, e todo um clima de amadurecimento completo – voz, produção, letra. Vem discão em 2021? Achamos que sim.
5 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (Estreia)
 “Mulher Homem Bicho” conta com uma levada Marina Lima, para ouvir caminhando de máscara e em horário fora de pico na orla de Ipanema. Segundo single da Frango neste ano, a nova canção tem linhas como “Não se assuste comigo/ Sou mulher homem bicho/ Não vem que nao tem/ Sou bruxa e neném”. Parceria de Ana Frango com a grande Ava Rocha. 
6 – Edgar – “Também Quero Diversão” (1)

Lá vem o melhor disco do ano que vem. “Miga. Cansei de explicar que este país tá uma guerra e não uma festa, que entre um mundo e outro somos um portal…”. Repare. Edgar parece falar de um futuro distópico, uma ficção científica absurda inventada. Mas nada pode ser tão real como seu discurso musical. Cada linha de suas letras é de uma riqueza simples natural e absurda. E um tapa na cara. Na cara de quem tem que ser. “Toco um funk bem altoooo!”
7 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (2)
Se o assunto é um funk bem alto, solte aí o som do Marabu. Em um gênero que ama os singles, Marabu chega com o excelente “Fundamento”, um álbum conceitual. Um disco que passeia por misturas do funk com outros ritmos durante uma longa noite lá no Jardim Ângela, quebrada de SP. “Sereno”, por exemplo, se aproveita de uma clave de funk que também está nos terreiros. Por isso que um Ogã puxa a batida.
8 – Luedji Luna – “Chororô” (6)
Resolvemos mudar de música, mas não tirar a cantora baiana do nosso top 10 dentro do Top 50, porque este disco dela… A gente diz aqui, um álbum que fica nos vindo em ondas, como o mar, porque bom mesmo é estar debaixo dessas ondas. “Escolhemos “Choroô” como poderíamos ter pego qualquer outra. Aqui, repare, as coisas mais simples, como esta música, ficam lindas no jeito Luedji de ser. Que rica essa menina.
9 – Black Alien – “Chuck Berry” (3)
Ah, a força das rimas de Black Alien. Ou conhece alguém que aproveita mais os sons das palavras que esse homem? “Mais que o covid, foi o que eu vi de covarde.” A construção engenhosa de Gustavo se faz mais uma vez aqui. Um rap sobre o rock. Era só o que nos faltava. Não falta mais. Incrível.
10 – Hot e Oreia – “Domingo/Presença” (4)
Tarsila do Amaral, Alfredo Volpi, Abdias do Nascimento, Leonardo da Vinci, Caetano Veloso, Nelson Ned, “Bacurau”. Tudo solto assim parecem pontos desconexos demais? Então, dá uma olhada no vídeo do Hot e Oreia para esta música e tudo fará sentido. Daquele jeitão Hot e Oreia de fazer sentido, lógico. Incrível 2.
11 – Sabotage e MC Hariel  – “Monstro Invisível” (5)
12 – The Baggios – “Mantrayam” (7)
13 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (8)
14 – JP – Essa Mulher Vai Acabar com a Minha Vida (9)
15 – WillsBife, Don L – “Por Minha Conta” (10)
16 – Chuck Hipólitho – “Tem Cheiro de Espírito Adolescente” (11)
17 – Vovô Bebê – “Bolha” (12)
18 – Adriano Cintra – “Grow Apart” (13)
19 – Zé Manoel – “História Antiga” (14)
20 – Luana Flores – “Reza” (15)
21 – Anne Jezini – “Faz Escuro Mas Eu Canto” (16)
22 – Liniker – “Psiu” (17)
23 – Ítallo França – “O Time da Mooca” (18)
24 – Tuyo – “Sonho da Lay” (19)
25 – Luna França – “Minha Cabeça” (24)
26 – Carabobina – “Pra Variar” (26)
27 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (27)
28 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (28)
29 – KL Jay – “Território Inimigo” (29)
30 – Rodrigo Alarcon – “Na Frente” (30)
31 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (31)
32 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
33 – BK – “Movimento” (33)
34 – Vivian Kuczynski – “Pele” (34)
35 – Boogarins – “Cães do Ódio” (35)
36 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (36)
37 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (37)
38 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (38)
39 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (39)
40 – Letrux – “Vai Brotar” (40)
41 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (41)
42 – Don L – “Kelefeeling” (42)
43 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (43)
44 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (44)
45 – ÀIYÉ – “Pulmão” (45)
46 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (46)
47 – Edgar – “Carro de Boy” (47)
48 – Jhony MC – F.A.B. (48)
49 – Djonga – “Procuro Alguém (16)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

****

****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é da cantora incrível Yma.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

Melhores discos do ano da POPLOAD, nacional: praticamente um empate triplo, mas a baiana Luedji Luna ficou em primeiro

1 - cenatopo19

* A primeira coisa que me chamou a atenção na hora de decidir quais discos nacionais iam entrar no meu top 10 em particular, quando o comparei com o de álbuns internacionais, foi que eu ia ter que sacrificar mais discos da CENA brasileira em razão de escolher dez do que os álbuns gringos que eu deixei de fora.

Disse isso na edição que foi ao ar hoje do Popcast, o Podcast da Popload, apresentado por mim e pela minha fiel escudeira indie Isadora Almeida.

Nunca tinha me ocorrido isso em mil anos de Popload e rankings e escolhas. A CENA brasileira, claramente, e tendo meu humilde exemplo como… exemplo, está num tamanho gigantesco invejável para qualquer cena do planeta. Apesar de 2020 ter sido um ano tão desgraçado em vários níveis desta mesma CENA.

Doeu bastante em mim fazer este top 10, doeu também na Isadora, soube que doeu também para a semiload Dora Guerra. Deve ter doído bastante para o Vinicius “Top 50” Felix, que demorou demaaaaais para largar suas dez escolhas. Só o poploader Fernando Scoczynski estava tranquilão com a lista dele, que era “Bebel Gilberto mais 9”.

Seguindo o exemplo da nossa postagem de ontem sobre os discos internacionais, se a gente pegar as cinco listas de melhores álbuns de 2020 aqui, chacolhar, misturar, jogar para cima e ver o que bate, o que coincide ou o que maaaais coincide, no posto de álbum do ano segundo as contas da Popload quase deu um empate triplo.

Mas a cantora baiana Luedji Luna, com seu “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água”, acompanhou as tendências e foi eleito por aqui o melhor disco do ano da CENA. Muito perto, empatados, os discos da paulistana Jup do Bairro e do pernambucano Zé Manoel acabaram em segundo. O álbum carioca do Thiago Nassif ficou em quarto. O “disco de ideias” dos goianos do Boogarins pegou o quinto lugar. Repara na riqueza geográfica desta CENA.

Captura de Tela 2020-12-18 às 5.17.52 PM

*****

** Lúcio Ribeiro

1. Jup do Bairro – “Corpo Sem Juízo”
2. Boogarins – “Manchaca Vol. 1”
3. Thiago Nassif – “Mente”
4. Zé Manoel – “Do Meu Coração Nu”
5. Luedji Luna – “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água”
6. Vivian Kuczynski – “N Entendi ND”
7. Chuck Hipólitho – “Mais ou Menos Bem”
8. Giovanna Moraes – “Rockin’ Gringa”
9. Carne Doce – “Interior”
10. Supervão – “Depois do Fim do Mundo”

***

** Isadora Almeida

1. Luedji Luna – “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água”
2. Fleezus, Febem e CESRV – “Brime”
3. Zé Manoel – “Do Meu Coração Nu”
4. Jup do Bairro – “Corpo Sem Juízo”
5. Taco de Golfe – “Nó Sem Ponto II”
6. BK – “O Líder em Movimento”
7. Thiago Nassif – “Mente”
8. Carabobina – “Carabobina”
9. Fabiano do Nascimento – “Prelúdio”
10. Boogarins – “Manchaca”

***

** Vinicius Felix

1. Zé Manoel – “Do Meu Coração Nu”
2. Marabu – “Fundamento”
3. Kiko Dinucci – “Rastilho”
4. Jup do Bairro – “Corpo Sem Juízo”
5. Mateus Aleluia – “Olorum”
6. Mahmundi – “Mundo Novo”
7. Rico Dalasam – “Dolores Dala Guardião do Alívio”
8. Luedji Luna – “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água”
9. Pabllo Vittar – “111”
10. Vovô Bebê – “Briga de Família”

***

** Dora Guerra

1. Luedji Luna – “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água”
2. Thiago Nassif – “Mente”
3. Kiko Dinucci – “Rastilho”
4. Jup do Bairro – “Corpo Sem Juízo”
5. Zé Manoel – “Do Meu Coração Nu”
6. Marcelo D2 – “Assim Tocam os Meus Tambores”
7. Boogarins – “Manchaca Vol. 1”
8. Letrux – “Letrux aos Prantos”
9. Iza Sabino e FBC – “Best Duo”
10. Carabobina – “Carabobina”

***

** Fernando Scoczynski Filho

1. Bebel Gilberto – “Agora”
2. Sepultura – “Quadra”
3. Carne Doce – “Interior”
4. Giovanna Moraes – “Direto da Gringa”
5. Mahmudi – “Mundo Novo”
6. Taco de Golfe – “Nó Sem Ponto II”
7. Luedji Luna – “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água”
8. Deafkids & Petbrick – “Deafbrick”
9. Letrux – “Letrux aos Prantos”
10. Chuck Hipólitho – “Mais ou Menos Bem”

***

** Tallita Alves

1. Luedji Luna – “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’Água”
2. Letrux – “Letrux aos Prantos”
3. Pabllo Vittar – “111”
4. Mahmundi – “Mundo Novo”
5. Linn Da Quebrada – “Pajubá Remix II”
6. Giovanna Moraes – “Rockn’ Gringa”
7. Marcelo D2 – “Assim Tocam os Meus Tambores”
8. Silva – “Cinco”
9. Vivian Kuczynski – “N Entendi ND”
10. Boogarins – “Manchaca Vol. 1”

>>

TOP 50 DA CENA – Luedji Luna reina e a gente tenta explicar por quê. Mais: Chico Bernardes cresceu, o Wry português, Luna França e Ítallo França. O tudo a ver no nada a ver

1 - cenatopo19

* Reparamos que a coisa está no seguinte pé: a cantora baiana Luedji Luna respira, mexe no top 5 do nosso Top 50. Agora ela lançou o discaço novo que ela já tinha lançado, mas desta vez foi para o Youtube (!!!!). Não entendemos nada, mas aceitamos demais. E isso, como é nossa bolsa de valores quando a situação econômica sofre algum abalo de qualquer nível, tem consequências diretas no nosso ranking. Está entendendo? Se tiver, explica para nós.
Nosso jovem Chico Bernardes cresceu, adulteceu. E que bela música ele fez para marcar essa passagem. De resto tem o Wry buscando protagonismo em português, a Luna França buscando protagonismo e ponto, e o Ítallo França (no relation) buscando protagonismo no time de futebol da quebrada dele lá em Arapiraca, Alagoas, mesmo sendo o camisa 2.
Que lindo tudo isso. Que linda nossa playlist da vez!

4 - 960x960_chico

1 – Luedji Luna – “Ain’t I a Woman” (4)
Ainda mais apaixonados pelo disco novo da Luedji, lançado há quase um mês, que fica nos vindo em ondas, como o mar, porque bom mesmo é estar debaixo dessas ondas. Agora botamos ele no primeiro lugar, já que ela insiste em ficar nas primeiras posições do nosso ranking. “Ain’t I a Woman”, uma das muitas boas faixas, e que pega o título do fundamental livro da autora e feminista Bell Hooks, traz o questionamento para dentro de uma história onde um homem esconde seu relacionamento com uma mulher negra. “Por acaso eu não sou uma mulher?”, questiona Luedji. Ao mesmo tempo, a música pode ser lida como uma denúncia mais ampla aos “apagamentos” das mulheres negras na sociedade como um todo.
2 – Chico Bernardes – “Em Seu Lugar” (Estreia)
Com arranjos floreados, a sonoridade do single novo de Chico Bernardes lembra as suas referências, como Fleet Foxes, e traduz uma sensibilidade que vai muito além de seus 21 anos. Desde uma voz mais segura até um violão mais refinado.
3 – Tuyo – “Sonho da Lay” (1)
Você anda sonhando? Ou já acorda apressado e perde o que sonhou? Vai ver a Lay Soares, parte do trio Tuyo, aprendeu com Sidarta Ribeiro, neurocientista que sabe tudo do assunto, a técnica de registrar os sonhos antes de eles sumirem na nossa mente. E transformou isso em canção. E que canção absurda de boa! Tuyo cada vez melhor. O som ainda tem a participação do cantor carioca Luccas Carlos.
4 – Silva – “Passou Passou” (2)
Atualmente entre os gigantes da MPB, Silva visita com esse ska-MPB suas raízes indie. A letra, dele e do irmão Lucas, é uma fofura sem tamanho. Dentro da MPB a caminho do mainstream, Silva é a voz de esperança e de habilidade em seu sentido, porque parece que a música é de fim, mas é de recomeço. E tem um vídeo maravilhoso, em plano sequência. Parece Belle & Sebastian. Com ou sem Anitta envolvida.
5 – Wry – “Uma Pessoa Comum” (Estreia)
“Noites Infinitas”, novo disco do Wry, traz a banda cantando em português em metade das faixas. No caso, em 50% do disco, é o nosso grupo querido de sempre, mas em outra métrica, outra levada, quase uma outra banda. Talvez seja o costume de saber que é o Wry. Problema nisso? Nenhum. Tanto que uma das nossas prediletas está em português.
6 – Luna França – “Minha Cabeça” (Estreia)
Lançamento do selo CENA na área. A gente sempre avisa. Mas nem teria sentido a gente lançar algo que não bate com o nosso gosto, não é verdade? ”Minha Cabeça” muito tem a ver com o momento atípico que estamos vivenciando em 2020 e é um acerto de Luna, cantora, tecladista, compositora e produtora, que já tocou com Tiê, Rafael Castro e Papisa. Ela assume o protagonismo agora e faz bonito. O futuro, dela, é logo ali.
7 – Carabobina – “Pra Variar” (3)
Bem boa a brisa do casal Alejandra Luciani, engenheira de som de primeira, e Raphael Vaz, mais conhecido por Fefel do Boogarins. Um pop torto, eletrônico, ruídos lá e cá, que pega na produção acertada da Alejandra. Para fãs e não-fãs de Boogarins _ mas quem não é fã do Boogarins, hein?
8 – Ítallo França – “O Time da Mooca” (Estreia)
Itallo relembra em uma canção suingada suas lembranças sobre bater uma bola na infância com os colegas. A letra é tão simples quanto rica ao trazer a escalação do time e umas cenas que trazem lembranças: “E eu era a no 02/ de caneta riscada na farda/ a marca da lama da bola/ na parede parda/o pé cheio de ferida”.
9 – Chuck Hipólitho – “Disincaine” (7)
A mão do Chuck para versões é assustadora. Ele pira em uma música e arrepia na sua versão. A da vez é a divertida “Disincaine”, de um outro ex-VJ da MTV, o senhor Gastão Moreira em sua banda R.I.P. Monsters. E o vídeo, feito e editado em pouco mais de uma hora, mostra o capricho audiovisual de Chuck, outra característica sua. Cara bom.
10 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (5)
Parte de uma narrativa multimídia que leva o nome de M8TADATAH, Mahal, que já colaborou com BaianaSystem, Afrocidade e Giovanni Cidreira no EP MANO*MAGO, lança este primeiro som que você só encontra no YouTube. É a porta de entrada de uma história que mescla o real e a ficção e reflete sobre alta tecnologia, extermínio da população negra e a noção de pós-morte.
11 – Lauiz – “Corona Music for Corona People”
12 – Nelson D – “Xenofunk” (6)
13 – Duda Brack – “Toma Essa” (8)
14 – Kiko Dinucci – “Habitual” (9)
15 – Marcelo Callado – “Borboletas” (10)
16 – Tagua Tagua – “Só Pra Ver” (11)
17 – Supervão – “Fim de Nós/Fim do Sol” (12)
18 – Gabrre – “Elephants” (13)
19 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (14)
20 – Pessoas Estranhas – “Rubens” (15)
21 – Autoramas – “Carinha Triste” (16)
22 – KL Jay – “Território Inimigo” (17)
23 – Yannick Hara – “Necropolítica” (19)
24 – RAKTA – “Rubro Êxtase” (23)
25 – Ana Frango Elétrico – “Mama Planta Baby” (24)
26 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (25)
27 – Carne Doce – “Hater” (26)
28 – Rohmanelli – “Toneaí” (27)
29 – PLUMA – “Leve” (28)
30 – Luiza Lian – “Geladeira” (29)
31 – BK – “Movimento” (30)
32 – Vivian Kuczynski – “Pele” (31)
33 – Boogarins – “Cães do Ódio” (32)
34 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (33)
35 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (34)
36 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (35)
37 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (36)
38 – Letrux – “Vai Brotar” (37)
39 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (39)
40 – Don L – “Kelefeeling” (40)
41 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (41)
42 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (42)
43 – ÀIYÉ – “Pulmão” (43)
44 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (44)
45 – Edgar – “Carro de Boy” (45)
46 – Giovanna Moraes – “Futuros do Passado” (21)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

****

****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é do Silva.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>