Em Khruangbin:

Top 10 Gringo – O nome dela é Nilüfer Yanya. Fontaines D.C. ama você. E o Khruangbin bota um certo vocal e fica lindo

>>

* Uma semana daquelas no Top 10, onde vários artistas de porte médio ou até mesmo pequeno, quase desconhecidos, ficam responsáveis pelo barulhão. A gente acha, ou pelo menos tem vontade, que seja questão de tempo para nomes assim estourarem no Brasil, tipo a garota Nilüfer Yanya ou a banda Porridge Radio. Isso nos perguntando aqui se pode-se dizer que o Fontaines D.C. pode ser considerado um “grupo estourado” no Brasil. Outra pergunta que surge numa semana destas é: o que os gigantes andam aprontando nos estúdios do mundo?

nilufertopquadrado

1 – Nilüfer Yanya -“anotherlife”
Estamos apostando alto que a inglesa Nilüfer Yanya vai ficar grandona em 2022. O Coachella está com a gente nessa aposta. Que tal? A fórmula é óbvia quase. Suas músicas são boas, trazem muito em poucos acordes. Sua voz, meio grave e rouca, mas nem tanto, é única. Dessa soma algo está sendo feito que promete balançar estruturas, pelo menos na Inglaterra. Pergunte para gente novamente assim que “Painless”, seu novo álbum, sair no começo de março.

2 – Fontaines D.C – “I Love You”
Banda irlandesa de pós-punk que sai de temas do cotidiano para canções politizadas? Já vimos esse filme? “I Love You” é a primeira música que a turma do Fontaines considera explicitamente política. Política e direto do coração e da emoção, “I Love You”, é uma carta de amor indignada ao país que amam, mas que ainda é capaz de carregar uma história tão cruel com muitas pessoas – brasileiros podem se identificar muito aqui, é só mudar alguns nomes.

3 – Khruangbin e Leon Bridges – “B-Side”
Música instrumental é massa, mas quem nunca escutou uma banda de instrumental e pensou “E se tivesse um vocal aqui?” está mentindo. Daí que é muito especial o encontro de uma banda de rock instrumental legal demais como o Khruangbin, que a gente conhece bem do Popload Festival, com uma supervoz que é o Leon Bridges. A turma texana já tinha se aventurado no EP “Texas Sun” e agora o dia escurece em “Texas Moon”. Delícia de som.

4 – Beach House – “Over and Over”
Agora que está completo o álbum “Once Twice Melody”, a gente tem certeza da impressão que vinha tendo a cada parte que era lançada do disquinho – que chegou de maneira inusitada em quatro partes: temos em mãos um dos melhores álbuns da dupla de Baltimore. É um trabalho muito centrado nas canções, que parecem fortes os suficientes para sobreviverem a um arranjo básico de voz e violão, mas nas mãos da dupla crescem em arranjos marcantes, eletrônicos, orquestrais, não tem repetição. Não é todo mundo que chega no oitavo disco com tanto pique.

5 – Turnstile – “Underwater Boi”
Esta é do ano passado, mas ganhou um vídeo recente e meio bizarro. E a banda vai colar no Lolla mês que vem. Então já viu, né? Temos motivos para jogar ela aqui no alto. Turnstile é de Baltimore como o Beach House acima e seu explosivo “Glow On” é um dos discões do ano passado, caso não tem se ligado. E “Underwater Boi” é das músicas mais legais, conquista por conseguir mostrar a capacidade de variações da banda – indo de um suave pop-indie em alguns momentos para uma guitarra base pesada que poderia estar, sei lá, em um disco Mötley Crüe, sério (lembrou muita a guitarra de “Smokin’ in the Boys Room”). Too much information?

6 – Porridge Radio – “Back to the Radio”
Em 2020, um dos nosso disco prediletos foi “Every Bad”, segundo álbum da banda inglesa Porridge Radio. Imagina então nossa felicidade em saber que a sequência dessa belezinha já está quase por aí? “Waterslide, Diving Board, Ladder to the Sky” vem em maio, para sermos precisos. E o primeiro single da novidade é a catártica “Back to the Radio”, escrita a partir “de um sentimento de solidão intensa e de despreparo para o que todo mundo estava me prometendo”, nas palavras de Dana Margolin, vocalista do grupo. Pense que o grupo estava para “estourar” quando a pandemia pausou tudo: capa da NME, elogiadíssimos em todas as publicações…

7 – Hikaru Utada – “BADモード”
Hikaru Utada é uma artista que nasceu nos EUA, mas filha de japoneses foi ao Japão e começou por lá uma carreira musical de sucesso desde o final dos anos 90. Fez seus discos, trilhas de games e agora está bombando por aí com seu novo álbum, “Bad Mode”. Levou uma boa nota 8 da Pitchfork e acumula críticas positivas em sites como o Rate Your Music, que registra avaliações de viciados em música. A gente foi checar e é divertido mesmo – inventivo em misturar elementos pop com cordas e boas harmonias vocais. Se você nunca se aventurou pelo J-Pop, tá aí uma porta de entrada.

8 – Cities Aviv – “Ways of the World”
Cities Aviv é um rapper americano que quase virou jornalista – ele abandonou a faculdade, sorte a dele. Em sua discografia, que tem larga influência de rap, soul, rock, pós-punk, uma característica que salta aos olhos (ouvidos) é sua maneira meio única de lidar com samples – bem exagerados, como você pode notar neste som onde volumes e loops aparecem de um jeito nada usual. Bom demais.

9 – Banji – “Chills”
É muito comum para nós jornalistas encontramos as bios mais esquisitas de novos artistas. Daquelas que deixam a gente com mais dúvidas que respostas. Daí que é muito divertido quando uma banda que a gente só curtiu um som entrega tanto em sua descrição. Os holandeses do Banji, por exemplo, contam que suas tags básicas são brincalhões, jovens de coração, coloridos e rebeldes e que eles estão prontos para chutar umas bundas com seu híbrido de pop, R&B e electro funk. “Chills” tem que virar um hit global. Atualmente não tem 100 mil plays. Mas vamos aguardar. E torcer.

10 – Tame Impala – “The Boat I Row”
Quase todo o disco de Remixes e lados B de “The Slow Rush”, que chega dois anos após o disco original, já estava por aí em singles. Ainda assim, vale revisitar tudo de novo ou pelo menos sacar as (poucas) coisas que ainda não tinham sido lançadas. É levemente mais do mesmo? Hum, mas isso, no caso do Tame Impala, não é necessariamente ruim…

*****

*****

* A imagem que ilustra este post é da cantora inglesa Nilüfer Yanya, em imagem de Molly Daniel.
** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Paul lança os dados na cena musical e chama uma galera para reimaginá-lo

>>

macca

* Para quem tem acompanhado as redes sociais de alguns artistas, provavelmente viu uma turma boa da música postando um videozinho com dados coloridos.

O mistério acabou hoje à tarde, quando essa mesma galera revelou que se tratava de um álbum de covers do disco mais recente de Sir Paul McCartney, “III”, lançado no final do ano passado, perto do Natal. Que, para quem não lembra, tinha uns dados na capa. Dã.

pauldados

O ex-beatle anunciou o lançamento de um álbum com covers, remixes e, explicando melhor, reinterpretações do seu disco de 2020, que se chamará “McCartney III Imagined”. E os escolhidos para participar deste projeto formam um baita de um time de peso! Phoebe Bridgers, St. Vincent, Blood Orange, Beck, Anderson .Paak, Damon Albarn, Josh Homme, Khruangbin, Robert “3D” Del Naja (Massive Attack), Ed O’Brien (Radiohead), Idris Elba e Dominic Fike. Affe.

Aliás, o esperto Fike protagoniza o primeiro single do disco, revelado hoje, com vídeo. O disco mesmo está previsto para sair dia 16 de abril, mas já temos, então, um gostinho do que está por vir.

***

* O setlist de “McCartney III Imagined”

1. Find My Way (Beck)
2. The Kiss of Venus (Dominic Fike)
3. Pretty Boys (feat. Khruangbin)
4. Women and Wives (St. Vincent Remix)
5. Deep Down (Blood Orange Remix)
6. Seize The Day (feat. Phoebe Bridgers)
7. Slidin’ (EOB Remix)
8. Long Tailed Winter Bird (Damon Albarn Remix)
9. Lavatory Lil (Josh Homme)
10. When Winter Comes (Anderson .Paak Remix)
11. Deep Deep Feeling (3D RDN Remix)
12. Long Tailed Winter Bird (Idris Elba Remix)*
* Faixa exclusiva para o lançamento do disco físico

>>

POPNOTAS – Apeles e Bertoni levam o lindo drama indie ao parquinho, Duran Duran firmeza, Khruangbin e o vídeo remixado, Clap Your Hands Say Yeah novo

>>

– Desde que o The Kills resolveu abrir o baú de memórias da banda na pandemia, ganhamos uma chuvarada de vídeos e músicas inéditas. Nesta semana fomos atualizados com uma nova leva de entrevistas, apresentações e filmagens dos próprios fãs. O acervo está disponível no site oficial da banda. Nesse material, um vídeo novo, para a faixa “The Search for Cherry Red”, do último lançamento da banda, que, como te contamos, está brilhantemente carregado de músicas que estavam engavetadas, B-sides e outras raridades legais. Porque o nome da banda é The Kills.

– Vem por aí um novo álbum da outrora grande banda indie americana Clap Your Hands Say Yeah. “New Fragility”, o sexto disco, chega ao mundo no dia 12 de fevereiro. O primeiro single, “CYHSY, 2005”, acabou de ser lançado. Embora o título da faixa remeta ao ano em que o grupo da Filadélfia conquistou espaço junto à cena de Nova York que tomou o mundo, o clima do som lembra o tom mais sóbrio/adulto que Alec Ounsworth, líder da banda e único integrante da formação original, anda dando aos lançamentos mais recentes do grupo.

simon

– O Duran Duran entra para a lista de artistas que se esforçam para respeitar a quarentena. Porque, a gente sabe, tem um monte de nomes grandes na música que não se esforçam nada, muito pelo contrário. O vídeo para a versão de “Five Years”, que a banda gravou em homenagem aos 5 anos sem David Bowie, é todo montado a partir de gravações isoladas de cada integrante. Alguns deles nem no mesmo país estavam.

– Saudades de aglomerar no show do Khruangbin no Popload Festival, né? A psicodélica banda texana lançou um senhor disco ano passado, “Mordechai”. “Dearest Alfred (MyJoy)”, uma das faixas mais suaves do álbum, ganhou um belo vídeo, dirigido por The Kennedys, um programa de estágio liderado por Preety Mudhar na agência criativa Wieden+Kennedy London, e um remix caprichado do produtor californiano Knxwledge. Aqueles remix que subvertem a versão original, sabe? A versão também ganhou vídeo visualmente remixado dos tais Kennedys, pegando o original e fazendo sobreposições de animação e filmagem, para criar a estética de remix. OK com tudo isso?

– Um feat. de mão dupla da nossa CENA, daqueles que não tem um artista puxando o bonde, sabe? É assim “Ricochet”, uma parceria que é um “clash de indies de respeito” do Apeles e do Gustavo Bertoni (off-Scalene) na composição e na construção da gravação – com ambos na voz, Gustavo no violão e Apeles entre o synth, piano e guitarra. Um vídeo lindão com a participação da atriz Michelle Boesche também já está no ar.

>>

Adorado trio Khruangbin anuncia disco de inéditas para junho e lança a deliciosa “Time (You and I)”

>>

Khruangbin_Press1-800x521

Trio que nos conquistou de vez com uma bela apresentação no último Popload Festival, o texano Khruangbin anunciou que está com disco novinho e pronto.

Chamado “Mordechai”, o projeto estará nas lojas Rough Trade, a princípio, no dia 26 de junho. O disco chega apresentado pelo primeiro single, “Time (You and I)”.

O álbum é o primeiro cheio do trio desde “Con Todo El Mundo”, de 2018. Recentemente, o Khruangbin gravou um EP com o músico Leon Bridges, intitulado “Texas Sun”.

Mordechai – Tracklist
01 First Class
02 Time (You and I)
03 Connaissais de Face
04 Father Bird, Mother Bird
05 If There is No Question
06 Pelota
07 One to Remember
08 Dearest Alfred
09 So We Won’t Forget
10 Shida

>>

Khruangbin e Leon Bridges se unem em EP colaborativo e soltam uma das músicas mais deliciosas do ano

>>

041219_khruangbin2

O incrível Khruangbin, que recentemente passou pelo Popload Festival com show bastante elogiado, se uniu ao talentoso músico Leon Bridges e, juntos, lançarão um novo EP.

Este EP se chamará “Texas Sun” e ele já conhecemos a faixa que dá título ao projeto que terá quatro canções novas. A data de lançamento é 4 de fevereiro.

Tanto o cantor neo-soul quanto o trio de funk psicodélico (e outras nuances) são do Texas, o que deixa o projeto ainda mais encorpado.

“Tentamos não ter muita intenção, porque isso atrapalha o que a música quer fazer. Se você deixar a música fazer o que deveria, ela se revelará sozinha. Tentamos adotar a mesma abordagem com Leon. Para nós, estavámos abrindo nosso mundo para ter outra pessoa nele. Mas tudo parece Texas para mim”, disse a baixista Laura Lee.

O primeiro resultado da parceria de responsa pode ser conferido abaixo.

Texas Sun – Tracklist
01. Texas Sun
02. Midnight
03. C-Side
04. Conversion

>>