Em lana del rey:

Lana Del Rey não brinca em serviço e faz cover delícia de “Doin’ Time”, do Sublime

>>

170519_lana2

Preparando o lançamento de seu sexto disco de estúdio, a musa Lana Del Rey resolveu colocar sua bela voz em uma ótima versão para “Doin’ Time”, clássico da finada banda de ska-punk Sublime.

Mantendo o clima um tanto relax da faixa original lançada em 1996, Laninha deu seu toque “summertime” à canção. “Doin’ Time” saiu no terceiro e último disco do Sublime, homônimo, que estourou mundialmente em coincidência com a trágica morte do vocalista Bradley Nowell, aos 28 anos.

A cantora vai lançar neste ano o aguardado álbum “Norman Fucking Rockwell”, gravado desde 2017, mas que já teve seu lançamento adiado algumas vezes. O nome do disco é inspirado no pintor que, entre sua longa vida nas artes, ganhou fama retratando tanto a cara de presidentes americanos quanto a América Branca Caipira, dessas que vota no Trump. É ao mesmo tempo cafona, supercriticado no meio, e algo cult, depois que morreu, nos anos 70.

Lana disse que via em Norman Rockwell uma “alegria na tristeza” e é isso que dita o ritmo de seu novo disco.

Talvez seja este o caminho encontrado por ela na versão de “Doin’ Time”, disponível abaixo.

** A versão original:

>>

Ainda sem divulgar a data de lançamento de seu novo álbum, Lana Del Rey canta “Mariners Apartment Complex”, ao vivo, pela primeira vez

>>

Foto: Sophia Germer / The Advocate

Foto: Sophia Germer / The Advocate

Aos poucos, a diva Lana Del Rey vai aparecendo para valer na temporada 2019. Com um disco pronto para sair a qualquer momento, ela participou no último final de semana de um evento na cidade de Nova Orleans.

Lana foi uma das atrações do Buku Music + Art Projeto at Mardi Gras, nesta que foi sua primeira apresentação neste ano.

O ponto alto do show foi a estreia ao vivo de “Mariners Apartment Complex”, a primeira canção do novo álbum, “Norman Fucking Rockwell”, que ela liberou no final do ano passado.

Além desta, a norte-americana já divulgou as faixas “hope is a dangerous thing for a woman like me to have – but i have it” e “Venice Bitch”, além de um trecho da canção “Sylvia Path”.

O registro da performance de Lana para “Mariners…” pode ser conferido abaixo.

>>

Feliz ano novo e feliz Lana Fucking Del Rey bombando. Musa indie continua mostrando trechos do disco “Norman Fucking Rockwell”

>>

110119_lana2

Nossa musa Laninha Del Rey começou 2019 com o pé no acelerador. Só nesta semana, ela divulgou uma nova música – “hope is a dangerous thing for a woman like me to have – but i have it” – e ainda soltou o trecho de outra na manhã desta sexta-feira, chamada “Happiness Is A Butterfly”.

A cantora vai lançar dia 29 de março seu sexto disco de estúdio, “Norman Fucking Rockwell”, nome inspirado no pintor que, entre sua longa vida nas artes, ganhou fama retratando tanto a cara de presidentes americanos quanto a América Branca Caipira, dessas que vota no Trump. É ao mesmo tempo cafona, supercriticado no meio, e algo cult, depois que morreu, nos anos 70.

Lana disse que via em Norman Rockwell uma “alegria na tristeza” e é isso que dita o ritmo de seu novo disco.

Os registros podem ser conferidos abaixo.

>>

Os álbuns mais esperados de 2019. Parte 4/6: LANA DEL REY

>>

discos_lana4

Nossa eterna musa Lana Del Rey é a quarta pedida de discos esperados para 2019. Ela andou dando pistas e mostrando de forma oficial e não-oficial trechos de canções que estarão em “Norman Fucking Rockwell”, álbum que ainda não tem data de lançamento definida.

Além de mostrar algumas músicas em eventos, como um da Apple no fim do ano, Lana já lançou os singles “Venice Bitch” e “Mariners Apartment Complex”.

“Venice Bitch” tem tipo DEZ MINUTOS. Uma viagem psicodélica bem californiana. “Eu toquei ‘Venice Bitch’ para meus managers e disse: ‘Então, acho que este é o single que eu quero lançar’. E eles: ‘Você está zoando, né? A música tem dez minutos de duração. E se chama Venice Bitch. Por que você nunca facilita nada para nós? Não rola fazer uma versão dela de três minutos como toda canção pop’?”

Norman Rockwell é um pintor que, entre sua longa vida nas artes, ganhou fama retratando tanto a cara de presidentes americanos quanto a América Branca Caipira, dessas que vota no Trump. É ao mesmo tempo cafona, supercriticado no meio, e algo cult, depois que morreu, nos anos 70.

Lana disse, em entrevista ao Zane Lowe, na Beats 1 (Apple Music), entre muitas coisas e viagens e pirações que o nome é inspirado no artista porque ele esteve na cabeça dela desde maio do ano passado e que não pensou em outra coisa melhor. Que Rockwell passa alguma coisa para ela a captar alguma alegria na tristeza, mesmo achando que o que ele faz é merda, num sentido humanitário, mas dane-se. Lana achou mérito nesse comportamento do retratista dessa América particular.

>>

Hmmm… Lana Del Rey senta no banquinho e mostra duas músicas novas com o produtor Jack Antonoff

>>

061218_lana2

Na noite de ontem, o produtor Jack Antonoff realizou mais uma edição do Antonoff’s Ally Coalition, um evento beneficente na cidade de Nova York. Entre as cantores convidadas, estiveram Taylor Swift, Regina Spektor e Lana Del Rey, que cantou músicas novas e tudo.

Jack é um dos produtores do novo álbum de Lana, “Norman Fucking Rockwell”, que será lançado ano que vem. Na apresentação, a cantora mostrou as já conhecidas “How to Disappear” e “Venice Bitch”, e ainda uma canção country, que, dizem, se chama “Making Me Blue”, e uma segunda, “I Must Be Stupid for Feeling So Happy”.

No palco, a cantora chegou a comentar que o disco novo está quase pronto.

Os registros das músicas inéditas, claro, já começaram a aparecer na internet.

>>