Em lana del rey:

Depois de uns rolês estranhos, Lana Del Rey mulher solta nova música

>>

Captura de Tela 2020-10-16 às 2.31.25 PM

* Depois de um cancelamento rápido nas redes sociais por uma vacilada pandêmica e um audiobook para exercitar na fala seu lado poetisa, a musa californiana Lana Del Rey volta hoje com uma música inédita, a primeira a ser lançada após o lindo “Norman F**king Rockwell”, seu sexto álbum, lançado em agosto do ano passado.

A música se chama “Let Me Love You Like a Woman” e foi escrita e produzida por Lana e seu eterno parça, o Jack Antonoff. Vai estar em seu próximo álbum, “Chemtrails over the Country Club”, marcado para sair em 10 de dezembro.

O vídeo traz o lance “cinematic” de Lana, com as amigas, sinais de Hollywood. A marca dela. Tanto quanto a música.

>>

BBC libera vídeo antigo de Lana Del Rey no Jools Holland. Cantando “Video Games”

>>

* Olha. Nem vamos gastar muito tempo com blablá de post e vamos rapidinho ao vídeo. O programa do britânico Jools Holland, na impossibilidade de gravar mais uma de suas lindas temporadas por conta da pandemia, segue liberando selecionadas performances antigas em seu canal de Youtube, criando a série “Later Archive” do “Later… with Jools Holland”.

Aí chegaram na Laninha Del Rey, de uma apresentação dela da época de seu primeiro grande lançamento, o álbum “Born to Die”, de 2012. Ela cantando maravilhosamente a maravilhosa “Video Games”, em vídeo nunca mostrado oficialmente pelo programa, aparecendo apenas em gravações tiradas da TV, pelo que parece.

Que espetáculo!

>>

De surpresa, Lana Del Rey solta trecho de música inédita e reforça expectativa para o lançamento de um novo disco em setembro

>>

231219_lana2

A musa Lana Del Rey pegou muita gente de surpresa ao postar em sua conta no Instagram o trecho de uma música inédita, abrindo um campo de especulações sobre um novo projeto, já que a própria cantora disse, em maio, que lançaria um álbum no dia 5 de setembro.

“Tulsa Jesus Freak” apareceu em um vídeo curto, com o produtor Jack Antonoff sendo marcado na legenda. Vale lembrar que Jack é um dos principais parceiros da cantora norte-americana.

Este é o primeiro recorte musical de Lana desde o lançamento do disco “Norman Fucking Rockwell!”, feito ano passado. Recentemente, a cantora lançou um audiobook de sua colação de poemas, chamado “Violet Bent Backwards Over the Grass”.

Ver essa foto no Instagram

Tulsa Jesus freak @final_garden @jackantonoff

Uma publicação compartilhada por Lana Del Rey (@lanadelrey) em

>>

Laninha Del Rey declamando suas poesias. Vai nessa?

>>

* Hoje tem lançamento da Lana Del Rey, mas é um pouquiiiiiiinho diferente. Finalmente vai sair a decantada primeira obra de poesia chamada “Violet Bent Backwards over the Grass”, com ela fazendo a leitura interpretativa, o spoken word. “Grass” ganha lançamento como audiobook, livro, ebook, CD e vinil em muitos formatos. Até K7 vai ter. Tudo à venda pelo site dela.

Captura de Tela 2020-07-28 às 11.30.24 AM

São 14 poemas com performance de Lana, acompanhado pela música incidental, meio jazzy, do produtor Jack Antonoff, parceiro dela que a ajudou na produção e em algumas letras do incrível “Norman Fucking Rockwell”, seu disco do ano passado. Combina muito.

Consegui ouvir apenas três dos 14 poemas-contos de “Violet Bent Backwards over the Grass”. Todos lindos de morrer. E, pelo que eu li, o mundo musical todo está adorando o livro-disco.

Um deles, com a devida interpretação de Lana, “LA Who Am I to Love You”, está no Spotify. Se você arranha no inglês, vale entrar no mundo sofrido da cantora californiana nesta fase poetisa. O climão Lana del Rey está todo lá.

“LA, not quite the city that never sleeps
Not quite the city that wakes,
but the city that dreams, for sure
If by dreams you mean in nightmares

LA, I’m a dreamer, but I’m from nowhere,
who am I to dream?
LA, I’m upset, I have complaints, listen to me”

Amei uma linha que o “New Musical Express” botou em texto, na resenha deste “Violet Bent Backwards over the Grass”.

“Se você um dia quis ter a Lana del Rey lendo uns contos para você na hora de dormir, esta é ua chance.”

Vou lá correndo comprar o meu!

>>

Glass Animals e a quarentena criativa. Covers legais, recomeços e um vídeo novo que vai explicar o mundo

>>

* Mais um para a turma que resolveu inventar algo novo durante a quarentena, o simpático quarteto de indie-eletrônico inglês Glass Animals, na verdade seu líder, Dave Baylay, tem aproveitado seu confinamento em estúdio, em Londres, para arriscar algumas covers bem… bem… caseiras, por falta de uma palavra mais precisa. E não deixam de ser ótimas.

Em mensagem no canal de Youtube da banda, e nos próprios vídeos das covers, Bayley diz que está aceitando ideias e sugestões de covers.

Captura de Tela 2020-05-06 às 9.17.20 AM

O primeiro “episódio” dessas versões começou lá em março com a icônica “Heart-Shaped Box”, do Nirvana. Na sequência já rolaram “Young & Beautiful”, da young and beautiful cantora americana Lana del Rey, entre outras. Até mais recentemente teve a dançante-sexy “Hotline Bling”, do rapper canadense Drake, postado uns dias atrás e com uma convidada na linha “live de Stories”, dividindo a tela: a cantora-revelação britânica Arlo Parks.

Os vídeos são bem despretensiosos e bacanas de ver, como se você fosse amigo de Bayley e estivesse ali na casa dele. A primeira das covers, a do Nirvana, começou com o celular gravando em vertical, depois passou a horizontal, ocupando a tela cheia, porque alguém deve ter dado um toque nele que assim ficaria mais legal. Mas por algum motivo ele voltou a gravar na horizontal, haha.

Há todo um preparatório nas sessões até o músico do Glass Animals chegar às músicas em si. Um papinho, uma passagem de som, um teste aqui e ali, outro papinho. Fofo.

O grupo de Oxford se prepara para o lançamento do seu terceiro álbum, “Dreamland”, previsto para julho deste ano. Também recentemente, e no meio das covers todas, Bayley usou esse mesmo estúdio, mas com assessoria distante de uma produtora, para gravar o novo vídeo do Glass Animals, para a faixa-título “Dreamland”. Música e vídeo bem bons.

Tal qual os vídeos simplões das covers, mas no fim excelentemente bem produzido com os recursos que se tinha na hora, o lado visual e oficial de “Dreamland” mostra a preparação para a gravação, um verdadeiro making of bem divertido. No final, aparecem os créditos das filmagens, da ideia, concepção, direção, decorador, operador de câmera, elenco e tudo o mais. Todas as funções técnicas trazem um nome só: Dave Bayley. Daqui uns anos, esse vídeo do Glass Animals vai poder explicar o mundo, sob um certo ângulo.

O Glass Animals já estava em turnê antes da pandemia e fazia parte do line-up do cool “All Points East”, festival de Londres, que obviamente foi cancelado. A tour + lançamento do disco novo, que haviam começado em fevereiro antes de o mundo parar, marcaram a volta do baterista Joe Seaward à banda, ele que se feriu gravemente em 2018 em um acidente de bicicleta na Irlanda. Seaward passou por duas cirurgias complicadas na cabeça, como resultado do desastre, além da perna com fraturas expostas. Ele teve que aprender a falar, ler e andar novamente. E tocar, claro.

O Glass Animals, as covers e o incrível vídeo de “Dreamland”:

>>