Em lava divers:

Top 50 da CENA – Olha o Vovô Bebê no topo do Top. Mais Young Lights, o Flu e MC Loma. Tem até Sepultura entre as dez +

>>

1 - cenatopo19

* Prontos para o Top 50 da semana? Já deu para entender o nosso ritmo, não? Estamos aqui para te falar do que andamos ouvindo, uma playlist sem robô, feita na mão. Do que chegou a nós e gostamos, por alguma razão. E, dentro desse gostar, montamos um ranking que não é exatamente uma competição, e sim uma conversa sobre as músicas que na semana nos impactou de alguma forma, nos fez falar entre nós, discutir, ponderar aspectos, estilos, ritmos, momentos.

Nesta semana destacamos o lançamento do disco do Vovô Bebê, um bom lançamento da CENA carioca, e também novidades de um medalhão, tipo o Sepultura. Quem fuçar na lista vai ouvir artistas ainda por serem descobertos, até por nós, que gostamos de um som deles e agora vamos atrás de outros para saber mais.

Sempre lembrar que estamos no Deezer e no Spotify em formato de playlist, com este Top 50. Bonitinho, na ordem. Certo?

Vamos logo a ele, então.

novovovo

1 – Vovô Bebê – “Êxodo” (4)
Alguém viu a manchete do G1: “Vovô Bebê põe Ana Frango Elétrico em ‘Briga de Família’”? Lembrou o saudoso “Notícias Populares”, mas era só uma nota sobre este ótimo som novo da CENA carioca, que tem participação dela, sim, Ana Frango Elétrico. Fique de olho. Projeto de Pedro Carneiro que lembra o antigo grupo Rumo, uma das bandas mais paulistanas que existiram. Olha a ironia geográfica. O disco dele saiu hoje, ouça agora!
2 – Edgar – “Carro de Boy” (1)
Existe uma linha tênue na hora de fazer música de protesto que vira refrão grudento. Pode pegar mal, banalizar, ficar tosco. Não é o que acontece aqui. Edgar acerta no alvo na denúncia e na produção de um som que cabe na pista. Para dançar com profundidade. Com conceito. Esta canção chega com impactante vídeo e participação do Rico Dalasam.
3 – Kiko Dinucci – “Veneno” (2)
O álbum solo novo de Kiko Dinucci é uma peça e tanto. Violão no comando de tudo. E muita informação ainda há ser captada em futuras audições. A música com Rodrigo Ogi é, de cara, um dos achados do disco e pode dar a prévia do novo álbum do rapper, que tem produção do próprio Kiko. Tudo em casa.
4 – Flu & Amigos – “Porco” (Estreia)
Renomado integrante da melhor fase do rock independente gaúcho lááá nos anos 80, começo dos 90, entre outras bastantes coisas participaou da chamada formação clássica do clássico grupo DeFalla, Flu resolveu manter sua música viva em 2020 com uma série séria de singles bons. Esta “Porco” é o primeiro.
5 – Young Lights – “When You Were Here” (Estreia)
É rock dos EUA, praticamente. Mas é de BH, mesmo. Single novo incrível da banda do multitask Jay Horsth, um dos grandes destaques ao vivo da nova música mineira. E também é um indicativo de disco novo vindo por aí.
6 – MC Loma – “Predadora” (Estreia)
E aí, DG? Quem disse que não entendemos de Carnaval? MC Loma fez mais um hit perfeito para a festa mais tradicional do Brasil. Se prepare para ouvir “Predadora” nas ruas, neste mês. Um brega funk na medida para a internet graças a uma letra sobre pegação baseada em signos.
7 – Carne Doce – “Temporal” (5)
Esta só melhora quanto mais se ouve. Que musiquinha enoooorme soltou o grupo goiano Carne Doce para já anunciar que em 2020 vai ter disco novo, o quarto da banda do casal Macloys/Salma. A gente aqui quer morar nessas guitarrinhas que embalam a música nova, da metade para a frente.
8 – Terno Rei – “São Paulo” (3)
Ingressos esgotados em São Paulo em 20 minutos. Algo sério vem acontecendo com o Terno Rei. A febre em torno da banda só aumenta, shows lotados em outras cidades também. “Violeta”, o disco mais recente da banda, completou um ano, mas parece que está só no começo de uma jornada de conquistas. Esta “São Paulo” tem um sabor da new wave paulistana dos anos 80, revisitada. Coisa fina.
9 – Nill – “Options” (6)
Nill sempre manda bem e seu novo single já entra aqui no nosso Top 50, substituindo a faixa anterior dele que estava num Top 50 dos anteriores.
10 – Sepultura – “Fear; Pain; Chaos; Suffering”
Em um novo e potente álbum, o Sepultura teve a manha de chamar a incrível Emmily Barreto do Far From Alaska para fazer mais do que uma participação especial. Ela toma conta da última faixa do álbum. Quem quiser ir direto em outra boa do disco: ouça a torta “Ranging Void”.
11 – Vivian Kuczynski – “Carne” (7)
O novo single da Vivian ganhou um belo vídeo. Por isso destacamos “Carne” por aqui, outra das boas músicas do álbum de estreia da curitibana de 16 anos, single que tem uma letra que está na parte de críticas sociais do disco, segundo ela, mesmo que um tanto cifrada. Nem tanto assim. É só prestar atenção na menina.
12 – Marcelo Perdido – “Santa Clara de Tróia” (14)
13 – Amen Jr. – “amoretempo” (Estreia)
14 – Manaié – “Tira a Mão” (Estreia)
15 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (8)
A música é de 2017, mas se encaixou muito bem no Brasil de 2020. A voz de Juçara Marçal na segunda metade da música, então, só faz a força da música redobrar. Olho nessa banda, no disco, nos shows que eles vão fazer por aí.
16 – Rashid – “Eu” (9)
Em seu novo álbum, Rashid deixa para a última faixa talvez um de seus melhores sons, a reveladora “Eu”. Uma daquelas reflexões pessoais de um artista que acaba refletindo no ouvinte.
17 – Marietta – “Analógica” (Estreia)
18 – Lava Divers – “My Boy” (10)
Banda clássica do indie mineiro, o Lava Divers lançou um vídeo de música de 2017 para dizer que neste 2020 vem novidade por aí. Ótimo indie rock para aquecer os ouvidos _ e esperar ansiosamente por inéditas do Divers.
19 – Rohmanelli – “Toneaí” (Estreia)
20 – Rincon Sapiência – “Real Oficial” (11)
Uma das muitas boas músicas do mais recente álbum de Rincon Sapiência, um disco lançando no final de 2019 e que passou meio batido, injustamente, pelo menos por aqui. Corrigimos a rota agora.
21 – Céu de Vênus – “O Acaso Não Existe” (12)
22 – Bixiga 70 e Luiza Lian – “Alumiô (Cai Na Terra)” (17)
O encontro entre Luiza Lian e Bixiga 70 nasceu com cara de clássico. Fica a deixa para um projeto mais extenso, um álbum, quem sabe? Estamos na espera.
23 – Alice Caymmi e ÀTTØØXXÁ – A Noite Inteira (13)
24 – Liniker – “Não Adianta” (16)
Parte do projeto “Acorda Amor”, Liniker faz um bom cover de uma música do Trio Mocotó. O projeto ainda conta com as vozes de Maria Gadu, Xênia França, Letrux e Luedji Luna. O disco saí nesta terça-feira.
25 – Pabllo Vittar – “Amor De Que” (26)
26 – Saskia – “Tô Duvidando” (18)
Já escutou o disco da Saskia? A gaúcha é uma das revelações do ano passado para você também? E a participação do Edgar nesta faixa, então? Outro nível esses dois.
27 – Hot e Oreia – “Estilo” (20)
Da ótima cena mineira de rap, Hot e Oreia conseguem dosar aqui humor e mensagem de uma maneira única. A sacada “Cês são CS, eu RPG” é para poucos. E o “pior” é que o som é bem bom. Olho neles.
28 – Suco de Lúcuma – “Nada No Ar” (32)
29 – Linn Da Quebrada – “Oração” (23)
30 – AIYÉ – “Terreiro” (24)
31 – Rachel Reis – “Ventilador” (33)
32 – Anderson Primo – Ocê, Oceano” (34)
33 – Apeles – “A Alegria dos Dias Dorme no Calor dos Teus Braços” (15)
34 – Francisco, El Hombre – “Matilha :: coleira ou cólera” (36)
35 – Triz – “O Som Vem Assim” (38)
36 – La Leuca – “Morning Gloria (O Medo)” (39)
37 – Bruno Capinam – “Mais Amor” (37)
38 – João Bragança – “Bala Doce” (40)
39 – Yannick Hara – “Replicantes” (Estreia)
40 – Olívia de Amores – “La Cancionera” (Estreia)
41 – Valuá – “Veneno” (Estreia)
42 – Decaer & Vulgar Débil – “Na Taverna, Eu e Você: Aparições” (41)
43 – Karol de Souza – “Tambor” (44)
44 – Aori – “Xx/Xx” (45)
45 – Saulo – “Bahia Mãe” (47)
46 – Caio – “Entorna” (43)
47 – Trabalho Espaciais Manuais – “Terras Brasais” (48)
48 – Terra Mãe – “Retrato” (50)
49 – SZEL – “A 2 Passos” (Estreia)
50 – Romero Ferro – “Love Por Você” (Estreia)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o músico carioca Vovô Bebê. O Kiko Dinucci ilustra a foto da chamada do post na home da Popload.

>>

Top 50 da CENA – Edgar bombator, o “fator Terno Rei”, a volta do Lava Divers e outras estreias, incluindo o Vovô Bebê

1 - cenatopo19

* Seguimos na missão de produzir o top 50 da CENA brasileira. Com a nossa cara, mais no feeling e menos cientificamente. Sem robozinho de streaming auxiliando.

Quem reparou na nossa primeira edição e depois na segunda notou muitas faixas de 2019 na listagem. Estamos em acelerado ritmo de troca: saem os sons de 2019 e entram os deste ano.

Por isso não estranhe se achar que uma música muito 10 (10/10?) de 2019 perdeu espaço para um som OK de 2020. Faz parte do jogo. O ano ainda não está exatamente quente em quantidade de lançamentos, mas já temos muito boas novidades.

O primeiro lugar desta semana é do rapper Edgar, que já apareceu por aqui acompanhado da Saskia e estreia solo logo em primeiro lugar. Porque Edgar, atração do Lollapalooza Brasil em abril, é f*da, achamos.

O TOP 50 da semana e sua respectiva playlist delicinha (no Deezer e Spotify) ficaram assim:

1 - vivian_slider

1 – Edgar – “Carro de Boy” (Estreia)
Existe uma linha tênue na hora de fazer música de protesto que vira refrão grudento. Pode pegar mal, banalizar, ficar tosco. Não é o que acontece aqui. Edgar acerta no alvo na denúncia e na produção de um som que cabe na pista. Para dançar com profundidade. Com conceito. Esta canção chega com impactante vídeo e participação do Rico Dalasam.
2 – Kiko Dinucci – “Veneno” (3)
O álbum solo novo de Kiko Dinucci é uma peça e tanto. Violão no comando de tudo. E muita informação ainda há ser captada em futuras audições. A música com Rodrigo Ogi é, de cara, um dos achados dos disco e pode dar a prévia do novo álbum do rapper, que tem produção do próprio Kiko.
3 – Terno Rei – “São Paulo” (Estreia)
Ingressos esgotados em São Paulo em 20 minutos. Algo sério vem acontecendo com o Terno Rei. A febre em torno da banda só aumenta, shows lotados em outras cidades também. “Violeta”, o disco mais recente da banda, completou um ano, mas parece que está só no começo de uma jornada de conquistas. Esta “São Paulo” tem um sabor da new wave paulistana dos anos 80, revisitada. Coisa fina.
4 – Vovô Bebê – “Êxodo” (Estreia)
Alguém viu a manchete do G1: “Vovô Bebê põe Ana Frango Elétrico em ‘Briga de família'”? Lembrou o saudoso “Notícias Populares”, mas era só uma nota sobre este ótimo som novo da CENA carioca, que tem participação dela, sim, Ana Frango Elétrico. Fique de olho. Projeto de Pedro Carneiro que lembra o antigo grupo Rumo, uma das bandas mais paulistanas que existiram. Olha a ironia geográfica.
5 – Carne Doce – “Temporal” (1)
Esta só melhora quanto mais se ouve. Que musiquinha enoooorme soltou o grupo goiano Carne Doce para já anunciar que em 2020 vai ter disco novo, o quarto da banda do casal Macloys/Salma. A gente aqui quer morar nessas guitarrinhas que embalam a música nova, da metade para a frente.
6 – Nill – “Options” (Estreia)
Nill sempre manda bem e seu novo single já entra aqui no nosso Top 50, substituindo a faixa anterior dele que estava por aqui.
7 – Vivian Kuczynski – “Carne” (2)
O novo single da Vivian ganhou um belo vídeo. Por isso destacamos “Carne” por aqui, outra das boas músicas do álbum de estreia da curitibana de 16 anos, single que tem uma letra que está na parte de críticas sociais do disco, segundo ela, mesmo que um tanto cifrada. Nem tanto assim. É só prestar atenção na menina.
8 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (Estreia)
A música é de 2017, mas se encaixou muito bem no Brasil de 2020. A voz de Juçara Marçal na segunda metade da música, então, só faz a força da música redobrar. Olho nessa banda, no disco, nos shows que eles vão fazer por aí.
9 – Rashid – “Eu” (4)
Em seu novo álbum, Rashid deixa para a última faixa talvez um de seus melhores sons, a reveladora “Eu”. Uma daquelas reflexões pessoais de um artista que acaba refletindo no ouvinte.
10 – Lava Divers – “My Boy” (Estreia)
Banda clássica do indie mineiro, o Lava Divers lançou um vídeo de música de 2017 para dizer que neste 2020 vem novidade por aí. Ótimo indie rock para aquecer os ouvidos _ e esperar ansiosamente por inéditas do Divers.
11 – Rincon Sapiência – “Real Oficial” (5)
Uma das muitas boas músicas do mais recente álbum de Rincon Sapiência, um disco lançando no final de 2019 e que passou meio batido, injustamente, pelo menos por aqui. Corrigimos a rota agora.
12 – Céu de Vênus – “O Acaso Não Existe” (Estreia)
13 – Alice Caymmi e ÀTTØØXXÁ – A Noite Inteira (Estreia)
14 – Marcelo Perdido – “Santa Clara de Tróia” (Estreia)
15 – Apeles – “A Alegria dos Dias Dorme no Calor dos Teus Braços” (20)
16 – Liniker – “Não Adianta” (8)

Parte do projeto “Acorda Amor”, Liniker faz um bom cover de uma música do Trio Mocotó. O projeto ainda conta com as vozes de Maria Gadu, Xênia França, Letrux e Luedji Luna. O disco saí nesta terça-feira.
17 – Bixiga 70 e Luiza Lian – “Alumiô (Cai Na Terra)” (11)
O encontro entre Luiza Lian e Bixiga 70 nasceu com cara de clássico. Fica a deixa para um projeto mais extenso, um álbum, quem sabe? Estamos na espera.
18 – Saskia – “Tô Duvidando” (6)
Já escutou o disco da Saskia? A gaúcha é uma das revelações do ano passado para você também? E a participação do Edgar nesta faixa, então? Outro nível esses dois.
19 – Ana Frango Elétrico – “Chocolate” (9)
Ficamos aqui pensando no abstrato desta música. Entendemos nada e tudo certo. Ana Frango Elétrico merece toda a atenção que está recebendo. Se até o gringo do Anthony Fantano já sacou ela, você está esperando o quê?
20 – Hot e Oreia – “Estilo” (10)
Da ótima cena mineira de rap, Hot e Oreia conseguem dosar aqui humor e mensagem de uma maneira única. A sacada “Cês são CS, eu RPG” é para poucos. E o “pior” é que o som é bem bom. Olho neles.
21 – Mc Thá – “Rito de Passá” (13)
Quem não entender com a MC Thá a dimensão do funk em si e no diálogo com outros gêneros não entende mais. Uma contribuição imensa ela dá aqui em “Rito de Passá”.
22 – Yma – “Vampiro” (12)
Os shows da Yma que andamos vendo por aí ajudaram a recolocar o disco dela, que foi lançado lá no começo do ano passado, de novo em rotação por aqui. “Vampiro” é uma delícia de música.
23 – Linn Da Quebrada – “Oração” (22)
24 – AIYÉ – “Terreiro” (28)
25 – Papisa – “Fenda” (18)
26 – Pabllo Vittar – “Amor De Que” (45)

27 – Emicida – “Ismália” (14)
A gente já falou desta faixa por aqui. Se o novo álbum do Emicida for encarado como um filme, “Ismália” é a cena mais triste. Um resumo sobre a tragédia do racismo na estrutura social do país. Que peso de som. Que coisa séria.
28 – Boogarins – “Sombra ou Dúvida” (15)
Melhor banda brasileira em atividade, os Boogarins fizeram mais uma beleza de disco no ano passado. E esta música é uma das belezas dessa beleza.
29 – Black Alien – “Vai Baby” (16)
30 – Djonga – “Bença” (17)
31 – O Terno – “Pra Sempre Será” (19)
32 – Suco de Lúcuma – “Nada No Ar” (Estreia)
33 – Rachel Reis – “Ventilador” (44)
34 – Anderson Primo – Ocê, Oceano” (Estreia)
35 – Moons – “No More Tear About It” (21)
36 – Francisco, El Hombre – “Matilha :: coleira ou cólera” (23)
37 – Bruno Capinam – “Mais Amor” (47)

38 – Triz – “O Som Vem Assim” (Estreia)
39 – La Leuca – “Morning Gloria (O Medo)” (Estreia)
40 – João Bragança – “Bala Doce” (Estreia)
41 – Decaer & Vulgar Débil – “Na Taverna, Eu e Você: Aparições” (Estreia)
42 – BaianaSystem – “Miçanga” (Estreia)
43 – Caio – “Entorna” (Estreia)
44 – Karol de Souza – “Tambor” (40)
45 – Aori – “Xx/Xx” (Estreia)
46 – Os Mutantes – “Mutant’s Lonely Night” (7)

Os Mutantes hoje são apenas Sérgio Dias e um novo pessoal, mas estão na ativa e lançaram um disco novo. Entre boas faixas setentistas, ecos de Beatles e Caetano (uma forma de descrever até outros trabalhos dos Mutantes, não?), destacamos uma das mais melancólicas do álbum. Sérgio Dias sabe os atalhos bonitos da guitarra.
47 – Saulo – “Bahia Mãe” (Estreia)
48 – Trabalho Espaciais Manuais – “Terras Brasais” (Estreia)
49 – Thom Verardi – “Tudo Que Acontece” (Estreia)
50 – Terra Mãe – “Retrato” (Estreia)

***

***

* Entre parenteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.

** Na vinheta do Top 50, a cantora curitibana Vivian Kuczynski. O rapper Edgar ilustra a foto da chamada do post na home da Popload.

>>

O ano que não acaba. Duo californiano Deap Vally toca em dezembro em SP. Em festival que terá Lava Divers e Beach Combers

>>

Deap Vally

* Depois de ter show confirmado e dois dias depois cancelado em São Paulo no começo do ano, o duo punk garagem brutal Deap Vally toca mesmo em São Paulo, na Zona Norte ainda por cima, agora em dezembro, mais precisamente dia 3. A esperta dupla guitarra-bateria Lindsey (à esq. na foto) e Julie comandam as atrações do festival gratuito Jägermeister Grounds 2017, que terá ainda um bom elenco de bandas da CENA brasileira, estrelando os mineiros do Lava Divers e o trio carioca Beach Combers.

Sky Down, Color for Shane, Devilish, Combover e The Last Station completam a escalação. Uma atração surpresa ainda está para ser anunciada, provavelmente na sexta-feira.

O Jägermeister Grounds 2017 acontece no Espaço Pro Magno, no bairro da Casa Verde, das 14h às 22h.

As Deap Vally trazem a apresentação de um dos melhores (ou mais agitados) discos do ano passado, “Femejism”, o segundo delas. “O duo é um coquetel infernal de punk, rock, garagem, é sujinho, é grunge, é tudo o que a gente quer ouvir agora, já foi dito” por aí.

O Jägermeister Grounds fez rolê de indie nacional com festas pequenas em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Florianópolis e Porto Alegre. E escolheu a capital paulista para seu encerramento, em forma de festival.

Confira, abaixo os horários dos shows:
14h45 Combover
15h25 Color for Shane
16h05 Sky Down
16h45 Devilish
17h25 The Last Station
18h05 Beach Combers
18h45 Lava Divers
19h35 Banda a ser anunciada
21h Deap Vally

>>

CENA – Banda mineira Lava Divers lança agora o melhor disco indie dos anos 90 e faz show amanhã em SP

>>

popload_cena_pq

* Banda mineira que nasceu por causa do Suede em São Paulo (já explico), o esperto quarteto Lava Divers se apresenta neste sábado na ótima pista 360 graus horizontal e vertical do Centro Cultural São Paulo, de graça, junto com a importante banda sorocabana Wry, em balada indie marcada para ter início às 19h, cedinho.

O Lava Divers, de uma certa cena dentro da cena atual, que não é shoegaze, não é psicodélico e resgata um pouco a velocidade de guitarra do som alternativo americano ou indie inglês dos anos 90, acaba de lançar seu ótimo disco de estreia, “Plush”, já disponível nas plataformas tudo (Spotify, Bandcamp, Deezer, Google Play, iTunes) e que logo mais vai ser lançado em vinil e CD.

“Plush, o álbum de estreia do Lava Divers, é um lançamento do bravo selo carioca Midsummer Madness.

Vagando com energia e “indie spirit” por sons que lembra Pixies, Dinosaur Jr., Jesus & Mary Chain e daí “para baixo”, para o underground, o Lava Divers é uma banda mas poderia ser várias. Porque suas músicas são distribuídas quase que igualmente por quatro vozes condutoras bem boas e marcantes para o tipo de som a que se propõe.

A banda, oriunda de algum lugar do Triângulo Mineiro entre Araguari e Uberlândia, é Joe Porto (guitarra e voz), Glauco Ribeiro (baixo e voz), Eddie Shumway (guitarra e voz) e Ana Zumpano (bateria e voz). Ana, mais uma da safra acidental poderosa de bateristas mulher da CENA nacional, quando canta bota o Lava Divers direto em contato especial com a maravilhosa cena alternativa feminina americana do começo dos 90, tipo Throwing Muses, Liz Phair e Sleater Kinney.

Sobre a menção ao Suede, do começo do texto, Joe e Glauco afirmam que resolveram formar a banda na saída de um show
do grupo de britpop em São Paulo, em 2012. De lá para cá, foram um EP e mais de 100 shows pelo Brasil, em clubes e festivais indies.

Ouça “Plush” de cabo a rabo, em especial, se me permite, “Inside His Eyes”. Belezura indie da maior qualidade.

Plush capa
.

Abaixo, eles ao vivo no Circadélica Festival, em Sorocaba, há duas semanas, tocando aceleradinha uma das faixas do disco ao vivo, que faz uma “homenagem” a seu guitarrista.

>>

CENA – Sorocaba coloca o indie num circo. Circadélica Festival chega à era douradas dos festivais brasileiros

>>

popload_cena_pq

* A estrada indie agora nos leva a Sorocaba, uns 100 km de São Paulo, via Castelo Branco, com uma decente recepção de 4G. Vim “ouvindo” um vídeo de show do Radiohead na Itália e não caiu nenhuma vez. A conta é meio essa:
– “Quanto demora para ir de São Paulo a Sorocaba?
– “Leva um show do Radiohead em Milão para chegar lá, com o trânsito”
– “Beleza”.

IMG_4521

Neste final de semana, começa em Sorocaba a segunda edição do festival Circadélica. Tudo bem que a primeira aconteceu em 2001, há 16 anos, quando festivais de música no Brasil, principalmente de música independente, era tão raro como ter lugares decentes para bandas tocarem. Agora, em 2016, como o bagulho está loko para bandas e festivais, o Circadélica volta enorme, dentro do circo, carregando o lema de “Música e Diversão”. Mais de 50 atrações, Liniker, Boogarins, Far From Alaska, Ludovic, Francisco El Hombre, Dead Fish, Vespas Mandarinas, Kamau, Plutão Já Foi Planeta, FingerFingerrr, MQN, Lava Divers, Aeromoças e Tenistas Russas vêm tocar na terra do Wry, banda do protoindie brasileiro que já foi “inglesa”, continua na ativa, fez o primeiro Circadélica e está por trás também desta segunda edição.

arena-circadelica

Banda que constrói um evento em torno de si, para tocar, reunir amigos e chamar a cena para valorizar seu jardim, seu quintal, tem meu respeito. O Circadélica já se inscreve nos festivais indies obrigatórios da CENA.

O “Diversão” do subtítulo do Circadélica funciona também fora do palco. Performances de artistas circenses (afinal…), pista de skate, tattoos, expositores e a promessa de “muito mais” estão escalados para o festival no espírito de uma atração musical das boas.

A Popload está em Sorocaba para conferir e viver o Circadélica, para dividir a experiência do festival sorocabano neste espaço. Sobre ingressos, veja aqui. Se você é de São Paulo ou de outra cidade, aqui
você acha informações de hospedagem
para passar um final de semana no picadeiro indie.

cartaz alta

Circadélica 2001

Para fechar a apresentação do novo Circadélica, umas historinhas da primeira edição, de 2001, para você ver como o indie andou de lá para cá. O festival, já considerado enorme à época, teve 21 bandas escaladas. Um dos melhores shows do festival, da época em que os Strokes nem tinham álbum lançado, foi o Prole, de Americana.
Uma rara gravação de meia hora do Circadélica 2001 é tesouro puro, com trechos dos shows do Pelvs (RJ), Grenade (PR), Walverdes (RS) e MQN (GO).
O Thee Butchers’ Orchestra, uma das principais bandas daquela época, apresentou músicas de seu disco novo no Circadélica 01. Outras bandas que fizeram parte do festival há 16 anos: Garage Fuzz, Astromato, Maybees, Holly Tree, Muzzarelas, Biggs, entre outras. Os Pin Ups estavam escalados para se apresentar no festival, mas não compareceram, porque a banda, que voltou a existir hoje, havia decidido acabar. “O Circadélica veio para mostrar que é possível montar festivais de rock de médio porte em um país no qual predominam o samba e o pagode”, foram palavras do organizador Mário Bross, vocalista e guitarrista do Wry, lá em 2001. Acrescentemos pop e sertanejo para a edição 2. O Circadélica 2001 marcou também a despedida do Wry do Brasil, indo tentar a sorte na Inglaterra, por onde ficou por alguns anos.

>>