Em Lee Ranaldo:

Cada vez mais latino, Lee Ranaldo solta single de seu projeto com o produtor espanhol Raül Refree

>>

lee-ranaldo-paul-refree

O sempre inquieto Lee Ranaldo, um dos responsáveis por colocar em nossas vidas aquela banda incrível chamada Sonic Youth, segue dando seus pulos em projetos musicais especialíssimos.

A bola da vez para o norte-americano é o disco “Names of North End Women”, álbum colaborativo que ele fez em parceria com o músico e produtor espanhol Raül Refree, previsto para ser lançado dia 21 de fevereiro.

O novo single do projeto se chama “Words Out of the Haze” e pode ser conferido no final do post.

Em outra frente, Lee e seu antigo parceiro de Sonic Youth, o baterista Steve Shelley, vão participar de um evento em Nova York, onde responderão perguntas de fãs após a exibição do documentário “Desolation Center”, de Stuart Swezey.

A obra aborda histórias inéditas de uma série de eventos de arte e musicais de guerrilha que rolaram na região de Southern California no início dos anos 80, que serviu como base para o nascimento de festivais como o Lollapalooza e o Coachella.

>>

CENA – Um Sonic Youth em Santa Cecília. Vamos no festival do Lee Ranaldo?

1 - cenatopo19

Santa Cecília já está no mapa de lugares legais de São Paulo não é de hoje. A região do “Baixo Higienópolis”, um teco da cidade espremido entre a Consolação e o Pacaembu, coladinha ao bombante Centro, foi declamado quase como poesia no Popload Festival, na hora do grandessíssimo show do grupo paulistano Cansei de Ser Sexy, semana passada.

Pois foco em Santa Cecília de novo neste final de semana, quando no sábado e no domingo acontece o festival TrêsPraUm, no lugar que é uma resistência cultural, a Associação Cultural Santa Cecília. E, pela primeira vez em suas oito edições, uma atração internacional será a cereja do bolo indie do evento: o ex-guitarrista e ocasional vocalista do lendário Sonic Youth, o quase-americano Lee Ranaldo.

Untitled-5

Lee veio de novo ao país para participar do lançamento de um filme em que fez a produção musical, “Ainda Temos a Imensidão da Noite”, e aproveita para fazer um show no festival TrêsPraUm neste domingo, 23.

Quem nunca viu o homem tem que ir ver até porque o significado do festival em que ele vai tocar vai além de sua mera presença. O festival que sempre rola na rua e de graça, neste ano vai ser fechado por “por falta de apoio e autorização para viabilizar a estrutura na rua”.

“A ideia sempre foi fazer um evento gratuito de acesso a todxs, ocupando uma área publica, fazendo algo que hoje só pode ser feito por órgãos públicos ou quando é de seus interesses”, diz a produção. Ou seja, mais um motivo para colar no evento.

Dá uma olhada na escalação do festival, cheio de novos e veteranos nomes da nossa CENA:

flyer

* Amanhã, sábado
(entrada colaborativa)

Falsos Conejos
In Venus
Astma
Raquel Krügel
Sky Down
Pin Ups

discotecagem pós-shows:
Hirila e Mateus Mondini

* Domingo
(cobrança de ingresso (para viabilizar o show do Lee Ranaldo)

Marcos Felinto
Duplo
ACAVERNUS + Yantra
Otis Trio Septeto
Gabriel Thomaz Trio
Florcadáver
Lee Ranaldo

** Ingressos para o TrêsPraUm aqui.

*** Indo ou não ao festival vale dar uma olhada no trabalho da Associação Cultural Cecília, que promove o evento. Dar uma força para a turma que toca a resistência cultural da cidade nunca é demais. Uma das opções para ajudar o festival a rolar é a contribuição voluntária.

Para quem quiser fazer doações de qualquer valor, a Associação Cultural Cecília recebe depósito e transferêncis em conta bancária (ASSOCIAÇÃO CULTURAL CECÍLIA / CNPJ: 10.717.826/0001-20 / Bradesco / Ag: 3144 / Cc: 4747-3).

>>

Incrível como sempre, Lee Ranaldo mostra músicas novas (e faz a própria mixagem) em rádio de Seattle

>>

091116_leeranaldo2

O carismático e fundamental Lee Ranaldo, que um dia ajudou a oferecer ao mundo um tal Sonic Youth, segue com suas mil coisas artísticas por aí.

Ano passado, por exemplo, ele lançou o disco “Electric Trim”, o de número 12 em sua carreira solo. A obra foi a primeira dele lançada pelo selo Mute Records e tem convidados do nível de Sharon Van Etten, Steve Shelley e Nels Cine. Em um de seus passos de divulgação, Lee esteve na linda KEXP, rádio cool e essencial de Seattle, para uma session no fim do ano passado e publicada na íntegra só agora. Com direito a mixagem do próprio.

Ranaldo passou pelo Brasil em dezembro para divulgar “Jrnls80s: poemas, letras, cartas, anotações e cartões-postais dos primeiros anos do Sonic Youth”, seu livro lançado originalmente em 1998, mas que ganhou versão nacional apenas em 2017, em edição caprichadíssima da Editora Terreno Estranho (em parceria com o selo/produtora DESMONTA).

SETLIST
Moroccan Mountains
Uncle Skeleton
Circular (Right as Rain)
Thrown Over The Wall

>>

Um Sonic Youth entre nós: hoje tem Lee Ranaldo lançando livro, batendo um papo, dando autógrafo e fazendo até show no CCSP

>>

lee-ranaldo-metro

Lee Ranaldo já se sentindo em casa… || Foto de Acauã Novais

E, no meio desta São Paulo bom-ban-do de programação nas últimas semanas, ainda aparece um Lee Ranaldo para showzinho quase intimista, um bate-papo, um lançamento de livro, uma sessão de autógrafos… Coisa linda. O guitarrista gente-fina e membro-fundador do (apenas) Sonic Youth está mais uma vez por aqui para essa rodada de atividades no Centro Cultural São Paulo.

“Jrnls80s: poemas, letras, cartas, anotações e cartões-postais dos primeiros anos do Sonic Youth” foi lançado originalmente em 1998 e só agora é publicado por aqui, em edição caprichadíssima da Editora Terreno Estranho (em parceria com o selo/produtora DESMONTA). O diário-de-estrada de Ranaldo relata o começo de uma das principais bandas dos anos 90 ainda na fase perrengue, nos anos 80, quando dormiam em casa de amigos e rodavam o país em vans caindo aos pedaços.

O livro acaba em 89, logo depois do lançamento do álbum clássico ‘Daydream Nation’. Há também um pouco da infância do músico, poemas, letras, cartas pessoais e cartões enviados para amigos e família. De especial a edição brasileira ainda tem uma introdução inédita escrita pelo próprio e um apêndice do Fabio “Reverendo” Massari (na foto abaixo com Ranaldo), contando do seu primeiro show do Sonic Youth em 1987, em Londres. Um pequeno clássico dentro de outro. Massari também participa do bate-papo gratuito (corram!) com o guitarrista.

Vamos?
Programação completa no fim do post.

Screen Shot 2017-12-12 at 13.00.07

Migos || Foto via Alexandre Matias

Quando: 12.12
Onde: Centro Cultural São Paulo
Endreço: Rua Vergueiro, 1.000 – SP (ao lado do metrô Vergueiro)



Bate-papo, venda do livro e sessão de autógrafos 
Horário: das 18h às 20h

Local: Praça das Bibliotecas (CCSP) 

Entrada Gratuita!



Show
Horário: 21h

Local: Sala Adoniran Barbosa (CCSP)
Preços: 
r$40 inteira / r$20 meia
Ingressos: Ingresso Rápido

lee ranaldo livro


*** A foto do Lee Ranaldo na home, entre tapiocas e receitas de salpicão, também é de Acauã Novais.

>>

CENA – Sob a bênção da juventude sônica, o gaúcho Gentrificators lança seu belo segundo disco

>>

popload_cena_pq

Gentrificators Divulgação 2017 - estudio

* Fundada em 2015 como um projeto solo, mas existindo atualmente como uma banda local de Porto Alegre, a Gentrificators lança hoje, com exclusividade pela Popload, seu segundo disco, “Apt Kids”. Um misto de brotheragem com ex-Sonic Youth, referências aos anos 90 e gravações caseiras totalmente lo-fi.

A banda, que só se tornou uma banda de verdade algum tempo depois do seu primeiro disco, teve o lançamento de estreia gravado de forma totalmente independente e solo. Pelas mãos de Marcelo B. Conter, vocalista, o álbum “State: Province” foi o resultado da passagem de Conter por um tempo de estudos nos EUA em que, além de pesquisar profundamente o lo-fi, ainda conseguiu conhecer Lee Ranaldo e tomar uma cerveja com o ídolo.

Entre conversas com Lee e alguns meses vivendo no Brooklyn, ele se deparou com algumas movimentações da própria cidade que acabaram incentivando o estudante a escrever e gravar o primeiro registro lançado em 2015, na volta ao RS. Na sua pesquisa, mergulhou em estéticas e conceitos para desenhar o que hoje é a banda: uma mistura de sonoridade e sentidos capaz de ligar o barulho dos anos 90 com a realidade do jovem suburbano de 2017. Resultado do seu aprofundamento aos conceito de o que é e como é feito o lo-fi.

Na sua passagem pelo Brasil em 2015, Lee reencontrou o velho amigo de bar para receber um presentinho, a versão física do primeiro disco da Gentrificators.

Lee_Gentrificators

Depois disso, a Gentrificators virou, de fato, a banda que hoje circula pela cidade e arredores: Marcelo B. Conter na voz e guitarra, André Araujo no baixo e na voz, Demétrio Rocha Pereira cantando e tocando guitarra, além de Guilherme Mashke também na guitarra e Paulo H. Lange na bateria e percussões. Todos residentes da capital gaúcha e de cidades vizinhas que foram empurradas para o subúrbio pelo fenômeno que dá nome a banda: a gentrificação.

Para quem não conhece, o conceito explica as transformações sociais que acontecem quando, por exemplo, uma região específica de uma cidade se torna subitamente hipervalorizada, fazendo com que a especulação imobiliária jogue a arquitetura da cidade e seus próprios moradores para fora do centro. Basicamente o que Marcelo viu no Brooklyn em 2013 e o que impera até hoje nos temas que traduzem o som da Gentrificators.

Segundo André, em “Apt Kids”, mesmo a banda já existindo, o processo de composição e gravação foi totalmente coletivo: “O Marcelo falou: gurizada, agora é banda, esqueçam o primeiro disco e vamos inventar algo novo”. O que fez com que este segundo álbum soasse totalmente diferente e distante do recorte de “State: Province”, saindo da fase de rolê com o ex-Sonic Youth e gentrificação norte-americana para retratar um dia a dia mais próximo da vida de cada um dos integrantes.

“Apt Kids” é um lançamento do mesmo selo dos gaúchos da Supervão, a Lezma Records, e conta com 10 faixas gravadas em casa, em meio à difícil tarefa de levar a essência do seu som ao vivo para um disco. Um processo coletivo apoiado no lo-fi e nas sonoridades perfeitas para quem gosta de Pavement, Sonic Youth, Dinosaur Jr e distorções sujas vindas diretamente das garagens norte-americanas de Seattle. Tudo isso com um toque dreampop que ganha força com a participação da voz feminina de Patrícia Spier, em “Inside the Pocket of Your Jeans”.

Ouça o disco completo abaixo e assista os meninos ao vivo no próximo dia 6 de outubro em Porto Alegre, no show de lançamento do álbum no bar-casa Oculto.

* Para ouvir o novo da Gentrificators no Spotify, o link é este.

>>