Em Liam Gallagher:

No Twitter, Liam Gallagher quer a volta do Oasis. Noel, por enquanto, arma três shows (dele) no Brasil

>>

Enquanto o Oasis não volta, Liam Gallagher continua sua campanha no Twitter. O irmão caçula do Noel, talvez bêbado, tuitou hoje que ficou sabendo que seu big bro não tem permitido o consumo de álcool em seus shows (o que, checamos, é mentira). Mas a parte que interessa na tuitada é a segunda: Liam falou que perdoa o Noel e que tá na hora de reunir o “BIG O”.

Principal razão do Noel ter abandonado o Oasis, e assim deu fim à banda (em 2009), Liam tem se mostrado entusiasta com o retorno do grupo nos últimos anos. Já Noel, que nem sempre responde, costuma dizer que não vê sentido nessa volta. Ontem, inclusive, em entrevista à Absolute Radio ele falou que prefere escolher “melhores pessoas do que melhores músicos” para estarem em sua banda, uma vez que ele tem prezado pelo ambiente. “Estamos na estrada desde fevereiro e não tivemos um dia ruim sequer”, emendou o guitarrista.

Coincidentemente, no dia de hoje Noel soltou o vídeo para seu novo single, “If Love Is The Law”. Ele, que abriu os quatro shows do U2 em outubro do ano passado no Morumbi, vai retornar ao Brasil em novembro. A Popload apurou uma atualização de que serão três shows por aqui, com São Paulo e Rio incluídos. Falta a terceira cidade (ou data, que pode ser uma segunda em SP).

>>

Futebol é pop! A queda da Inglaterra e o Oasis. Don’t look back in anger…

>>

@thesoccerstylez

@thesoccerstylez

Quando se fala em bola e guitarra em solo britânico, sempre é comum associar o futebol inglês com o Oasis. Não apenas pelo simples fato dos fãs da banda de Manchester fazerem dos shows uma espécie de partida de futebol, tamanha devoção. Mas também pelo envolvimento dos Gallagher com o esporte e, até mesmo, algumas de suas músicas serem entoadas nas arquibancadas.

Geralmente, “Wonderwall” remete a momentos bons. Já “Don’t Look Back In Anger” aos ruins. E foi isso que aconteceu hoje. Tão logo a partida entre Inglaterra e Croácia terminou, o lendário Gary Lineker tuitou um vídeo com torcedores ingleses cantando o clássico que ficou famoso na voz de Noel Gallagher, lá em 1995. Dói, até.

* Enquanto isso em Sion, na Suíça, Liam Gallagher teve o azar de ter que fazer um show justo no momento da partida. Mês passado ele chegou a pedir uma mudança de data da sua apresentação no festival inglês Isle Of Wight. Hoje, não rolou. Mas ele deu um jeito e, sem pudor, meteu a partida ao vivo no telão do palco e ficou assistindo ao jogo enquanto não cantava. Haha. Pena que… It’s not coming home.

>>

Copa? Que Copa? Festival em Glasgow tem show do Liam interrompido por maluco, Arctic Monkeys com Miles Kane, e ainda Interpol, Blossoms e mais…

>>

Fotos: Scotish Sun

Fotos: Scotish Sun

Rolou no último final de semana o TRNSMT, festival que colocou no palco em Glasgow nomes como Stereophonics, Arctic Monkeys e Liam Gallagher. E como todo bom festival de verão que se preze na Europa, rolou muita coisa.

No sábado, Liam levou uma legião de fãs do Oasis e não fez feio, já que revisitou canções antigas da banda, tipo “Whatever”, que apareceu em seu setlist recentemente com set de metais e tudo. Teve também “D’Yer Wanna Be A Spaceman?”, lado-b obscuro de sua banda antiga, e que foi cantada por Liam um dia antes também no Finsbury Park, em Londres, após 22 anos (com ele).

Mas um dos pontos altos do show em Glasgow foi um fã malucão que resolveu subir até o topo de uma das torres de som, interrompendo o Liam, que mandou a real: “jump or come down”. Haha. E foi logo no meio de “Cigaretts & Alcohol”, pensa.

** Já o Arctic Monkeys tocou ontem e a boa novidade é que a BBC transmitiu parte do show. Bom para ver qual é a da nova fase da banda de Sheffield, trabalhando seu novo álbum que não tem cara de rock de arena, mas também tocando as antigas que são total rock de arena. Tipo “Brianstorm”, que vem sendo catarse coletiva brutal nessa turnê. O show ainda teve participação de Miles Kane, o bro do Alex Turner, na incrível “505”.

** Abaixo, alguns registros de outras atrações do evento, incluindo o próprio Miles Kane, Interpol, Stereophonics e Blossoms.


>>

Depeche Mode, Killers, Kasabian… Um pouco mais do que rolou no Isle Of Wight 2018

>>

250618_depechemode2

Falamos aqui mais cedo um pouco do Isle Of Wight, festival inglês que comemorou neste ano seus 50 anos de existência. Além do Liam Gallagher, algumas outras atrações de peso formaram o line-up do evento. E parte dos shows foi mostrada ao vivo na TV inglesa.

O Depeche Mode, por exemplo, teve quatro canções transmitidas, como a nova “Cover Me” e a clássica “Never Let Me Down Again”. O Killers também apareceu na telinha com sons tipo “Humans” e, claro, “Mr. Brightside”.

O Kasabian, headliner da sexta, teve o show todo transmitido. O Blossom, promessa da nova cena britânica, teve seus 40 minutinhos de shows mostrados ao vivo. Banda boa eles. O James Bay também apareceu. E teve a bagunça do Nile Rodgers e seu Chic. Um pouco de cada, tudo abaixo.

>>

Futebol é pop: Liam Gallagher e Peter Crouch mudam a rotina do Isle Of Wight, na Inglaterra, por causa da Copa do Mundo

>>

250618_petercrouch

Um dos festivais mais importantes do verão europeu, o Isle Of Wight, que surgiu lá no fim dos anos 60, de edição histórica em 1970, retomado em 2002 e que desde então leva muita gente para os arredores de Newport, na Inglaterra, teve sua edição 2018 (e comemorando 50 anos de nascimento) realizada neste final de semana, com uma penca de atrações boas, ainda que esteja acontecendo uma Copa do Mundo na Rússia. Até porque, futebol e música caminham juntos. Afinal, futebol é pop, ainda mais na Inglaterra.

E ao menos dois personagens levaram um pouco de futebol para o evento. Primeiro, Liam Gallagher. O intrépido ex-Oasis era atração principal do domingo. Mas, por causa do jogo da Inglaterra contra o Panamá, pediu para ser remanejado para o sábado, antes do Depeche Mode. Prioridades, óbvio. Fez seu show lindão e mostrou clássicas obscuras do Oasis, tipo “Listen Up”. Boa parte do show pode ser conferida abaixo, até a BBC deixar.

** Quem também apareceu no festival foi Peter Crouch. Atacante gigante que defendeu a seleção inglesa em Copas anteriores, que ganhou até musiquinha personalizada, o jogador apareceu no palco justamente antes do Liam Gallagher e cantou um trecho de “Three Lions”, maior hit da banda The Lightning Seeds, de 1996, que acabou se tornando o hino pop da seleção local. O trecho mais famoso do refrão – “It’s Coming Home” – faz referência à volta do futebol ao seu berço 30 anos após o título da Inglaterra na Copa de 1966, e acabou sendo tuitado pelo Liam após a vitória de 6 a 1 sobre o Panamá.

O Crouch, já na sexta, foi flagrado também durante o show do Kasabian, no meio de um mosh pit com a galera. Haha. Gênios. Futebol é ou não é pop?

>>