Em luedji luna:

Top 50 da CENA: um resumo de 2021. Também conhecido como: As 50 Melhores Músicas do Ano no Brasil

1 - cenatopo19

* Como a gente já repetiu algumas vezes: listar as nossas favoritas da CENA brasileira, durante todo o ano, é mais um jeito de contar tudo de bom do que a gente anda ouvindo a cada semana. A gente deixa de lado qualquer pretensão de dizer o que é melhor ou pior. No fim de ano, a missão segue a mesma. Nossa ideia aqui é apresentar este resumo do que foi 2021. Faltou música, lógico, a ordem talvez desagrade, mas é só voltar semana a semana para achar outras centenas de músicas incríveis destacadas aqui para de um modo modesto jogar luz nesta CENA brasileira nada modesta. A CENA nunca foi tão produtiva e boa.

jucara2topquadrada

1 – Juçara Marçal – “Crash”
Rap. Samba. Juçara entrega em “Crash”, letra de Rodrigo Ogi, uma música que arrebenta com qualquer fronteira que se queira criar entre os gêneros musicais. É impossível determinar onde começa o que aqui. Uma certeza é que a letra tem um recado mais claro: é hora de ver a derrota de quem com ferro feriu.

2 – Don L – “Volta da Vitória/Citação: Us Mano e as Mina (Xis)”
Nas revoluções do passado e nas que virão, que aparecem por todo o novo roteiro de Don L, há o dia da vitória. Dia das conquistas e celebrações. Em tempos amargos, é bom lembrar em uma canção que a festa é parte da transformação. Ela não precisa ser só uma resposta para a tristeza da realidade, mas sim a constante nessa nova trilha.

3 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah”
E, no ano em que a música brasileiro sonhou perigosamente, Rico versa: “Sem poder saber o passado/ sem poder ganhar o presente/ E ter a culpa de ser o futuro/ Meus sonhos são gigantes”. Sonhos que acontecem aqui, na América do Sul, detalhe que Rico faz questão de lembrar ao ouvinte, que é puxado para dentro da canção em uma singela quebra da quarta parede: “Alô, parceiro, passageiro”.

4 – Jadsa – “Sem Edição”
Se a distopia onde vivemos a vida dos outros através de milhares de filtros sociais e virtuais é aqui e agora, Jadsa clama por um pouco de vida real sem aquecer, esfriar, esmaecer, ajustar e outras coisas. Que discaço que ela fez.

5 – Alessandra Leão – “Borda da Pele”
Nas palavras da própria Alessandra, “Borda da Pele” é “A escolha subversiva pelo sim”. E ela continua: “Pela estratégia do prazer. Sabedoria selvagem da escuridão de dentro em resposta às trevas de fora”. Quando a descrição vem pronta assim a gente só reproduz. Não é preciso dizer mais nada.

6 – LEALL – “Pedro Bala”
Em uma letra que abre diálogos com Jorge Amado (Pedro Bala de “Capitães de Areia”) e Chico Buarque (que tem seu “Pedro Pedreiro”), Leall descreve com exatidão a realidade, sonhos e motivações de um personagem condenado pela estrutura racista do Brasil a violência, miséria e fome. E transforma tudo isso em música de primeira.

7 – Marina Sena – “Por Supuesto” e FBC – “Se Tá Solteira”
Talvez as duas principais músicas produzidas pela cena independente brasileira que furaram a bolha e alcançaram plays incontáveis por Tik Toks e pelas festas do país. Merecem a celebração conjunta.

8 – Caetano Veloso – “Pardo”
Ao lado de Letieres Leite, mestre que a música brasileira perdeu em 2021, Caetano faz sua autodeclaração, que já havia sido cantada por Céu: é pardo. Termo que Caetano reconhece que é mais usado hoje do que na sua juventude. Ainda que não seja exatamente sobre o assunto, a canção coincide com a defesa de Caetano que a discussão racial no Brasil passe a ser mais informada pelo próprio Brasil do que pelos Estados Unidos.

9 – Amaro Freitas – “Baquaqua”
A impressionante trajetória de Baquaqua, africano que foi escravo no Brasil e após fugir do país escreveu sua autobiografia nos Estados Unidos, um raro documento histórico de um escravo sobre sua realidade, vira uma música instrumental absurda no piano de Amaro, que traduz nota a nota essa jornada.

10 – Pabllo Vittar – “Não É Papel de Homem”
Ao trazer brega, forró e calypso para informar o ultrapop, invertendo o processo onde geralmente é a gente que é contaminado pelo pop estrangeiro, Pabllo Vittar segue inventiva ditando o pop na música brasileira.

11 – Anitta – “Girl from Rio”
12 – Coruja BC1 – “Brasil Futurista”
13 – Tuyo – “Sonho de Lay”
14 – Prettos – “Oyá/Sorriso Negro”
15 – Marina Sena – “Pelejei”
16 – Liniker – “Mel”
17 – Luana Flores – “Lampejo da Encruza” (28)
18 – Valciãn Calixto – “Exu Não É Diabo (Èsù Is Not Satan)”
19 – Bebé – “Sinais Elétricos na Carne”
20 – Edgar – “A Procissão dos Clones”
21 – Rodrigo Amarante – “Maré”
22 – Tasha e Tracie – “Lui Lui”
23 – GIO – “Sangue Negro”
24 – Linn Da Quebrada – “I míssil”
25 – Jonathan Ferr – “Amor”
26 – Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo – “Fora do Meu Quarto”
27 – MC Carol – “Levanta Mina”
28 – Criolo – “Cleane”
29 – Fresno – “Casa Assombrada”
30 – Gab Ferreira – “Karma”
31 – César Lacerda – “O Sol Que Tudo Sente”
32 – TARDA – “Futuro”
33 – Rabo de Galo, Ubunto e Luedji Luna – “Me Abraça e Me Beija”
34 – Céu – “Chega Mais”
35 – brvnks – “sei la”
36 – Vandal, Djonga e BaianaSystem – “BALAH IH FOGOH”
37 – FEBEM – “Crime”
38 – Luedji Luna e Zudzilla – “Ameixa”
39 – Johnny Hooker – “Amante de Aluguel”
40 – BADSISTA – “Chora Na Minha Frente”
41 – BK – “Cidade do Pecado”
42 – Jup do Bairro – “Sinfonia do Corpo”
43 – Giovanna Moraes – “Baile de Máscaras”
44 – Romulo Fróes – “Baby Infeliz”
45 – Nelson D – “Algo Em Processo”
46 – Duda Beat – “Meu Pisêro”
47 – Yung Buda – “Digimon”
48 – Boogarins – “Supernova”
49 – Jota Ghetto – “Vagabounce”
50 – Lupe de Lupe – “Brasil Novo”

*****

******

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora carioca Juçara Marçal.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Gorillaz vem a SP e Rio para festival novo. E traz Kooks e Two Door Cinema Club com ele

>>

* A incrível banda-cartoon Gorillaz vai se apresentar no Rio e em São Paulo em maio de 2022, encabeçando um novo festival chamado MITA, sigla para “Music Is the Answer”. O evento acontece nos dias 14 e 15/5 no Spark Arena, na Vila Leopoldina, e no final de semana seguinte, 21 e 22/5, no Jockey Clube carioca.

Gorillaz puxa um triunvirato britânico que inclui as bandas indie-pop Kooks e Two Door Cinema Club. O produtor e multiinstrumentista Tom Misch transforma esse trio num quarteto inglês do line up do MITA, que ainda tem o hoje grande trio eletrônico Rufus do Sol e um grande elenco brasileiro encabeçado por Gilberto Gil e Marcelo D2.

Outros nomes brasileiros de destaque são Liniker, Jão, Marcos Valle & Azymuth e Black Alien. As atrações nacionais não necessariamente são as mesmas em SP e Rio. Abaixo, a escalação completa:

São Paulo – 14 de maio
Rüfüs du Sol
Tom Misch
Gilberto Gil In Concert
Luedji Luna
Marina Sena
Black Alien
Xênia França
Day convida Lucas Silveira

São Paulo – 15 de maio
Gorillaz
Two Door Cinema Club
Marcelo D2
Matuê
Liniker
Heavy Baile
Letrux
Coruja BC1 convida Larissa Luz

Rio de Janeiro – 21 de maio
Gorillaz
Two Door Cinema Club
The Kooks
Heavy Baile
Liniker
Black Alien
Xênia França
Coruja BC1 convida Larissa Luz

Rio de Janeiro – 22 de maio
Rüfüs du Sol
Tom Misch
Gilberto Gil In Concert
Jão
Marcelo D2
Marcos Valle & Azymuth
Letrux
Alice Caymmi convida Maria Luiza Jobim

gorillaz

* Os ingressos para o festival MITA começam a ser vendidos em pré-venda amanhã, dia 24. em 1º de dezembro, é aberto ao público geral, via site do evento. A pista cheia custa R$ 700. Mais info no Instagram do MITA (@mita.festival) ou em seu TikTok (@mitafestival) e Twitter (@mitafestival).

O MITA é uma realização da carioca Bonus Track, do produtor Luiz Oscar Niemeyer, e da 30E paulistana.

>>

Top 50 da CENA – FBC leva o topo para o rap e para Minas Gerais. Luiza Brina “duela” com Ana Frango Elétrico. Alessandra Leão acende o novo álbum

1 - cenatopo19

* Semana de boa renovação no nosso Top 50. Ou pelo menos do top 10 dentro do Top 50. Minas, Pernambuco, Bahia, Goiás/São Paulo. Vamos passeando pelo Brasil atrás das melhores coisas que a nossa CENA anda fazendo nestes dias. E fica até a pergunta: estamos esquecendo de algum estado neste panorama semanal? Tem alguém ficando de lado? Reclamem nos comentários que vamos corrigir qualquer problema desse tipo. O país é grande e o trabalho em dupla tem suas limitações, ainda que os amigos estejam sempre escrevendo. Vamos garantir a manutenção da melhor playlist para acompanhar a CENA. Bora então para a destes últimos dias

fbctop50quadrada


1 – FBC e VHOOR – “Delírios (feat. Djair Voz Cristalina)” (Estreia)
A sacada de usar a estética visual e sonora do funk consciente de nomes como MC Dodô, que inspiraram o mineiro FBC na sua adolescência, funciona bem demais por aqui, lembrando que funk e rap tem um parentesco que às vezes fica de lado em muitos papos. É uma mudança na carreira do rapper e tem cara de hit daqueles que furam a bolha do gênero. A gente aposta nisso. Tanto que olha onde ele veio parar.

2 – Luiza Brina e Ana Frango Elétrico – “Somos Só” (Estreia)
E Luiza Brina continua convidado colegas para relerem canções de sua estreia solo, “A Toada Vem É Pelo Vento”, que completa 10 anos. E que parceria é esta, com a Ana Frango! Pela semelhança das vozes, até parecem que elas não são sós, mas são uma só.

3 – Alessandra Leão – “Borda da Pele” (Estreia)
A grande jornalista e radialista Debora Pill escreveu sobre esse novo single de Alessandra, que antecipa seu próximo álbum, “Acesa”. “É escolha subversiva pelo sim. E pela estratégia do prazer. Sabedoria selvagem da escuridão de dentro em resposta às trevas de fora”. Uau. Fica até difícil escrever algo depois disso, A potência poética de Alessandra está nessa opção por valorizar o corpo pulsante como estratégia de sobrevivência, como ela escreveu em seu Instagram. Aliás, Instagram onde encontramos outra bela frase dela: “Nesse meu corpo/ Sou quem fui e quem serei”

4 – Taxidermia – “Taxidermia Punk”
Projeto de Jadsa e João Milet, o Taxidermia avisou que logo vem o Outro Volume, sequência do trabalho lançado pela dupla no ano passado. Nesse próximo disco vai ter uma faixa que chama Taxidermia e que tem uma letra em diálogo direto com este single. Seria a versão punk dela? Se a gente entendeu alguma coisa errada, João e Jadsa, avisem a gente. Em todo caso, gostamos do que ouvimos.

5 – Jennifer Souza – “Amanhecer” (Estreia)
“Sorte eu te encontrar” é um verso que se repete na bonita e climática canção da mineira Jennifer Souza, que talvez você conheça da carreira solo ou das bandas Tranmissor ou Moons. Quem ainda não teve a sorte de escutar a delicada voz da Jennifer tem sua chance, enfim. Dos mais belos trabalhos que escutamos neste ano, sem dúvida.

6 – brvnks – “as coisas mudam” (Estreia)
E a brvnks segue apresentando sua nova fase, cheia de mudanças. A mais perceptível é que temos Bruna agora em português nos vocais – ela já tinha escrito um título de música em português, mas a letra não era. As coisas mudam, e como a própria Bruna escreveu no Instagram, “ainda bem”.

7 – João Donato e Jards Macalé – “Côco Táxi” (1)
Nus já na capa. E que capa. Jards e João. João e Jards. Juntos. Pela primeira vez. Em músicas inéditas, essa parceria de homens de diferentes gerações parece que sempre existiu. É uma sensação que bate de cara: “Jards e João? Escutei tudo”, como se já existissem vários álbuns da dupla. Tudo soa natural, belo e pronto por aqui. É a habilidade dos dois mestres. “Côco Táxi”, por exemplo, é um veículo cubano que ambos usaram em diferentes momentos da vida em visitas a Cuba. É a metáfora perfeita para o álbum.

8 – Jadsa – “Run, Baby” (Estreia)
Uma das crítica mais fortes e diretas de “Olho de Vidro” está em “Run, Baby”, onde Jadsa (olha ela de novo aqui no Top 50, hoje!) aborda a apropriação das religiões de matriz africana por brancos que se apegam à cultura sem profundidade e comprometimento. Ainda que crítica, a música é da doçura de um conselho. Resgatamos ela aqui, porque acabou de sair um belo vídeo dela com roteiro de Jadsa em parceria com Rei Lacoste, que já esteve por aqui em um Popload Entrevista. Procure saber. É só riqueza, por todo lado.

9 – Rabo de Galo, DJ Ubunto e Luedji Luna – “Me Abraça e Me Beija” (3)
O duo Rabo de Galo (formado por Peu Araujo e Bruno Komodo) e o DJ Ubunto vai regrar o álbum “Atrás do Pôr do Sol” (1988) de Lazzo Matumbi, artista de Salvador e uma das vozes mais importantes da cidade. O primeiro single deste trabalho traz duas regravações de oito, tem a clássica “Me Abraça e Me Beija”, com participação de Luedji Luna no voz. A ideia de retrabalhar um álbum quase perdido na história da música brasileira, ausente no Spotify, por exemplo, tem essa missão de resolver essa injustiça. Vamos escutar “Atrás do Por do Sol”?

10 – Stefanie e Gigante no Mic – “Coroa de Flores” (4)
Rapper de longa estrada, ainda que com trabalho solo recente, Stefanie chega muito bem ao lado do companheiro em uma homenagem as vítimas da Covid. Ambos tiveram perdas pessoais na pandemia e a música fala disso, mas também fala das perdas de todos. Na segunda metade, quando o beat fica mais pesado, o recado passa a ser aos que ainda estão por aqui e que estão dando bobeira, um alerta sobre.

11 – Vandal – “BALAH IH FOGOH” (5)
12 – Pluma – “Transbordar” (6)
13 – Chapéu de Palha – “Domingo” (7)
14 – Francisco, El Hombre – “Loucura” (8)
15 – Johnny Hooker – “Amante de Alguel” (9)
16 – Don L – “Na Batida da Procura Perfeita” (10)
17 – Céu – “Chega Mais” (11)
18 – Alice Caymmi – “Serpente” (12)
19 – Juçara Marçal – “Ladra” (13)
20 – Criolo – “Cleane” (14)
21 – Coruja Bc1 e Salgadinho – “Bolhas” (15)
22 – Sant – “Prantos” (16)
23 – Caetano Veloso – “Não Vou Deixar” (2)
24 – Marina Sena – “Pelejei” (18)
25 – Felipe S – “Violento Monumento” (19)
26 – Terno Rei e Samuel Rosa – “Resposta” (20)
27 – The Baggios – “Barra Pesada” (22)
28 – Prettos – “Oyá/Sorriso Negro” (26)
29 – Liniker – “Mel” (27)
30 – Luana Flores – “Lampejo da Encruza” (28)
31 – Valciãn Calixto – “Exu Não É Diabo (Èsù Is Not Satan)” (31)
32 – Bebé – “Sinais Elétricos na Carne” (32)
33 – Majur – Ogunté (33)
34 – Tasha e Tracie – “Lui Lui” (34)
35 – GIO – “Sangue Negro” (35)
36 – Linn Da Quebrada – “I míssil” (36)
37 – Rodrigo Amarante – “Maré” (37)
38 – Amaro Freitas – “Sankofa” (38)
39 – Pabllo Vittar – “Não É Papel de Homem” (39)
40 – Edgar – “A Procissão dos Clones” (40)
41 – Tuyo – “Toda Vez Que Eu Chego em Casa” (41)
42 – Jadsa – “Mergulho” (42)
43 – FEBEM – “Crime” (43)
44 – Boogarins – “Supernova” (44)
45 – JOCA, Sain, Jonathan Ferr, BENO, Theo Zagrae – “Água Fresca” (19)
46 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (46)
47 – Mbé – “Aos Meus” (47)
48 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (48)
49 – LEALL – “Pedro Bala” (49)
50 – Lupe de Lupe – “Brasil Novo” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o rapper mineiro Fabricio Soares, o FBC.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Top 50 da CENA – O topo da nova música é da velha geração. Jards Macalé, João Donato e Caetano Veloso mandam no ranking

1 - cenatopo19

* Quando a gente fala da potência da CENA brasileira e suas novidades parece que estamos falando só de artistas novos. Não é bem assim, claro. Nossos artistas mais velhos estão sempre mostrando o quanto ainda têm a apresentar e principalmente o quanto é preciso prestar atenção no que eles estão dizendo, do alto de sua sabedoria. Essa enorme força está provada nos novos lançamentos de João Donato, Jards Macalé e Caetano Veloso. Trabalhos de músicas inéditas, sobre o hoje. Fortes e presentes.

E, enquanto escrevíamos este Top 50, veio a notícia do falecimento do músico Letieres Leite, um dos maiores. Arranjador e instrumentista, Letieres é fundador da Orkestra Rumpilezz e tem a mão em obras de Hermeto Pascoal, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Timbalada, Paulo Moura, Ivete Sangalo, Maria Bethânia, Naná Vasconcelos, Daniela Mercury, Olodum – a lista é enorme. Gigante. É dele uma importante lição sobre música brasileira trazida em uma faixa de Zé Manoel: “Toda música brasileira é afro-brasileira”. R.i.p.

joaojardstopquadrado

1 – João Donato e Jards Macalé – “Côco Táxi” (Estreia)
Nus já na capa. E que capa. Jards e João. João e Jards. Juntos. Pela primeira vez. Em músicas inéditas, essa parceria de homens de diferentes gerações parece que sempre existiu. É uma sensação que bate de cara: “Jards e João? Escutei tudo”, como se já existissem vários álbuns da dupla. Tudo soa natural, belo e pronto por aqui. É a habilidade dos dois mestres. “Côco Táxi”, por exemplo, é um veículo cubano que ambos usaram em diferentes momentos da vida em visitas a Cuba. É a metáfora perfeita para o álbum.

2 – Caetano Veloso – “Não Vou Deixar” (Estreia)
Um beat de rap, modernoso, com interlúdio experimental e tudo. É assim que se apresenta “Não Vou Deixar”. O recado de Caetano aqui pode ter múltiplos alvos. Um Relacionamento? O Bolsonarismo? A gente entendeu que talvez o recado mesmo seja para o neoliberalismo e sua energia de querer derrubar toda a potência do Brasil. Essa vontade de ser norte-americano que existe por aí. Caetano acredita ao longo de “Meu Coco”, seu novo álbum, que a saída de salvação do mundo é brasileira. E isso vem da superação definitiva da tragédia da colonização, que ainda se reproduz na atualidade em forma da desigualdade e do racismo. Violências que impedem o Brasil de cumprir seu destino de salvar o mundo.

3 – Rabo de Galo, DJ Ubunto e Luedji Luna – “Me Abraça e Me Beija” (Estreia)
O duo Rabo de Galo (formado por Peu Araujo e Bruno Komodo) e o DJ Ubunto vai regrar o álbum “Atrás do Pôr do Sol” (1988) de Lazzo Matumbi, artista de Salvador e uma das vozes mais importantes da cidade. O primeiro single deste trabalho traz duas regravações de oito, tem a clássica “Me Abraça e Me Beija”, com participação de Luedji Luna no voz. A ideia de retrabalhar um álbum quase perdido na história da música brasileira, ausente no Spotify, por exemplo, tem essa missão de resolver essa injustiça. Vamos escutar “Atrás do Por do Sol”?

4 – Stefanie e Gigante no Mic – “Coroa de Flores” (Estreia)
Rapper de longa estrada, ainda que com trabalho solo recente, Stefanie chega muito bem ao lado do companheiro em uma homenagem as vítimas da Covid. Ambos tiveram perdas pessoais na pandemia e a música fala disso, mas também fala das perdas de todos. Na segunda metade, quando o beat fica mais pesado, o recado passa a ser aos que ainda estão por aqui e que estão dando bobeira, um alerta sobre.

5 – Vandal – “BALAH IH FOGOH” (Estreia)
Das mais conhecidas do rapper de Salvador, “BALAH IH FOGOH” ganhou até uma releitura pesada na mão do BaianaSystem. Ainda há novas rimas de Djonga, além do próprio Vandal acelerando o flow original na sua parte. “Só quero minha moeda, nada deles.” Aliás, Vandal acabou de soltar uma nova mixtape que merece sua atenção. Se liga.

6 – Pluma – “Transbordar” (Estreia)
A banda paulista Pluma segue produzindo músicas deliciosas em clima meio pop, meio quase jazz e experimental. “Transbordar”, por exemplo, chega a “travar” a ponto de deixar você noiado se é o seu computador que está com algum problema. Quem diria que um TCC, motivo que uniu a banda, daria tão certo.

7 – Chapéu de Palha – “Domingo” (Estreia)
O duo Giovanna Póvoas e Helder Cruz, de Manaus, faz um pop delicado e bonito. Daquele que tenta te tirar do agito e da loucura e te colocar num lugar bom, como um bom “Domingo”.

8 – Francisco, El Hombre – “Loucura” (Estreia)
“A melhor cura é uma boa loucura”, canta a banda na abertura de seu novo álbum, “Casa Francisco”. “Loucura” é sobre ter coragem de se arriscar, de se jogar no mundo. É a única forma de ver se a gente consegue fazer o que sonha. Não é um processo sem dor, às vezes alguém tem que te dar um empurrão, te assusta e aí você descobre que é capaz de ser melhor, de ser o que é.

9 – Johnny Hooker – “Amante de Alguel” (Estreia)
Sabe aquele brega que nasce com cara de clássico? Johnny consegue isso com seu novo single, “Amante de Aluguel”, que é daquelas que na primeira repetição você já saí cantando. Que poder.

10 – Don L – “Na Batida da Procura Perfeita” (1)
Tem um verso antigo do Don L que avisa: “Faz da vida um filme próprio, não um filme antigo”. Fazer o próprio filme é uma tarefa árdua. Se você tentar terá sorte se só te chamarem de maluco. Simbólico que “Você não queria um filme diferente?” seja a frase que abre sua nova música, esta aqui. No filme próprio que constrói, Don começa a dar conta de que perceber o que há de errado no mundo é bem diferente de mudar o que há de errado no mundo. Nessa distância entre reflexão e ação cabe um milhão de coisas. E nesse caminho Don já topou com as contradições (“Eu sou comunista e curto carros”), com o cansaço (“Uma luta contra o mundo/ Pra fazer parte do mundo que cê luta contra”), o tema da vez é a procura pelo que se quer de fato. Ou uma redefinição de metas e objetivos. Ricos? Imagina a gente livre, ele pondera. Temos aqui uma música que toca na questão da terra como luta primordial ao lembrar o mito guarani da busca por uma terra sem males (“Yvy Marã”). A senha é a palavra “busca”. E mais: mal não é algo abstrato, mas engloba criações dos homens brancos que massacraram a população indígena. A invenção da propriedade privada é um desses males, para ficar em um só problema. Sonhar por um filme diferente é parte essencial de conseguir armar esse filme diferente. E é uma questão que escapa ainda para muita gente, que tem deixado de sonhar, como se no máximo desse para dar uma melhorada em um roteiro ruim. Cadê nossa criatividade? E se tá ruim, massa, todo mundo entendeu, mas que filme diferente é esse? Don deu sua sugestão.

11 – Céu – “Chega Mais” (2)
12 – Alice Caymmi – “Serpente” (3)
13 – Juçara Marçal – “Ladra” (4)
14 – Criolo – “Cleane” (5)
15 – Coruja Bc1 e Salgadinho – “Bolhas” (6)
16 – Sant – “Prantos” (7)
17 – Francisco, El Hombre – “Solo Muere El Que Se Olvida” (8)
18 – Marina Sena – “Pelejei” (9)
19 – Felipe S – “Violento Monumento” (10)
20 – Terno Rei e Samuel Rosa – “Resposta” (11)
21 – Taxidermia – “Lava” (12)
22 – The Baggios – “Barra Pesada” (13)
23 – Tagore – “Maya” (17)
24 – Caetano Veloso – “Anjos Tronchos” (18)
25 – Marissol Mwaba – “Marte” (19)
26 – Prettos – “Oyá/Sorriso Negro” (20)
27 – Liniker – “Mel” (21)
28 – Luana Flores – “Lampejo da Encruza” (24)
29 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Fora do Meu Quarto” (25)
30 – Rei Lacoste – “Tutorial de Como Ser Amador” (26)
31 – Valciãn Calixto – “Exu Não É Diabo (Èsù Is Not Satan)” (27)
32 – Bebé – “Sinais Elétricos na Carne” (28)
33 – Majur – Ogunté (29)
34 – Tasha e Tracie – “Lui Lui” (30)
35 – GIO – “Sangue Negro” (33)
36 – Linn Da Quebrada – “I míssil” (34)
37 – Rodrigo Amarante – “Maré” (35)
38 – Amaro Freitas – “Sankofa” (36)
39 – Pabllo Vittar – “Não É Papel de Homem” (37)
40 – Edgar – “A Procissão dos Clones” (38)
41 – Tuyo – “Toda Vez Que Eu Chego em Casa” (39)
42 – Jadsa – “Mergulho” (40)
43 – FEBEM – “Crime” (41)
44 – Boogarins – “Supernova” (44)
45 – JOCA, Sain, Jonathan Ferr, BENO, Theo Zagrae – “Água Fresca” (19)
46 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (46)
47 – Mbé – “Aos Meus” (47)
48 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (48)
49 – LEALL – “Pedro Bala” (49)
50 – Lupe de Lupe – “Brasil Novo” (50)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a dupla João Donato e Jards Macalé.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Top 50 da CENA – Juçara Marçal agarra o topo lindamente. Nelson D só sobe. E Rei Lagarto pede lugar no pódio

1 - cenatopo19

* Nada mais apropriado para o momento do que um recado tiro certo da Juçara Marçal. “Venham com fé conferir/ A derrota de quem com ferro feriu.” Precisa de mais alguma coisa? É nosso primeiro lugar incontestável nesta semana. Que ainda tem Nelson D subindo no ranking e direto de Salvador uma supermúsica de amor de Luedji Luna e as invencionices de Rei Lacoste. Tá bonito!

jucaratopquadrada

1 – Juçara Marçal – “Crash” (Estreia)
Uau. Que pancada quase literal é este novo single da Juçara Marçal. Com letra do rapper Rodrigo Ogi e produção de seu superparceiro Kiko Dinucci, Juçara chega estraçalhando com aqueles que querem com ferro ferir. Além da letra certeira e sua interpretação para lá de inspirada, sonoramente este single aponta que o álbum “Delta Estácio Blues” vai trazer novos elementos para sua rica discografia, onde o experimentalismo mais de banda embarca em uma experimentação eletrônica. Na ansiedade, falamos em disco do ano. Vamos ver.

2 – Nelson D – “Toy Boy” (2)
O artista electroindígena Nelson D vai muito bem em seu segundo álbum, “Anga” (“Alma”, em nheengatú). Em “Toy Boy”, por exemplo, ele mostra todo seu conhecimento de música eletrônica e desenvolve uma longa e hipnotizante faixa. Como ele gosta de dizer: “A parte instrumental de muitas das minhas músicas são uma tentativa de criar uma trilha musical para essa geografia pessoal”. E aqui impressiona que ele deixe um território tão livre para a nossa imaginação flutuar.

3 – Rei Lacoste – “Tutorial de Como Ser Amador” (Estreia)
Rei Lacoste é dos nomes mais inventivos da CENA de Salvador. Artista que estudou cinema antes de embarcar na música, ele escolhe o trap como elemento de sua exploração artística. Um pé no pop e outro pé em Glauber Rocha, sacou? Já no título deste som você já vê a brincadeira. Tutorial vem dos tutoriais da internet. E aprender a ser amado é uma bela inversão já que é mais fácil imaginar por aí um tutorial de como amar ou conquistar alguém e tal. Lacoste aprontou aqui.

4 – Luedji Luna e Zudzilla – “Ameixa” (Estreia)
As pessoas cobraram de Luedji uma música sobre seu filhote, o pequeno Dayo. Ela demorou, mas entregou a tal faixa, com participação do marido Zudzilla e produção na parceria pesada de Nave Beatz e Feijuca, dois excelentes nomes que já trabalharam com Emicida, Rael, Fióti e Rodrigo Ogi. É daquelas músicas para deixar todo mundo feliz, sorriso no rosto pela felicidade alheia. Um sentimento que o brasileiro parece querer deixar de canto e que a gente precisa retomar. Felicidade. Geral.

5 – Bebé – “Sinais Elétricos na Carne” (1)
Com larga experiência musical em apenas 17 anos de idade, Bebé Salvego apresenta em sua estreia em álbum uma originalidade e criatividade impressionantes. Entre as melhores músicas do disco, se destaca esta que ela escreveu, tocou e produziu praticamente sozinha, muito por incentivo dos seus produtores, entre eles Sérgio Machado, um dos melhores bateristas da CENA e que um dos trabalhos do álbum foi transformar Bebé em compositora. Veio dele o desafio de que ela fizesse um som sozinha de tudo. Olha, capaz que Bebé aposente todos os produtores no álbum seguinte. Brincadeira à parte, a mina de Piracicaba arrebenta.

6 – Marina Sena – “Me Toca” (3)
Por algum vacilo a gente já nao botou esta “Me Toca” aqui, em altos lugares. Mas ficamos vendo de longe esse hit da mineira Marina Sena, ex-Rosa Neon, abrir os caminhos para sua empolgante estreia solo, o disco “De Primeira”. De primeira, são vários potencias hits ali. Mas aproveitamos para fazer justiça ao primeiro enquanto já vemos alguns outros destaques surgindo (“Voltei Pra Mim” e “Pelejei” são superacertos e já estão cavando seus lugares no nosso ranking semanal).

7 – Majur – Ogunté (4)
Nesta bonita música com participação de Luedji Luna, a também baiana Majur homenageia Ogunté, “que é o nome da minha Iemanjá”, ela explica. Uma canção que fala sobre acreditar em algo que te potencialize, te dê segurança e força. Majur comenta que a mensagem vale para qualquer expressão de espiritualidade – uma mensagem para tempos de tanta intolerância religiosa.

8 – Fresno – “6h43 (Nem Liga Guria)” (Estreia)
“Inventário” será uma mixtape de material inédito que a Fresno tem guardado por aí. Mas a banda não está só jogando para o público coisa que estavam na gaveta. Eles estão dando para o trabalho uma cara de músicas completas, como se fosse para um disco mesmo. Caso dessa faixa que já tinha saído pelo projeto solo de Lucas, “Visconde”. Não é aquela canção que só tinha no Soundcloud e agora foi posta no Spotify de qualquer jeito. É uma versão completamente nova.

9 – Tasha e Tracie – “Lui Lui” (6)
Quem tá ligado no mundo da moda já conhece as gêmeas paulistanas Tasha e Tracie há um tempo. Elas ficaram famosas pelo blog “Expensive Shit”, onde ensinavam a se vestir bem sem gastar muita grana. No blog, elas também davam seu show de conhecimento com uma pesquisa sobre arte, cultura e som. Elas não rimavam quando apareceram pela primeira vez, mas eram do rap. Foi um toque do mestre racional Kl Jay que acertou esse detalhe. Ele as alertou que na cultura hip hop todos podem fazer a arte que quiserem. E elas resolverem investir nas rimas. E que belo investimento. Seu primeiro álbum, o recém-lançado “Diretoria”, é arrasador. E, no pique, são 22 minutos de ideia boa atrás de ideia boa. “Igual nós vocês quer viver/ Mas igual nós ‘cês não quer morrer”, “Nasci com a boca que elas compra”, “Pra ter o que você tem só precisa de um paicpague/ Pra fazer como eu faço; muita vivência de base”. São só alguns exemplos das boas linhas. A gente escolheu “Lui Lui” aqui no ranking, mas poderia ser qualquer um dos outros sons.

10 – Papangu – “Ave-Bala” (7)
Muito interessante o som metaleiro e progressivo dessa banda de João Pessoa, Paraíba. A gente que nem é tão versada nesse ramo sabe pelo menos reconhecer algo muito bem-feito – e tem um rolê conceitual muito bem construído ali, com referências à literatura brasileira, ao imaginário nordestino e ainda carrega um papo político sobre relações sociais e com a natureza que corre por fora da narrativa mais explícita da banda. Preste atenção nesses caras.

11 – Sebastianismos – “Se Nem Deus Agrada Todo Mundo Muito Menos Eu” (8)
12 – Autoramas + Dead Fish – “Sem Tempo” (10)
13 – Isabel Lenza – “Eu Sou o Meu Lugar” (11)
14 – Valciãn Calixto – “Exu Não É Diabo (Èsù Is Not Satan)” (12)
15 – Jade Baraldo – “Não Ama Nada” (13)
16 – Giovanna Moraes – “Maluco Beleza” (9)
17 – Cadu Tenório – “Psycho Zaku” (14)
18 – 1LUM3 – “Lovecrime” (15)
19 – Letrux – “Isso Aqui É um Campo Minado” (16)
20 – Guilherme Arantes – “A Desordem dos Templários” (17)
21 – GIO – “Sangue Negro” (18)
22 – Tuyo – “Turvo” (19)
23 – Linn Da Quebrada – “I míssil” (20)
24 – Priscilla Alcântara – “Tem Dias” (21)
25 – Macaco Bong – “Hacker de Sol” (22)
26 – Iara Rennó – “Ava Viva” (26)
27 – Rodrigo Amarante – “Maré” (23)
28 – Criolo – “Fellini” (22)
29 – Amaro Freitas – “Sankofa” (23)
30 – Pabllo Vittar – “Não É Papel de Homem” (22)
31 – Romulo Fróes – “Baby Infeliz” (28)
32 – Edgar – “A Procissão dos Clones” (30)
33 – Tuyo – “Toda Vez Que Eu Chego em Casa” (31)
34 – Jonathan Ferr – “Amor” (33)
35 – Jadsa – “Mergulho” (34)
36 – Jup do Bairro – “Sinfonia do Corpo” (36)
37 – Bruna Mendez e June – “A Vida Segue, Né?” (38)
38 – Yung Buda – “Digimon” (40)
39 – FEBEM – “Crime” (42)
40 – Rodrigo Brandão – “O Sol da Meia-Noite” (21)
41 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Os Prédios Cinzas e Brancos da Av. Maracanã” (43)
42 – Boogarins – “Supernova” (44)
43 – BaianaSystem – “Brasiliana” (45)
44 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (46)
45 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (47)
46 – Mbé – “Aos Meus” (48)
47 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (49)
48 – LEALL – “Pedro Bala” (50)
49 – Lupe de Lupe – “Brasil Novo” (37)
50 – Tagore – “Capricorniana” (20)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora Juçara Marçal.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>