Em macaco bong:

Popnotas – Batelada de novos discos, novos remixes, filme do disco etc. ABBA nas paradas como se fosse 1981. Popcast em papo reto sobre “Ele”. Charlie XCX demoníaca. E Macaco Bong arma lambadão cuiabano em novo single

>>

– Sexta-feira passada foi muito movimentada nos lançamentos de discos. Além do álbum novo do canadense Drake, saíram o fundamental quarto disco da rapper inglesa Little Simz, “Sometimes I Might Be Introvert”, de quem destacamos o novo vídeo, para a maravilhosa “Point and Kill” (abaixo); a edição luxo de 15 anos de “Yello House”, da banda indie americana Grizzly Bear; o “Dawn of Chromatica”, a versão remix do último álbum da Lady Gaga, que traz uma remexida da Pabllo Vittar, numa faixa, da qual temos mais coisas para falar, em breve; rolou ainda “Senjutsu”, o disco japonês do almighty Iron Maiden. Teve ainda o filme do disco, a versão hollywoodiana da Billie Eilish para seu “Happier than Ever”, cantado faixa a faixa e animado por uma Billie em desenho e com orquestra regida pelo renomado Gustavo Dudamel. “Happier than Ever: Uma Carta de Amor para Los Angeles”, dirigido pelo Robert Rodriguez, está em cartaz na plataforma Disney+. Ah, tem o EP da Juliette BBB, também, que contou com o maior esquema de lançamento de um disco no ano aqui no Brasil nos últimos anos, além de ter três músicas com nomes de músicas do Boogarins…

– Você deve já ter sido atropelada/o pela notícia, a lendária banda sueca Abba, uma das formações pop mais bem-sucedidas da história, anunciou que vai lançar um disco novo depois de 39 anos e sair em turnê mundial. “Sair em turnê” é um termo relativo, porque o grupo escandinavo (foto na chamada da home da Popload), formado por Agnetha, Björn, Benny e Anni-Frid, prepara uma série de shows em holograma, sem sair da Suécia. Dado o grande vídeo de apresentação da ideia que correu mundo e tinha São Paulo e Rio representados, esse show de avatares, estando-sem-estar, deve ser armado por aqui também. Vai ser, pelo que parece, uma nova concepção de live, não para ver em computador e sim pagando ingresso para assistir numa arena. Não à toa, o álbum a ser lançado vai se chamar “Voyage”, marcado para sair em 5 de novembro. O negócio é que, no meio do fuzuê de retorno da banda, o Abba soltou duas músicas novas, “I Still Have Faith In You” e “Don’t Shut Me Down”. E, na Inglaterra, espera-se que ambas as canções novas cheguem ao Top 10 das mais vendidas da semana, até sexta que vem. Tudo baseado em vendas dos três primeiros dias pós-anúncio de volta do grupo de Estocolmo. Vai ser a primeira vez do Abba no Top 10 britânico em praticamente 40 anos. A última emplacada nos charts ingleses foi em dezembro de 1981, com o single “One of Us”. A turnê de avatares do Abba, que no local da apresentação vai ter uma banda real de dez músicos tocando, começa em 2022 e já tem um período anunciado para acontecer: entre março e maio no parque olímpico em Londres, numa arena a ser construída especialmente no local para receber os hologramas do quarteto sueco. Ainda sem data divulgada, o show da Queen Elizabeth Olympic Park terá seus ingressos vendidos a partir de amanhã.

– O Popcast desta semana traz um papo retíssimo e nada conclusivo de “Donda”, o disco novo do rapper Kanye West, essa figura iluminada cuja genialidade talvez não esteja plenamente sendo alcançada por nós, seres humanos normais. O podcast da Popload, apresentado por Isadora Almeida e Lúcio Ribeiro, com firulas técnicas incríveis de Raphael Bertazi, conversa ainda sobre a batelada (de novo?) de festivais que aconteceram na Inglaterra nos últimos dias, vários grandes no mesmo final de semana. Temos esperança? Fora o nosso “disputado” pódio de músicas novas, as efemérides/R.I.P da semana e os rolês legais da CENA brasileira. No arrrrr. Ouve e comenta.

– Com premiere na Radio One da BBC, quinta passada, a cantora inglesa de um certo electropop de vanguarda Charlie XCX revelou seu novo single, “Good Ones”, que aponta para seu embaçadinho quinto disco, muito conversado nas redes sociais, mas nada ainda de vir ao mundo real. Quer dizer, agora está vindo, com este single e seu vídeo assim… polêmico. Charlie XCX se veste sexy para ir dançar num velório de algum “good one” dela, acompanhada de umas amiguinhas. Segundo a cantora, compor essa música fez virar uma chavinha dentro dela. “Ela abriu as portas da transformação para minha nova era pessoal. ‘Good Ones’ é muito representativa do que está por vir. Com uma inspiração oitentista, poderosa e desafiadora, mas também emocionalmente ferido e vulnerável, ele me levou a um nível pop demoníaco.” Tá bom?

– A clássica banda indie-instrumental Macaco Bong realmente saiu do coma profundo. Depois de quebrar uma longa ausência de três anos com o single inédito “Hacker de Sol”, fazendo uma homenagem ao filme “Bacurau”, agora o trio, liderado pelo guitarrista-fundador Bruno Kayapy, solta a segunda faixa do próximo álbum do grupo, “Mondo Verbero”, ainda sem data de lançamento, mas prometido ainda para 2021 pelo selo ForMusic Records. Em “Kãeãe”, o novo single, o tributo é para o Mato Grosso, onde a banda nasceu, lá em 2004. “‘Kãeãe’ é uma gíria expressada somente por pessoas que realmente conhecem a capital Cuiabá”, revela Kayapy. “Geralmente o termo é usado para se referir a algum tipo de sentimento de medo ou apreensão, com o mesmo sentido de ‘Meu Deus do Céu’ e pode ser escrito de qualquer forma. Musicalmente falando, é um rasqueado com lambadão ao estilo bem cuiabano”, diz. Além de Kayapy, o Macaco Bong de hoje tem Eder Noleto na bateria e Igor Carvalho no baixo, os dois de Cuiabá.

>>

Top 50 da CENA – Olha! Guilherme Arantes progressivo no nosso topo. Seguido pela aula punk de História do Brasil em um minuto, ministrada pelo Autoramas. Marcelo Perdido traz seu Carnaval para o terceirão

>>

* Semana interessante por aqui em questão da duração do tempo das músicas. Repare. Nosso primeiro lugar é um som de sete minutos. O segundo lugar tem menos de um minuto. Um é progressivo. Outro é punk. E ambos fazem muito sentido neste confuso 2021 em que vivemos. Com jeitos diferentes, ambas as músicas batem nesta crise atual. Um tema que talvez seja o assunto do nosso terceiro lugar, se a gente entendeu o recado cifrado da canção. Será? E segue interessante a nossa playlist atenta ao que a nossa CENA, a mais interessante do planeta, tem a dizer.

guilhermetopquadrado

1 – Guilherme Arantes – “A Desordem dos Templários” (Estreia)
Em seu novo disco, o veterano Guilherme Arantes investiu em recuperar suas raízes progressivas. Para quem não sabe, ele, que ficou conhecido por suas baladas mais românticas, teve uma fase progressiva e roqueira com a banda Moto Perpétuo. A pecha “romântica” que vem grudada a seu nome não faz juz à totalidade de sua carreira. Nesse retorno às origens, digamos, ele escreveu a épica “A Desordem dos Templários”, um som de mais de sete minutos com diversas seções, inclusive uma em ritmo de baião. A música parece usar de símbolos antigos para falar dos dias atuais. Em um momento, Guilherme canta: “Cada dia é uma batalha desigual em nome de uma paz/ E tudo que se entende por ‘normal’ é a bandeira incandescente da exclusão”.

2 – Autoramas e Rodrigo Dead Fish – “A Cara do Brasil” (Estreia)
A parceria Autoramas com Rodrigo, vocalista do Dead Fish, chega em uma música veloz e urgente – no clima e na duração. Ela tem quaaaase um minuto, mas dá conta de resumir um ano, quase dois da condução criminosa da pandemia no Brasil, que já custou perto de 600 mil vidas. Para que serve o punk bom, não é mesmo?

3 – Marcelo Perdido – “Carnaval” (Estreia)
Por falar em pandemia e governo que conduz tudo da pior maneira possível – não teve como ter Carnaval neste ano. Mesmo sendo sem ser. Sendo. E aí fica na nossa cabeça essa bela música do Marcelo Perdido com participação do Teago Oliveira, da Maglore, que fala sobre um Carnaval que não foi, mas é. Talvez a canção esteja mesmo falando disso um pouco. Especialmente sobre a nossa força de manter a festa, em amplos sentidos. Estamos muito errados, Marcelo?

4 – GIO – “Sangue Negro” (1)
Que experiência foi trocar uma ideia com GIO, no Popload Entrevista. Está aí um menino cheio de sugestões boas na cabeça idem. O novo álbum do músico baiano, ex-Giovani Cidreira, além de uma ida a sua ancestralidade com a chave do afrofuturismo, é sua tentativa de colocar essas ideias na prática. Trabalhar pelos seus, por sua história e por seu valor. Por que abaixar a guarda para fazer parte de um mundo que não te respeita? Por que querer fazer parte daquela outra festa? Veja bem a nossa festa. Ela que é bonita e ela que diz um tanto de coisa para nós. Ainda que tantos teimem em jogar na nossa cabeça que não é bem assim. Eles estão errados.
A faixa “Sangue Negro”, escrita com o primo Filipe Castro, abre a obra – no YouTube um curta deles mostra as origens da família de GIO e suas histórias. Ao resumir um pouco da ideia do disco, ele escreveu: “É sobre não esquecer que somos pessoas iluminadas, detentoras de um poder ancestral, de um potencial que o sistema racista, que nos mata todos os dias e nos entrega sobras, descarta e nos faz esquecer, retirando o direito de existir na memória, na musicalidade e nas experiências culturais deste país.” Este álbum vai longe, em vários sentidos. E seguimos aqui celebrando ele.

5 – Tuyo – “Turvo” (2)
Velha conhecida dos fãs, “Turvo” é uma canção que finalmente o trio curitibano resolveu colocar em disco. E a vez dela chegou em “Chegamos Sozinhos em Casa, Vol. 2”. Porém, “Turvo” aparece totalmente desconstruída da versão conhecida pelos fãs. Acelerada, mais eletrônica e mais suingada, é de longe das canções mais viciantes do álbum. Esta é para tocar um milhão de vezes por aí.

6 – Linn Da Quebrada – “I míssil” (3)
Que álbum é esse, Linn Da Quebrada? Ela conseguiu repetir o difícil feito de bater de frente com uma grande estreia e seu segundo disco é uma nova superobra em uma simbiose linda com a parceria/DJ/produtora Badsista. Ao propor uma nova sonoridade, Linn lança o questionamento e provoca “algoritmos, gêneros e rótulos” e também a plateia ao apresentar um lado seu que ainda não observamos.

7 – Bivolt – “Pimenta” (Estreia)
Delícia esse som da Bivolt com feat. da Gloria Groove. Pop bem feito, graves no jeito e uma letra quente. Bivolt que ainda mantém o MC no user do Twitter dá uma aula de que é possível transitar por gêneros musicais sem perder a identidade.

8 – Priscilla Alcântara – “Tem Dias” (Estreia)
Sucesso desde criança a cantora Priscilla Alcântara fez uma música ao lada da melhor e mais bombada comentarista da Olímpiada, a Karen Jonz – que tem uma carreira musical que a gente já destacou por aqui, além da supercarreira no skate -, e de Lucas Fresno, também conhecido como “o marido da Karen”. A música é um acerto pop com refrão grude e aquela força de tirar a gente de umas bads.

9 – Macaco Bong – “Hacker de Sol” (4)
É sempre bom saber o que se passa pela cabeça do sempre excelente Bruno Kayapy e sua Macaco Bong, atualmente formada por ele e Eder Noleto na bateria mais Igor Carvalho no baixo. “Hacker de Sol” inspirada em “Bacurau”, filmaço de Kleber Mendonça e Juliano Dorneles, quebra um longo silêncio da banda. Fiquem tão quietos assim não, meninos.

10 – Rincon Sapiência – “Todo Canto” (5)
Rincon abraça a onda do drill e faz um single nessa pegada, uma produção de SubX, Ty Fig. Sobre o sentido do gênero, até Rincon fez uma graça com o significado de drill em seu YouTube, já que as minúcias do estilo, marcado por ser mais sombrio e ter graves poderosos, podem passar quase despercebidas aos fãs mais ocasionais.

11 – Kiko Dinucci – “VHS” (6)
12 – Mary Olivetti – “Black Coco” (7)
13 – Rodrigo Amarante – “Maré” (8)
14 – Valciãn Calixto – “Desmistificando Pombagira” (9)
15 – Tagore – “Capricorniana” (10)
16 – Zopelar – “Jump” (11)
17 – Bruno Bruni – “A Onda” (12)
18 – Terno Rei – “Medo” (13)
19 – Rodrigo Brandão – “O Sol da Meia-Noite” (16)
20 – Criolo – “Fellini” (17)
21 – Amaro Freitas – “Sankofa” (21)
22 – Pabllo Vittar – “Não É Papel de Homem” (22)
23 – Nill – “Singular” (23)
24 – Ana Frango Elétrico – “Promessas e Previsões” (24)
25 – Mineiros da Lua – “Armadilha” (25)
26 – Iara Rennó – “Ava Viva” (26)
27 – Isabel Lenza – “Tudo Que Você Não Vê” (27)
28 – Romulo Fróes – “Baby Infeliz” (28)
29 – BNegão feat. Paulão King – “Cérebros Atômicos” (29)
30 – Edgar – “A Procissão dos Clones” (30)
31 – Tuyo – “Toda Vez Que Eu Chego em Casa” (31)
32 – Giovanna Moraes – “Baile de Máscaras” (32)
33 – Jonathan Ferr – “Amor” (33)
34 – Jadsa – “Mergulho” (34)
35 – Mulungu – “A Boiar” (35)
36 – Jup do Bairro – “Sinfonia do Corpo” (36)
37 – Lupe de Lupe – “Brasil Novo” (37)
38 – Bruna Mendez e June – “A Vida Segue, Né?” (38)
39 – Zé Manoel – “Como?” (39)
40 – Yung Buda – “Digimon” (40)
41 – Duda Beat – “Meu Pisêro” (41)
42 – FEBEM – “Crime” (42)
43 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Os Prédios Cinzas e Brancos da Av. Maracanã” (43)
44 – Boogarins – “Supernova” (44)
45 – BaianaSystem – “Brasiliana” (45)
46 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (46)
47 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (47)
48 – Mbé – “Aos Meus” (48)
49 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (49)
50 – LEALL – “Pedro Bala” (50)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o veterano cantor e pianista Guilherme Arantes.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Top 50 da CENA – GIO em primeiro, Tuyo em segundo, Linn em terceiro. Tudo igual numa parada diferente

1 - cenatopo19

* Resolvemos fazer uma semana diferente no nosso Top desta vez. Uma semana sensivelmente menos novidadeira que as outras. São três novidades e repetimos todas as três primeiras posições. “Consumir música não era sobre lançamentos”, escreveu a Dora Guerra na semana passada em uma outra seção da Popload, a “Semiload”, e tem uma conversa interessante aí. Alguns textos ganharam retoques e novas ideias, alguns permanecem. Acalmar a brincadeira é uma ação que pode partir de nós também – vamos escutar tudo de novo com mais calma?

giotopquadrada

1 – GIO – “Sangue Negro” (1)
Que experiência foi trocar uma ideia com GIO, no Popload Entrevista. Está aí um menino cheio de sugestões boa na cabeça. O novo álbum do músico baiano, ex-Giovani Cidreira, além de uma ida a sua ancestralidade com a chave do afrofuturismo, é sua tentativa de colocar essas ideias na prática. Trabalhar pelos seus, por sua história e por seu valor. Por que abaixar a guarda para fazer parte de um mundo que não te respeita? Por que querer fazer parte daquela outra festa? Veja bem a nossa festa. Ela que é bonita e ela que diz um tanto de coisa para nós. Ainda que tantos teimem em jogar na nossa cabeça que não é bem assim. Eles estão errados.
A faixa “Sangue Negro”, escrita com o primo Filipe Castro, abre a obra – no YouTube um curta deles mostra as origens da família de GIO e suas histórias. Ao resumir um pouco da ideia do disco, ele escreveu: “É sobre não esquecer que somos pessoas iluminadas, detentoras de um poder ancestral, de um potencial que o sistema racista, que nos mata todos os dias e nos entrega sobras, descarta e nos faz esquecer, retirando o direito de existir na memória, na musicalidade e nas experiências culturais deste país.” Este álbum vai longe, em vários sentidos.

2 – Tuyo – “Turvo” (2)
Velha conhecida dos fãs, “Turvo” é uma canção que finalmente o trio curitibano resolveu colocar em disco. E a vez dela chegou em “Chegamos Sozinhos em Casa, Vol. 2”. Porém, “Turvo” aparece totalmente desconstruída da versão conhecida pelos fãs. Acelerada, mais eletrônica e mais suingada, é de longe das canções mais viciantes do álbum. Esta é para tocar um milhão de vezes por aí.

3 – Linn Da Quebrada – “I míssil” (3)
Que álbum é esse, Linn Da Quebrada? Ela conseguiu repetir o difícil feito de bater de frente com uma grande estreia e seu segundo disco é uma nova superobra em uma simbiose linda com a parceria/DJ/produtora Badsista. Ao propor uma nova sonoridade, Linn lança o questionamento e provoca “algoritmos, gêneros e rótulos” e também a plateia ao apresentar um lado seu que ainda não observamos.

4 – Macaco Bong – “Hacker de Sol” (Estreia)
É sempre bom saber o que se passa pela cabeça do sempre excelente Bruno Kayapy e sua Macaco Bong, atualmente formada por ele e Eder Noleto na bateria e Igor Carvalho no baixo. “Hacker de Sol” inspirada em “Bacurau”, filmaço de Kleber Mendonça e Juliano Dorneles, quebra um longo silêncio da banda. Fiquem tão quietos assim não, meninos.

5 – Rincon Sapiência – “Todo Canto” (Estreia)
Rincon abraça a onda do drill e faz um single nessa pegada, uma produção de SubX, Ty Fig. Sobre o sentido do gênero, até Rincon fez uma graça com o significado de drill em seu YouTube, já que as minúcias do estilo, marcado por ser mais sombrio e ter graves poderosos, podem passar quase despercebidas aos fãs mais ocasionais.

6 – Kiko Dinucci – “VHS” (Estreia)
Em seu disco solo “Rastilho”, Dinucci foi atrás de um som de violão bem distante dos limites digitais. Queria repensar as formas de registro do instrumento. “VHS” é uma experiência de 20 minutos de uma única faixa que passa por outro desafio. Aqui a ideia é “estragar” o som pelos limites impostos por um fita VHS, que comia um tanto da qualidade do cinema e aqui “estraga” registros sonoros a partir de um performance de Kiko e Fernando Velasquez para o festival Música Estranha.

7 – Mary Olivetti – “Black Coco” (4)
Filha do mestre Lincoln Olivetti, a DJ e produtora Mary resolveu reler uma joia do pai, no caso este hit dos anos 70. Na versão atualizada, os vocais são da maravilhosa Mahmundi, que só chegam aos 2 minutos da música. Deu para entender um pouquinho da brisa que são esses seis minutos de som?

8 – Rodrigo Amarante – “Maré” (5)
Um outro disco solo que honrou o compromisso é esse do Amarante, o recém-lançado “Drama”, tão bom quanto a estreia do hermano sem o Los Hermanos. Belas canções e proposta acertada de cantar outros mundos e amores possíveis – sem medo do drama. Falar de amor é sempre revolucionário.

9 – Valciãn Calixto – “Desmistificando Pombagira” (6)
O piauiense registra aqui sua mistura única de funk, axé, swingueira, capoeira, salsa, candomblé e xote, temperada pela capacidade enorme dele em fazer letras simples e diretas. E bacanas. E parte para cima de uma tema urgente no Brasil: desmistificar elementos do candomblé e da umbanda. Não por acaso, seu novo EP que saí em breve vai levar o nome de “Macumbeiro 2.0”. Menino bom.

10 – Tagore – “Capricorniana” (7)
Rapaz, que hit imediato o pernambucano Tagore conseguiu criar aqui. Uma conversa direta com o melhor que a música psicodélica na tradição brasileira já produziu – e pop até umas horas, já que a turma curte papo de signo ou “astrologia de buteco”, segundo o próprio vocalista/compositor/guitarrista Tagore Suassuna – até os haters. Afinal haters gonna hate.

11 – Zopelar – “Jump” (8)
12 – Bruno Bruni – “A Onda” (9)
13 – Terno Rei – “Medo” (10)
14 – Bonifrate – “Cara de Pano” (11)
15 – Nelson D – “Nossa Flecha (L_cio Remix) (12)
16 – Rodrigo Brandão – “O Sol da Meia-Noite” (13)
17 – Criolo – “Fellini” (14)
18 – Bruxas Exorcistas – “Vade Retro Satanás” (15)
19 – Fusage – “Fearless Soul” (16)
20 – ATR – “Intro’ (20)
21 – Amaro Freitas – “Sankofa” (21)
22 – Pabllo Vittar – “Não É Papel de Homem” (22)
23 – Nill – “Singular” (23)
24 – Ana Frango Elétrico – “Promessas e Previsões” (24)
25 – Mineiros da Lua – “Armadilha” (25)
26 – Iara Rennó – “Ava Viva” (26)
27 – Isabel Lenza – “Tudo Que Você Não Vê” (27)
28 – Romulo Fróes – “Baby Infeliz” (28)
29 – BNegão feat. Paulão King – “Cérebros Atômicos” (29)
30 – Edgar – “A Procissão dos Clones” (30)
31 – Tuyo – “Toda Vez Que Eu Chego em Casa” (31)
32 – Giovanna Moraes – “Baile de Máscaras” (32)
33 – Jonathan Ferr – “Amor” (33)
34 – Jadsa – “Mergulho” (34)
35 – Mulungu – “A Boiar” (35)
36 – Jup do Bairro – “Sinfonia do Corpo” (36)
37 – Lupe de Lupe – “Brasil Novo” (37)
38 – Bruna Mendez e June – “A Vida Segue, Né?” (38)
39 – Zé Manoel – “Como?” (39)
40 – Yung Buda – “Digimon” (40)
41 – Duda Beat – “Meu Pisêro” (41)
42 – FEBEM – “Crime” (42)
43 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Os Prédios Cinzas e Brancos da Av. Maracanã” (43)
44 – Boogarins – “Supernova” (44)
45 – BaianaSystem – “Brasiliana” (45)
46 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (46)
47 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (47)
48 – Mbé – “Aos Meus” (48)
49 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (49)
50 – LEALL – “Pedro Bala” (50)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, GIO, ex-Giovani Cidreira.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

Popnotas – Lá vem a Lizzo com música bombástica nova. O Macaco Bong, o “Bacurau” e a master chef. E já sobre o Coachella 2023

>>

* Sdd da Lizzo? Pois a cantora americana, rapper e flautista também, chega no dia 13 aos nossos ouvidos provavelmente mais uma vez com uma de suas músicas arrasa-quarteirão. Chama “Rumors”, tem aquela coisa do pré-save disponível e é o primeiro som dela neste ano, já apontando para o histórico show que ela fará no dia 4 de setembro no enorme festival Bonnaroo. Histórico porque vai ser a primeira vez que uma mulher vai ser headliner do evento de Manchester. Manchester, Tennessee, claro. Será o começo de muitos rolês de Lizzo (foto na home) em 2021. Vamos estar aqui de olho nela.

* O bombadaço rapper, cantor e uns outros atributos importantes Frank Ocean vai ser o headliner do Coachella 2023, vai ser anunciado em breve. Segundo o jornal californiano “Los Angeles Times”, o artista vai pular a edição do ano que vem do festivalzão do deserto, marcada para acontecer em abril. Ocean ia encabeçar um dos dias do Coachella de 2020, que nunca rolou você sabe por quê. Os outros que estavam no topo do line-up do ano passado, a banda Rage against the Machine e o rapper Travis Scott, estão mantidos para 2022. Um novo headliner, para o lugar de Frank Ocean, também vai ser anunciado nesta pacoteira coachelliana de avisos importantes.

* CENA – Depois de três anos sem dar as caras, o trio Macaco Bong, instituição instrumental do rock brasileiro desde 2004, quando foi formada pelo guitarrista Bruno Kayapy na quente (mesmo) Cuiabá da época, acaba de lançar um single inédito. A faixa chama “Hacker de Sol” e vai estar no próximo álbum do grupo, “Mondo Verbero”, que sai ainda em 2021, sem data certa ainda (via selo ForMusic Records). Hoje o Macaco Bong traz Kayapy como membro original ainda Eder Noleto na bateria e Igor Carvalho no baixo, os dois de Cuiabá, embora o fundador da banda já tenha fincado o pé em São Paulo. “Hacker de Sol” é inspirada no filmaço “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. “O filme me trouxe uma narrativa que eu estava justamente buscando na sonoridade deste álbum. A vibe do sertão nordestino com um estilo de psicodelia que mistura o jazz, blues, desert rock com dub, R&B, música brega, forró e frevo recheada de melodias polifônicas e sequências de acordes e riffs mântrico através de uma linha de som mais minimalista”, explica Kayapy. A arte do single e a do álbum novo é da premiada chef, estrela de TV e roqueira Helena Rizzo, mulher de Kayapy.

>>

Macaco Bong vai relançar o importante “Artista Virou Pedreiro”, agora em vinil. Mas conta com sua ajuda e seu paladar

>>

* Um dos grandes álbuns do indie nacional da década passada, o incrível “Artista Virou Pedreiro”, lançado em 2008, foi à época surpreendente por qualquer lado que olhássemos para o disco. Primeiro porque consagrava no âmbito da música independente brasileira um trio de negões de Mato Grosso fazendo rock instrumental/experimental que já vinha botando bons EPs na internet à medida que chamava a atenção por suas vigorosas apresentações ao vivo. Rock empírico, espontâneo, conhecimento autoditada de rock, uma controlada música fora do controle, livre de amarras, quase sem parâmetro. Mas de uma riqueza absurda.

macaco

E segundo porque “Artista Virou Pedreiro”, nome dos mais sintomáticos da nova ordem musical, principalmente a brasileira e indie, ajudava a marcar a chegada ao mercado brasileiro de um produto que exatamente se botava à margem desse mercado. O disco virou um dos primeiros lançamentos do projeto “ÁlbumVirtual”, da extinta gravadora Trama, com a missão de botar álbuns inteiros de graça na internet, dando além do material sonoro as artes, vídeos, making-ofs, faixas extras. O ano, de novo, era 2008 e a saída para a existência dentro de uma indústria musical falida era a tentativa de criação de ousadas plataformas de lançamentos voltada ao digital.

O disco saiu, a “Rolling Stone” brasileira botou ele como o melhor do ano e o Macaco Bong teve música até em coletânea francesa. Mas o tempo passou, as pedras rolaram e o Macaco Bong se desmantelou com desistências e tretas. E hoje sobrevive ainda como power trio, mas com apenas um de seus membros originais, o guitarrista Bruno Kayapy, que remontou banda e ideias e agora resgata o importante “Artista Virou Pedreiro” do virtual para o vinil, para a tal forma física que nunca teve. E para isso vai usar até a alta gastronomia!!!

Está lançado o crowdfunding de “Artista Virou Pedreiro”, vinil duplo ou avulso (são 80 minutos de música), edição remasterizada e limitada a 300 cópias.

O link do projeto says it all, mas o básico é que, entre os vários preços (de R$ 130 a “ajuda” para receber o álbum avulso até R$ 2000 por um combo, digamos, apetitoso), o disco pode chegar a recompensas do nível receber o disco das mãos da banda e um almoço ou jantar com o menu degustação completo do restaurante Maní, um dos mais conceituados do mundo, incluso toda a variedade degustativa também dos vinhos da casa. Música experimental, comida para experimentar.

De uma forma curiosa, o artista virou pedreiro depois virou gozador da boa vida. Se tiver sua ajuda, o Bong vai ser servido à mesa.

>>