Em maglore:

Top 50 da CENA: E a liderança do ranking é do primeiro grande hino de 2021. Que na real é de 2017. Sabe qual?

1 - cenatopo19

* Um som de 2017 na liderança de um ranking que puxa as novidades da semana (de 2021, no caso)? Talvez essa seja a pergunta que está na sua cabeça neste momento. Está na nossa também, haha. Mas fazer o quê?

Alguém não acredita que “Bum Bum Tam Tam” é a música do ano até aqui? Além do mais, o Top 50 não existia naquela época. Então a gente pode agora dar uma reajeitada na linha do tempo e oferecer um primeiro lugar justo e merecido ao MC Fioti e seu “Melô da Vacina”.

Mas, sim, temos espaço para as novidades costumeiras também no nosso ranking semanal. Mas só algumas. É que o ano ainda segue devagar.

Cadê as músicas novas, pessoal?

3 - 960x960_letrux

1 – MC Fioti – “Bum Bum Tam Tam” (Estreia)
“Bum Bum Tam Tam” é a trilha sonora da vacina, é questão do ENEM, é o funk brasileiro mais popular no YouTube – 1,5 bilhão de plays. É um som histórico. Leandro Aparecido Ferreira, o MC Fioti, representa exatamente o que é “do it yourself” do funk brasileiro. A voz da música foi gravada no celular. A produção e um sample de Bach foram construídos em seu notebook “cheio de vírus”. Gênio é uma palavra que cabe aqui, ainda que numa concepção nada tradicional.

2 – Letrux – “Dorme Com Essa (Delirei)” (Estreia)
Integrantes da banda da Letrux andam revendo o repertório do álbum “Aos Prantos”, no que deve formar um EP chamado “Aos Prantos Pandêmicos”. Nas mão de Martha V, “Dorme Com Essa” ganhou ares acústicos e vozes adicionais. Outro clima mesmo. Tão bom quanto o original.

3 – MC Carol –  “Levanta Mina” (Estreia)
Reclamar que o funk, ou só o funk, é um gênero machista é uma imprecisão. Todos os outros gêneros musicais do país sofrem do problema. E, no funk, a luta por canções feministas está bem ativa. “Levanta Mina” é um som para levantar, mesmo, a autoestima de todas as minas. Petardado da sempre excelente MC Carol.

4 – Marrakesh – “To Comprehend” (Estreia)
Aqui um som do Marrakesh que já circulou nessa listinha quando saiu em single. É que a banda reuniu três singles do ano passado em um EP, “Knots”, lançado semana passada por selo gringo e que traz duas inéditas – que são bem boas também. Esta “To Comprehend” tem um clima irresistível demais. Dá uma chance, se não conhece ainda.

5 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (1)
Nosso disco favorito de funk em 2020. Sim, disco. E conceitual. Em um gênero que ama os singles, Marabu chega com o excelente “Fundamento”. Um álbum que passeia por misturas do funk com outros ritmos apresentando diversos pontos de vistas de uma noite pelas quebradas de SP. “Sereno”, por exemplo, se aproveita de uma clave de funk que também está nos terreiros. Por isso que um Ogã puxa a batida.

6 – Criolo – “Fellini” (2)
30 anos de rap não é para qualquer um. E a experiência parece só fazer bem a Criolo. “Fellini” é em parte isso. Uma intersecção interessante de experiência e experimentação. Como em um filme de Fellini, Criolo consegue dar sentido a diversas pontas soltas, narrativas e ideias. Aparentemente, não há um sentido claro na letra. E, ainda que os ouvintes tirem mil conclusões diferentes, todas parecem friamente calculadas pelo compositor. Trabalho nível grande mestre.

7 – Linn da Quebrada – “quem soul eu” (3)
“quem soul eu” é um som conhecido do pessoal que viu a Linn no palco durante os shows de Trava Línguas, sua experimentação no palco ao lado de BadSista que vai dar em álbum neste ano. BadSista escreveu que criar uma versão definitiva de som que mudava cada vez que rolava ao vivo foi um desafio. A gente devolve que esse desafio foi cumprido com sucesso.

8 – Cambriana – “Induction Bread” (Estreia)
Vacilamos em não dar atenção no ano passado ao novo disco da Cambriana, banda esperta de Goiânia. Também eles não ajudaram – soltaram a novidade no final de dezembro. Mas já estamos apaixonados por essa canção cheia de diferentes climas, momentos, ritmos. Ezra Koenig do Vampire Weekend ligou com invejinha.

9 – Kamau – “Pensei” (4)
Por falar em experiência no rap, parece que “Pensei”, do Kamau, é uma boa reflexão sobre seu trabalho. Sempre calculando, refletindo. Na calma e seriedade de quem não transforma a obra em um mero produto, que nasce pronto para ser consumido e esquecido.

10 – IVYSON – “Trilho” (5)
Bem bonito e delicado o trabalho desse jovem compositor de Recife. No caso desta “Trilho”, do EP “Retalhos”, é uma mera canção cotidiana sobre a morte. Mas, delicadíssima, não cita a “maldita” uma vez sequer.

11 – Maglore (feat. Josyara) – “Liberta” (6)
12 – Wry – “Absoluta Incerteza” (7)
13 – Silva e Criolo – “Soprou” (8)
14 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (9)!
15 – YMA – “White Peacock” (10)
16 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (11)
17 – Edgar – “Também Quero Diversão” (12)
18 – Luedji Luna – “Chororô” (13)
19 – Black Alien – “Chuck Berry” (14)
20 – Vovô Bebê – “Bolha” (15)
21 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (16)
22 – The Baggios – “Mantrayam” (17)
23 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (18)
24 – JP – Essa Mulher Vai Acabar com a Minha Vida (19)
25 – Zé Manoel – “História Antiga” (21)
26 – Liniker – “Psiu” (22)
27 – Ítallo – “O Time da Mooca” (23)
28 – Tuyo – “Sonho da Lay” (24)
29 – Carabobina – “Pra Variar” (26)
30 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (27)
31 – KL Jay – “Território Inimigo” (29)
32 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (31)
33 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
34 – BK – “Movimento” (33)
35 – Vivian Kuczynski – “Pele” (34)
36 – Boogarins – “Cães do Ódio” (35)
37 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (36)
39 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (37)
40 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (38)
41 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (39)
42 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (41)
43 – Don L – “Kelefeeling” (42)
44 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (43)
45 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (44)
46 – ÀIYÉ – “Pulmão” (45)
47 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (46)
48 – Edgar – “Carro de Boy” (47)
49 – Jhony MC – F.A.B. (48)
50 – Djonga – “Procuro Alguém (16)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora carioca Letrux.
** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Top 50 da CENA: Marabu estreia 2021 no topo. Criolo crava seu nome duas vezes nas “dez mais”. Isso porque o ano está só começando

1 - cenatopo19

* 2021 ainda está devagar. Normal. Com pandemia ou sem pandemia, o começo de ano dos brasileiros, na música, geralmente, sempre é menos apressado que os do gringos, que funcionam diferente nesta época do ano. Coisa do clima, coisas de país com Carnaval – se bem que…

Uma certeza é que está complicado colocar trabalhos novos na rua com todas as dificuldades de tempo, espaço e grana. Considerações iniciais feitas, algumas novidades aparecem na nossa primeira listagem do ano. Algumas já de 2021, outras perdidas do fim de 2020.

Vamos assim, devagar.

WhatsApp Image 2020-12-23 at 15.17.15

1 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (Estreia)
Nosso disco favorito de funk em 2020. Sim, disco. E conceitual. Em um gênero que ama os singles, Marabu chega com o excelente “Fundamento”. Um álbum que passeia por misturas do funk com outros ritmos apresentando diversos pontos de vistas de uma noite pelas quebradas de SP. “Sereno”, por exemplo, se aproveita de uma clave de funk que também está nos terreiros. Por isso que um Ogã puxa a batida.

2 – Criolo – “Fellini” (Estreia)
30 anos de rap não é para qualquer um. E a experiência parece só fazer bem a Criolo. “Fellini” é em parte isso. Uma intersecção interessante de experiência e experimentação. Como em um filme de Fellini, Criolo consegue dar sentido a diversas pontas soltas, narrativas e ideias. Aparentemente, não há um sentido claro na letra. E, ainda que os ouvintes tirem mil conclusões diferentes, todas parecem friamente calculadas pelo compositor. Trabalho nível grande mestre.

3 – Linn da Quebrada – “quem soul eu”
“quem soul eu” é um som conhecido do pessoal que viu a Linn no palco durante os shows de Trava Línguas, sua experimentação no palco ao lado de BadSista que vai dar em álbum neste ano. BadSista escreveu que criar uma versão definitiva de som que mudava cada vez que rolava ao vivo foi um desafio. A gente devolve que esse desafio foi cumprido com sucesso.

4 – Kamau – “Pensei” (Estreia)
Por falar em experiência no rap, parece que “Pensei” do Kamau parece ser uma boa reflexão sobre seu trabalho. Sempre calculado, pensando. Na calma e seriedade de quem não transforma a obra em um mero produto que nasce está pronto para ser consumido e esquecido.

5 – IVYSON – “Trilho” (Estreia)
Ainda não pesquisamos muito sobre o IVYSON, nem escutamos o disco todo. Mas é bem bonito e delicado o trabalho desse jovem compositor de Recife. Vamos ouvir esse EP “Retalhos” dele e voltamos com mais detalhes, porque merece.

6 – Maglore (feat. Josyara) – “Liberta” (Estreia)
A Maglore teve uma sacada e tanto. Revistar o baú de canções abandonadas pelo caminho todo mundo faz. A banda quis ir mais longe. Pegou as sobras do seu disco de estúdio mais recente, “Todas as Bandeiras”, e acrescentou participações especiais luxuosas. Essa com o feat. da Josyara levanta a pergunta aqui entre nós: “Quem cortou essa do disco?”

7 – Wry – “Absoluta Incerteza” (Estreia)
Da boa parte em português do álbum “Noites Infinitas” – a parte em inglês é tão boa quanto – se destaca “Absoluta Incerteza”. Não sei se a canção foi escrita antes ou depois da pandemia, mas é bem bom o encaixe de versos como “É louco pensar como vai ser depois, né?”.

8 – Silva e Criolo – “Soprou” (2)
Uma brisa leve. Um som relax onde Silva e Criolo quase que conversam com a música. Um som bom ainda para imaginar que se está indo para a praia neste ano de pouca praia.

9 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (3)
Na revisão de seu primeiro EP, Rico Dalasam abre o espaço onde antes botava uma reflexão sua para que Jup do Bairro mande seu texto. “Existem corpos que nunca viverão o amor de forma horizontal/ Muito cruel, eu sei bem/ Mas talvez esse sentimento criado por vocês/ Não tenha sido para ser vivido em plenitude por todos”. Pá!

10 – YMA – “White Peacock” (4)
Aqui no Top 50 a cena clássica de fim de ano é ver alguém se preparando para o próximo. É o caso da YMA em novo single-maravilha, com direito a sax, lógico, e todo um clima de amadurecimento completo – voz, produção, letra. Vem discão em 2021? Apostamos que sim.

11 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (5)
12 – Edgar – “Também Quero Diversão” (6)
13 – Luedji Luna – “Chororô” (8)
14 – Black Alien – “Chuck Berry” (9)
15 – Vovô Bebê – “Bolha” (17)
16 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (11)
17 – The Baggios – “Mantrayam” (12)
18 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (13)
19 – JP – Essa Mulher Vai Acabar com a Minha Vida (14)
20 – WillsBife, Don L – “Por Minha Conta” (15)
21 – Zé Manoel – “História Antiga” (19)
22 – Liniker – “Psiu” (22)
23 – Ítallo – “O Time da Mooca” (23)
24 – Tuyo – “Sonho da Lay” (24)
26 – Carabobina – “Pra Variar” (26)
27 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (27)
28 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (28)
29 – KL Jay – “Território Inimigo” (29)
30 – Rodrigo Alarcon – “Na Frente” (30)
31 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (31)
32 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
33 – BK – “Movimento” (33)
34 – Vivian Kuczynski – “Pele” (34)
35 – Boogarins – “Cães do Ódio” (35)
36 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (36)
37 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (37)
38 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (38)
39 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (39)
40 – Letrux – “Vai Brotar” (40)
41 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (41)
42 – Don L – “Kelefeeling” (42)
43 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (43)
44 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (44)
45 – ÀIYÉ – “Pulmão” (45)
46 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (46)
47 – Edgar – “Carro de Boy” (47)
48 – Jhony MC – F.A.B. (48)
49 – Djonga – “Procuro Alguém (16)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o rapper/cantor Criolo.
** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

CENA – Ai, ai. O indie brasileiro chegou à “Malhação”. Veja o vídeo novo do Maglore

>>

popload_cena_pq

* Semana de alcances diversos do indie brasileiro, seja em filme alemão sensação ou tocando dentro do “museu a céu aberto de Inhotim”, a CENA agora emplaca uma música em novela global, no caso a “nova Malhação”, folhetim teen que já rendeu talentos como André Marques (que fez o Mocotó) e agora está nas mãos tarimbadas do diretor Cao Hamburguer.

A canção indie de “Malhação” é “Ai Ai”, nova do quarteto baiano Maglore, que frequentou o festival texano South by Southwest neste ano. “Ai Ai” chega à Popload em lyric video de animação, como último esforço a sair do terceiro disco do grupo, o “III”, de 2015. A banda já apronta o próximo álbum, o quarto, que tem previsão de lançamento para este ano. O trabalho visual para cima da música do Maglore é de Pedro Hansen.

Captura de Tela 2017-07-12 às 3.25.57 PM

Teago Oliveira, vocalista e guitarrista da banda de Salvador, fala sobre ter uma canção na novela vespertina da Globo, que parou com a pataquada de academia carioca e está investindo mais em explorar “diferenças”. “Ter uma música contextualizada nesse momento novo da novela é, também, uma vitória, uma vez que a banda tem o mesmo ideal que ela aborda: a luta contra o preconceito, a inserção da diversidade e mais respeito na nossa sociedade de hoje. Felicidade total!”.

Abaixo, “Ai Ai”, música, letra e vídeo, do Maglore.

** As fotos do Maglore, tanto a deste post quanto a da chamada da home da Popload, são de Azevedo Lobo.

>>

CENA – Festival no Centro Cultural convoca o indie nacional a São Paulo para movimentar julho quase inteiro

>>

popload_cena_pq

Opção identidade foto pés2

* Na órbita do tal Dia do Rock, agora em julho, o Centro Cultural SP faz maior e melhor organizando, por todo o mês e não em um só dia, o Centro do Rock, um festival elencando destacada parte da produção nova e mais antiga do indie nacional, e botando para tocar na Vergueiro nomes como Boogarins, Garage Fuzz, Ventre, E a Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante, Rakta, Maglore, o às vezes ressuscitado MQN e a solvência do Jonnata Doll, entre outros.

É isso mas não é só isso. O Centro do Rock, além dos shows normais e os “shows especiais” (já falo), virá ainda com uma programação robusta de debates e cinema. E terá o graaaaande jornalista musical Ricardo Alexandre fazendo o chamado “Concertos de Discos”, contando a história do rock brasileiro através de álbuns marcantes em audições comentadas.

Uma espécie de Apple Music Festival, evento inglês que espalha pela casa de shows Roundhouse, em Londres, durante um mês, uma forte programação de shows num mesmo lugar, o Centro do Rock ocupa de 11 a 30 de julho a tradicional sala Adoniran Barbosa, palco de shows (quase) 360 graus que existe desde os anos 80 e no qual o público praticamente “abraça” as bandas que tocam, pela proximidade e a disposição espacial deste “underground” do Centro Cultural SP. Na Adoniran Barbosa cabem 631 pessoas.

rakta

A parte de shows começa no dia 11, uma terçq-feira, às 21h e gratuito, com a Test Big Band, a banda do duo Test (João e Barata) na versão gigantesca, um já patrimônio da cena experimental brasileira que existe há quase oito anos e contabiliza 400 apresentações ao vivo.

Até o encerramento do festival, com a presença ao vivo da performática banda cearense Jonnata Doll e os Garotos Solventes, em 30 de julho, alguns dos destaques especiais da programação são:
– o impressionante grupo paulistano de mulheres Rakta (foto acima) e um dos últimos shows de sua formação original, porque mudanças vêm aí.
– Boogarins (imagem abaixo) fazendo pela primeira vez no país a performance ao vivo do recém-lançado álbum “Lá Vem a Morte”, com abertura do conterrâneo de outra geração, o grande MQN, do agitador Fabrício Nobre.
– O concerto conjunto de duas bandas-destaque do indie brasileiro atual: o paulistano E a Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante e a carioca Ventre.
– O cantor Thiago Pethit fazendo o show do disco “Horses”, álbum clássico da roqueira americana Patti Smith.

Tem muito mais.

boogarins

** Confira a programação completa do Centro do Rock, mais os debates, o Concertos de Discos e o Cinema:

os shows

Test Big Band
11 de julho
21h
Entrada Franca
 
Rakta
12 de julho
21h
Ingressos: R$ 20
 
Thiago Pethit toca Horses, de Patti Smith
13 de julho
21h
Ingressos: R$ 25
 
Maglore
14 de julho
Sala Adoniran Barbosa
19h
Ingressos: R$ 25
 
Garage Fuzz
15 de julho
19h
Ingressos: R$ 25
 
E a Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante + Ventre
16 de julho
18h
Ingressos: R$ 25
 
The Baggios
20 de julho
21h
Ingressos: R$ 25
 
“Meu Reino Não É Desse Mundo” / Thiago Nassif / Lucas Pires com Hot On n’Aldeia Global
22 de julho
19h
Ingressos: R$ 25
 
Boogarins / MQN
23 de julho
18h
Ingressos: R$ 25
 
Vermes do Limbo + Bernardo Pacheco / Deaf Kids
27 de julho
21h
Ingressos: R$ 25
 
Labirinto
29 de julho
19h
Ingressos: R$ 25
 
Jonnata Doll e os Garotos Solventes
30 de julho
18h
Ingressos: R$ 15

os debates

– Mulheres no Rock
12 de julho
Mediação: Claudia Assef
Participantes: Taciana Barros (Gang 90 e Pequeno Cidadão), Sandra Coutinho (Mercenárias), Carla Boregas e Paula Rebellato (Ratka)
Sala Adoniran Barbosa
19h
Entrada Franca
 
Letra de Rock É Poesia?
13 de julho
Mediação: Alexandre Matias
Participantes: Fernanda D’Umbra (Patti Smith), Fabrício Corsaletti (Bob Dylan) e Daniel Benevides (Leonard Cohen)
Sala Adoniran Barbosa
19h
Entrada Franca
 
O Rock Errou Mas Eu Juro Que Não Fui Eu
30 de julho
Mediação: Cadão Volpato
Participantes: Lúcio Ribeiro, Fabio Massari e Alex Antunes
Sala Adoniran Barbosa
19h
Entrada Franca

os Concertos de Discos

 
A história do rock brasileiro, com Ricardo Alexandre
Datas: 8, 15, 22 e 29 de julho
Discoteca Oneyda Alvarenga
15h30
Entrada Franca

o cinema

Mostra Gerações Rock’n Roll, focando filmes e documentários que marcam várias décadas de rock nas telas, desde o rockabilly dos anos 50 até o indie rock dos 2000.

– 11 de julho
15h JOHNNY & JUNE
17h45 JUVENTUDE TRANSVIADA
20h LOUCURAS DE VERÃO

– 12 de julho
15h CONTROLE: A HISTÓRIA DE IAN CURTIS
17h30 VELVET GOLDMINE
20h ROCK’N ROLL HIGH SCHOOL

– 13 de julho
15h DE VOLTA PARA O FUTURO
17h30 ISTO É SPINAL TAP
19h10 A FESTA NUNCA TERMINA

– 14 de julho
15h EDEN
17h30 QUANTO MAIS IDIOTA MELHOR
19h30 HEDWIG: ROCK, AMOR E TRAIÇÃO

– 15 de julho
15h SCOTT PILGRIM CONTRA O MUNDO
17h EDEN
19h30 FRANK

– 16 de julho
15h FRANK

>>

Diário da #CENA brasileira em Austin, no festival SXSW – sábado

>>

Infelizmente está chegando ao fim a nossa cobertura da excursão brasileira ao Texas com FingerFingerrr, Boogarins, Autoramas, Liniker, Maglore, Lista de Lily, ToTi e Capela aprontando altas confusões no festival SXSW. Adoramos esse momento EGO-Indie de saber quem estava fazendo o quê, tocando onde e se divertindo como. A #CENA nacional foi muito bem representada e estamos aqui torcendo para que essa aventura renda contatos & contratos. 😉 No Diário de hoje: mais tietagem explícita, música e figurinos incríveis. A foto na home é da banda Maglore.

BOOGARINS

***
A banda encerra hoje a sua participação no SXSW com dois shows na sequência:
***

***
Sente a brisa
***

***
E apesar das dezenas de shows por minuto que acontecem durante o festival, tem muita gente que prefere ver o Boogarins again and again and again!
***

@levitation showcase yesterday….3rd time seeing @boogarins in like 2 week span 💚

A post shared by Lindsay Krause (@fruitylinx) on

***
Um dos melhores shows do SXSW? Não é a gente que está falando…
***

Don't waste your time with the has-beens and never-will-bes just go to all the @boogarins shows and go home!

A post shared by Markimilian (@markimilian) on

AUTORAMAS

***
Os Autoramas foram ao show do Spoon, ficaram “na grade” e…
***

#spoon agora #quasenopalco hehehe #festival #sxsw #artistlounge #usa

A post shared by Érika Martins (@erikamartinsrock) on

***
…e PAAAAÁ viram o Britt Daniel dando sopa na saída
***

que showzaço! #festival #sxsw @erikamartinsrock com Britt Daniel #spoon #autoramas

A post shared by autoramas (@autoramas) on

***
#publi #ad
***

#festival #sxsw #autoramas #usa #artistslounge @duo_jardins

A post shared by autoramas (@autoramas) on

LINIKER

***
W O W
***

***
Vamos apenas reproduzir os comentários que estão no post deste vídeo: “Destruidora”, “Deusa”, “TIRO!”, “UM LACRE É UM LACRE”. Aperte-o-play:
***

***
Foto do primeiro show…
***

De ontem SXSW Foto @carolpascoal Vestido acervo da @tassiareis_ ❤️

A post shared by Liniker 🎤🌟🌷🌟🌈 (@linikeroficial) on

***
…e o figurino do segundo
***

Indo pro segundo show aqui em Austin Hoje é no Palm Door Mandem seus axés, Brasil!!! Look: acervo Elke Maravilha

A post shared by Liniker 🎤🌟🌷🌟🌈 (@linikeroficial) on

FINGERFINGERRR

***
Registro do primeiro show da dupla
***

Hi SxSW, oficialmente parte de vocês e vocês parte de nós 😈. Our first official SxSW show was amazing, Obrigado BD Riley's and all the staff! Obrigado a todas as bandas and @_gools_ for making it happen with your gear. ❤️ Hoje tem mais no Friends Bar junto com a galera! ToTi, @projeto_capela, @listadelily, @maglore e Winter, from 7pm on (we play at 11pm) MAR 13 – Karma Lounge – Austin, TX MAR 16 – SxSW Official Showcase @ BD Riley's 7pm MAR 17 – SxSW Official Showcase – Brazilian Invasion @ Friends Bar – show 11pm, starts 7pm MAR 21 – Liquor Store – Portland, OR MAR 22 – Lo-Fi Gallery – Seattle, WA MAR 23 – Treefort Music Fest @ The Olympic 6:30pm – Boise, ID MAR 24 – 20 Sided Records Showcase @ PreFunk 4pm – Boise, ID MAR 25 – Portland, OR (tbd) #fingerfingerrr #MAR #rosaflamingo #sxsw2017 #austin #texas #marustour2017 #usmartour2017 #brainproductionsbooking #bdrileys #sxsw #friendsbar (foto @carlitoslow)

A post shared by FingerFingerrr (@fingerfingerrr) on

***
Não basta fazer um som legal…:
***

LISTA DE LILY

***
A turma do Lista de Lily já estava cansada antes mesmo de começar
***

***
Mas deu tudo certo no final e eles arrasaram
***

***
Show, porco e breja. Que vida!
***

MAGLORE

***
Expectativa…:
***

Pra lembrar q hj é o primeiro show da @magloreoficial em #austin no #sxsw

A post shared by azevedolobo (@azevedolobo) on

***
É a mistura da Bahia com o Texas!
***

***
Smells Like Casa-do-Mancha em Austin
***

ToTi

***
Cavaquinho & Skate: a dupla foi a primeira a se apresentar no “Brazilian Invasion” em Austin
***

CAPELA

***
Capela meets Hanson! Talvez a banda mais assediada nos últimos dias?
***

***
E depois do último show com toda a turma da #CENA,…
***

***
…o trio começa a se despedir da cidade.
***

>>