Em mais ou menos bem:

CENA – O desodorante teen, a camisa de flanela. Chuck lança vídeo lindo para música que homenageia o Nirvana. Veja

1 - cenatopo19

* Chega a ser emocionante música e vídeo da música “Tem Cheiro de Espírito de Adolescente”, faixa do recém-lançado disco do Chuck Hipolitho, “Mais ou Menos Bem”, primeiro álbum do músico e produtor que passou longo tempo circulando por bandas (Forgotten Boys e Vespas Mandarinas) ou trabalhando nos bastidores para bandas, mas finalmente se lança agora com seu nome. Você vê aqui embaixo, na Popload, com exclusividade.

Captura de Tela 2020-12-01 às 7.43.57 AM

“Tem Cheiro de Espírito de Adolescente”, como o nome escancara de saída, paga um tributo louco ao Nirvana e sua principal canção, a espetacular “Smells Like Teen Spirit”. A razoavelmente curta passagem do grupo de Kurt Cobain por este planeta deixou marcas profundas na geração de caras como Chuck e uma música como essa “Tem Cheiro de Espírito de Adolescente” é de certa forma um expurgo necessário, um agradecimento ao passado, que vem mais do coração do que da mente. Talvez por isso emocione.

A música de Chuck mexe com Nirvana no título e na citação na letra de um cheiro de desodorante a ser sentido e esquecido. Teen Spirit foi um desodorante americano para garotas que foi lançado em 1991 por uma marca de cosmético independente e acabou dando nome ao maior hit do Nirvana. Obviamente, teve suas vendas tão impulsionadas pela explosão mundial da canção e vídeo do grupo grunge que a empresa indie acabou sendo comprada pela “major” Colgate. A história toda é maravilhosa, tanto quanto a música.

A canção em si, “Tem Cheiro de Espírito de Adolescente”, de Chuck, tem sua própria história, além de carregar essas fortes referências do hino dos anos 90. A música foi feita por Chuck e amigos sob encomenda para a banda punk paulistana Deb & The Mentals, da explosiva por-si-só Deborah Babilônia, que também ajudou a construir a composição.

Não nasceu para ser uma “homenagem ao Nirvana”, originalmente, porque nem é uma cover e tal. Mas a partir da menção ao cheiro de desodorante que surgiu em sua letra inicial foi tomando essa cara. Inevitavelmente, “Tem Cheiro de Espírito de Adolescente”, que abre o álbum “Mais ou Menos Bem”, de Chuck, tem participação de Deborah Babilônia nos vocais, ali no refrão do desodorante.

O vídeo é uma maravilha de tão simples. Retrata um desses rolês-celebração de amigos felizes por estarem juntos em lugar nenhum, sem estarem fazendo nada de muito especial. Ou, para eles, especialíssimo. As cenas são de um grupo de meninas e meninos, por São Paulo, andando de carro, de metrô, de skate num half-pipe, ouvindo música num fone de ouvido compartilhado.

Os gorros da galera e a camisa de flanela usada por uma das meninas da turma acabam remetendo também ao Nirvana e o espírito grunge daquele começo dos anos 90.

É tudo lindo em “Tem Cheiro de Espírito de Adolescente”, de Chuck. Música e vídeo.

* “Mais ou Menos Bem”, o álbum, que saiu na semana passada, é cheio de releituras ou homenagens à memória afetiva de Chuck, de alguma forma, que de um jeito especial acaba refletindo sua já longa carreira na música, seja em banda, produzindo elas ou pautado pelo seu tempo de DJ da MTV.
É um exercício em português em cima de músicas gringas, mas com a cara roqueira de Chuck, já foi dito por aqui, quando nos empolgamos com outros dois singles do disco, antes de ele sair: a versão (com alguma licença no andamento) para “Más O Menos Bien”, da grande banda indie argentina El Mató a un Policía Motorizado, que ajudou a dar o maravilhoso título do disco nestes tempos de idas e vinda de pandemias e quarentenas; e “Tudo Está”, esta de “Everything Stays”, uma música da trilha do desenho “Hora de Aventura”, do Cartoon Network.

Em “Mais ou Menos Bem” tem a magnitude de se arriscar a fazer uma versão em português de “True Love Will Find You in the End”, do gênio perturbado Daniel Johnston, morto há pouco mais de um ano. Sob a releitura especialíssima de Chuck, ficou “O Amor Te Encontra no Final”.

>>

CENA – Chuck libera o hino da quarentena real e prepara primeiro álbum solo até com Daniel Johnston envolvido

1 - cenatopo19

* Bom, acho que temos um ganhador da melhor música de quarentena, ainda que a quarentena esteja mais ou menos. Porque a vida anda mais ou menos. Porque todo mundo, pelo menos a maioria, se encontra mais ou menos bem.

É a ótima “Mais ou Menos Bem” uma das duas músicas que Chuck Hipolitho está lançando, como pontapé inicial para o disco cheio que vai lançar finalmente com seu nome, em novembro.

O cara, que passou a vida atrelado a bandas fortes e grandes na cena independente como Forgotten Boys e Vespas Mandarinas, fora seu trabalho na MTV Brasil como produtor e até VJ, fora seus grupos paralelos, agora assume a bronca com a própria cara, para lançar um disco bem especial. De releituras musicais em boa parte dele. De exercitar o português em cima de músicas gringas. Tudo com a cara do Chuck. Cara-cara-cara. E tá na cara que será legal, até porque deste lado aqui a gente já ouviu o disco todo.

Chuck - crédito Rafael Kent 3

“Mais ou Menos Bem”, lançada agora, combina muito com nosso estado quarentenesco não só pelo nome do single lançado mas também por seu vídeo, com imagens de umas colagens na janela enfeitada do quarto onde gravou grande parte do álbum, passou boa parte da quarentena e via os dias passarem. O vídeo retrata essa passagem do tempo típico da Era Covid. “Mais ou Menos Bem” é ainda o nome do disco de Chuck, o que sai mês que vem.

A música é uma versão em português (com algumas licenças) de “Más O Menos Bien”, da conhecida e muito boa banda indie argentina El Mató a un Policía Motorizado, que já fez alguns shows no Brasil.

O mais engraçado é que Chuck não conhecia o grupo hermano, nunca nem tinha ouvido falar. Há alguns anos, foi apresentado a “Más O Menos Bien” e se encantou com a canção, que o serve agora como carro-chefe do ano passado. Através de um contato, disse Chuck em Popload Live da semana passada, descobriu o email de Santiago Barrionuevo, o compositor do hit do El Mató, e mandou uma mensagem, para mostrar o resultado, pedir autorização. Nunca teve resposta. Mas liberaram a música.

A outra música do disco lançada como single é “Tudo Está”, outra versão, desta vez de uma música da trilha do desenho “Hora de Aventura”, do Cartoon Network, desenho do qual é fã. Outro resultado que, por assim dizer, tem a cara do Chuck. No original, é “Everything Stays”.

Na live com a Popload, quinta passada, Chuck tocou a versão em português de “True Love Will Find You in the End”, do gênio Daniel Johnston, perturbado cantor e compositor americano morto em setembro do ano passado. O título da versão do Chuck ficou “O Amor Te Encontra no Final” e ficou linda também em português. Difícil essa música não ficar boa mesmo se fosse em russo ou chinês. Ela também vai estar no disco. Chuck pode ser visto a tocando no IGTV da @poploadmusic.

Mas, por enquanto, ficamos com “Mais ou Menos Bem” e “Tudo Está”, em som e vídeo, aqui embaixo.

***

Em “Mais ou Menos Bem”, Chuck cantou, tocou guitarra, baixo em algumas canções e programou as baterias do repertório inteiro. O baixo e teclados de “Tudo Está”, assim como de algumas outras músicas do álbum, foram gravados por Guilherme Almeida, baixista da Pitty e parceiro de longa data em vários outros projetos. Depois de tudo gravado o material foi finalizado no Estúdio Tambor (RJ).

A capa do disco cheio é esta aqui embaixo:

Chuck - Mais Ou Menos Bem (single)

***

* As fotos do Chuck deste post e da home da Popload são de Rafael Kent.

>>