Em master san:

Top 50 da CENA – Edgar troca o topo com a Tuyo. Giovanna Moraes segue no baile. Supervão deixa tudo ácido

1 - cenatopo19

* A gente avisou que isso ia rolar. Semana passada a dobradinha do topo foi Tuyo e Edgar, que lançaram dois álbuns grandiosos da nossa CENA. Desta vez é Edgar e Tuyo. Simplesmente porque não paramos de escutar essa dupla – de discos tão diferentes e com uma mesma energia e recado, é só buscar que acha. Mas lógico que a semana teve outros lançamentos e a gente mais uma vez conseguiu reunir as novidades que mais nos interessaram – em uma semana bem experimental da nossa parte, digamos.

edgartopquadrada

1 – Edgar – “A Procissão dos Clones” (Estreia)
Semana passada ele ficou em segundo e agora é hora de celebrar o topo do pódio. Resolvemos destacar um outro som desta vez, a excelente “A Procissão dos Clones”, que é interessante pelo ritmo que Edgar opta em jogar os versos, sem grandes variações melódicas, como um mantra só que sem a repetição de palavras – seria um antimantra? Por aqui Edgar despeja seu pedido para que resolvemos tomar alguma atitude frente a destruição de tudo que nos cerca. Vamos escolher uma cela maior ou destruir essa prisão?

“Um desastre ecológico
É a última opção
Pro ser humano perceber quão metódico
Virou a obsessão de expandir a sua jaula
Ao invés de fugir do zoológico
Não troque a sua cela
Por outra cela mais bonita”

2 – Tuyo – “Toda Vez Que Eu Chego em Casa” (Estreia)
Ainda estamos apaixonados pelo disco da Tuyo e resolvemos destacar outra música. Semana passada foi “O Jeito É Ir Embora”. Nesta semana é a experimental “Toda Vez Que Eu Chego em Casa”, uma colaboração com o ótimo Jonathan Ferr que constrói uma longa e deliciosa track que passeia por simples dois versos. Sentimentos de aconchego e de um certo desnorteamento se encontram por aqui. Sabe aquele papo de “me perdi tentando me encontrar”?

3 – Giovanna Moraes – “Baile de Máscaras” (3)
“Baile de Máscaras” é uma das ótimas músicas do disco “III”, algo entre um EP e um álbum (miniálbum?) que a cantora e multiinstrumentista e atriz de vídeo e editora de vídeo lançou em março. Agora a canção surge em versão single com direito a uma música inédita e a versão instrumental, um jeito de oferecer um novo olhar complementar para a gravação. Retomada de proposta interessante para single, perdida nos tempos de streaming. Fora o vídeo, lindaço.

4 – Supervão – “Amiga Online” (Estreia)
A excelentíssima banda gaúcha Supervão, que derivou da psicodelia para a eletrônica nervosa atual, outras viagens, segue nessa toada neste delicioso acid house pendendo muito ao techno às vezes. Eles juram que a música tem uma estrutura indie ali, nos vocais e nas guitarras. A gente está procurando há uma semana esses traços. Vamos escutar mais uma vez para ver se rola.

5 – Djonga – “Easy Money” (Estreia)
Ainda que tenha recém-lançado um disco, Djonga acerta neste single de uma inédita que parece uma boa tiração de onda com o sucesso que não cabia no conceito do álbum – lançar singles logo após um álbum todo parece ser uma tendência no rap nacional, não sabemos o motivo. Uma música divertida para tempos complicados, aqui Djonga celebra consciente de que essa vitória é só um capítulo de um plano maior em sua cabeça, até porque o sucesso não é um bom medidor dessas conquistas, dado que é passageiro.

6 – Master San – “A #05 – Intergalatica” (Estreia)
Grande caçador das batidas perfeitas, o beatmaker, DJ, instrumentista e engenheiro de som Master San reúne em “Soul Quantize” 34 faixas inéditas trabalhadas em cima de bases de hip hop. As construções em cima de pedaços reconhecíveis de outros sons pede uma imersão. É um prazer tentar adivinhar de onde vem cada elemento. Que de vez em quando tem algumas pistas bem curiosas. Ou precisamos contar de onde ele pega alguns sons de “Intergalatica”?

7 – CESRV – “Soundbwoy Champion” (Estreia)
E, por falar em caçadores das batida perfeita, temos nosso querido Cesinha em sua contínua busca. Neste EP, um dos nossos beatmakers mais presentes no Top 50 da CENA investiga um pouco do UK Garage, uma de suas linhas de pesquisa. Em quase meia hora, CESRV arquiteta quase um doutorado no assunto.

8 – Taco de Golfe – “Pessoa Que Fala” (Estreia)
Por aqui o trio instrumental formado por Alexandre Damasceno e Gabriel Galvão segue sua loucuragem instrumental. No Bandcamp a música veio acompanhada de um código misterioso. A gente colocou a mensagem cifrada em um site que lê código morse e veio a palavra “Memorando”. Será que é alguma dica?

9 – Jonathan Ferr – “Amor” (4)
Chamou nossa atenção a participação do Jonathan no disco da Tuyo e fomos ver o que ele andava fazendo. E não é que ele lançou um disco ao mesmo tempo que a banda parceira? Um senhor álbum, diga-se, quase todo instrumental e ao piano, chamado “Cura”. Uma obra belíssima para escutar de ponta a ponta, dada a profunda conexão entre cada faixa. Pode ser um pouco desafiante se dedicar a um disco mais experimental assim, mas acredite na gente. Vale cada segundo.

10 – Jadsa – “Mergulho” (5)
A gente já celebrou tanto o álbum “Olho de Vidro” da Jadsa por aqui, mas sempre é bom reforçar nosso gosto por esse trabalho da guitarrista baiana. Agora que ela lançou um vídeo para este som que abre o disco, a gente achou a desculpa perfeita para trazer ela de volta às primeiras colocações do nosso Top 50.

11 – Mulungu – “A Boiar” (6)
12 – Jup do Bairro – “Sinfonia do Corpo” (7)
13 – Bonifrate – “Rei Lagarto” (8)
14 – GIO – “Nebulosa” (9)
15 – Lupe de Lupe – “Brasil Novo” (10)
16 – BK – “Dinheiro, Poder, Respeito” (11)
17 – Jomoro e Karina Buhr – “Saudades de Lá” (12)
18 – Bruna Mendez e June – “A Vida Segue, Né?” (13)
19 – Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis – “Ladeira” (14)
20 – Zé Manoel – “Como?” (15)
21 – Os Amantes – “Linda” (16)
22 – Rashid – “Diário de Bordo 6” (17)
23 – Isabel Lenza – “Imenso Verão” (18)
24 – Rodrigo Amarante – “Maré” (19)
25 – Rincon Sapiência – “Cotidiano” (20)
26 – Saulo Duarte com Luedji Luna – “Lumina” (21)
27 – Anitta – “Girl from Rio” (22)
28 – Gustavo Bertoni e Giovanna Moraes – “Como Queria Te Deixar Entrar” (23)
29 – Jupiter Apple – “Cerebral Sex (The Apple Sound)” (24)
30 – Salma e Mac – “Amiga” (25)
31 – Yung Buda – “Digimon” (26)
32 – Hierofante Púrpura – “Na Terra das Cartas” (27)
33 – AKEEM MUSIC – “Eu Já Amei uma Ginasta” (28)
34 – Plutão Já Foi Planeta – “Depois das Dez” (29)
35 – Duda Beat – “Meu Pisêro” (30)
36 – FEBEM – “Crime” (31)
37 – Aquino e a Orquestra Invisível – “Os Prédios Cinzas e Brancos da Av. Maracanã” (32)
38 – Boogarins – “Supernova” (33)
39 – Moons – “Love Hurts” (34)
40 – BaianaSystem – “Brasiliana” (35)
41 – Bárbara Eugênia – “Hold Me Now” (36)
42 – Jair Naves – “Vai” (37)
43 – Sophia Chablau e uma Enorme Perda de Tempo – “Delícia/Lúxuria” (38)
44 – Yannick Hara – “Raça Humana” (40)
45 – Jota Ghetto – “Vagabounce” (41)
46 – FBC – “Gameleira” (42)
47 – Mbé – “Aos Meus” (43)
48 – Rico Dalasam – “Expresso Sudamericah” (44)
49 – LEALL – “Pedro Bala” (46)
50 – Ale Sater – “Peu” (47)

*****

*****

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a imagem é do rapper paulista Edgar.
*** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

Popnotas – Radiohead no Peru. A volta do sergipano The Baggios. Nick Cave cantando o além. E os novos beats do Master San

>>

– Nessa coisa de subir shows antigos seus como se fosse now, o Radiohead botou para rodar com capricho restaurador e na íntegra, em seu canal de Youtube, a apresentação que fez em abril de 2018 aqui “pertinho”: em Lima, no Peru. A performance peruana, que começa com “Daydreaming” e termina com a trinta explosiva “Creep”, “Paranoid Android” e “Karma Police” no último bis, faz parte da turnê do disco “A Moon Shaped Pool”, lançado em 2016. Ela veio a SP (Allianz Parque) e Rio (Parque Olímpico) em forma de festival “Soundhearts”, que teve ainda o DJ e produtor Flying Lotus e as bandas Junun, do guitarrista Jonny Greenwood, e os paulistanos Aldo the Band. O show de Lima, abaixo, teve 25 músicas no setlist, que está informada com o tempo na legenda do vídeo. Curta.

***

CENA – A tradicionalíssima banda indie sergipana The Baggios (foto na home) anunciou hoje que vai lançar seu quinto álbum em algum momento do segundo semestre, para terminar a brecha que existia desde o último disco do power-trio veterano, “Vulcão”, de 2019, que chegou até a ser indicado ao Grammy latino. O “recheio” deste anúncio veio em forma de um excelente single, que também é uma homenagem. Eles revelaram nesta segunda-feira a música “Baggios encontra Siba”, em referência à parceria com o importante músico pernambucano, nome forte do movimento manguebeat entre outras coisas por fazer parte da banda Mestre Ambrósio. A “segunda-feira de lançamento” do Baggios, em vez da tradicional e universal sexta-feira, tem uma razão. Hoje é aniversário de seu cantor e guitarrista, o grande Julio Andrade. E ele quis se dar um presente. Para nós também. Segundo Andrade, o rock enérgico desta “Baggios encontra Siba” versa sobre o imaginário e o palavreado do Nordeste. Com tudo envolvido, não teria como a música não ser boa.

***

– Lá em abril a gente fez um post para contar uma história emocionante envolvendo o querido músico australiano Nick Cave. Ele tinha recebido uma carta de uma fã contando sobre como ela lidou com a morte de familiares, conversando com eles por sonhos, e perguntou se isso ocorria com Nick e sua esposa por conta do filho de 15 anos que eles perderam. Tocado pela pergunta, Cave escreveu uma longa resposta comentando o assunto. “Crie seus espíritos. Ligue para eles. Eles estarão vivos. Fale com eles”, Cave respondeu, considerando que ainda que a comunicação dele com o filho seja uma mera obra da mente, das ideias, ela é forte o bastante para o guiar e proteger. Essa carta ganhou uma versão musicada, um spoken word que só tinha saído em single em vinil até agora, mas que apareceu finalmente no mundo digital.

***

CENA – Grande caçador das batidas perfeitas, o beatmaker, DJ, instrumentista e engenheiro de som Master San acaba de lançar seu mais novo trabalho, o envolvente “Soul Quantize”, álbum que chega às plataformas com 34 faixas inéditas trabalhadas em cima de bases de hip hop. Essa nova fornada de beats bons da fabriquinha de Master San é marcada pela alquimia do músico (que entre outros projetos toca na banda Liquidus Ambiento) em juntar loops, ecos, colagens, scratchs, timbres marcados acompanhados de riffs de guitarra, baixos eletroacústicos e valvulados, além de sintetizadores analógicos. Tudo isso forma este “Soul Quantize”, do qual revelamos aqui embaixo a orientalizada faixa “Confronto de Titãs”, que já traz um vídeo entregando exatamente isso: e se umas batidas fossem criadas para servir de trilha sonora para uma luta de samurais? Master San já a produziu, aqui.

***

Popload Live: hoje, 17h, no Stories da @poploadmusic, papo e música com Master San, o sujeito mais próximo da batida perfeita

>>

* A Popload Live de hoje tem a honra de dividir a telinha com o engenheiro de som e parceiro Master San. A conversa, movido por uma trilha de batidas interessantes, acontece já, já, às 17h, na @poploadmusic.

Master San pilota, de seu estúdio de alquimia sonora na Pompeia, em São Paulo, a sua produção no incrível movimento de beatmakers brasileiro, sua banda Liquidus Ambiento e as mais “enjoadas” técnicas sonoras em alguns dos principais podcasts brasileiros, tipo o Freestyle (cóf cóf).

É aquele negócio: enquanto conversarmos, Master San vai mostrar para gente sua busca pelas batidas certas para a hora certa. Papo educativo e ilustrativo.

Master San, logo mais, às 5.

2 - 0a3a51d1-3ec0-4d8a-847f-37b452bd3797

A live da Popload foi criada para proporcionar, em tempos de clausura, papo e performance com pessoas legais da nossa música. Inclusive… tocando música.

Já rolou por aqui conversa e som com Flavio FingerFingerrr, André Aldo, Eduardo Apeles, Vivian Kuczynski, Lucas Fresno, Rita Papisa Oliva e Ale Sater, do Terno Rei, Bianca e Rodrigo do Leela, Lucas da Glue Trip, Fefel do Boogarins, Duda Brack, Clarice Falcão, Gabriela Deptuski, do My Magical Glowing Lens, Jay Horsth, do Young Lights, Salma & Macloys, do Carne Doce, a trinca Naíra, Érica e Caro, do sexteto Mulamba, e João Erbetta, do Los Pirata, o Popoto, da banda Raça, a Sara Não Tem Nome e o produtor paulistano CESRV, o internacional Sessa, o cheio-de-histórias-incríveis Supla, a multimídia Lia Paris, o rapper afrojaponês-andróide Yannick Hara e a guitarrista e cantora Brvnks, o professor Frank Jorge, o brit-paulistano Charly Coombes, Tim Bernardes de O Terno, Mario Bross, do Wry, e a diva Ava Rocha e o produtor mashapeiro Raphael Bertazzi. Tudo regado a som ao vivo, adaptado, rearranjado, diferente, tecnicamente perdoadíssimo.

Já teve até DJ set, do ótimo Willian Mexicano, com a digníssima diva pop Pabllo Vittar participando animada. E a do Lúcio Morais, do Database. Do Trepanado, da Selvagem. Já teve conversa sobre a história da CENA brasileira com um dos personagens principais dela desde sempre, o agitador Fabrício Nobre. Já teve papo de jornalismo musical com Pedro Antunes, editor da “Rolling Stone”, também conhecido como o inventor do programa “Tem um Gato na Minha Vitrola”. Já conversamos com Bruno Natal, do podcast Resumido, e Thiago Ney, da newsletter MargeM, dois instrumentos ~modernos~ vitais para entender o mundo hoje.

A ideia da live é que ela, diária, de segunda a sexta no período de quarentena, não necessariamente tenha um horário padrão para rolar, mas até que tem acontecido bastante às 17h. A gente avisa aqui e nas redes o horário certo do dia.

Então, hoje, às 5 da tarde, no Stories do @poploadmusic, conversa e música com o arquiteto sonoro Master San.

E lembrando que as Lives passaram a ficar disponíveis no igtv da conta do Popload Music, para outras revisitações ou mesmo para ver pela primeira vez. Escolha sua opção, mas veja.

>>