Em mercury prize:

Here’s the thing: as incríveis apresentações de Sports Team e Porridge Radio no Mercury Prize 2020

>>

Captura de Tela 2020-09-25 às 11.50.04 AM

* Nesta semana aconteceu em Londres, do jeito que deu para acontecer, meio na internet meio no rádio, a cerimônia do Mercury Prize, um dos mais honestos e legais prêmios da música britânica. A premiação, que acontece desde 1992 e só tem uma categoria, a de “disco mais relevante do ano”, teve o “Screamadelica” do Primal Scream como o primeiro vencedor.

O Popcast, o podcast da Popload, fala bastante nesta semana do Mercury Prize 2020 e de seu vencedor, o espetacular Michael Kiwanuka e seu discaço homônimo, ele que anda até com envolvimentos obscuros com a misteriosa banda Sault. Merecidaço. O episódio já está no ar.

Mas à reboque do prêmio tem as apresentações especiais para a ocasião. Foram muitas bem boas. Mas sacamos aqui duas delas, de bandas que a gente paga um tributo lascado e lançaram discões também neste ano: Sports Team (foto na home) e Porridge Radio (foto acima).

Eu juro que não ia ficar chateado se o Sports Team levasse o Mercury.

Deixamos ambas aqui embaixo, para sua degustação:

>>

Slowthai carregando a cabeça do primeiro-ministro britânico, o IDLES “inventando” o punk, a Little Simz incrível, o Dave vencedor. Um pouco do Mercury Prize 2019

>>

200919_slowthai

Rolou na noite de ontem em Londres a aguarda edição 2019 do Mercury Prize, uma das premiações musicais mais conceituadas do Reino Unido, que tem um formato diferente em relação aos eventos deste tipo.

Em vez de premiar diversas categorias, o Mercury Prize premia apenas o melhor disco feito por um artista britânico no período de 12 meses anterior à cerimônia.

No cardápio de indicados deste ano, nomes como 1975, Foals, Fonaines DC, Idles e a “nossa” Little Simz estavam na disputa, que acabou vencida pelo jovem rapper Dave, de apenas 21 anos, com seu ótimo “Psychodrama”, disco que foi lançado em março deste ano e que foi direto para o topo das paradas inglesas na primeira semana.

Foto: REX FEATURES

Foto: REX FEATURES

Mas o auê ficou mesmo para o que rolou no palco. Se o MP premia apenas uma categoria, o tchan da premiação está no fato de todos os concorrentes se apresentarem ao vivo. E aí o evento deu o que falar especialmente pela apresentação do rapper Slowthai, um dos grandes nomes da nova safra por lá.

Sem pudor, ele entrou no palco segurando a cabeça de um boneco de Boris Johnson, o primeiro-ministro britânico. E, ainda, vestindo uma camisa com os dizeres “Fuck Boris”, que agora estão à venda em seu site. Haha. O choque foi tamanho que a transmissão da BBC foi cortada direto para a apresentadora Lauren Laverne, que precisou falar que aquelas não eram as opiniões da emissora.

Ainda no campo político, que a imprensa inglesa diz ter sido a edição com mais apelo neste sentido nos últimos tempos, o Foals falou sobre as questões climáticas, a Anna Calvi repudiou a desigualdade de gêneros, e o IDLES a masculinidade tóxica.

Teve ainda a Little Simz ícone, mostrando que o Popload Festival será incrível também por causa dela, o Fontaines DC com o vocalista gênio Grian Chatten vestindo camisa do Nick Cave, e o próprio IDLES, na parte sonora, fazendo tudo parecer a década de 70 e que estava surgindo naquele ali, naquele momento, o punk.

Foto: REX FEATURES

Foto: REX FEATURES

Confira abaixo os discos indicados e os vídeos das apresentações na premiação.

Concorrentes ao Mercury Prize 2019:
· Anna Calvi – Hunter
· Black Midi – Schlagenheim
· Cate Le Bon – Reward
· Dave – Psychodrama (vencedor)
· Foals – Everything Not Saved Will Be Lost
· Fontaines DC – Dogrel
· Idles – Joy As an Act of Resistance
· Little Simz – Grey Area
· Nao – Saturn
· SEED Ensemble – Driftglass
· Slowthai – Nothing Great About Britain
· The 1975 – A Brief Inquiry Into Online Relationships

>>

Mercury Prize lista Arctic Monkeys, Wolf Alice e Noel Gallagher entre os indicados para melhor disco do ano

>>

260718_noel2

Considerado por muitos o prêmio de música mais cultuado do Reino Unido, por mais que o Brit Awards seja o mais famoso, o Mercury Prize deste ano reservou algumas surpresas em suas indicações.

A começar pelo disco “Who Built The Moon?”, de Noel Gallagher, quando as apostas de indicações estavam todas voltadas para “As You Were”, de seu irmão Liam Gallagher, que ficou fora da lista. Esta é a primeira vez que um Gallagher é indicado após mais de duas décadas. Nas outras vezes, os petardos “Definitely Maybe” e “(What’s The Story) Morning Glory?” concorreram nos anos de 1995 e 1996, respectivamente. E não levaram.

260718_alexturner

Outro projeto que está entre os indicados é o polêeemico “Tranquility Base Hotel & Casino”, o álbum diferentão do Arctic Monkeys, que dividiu opiniões, mas parece ter agradado a curadoria do Mercury Prize. Florence and the Machine com “High As Hope”, King Krule com “The OOZ”, e Wolf Alice com “Visions of a Life” são outros presentes na corrida pelo prêmio, que acontecerá no final de setembro, em Londres.

* Confira a lista completa dos indicados:
Arctic Monkeys – ‘Tranquility Base Hotel & Casino’
Everything Everything – ‘A Fever Dream’
Florence + The Machine – ‘High As Hope’
Jorja Smith – ‘Lost & Found’
Lily Allen – ‘No Shame’
Nadine Shah – ‘Holiday Destination’
Noel Gallagher’s High Flying Birds – ‘Who Built The Moon?’
Novelist – ‘Novelist Guy’
Richard Russell – ‘Everything Is Recorded’
Sons of Kemet – ‘Your Queen Is A Reptile’
Wolf Alice – ‘Visions of a Life’
King Krule – ‘The OOZ’

>>

Bowie quem? Who the f*** are Arctic Monkeys? James Blake é o cara!

>>

311013_blake

Mundo indie chocado. Haha. Rolou ontem na Inglaterra o sempre esperado Mercury Prize, premiação anual que indica o melhor disco do ano feito por artistas britânicos, muito bem quista e de grande importância para o mercado.

Foram indicados 12 discos, sendo David Bowie, Arctic Monkeys e Jake Bugg os grandes favoritos inclusive nas casas de apostas. Mas foi um certo garoto prodígio que põe muito sentimento em seu pós-dubstep delicado, mesclado com alguns elementos de hip hop pontuais que roubou a cena na premiação: James Blake, ele, pintou como azarão e levou o conceituado prêmio com seu “Overgrown”.

A vitória de Blake foi tão inesperada que, entre os 12 indicados, ele era apenas o 9º na lista das casas de apostas, que eram de 25 para 1. Além do prêmio, ele embolsou 20 mil libras. No discurso, agradeceu aos seus pais por terem mostrado a ele a “importância de ser independente”.

A maioria dos indicados fez performance ao vivo no evento, à exceção de Laura Marling e David Bowie, que enviaram vídeos. Blake, o grande vencedor, tocou a ótima “Retrograde”.

* Concorriam ao Mercury Prize…
Arctic Monkeys, AM
David Bowie, The Next Day
Disclosure, Settle
Foals, Holy Fire
Jake Bugg, Jake Bugg
James Blake, Overgrown
Jon Hopkins, Immunity
Laura Marling, Once I Was an Eagle
Laura Mvula, Sing to the Moon
Rudimental, Home
Savages, Silence Yourself
Villagers, Awayland