Em miley cyrus:

Tributo a Chris Cornell em Los Angeles comove o rock. Veja muitos vídeos

>>

* Aconteceu ontem em Los Angeles, durou mais de quatro horas, no Brasil já era de manhã quando acabou e teve a maior quantidade de gente conhecida da música o evento tributo ao saudoso roqueiro grunge Chris Cornell, ex-Soundgarden e Audioslave entre outras bandas significantes, que se matou aos 52 anos em um quarto de hotel em Detroit, em maio do ano passado. Chamou-se I Am the Highway – A Tribute to Chris Cornell.

O grande show, assistido pela Popload ao vivo via Periscope, alternou entre mostrar os singles esperados e coisas menos óbvias da carreira do Chris Cornell. De cara, as melhores partes: Dave Grohl cantando “Show Me How to Live”, do Audioslave”, Ryan Adams cantando a maravilhosa “Fell on Black Days”, do Soundgarden, e Miley Cyrus (!!!!) cantando “Say Hello to Heaven”, do histórico Temple of the Dog (banda-embrião da famosa cena de Seattle do final dos 80, começo dos 90, aquela em que o Nirvana apareceu em 1991 e BOOOOOM!!. No ano passado Seattle deu a Cornell uma estátua de bronze no imponente Seattle Center, parque de artes que tem a “agulha”).

Captura de Tela 2019-01-17 às 8.27.38 PM

Miguel cantando “Reach Down”, com Temple of the Dog, foi destaque da noite, também. Os Foo Fighters, acima, mandaram três músicas bem lado Z do Soundgarden, o que foi bem interessante. O “Queen” Josh Homme cantou “Rusty Cage” na versão Johnny Cash, interpolando um trecho de “Hand of Doom”, do Black Sabbath, no meio. Metallica tocou duas covers (ruins) de Soundgarden, e inexplicavelmente, tocou duas músicas próprias (why?).

No último segmento da noite, foi o esperado momento do Soundgarden tocar com convidados nos vocais. Taylor Momsen (The Pretty Reckless) e o relativamente desconhecido Marcus Durant mandaram bem em suas respectivas músicas. Taylor Hawkins (Foo Fighters) foi excepcional nas absurdas “I Awake” e “The Day I Tried to Live” – que também contaram com Buzz Osborne (Melvins). Para fechar a grande noite em memória de Cornell, uma bela versão de “Black Hole Sun” com a cantora folk Brandi Carlile, e Peter Frampton na guitarra.

O principal evento deste ano que mal começou e já considero pacas. Entre muuuuitas coisas, teve…

* “The Day I Tried to Live (com Taylor Hawkins)

**

* “Say hello to Heaven” (com Miley Cyrus)

**

“All Night Thing” (com Fiona Apple)

**

* “Show Me How to Live” (com Dave Grohl)

**

* “Fell on Black Days” (com Ryan Adams)

**

* Todas do Foo Fighters

**

* “Hunger Strike” (Brandi Carlile e Chris Stapleton)

**

* “Hunted Down” (meio Alice In Chains, meio Pearl Jam, e Josh Freese, ex-NIN, moendo na batera)

**

* “Redemption Song” (Ziggy Marley e Toni Cornell, filha do Chris Cornell)

**

* “Black Hole Sun” (com Brandi Carlile, e Peter Frampton)

>>

Flaming Lips e Miley Cyrus colorindo a sexta-feira com “We A Family”, outra inédita do disco Oczy Mlody

>>

wayne coyne miley

A dupla mais improvável do indie-pop ataca novamente. Preparadíssimos para o lançamento de Oczy Mlody, novo disco que sai na sexta-feira que vem, dia 13, o gênio-doidão Wayne Coyne e seu Flaming Lips soltaram mais um single hoje, “We A Family”. A faixa tem o lado experimental viajandão característico do grupo, que, acredite, ficou perfeito com a voz de Miley Cyrus, agora já figurinha carimbada na turma psicodélica da banda de Oklahoma. Nós adoramos:

Parecia bizarro quando láá em 2014 o Flaming Lips anunciou que Miley Cyrus faria uma parceria com a banda em um álbum que recriaria, a la Wayne Coyne, o clássico Sgt. Pepper do Beatles. O “bizarro”, veja bem, era mais para a ideia de mexer num vespeiro de fãs xiitas do Beatles que pela parceria com a cantora. No fim, o disco With a Little Help from My Fwends saiu com colaborações de outros 26 artistas, era sim bem legalzinho e ufa, não ofendeu ninguém (vocês também tudo é “noooossa”!). Cyrus inclusive aparece em duas faixas, “Lucy in the Sky with Diamonds” e “A Day in the Life” (que não são nem de longe as melhores do disco, mas ok). Em seguida, foi a vez de Wayne Coyne colaborar em um disco mais “experimental” dela, lançado de surpresa no ano passado. O projeto recebeu o nome de Miley Cyrus And Her Dead Petz.

Do aguardado novo álbum, que terá 12 músicas, já ouvimos três de forma oficial (“The Castle”, “How??” e “Sunrise (Eyes of the Young)”) e uma de forma “não oficial”, “There Should Be Unicorns”, tocada ao vivo em um show recente e cantada por um Wayne Coyne vestido de unicórnio. O vídeo de “HOW??”, lançado em novembro, foi um dos mais lindos e surreais do ano passado e merece um repeteco aqui:

>>

E o disco indie da Miley Cyrus?

>>

020915_miley1

A louquinha Miley Cyrus voltou a ser o centro das atenções nos noticiários após apresentar o Video Music Awards (lembra?) domingo passado. Além dos mil figurinos bizarros, caras, bocas, peitos e a treta com a Nicki Minaj ao vivo, a cantora disponibilizou logo após a premiação um disco gratuito e experimental, feito por ela em parceria com Wayne Coyne, ele, a mente brilhante e perturbada do Flaming Lips.

O álbum custou 50 mil dólares e é “um presente, não um sinal de revolta”, de acordo com a cantora em recente entrevista para o New York Times.

020915_mileywayne

O projeto recebeu o nome Miley Cyrus And Her Dead Petz e vai da psicodelia ao hip hop, com elementos eletrônicos. Participam do álbum nomes Ariel Pink, Mike Will Made It e Billy Ray Cyrus, cantor country e pai de Miley.

Dizem, tem uma galerinha indie curtindo. Já os fãs “tradicionais” da Miley parecem não ter entendido a proposta e andam criticando a cantora.

E VOCÊ, o que achou? Haha.

>>

Sxsw 2015 – Até a Miley Cyrus apareceu…

>>

sxsw2015_poploadselo

Uma das principais características do lado musical do South by Southwest são os shows e aparições surpresas de artistas consagrados, seja para apresentações próprias e anunciadas de última ou no palco de amigos.

200315_mileycyrus

Ontem, a Popload reproduziu uma transmissão ao vivo dos shows promovidos pela revista cool The Fader na agitada Austin. Além do Bleachers e Wolf Alice, quem acompanhou os shows em vídeo até o fim pode ver que na última atração da noite, do Mike Will Made-It, apareceu uma galera treta no palco e na turma estava a louquinha estrela pop Miley Cyrus.

Ela cantou duas músicas, “We Can’t Stop” e “Throw Sum Mo”.

** Foto da Billboard

>>

Papa do Arcade Fire rasga foto de Miley Cyrus

300614_af2

Depois de uma apresentação histórica no Glastonbury na sexta-feira, o Arcade Fire seguiu com seu fim de semana insano de shows incríveis. Ontem, domingo, a banda canadense tocou para 30 mil pessoas em um famoso parque de Dublin, o Marlay, dando sequência à sua turnê do discão “Reflektor”. Mas o agito em Dublin teve um pequeno e luxuoso detalhe. O show de “abertura” foi só do Pixies, que também participou do festival inglês. Na verdade, nem foi bem assim uma “abertura”, já que a veterana banda norte-americana fez um show completo, com mais de 20 músicas.

O ótimo show do Pixies foi aquele de sempre: hit em cima de hit. Além disso, também tocaram faixas da nova fase da banda, lançadas neste ano no álbum “Indie Cindy”.

Já o Arcade Fire entrou no palco ao som de “Where The Streets Have No Name”, do U2, com direito ao bonecão do Bono, chinfra obrigatória na turnê atual dos canadenses. O setlist foi praticamente o mesmo dos últimos shows. Um momento algo peculiar da apresentação foi na volta para o bis, que sempre tem alguma gracinha ligada ao lugar onde eles tocam. Desta vez, botaram o Papa Francisco (de novo) no meio.

Antes de tocarem “Afterlife”, a banda pisou no palco ao som de “Nothing Compares 2 U”, mega hit da cantora irlandesa Sinéad O’Connor, que ficou marcada pelo episódio em que rasgou uma foto do Papa João Paulo II, em 1992, no programa Saturday Night Live, em protesto contra notícias envolvendo supostos abusos sexuais contra menores, cometidos por membros da Igreja Católica. Ano passado, a cantora pop Miley Cyrus entrou em uma discussão pública com O’Connor e chegou a citar o episódio. Botando um pouco mais de gasolina na fogueira, o Arcade Fire entrou com o seu Papa no palco e ele rasgou uma foto da Miley Cyrus. Gênios.

Abaixo, alguns registros da super balada em Dublin.

300614_af1

300614_af3

* Setlist – Arcade Fire
Wake Up (intro) / Where The Streets Have No Name (U2) (intro gravada)
Normal Person
Rebellion (Lies)
Joan of Arc
Rococo
Month of May
The Suburbs
The Suburbs (Continued)
Ready to Start
Neighborhood #1 (Tunnels)
Crown of Love (com intro de Pixies, “Where Is My Mind?”)
Intervention (com ‘(Antichrist Television Blues)’)
We Exist
No Cars Go
Haïti
Reflektor
It’s Never Over (Oh Orpheus)
Sprawl II (Mountains Beyond Mountains)
(‘Damian Taylor Remix’ intro)

Bis:
Nothing Compares 2 U (Sinéad O’Connor, gravada)
Afterlife (com New Order, “Temptation”)
Neighborhood #3 (Power Out)
Here Comes the Night Time
Wake Up

300614_af4

* Setlist – Pixies
U-Mass
Wave of Mutilation
River Euphrates
Hey
Gouge Away
Bagboy
Crackity Jones
Mr. Grieves
Magdalena 318
Caribou
Velouria
Ed Is Dead
Indie Cindy
Nimrod’s Son
Here Comes Your Man
La La Love You
Greens and Blues
Vamos
Where Is My Mind?
Rock Music
Isla de Encanta
Tame

* Fotos: Dublin Concerts

>>