Em MIS:

CENA – São Paulo entra de vez no Record Store Day. MIS anuncia “a maior e melhor” feira de discos para o dia 22

>>

cena

* Ok. Ainda não temos os lançamentos especiais de discos, para a data, que no exterior funciona que é uma beleza. Mas, no próximo Record Store Day, que terá em São Paulo sua terceira edição no próximo dia 22, o Museu da Imagem e do Som – MIS está anunciando a “maior e melhor” feira de discos da cidade, com 80 expositores, palestras com diversos nomes da indústria, oficina de DJ e, claro, shows. As bandas Autoramas, carioca, e Mundo Alto, de SP, tocam no Museu, como parte do evento.

Feira de Discos no MIS 2014 (14) Crédito Letícia Godoy MIS

É a terceira edição no MIS, para ser mais exato. O evento será feito em parceria com a Locomotiva Discos, loja do centro de SP que inseriu a cena brasileira do dia que celebra as lojas de discos de todo o mundo em 2011.

Venda de vitrolas e toca-discos acontecerão também na feira do MIS. O estúdio Vinyl Lab. O evento, nas horas em que não acontecerem shows, vai ser embalado por discotecagens. Do lado de fora do museu, food trucks alimentarão a galera.

Além de comprar, o público também pode levar até 50 LPs usados para venda ou troca somente com os expositores. E um dos destaques desta edição será a participação do Casarão do Vinil, tradicional loja da Mooca que tem um acervo absurdo de 700 mil itens, que vão de discos de 78 rotações a livros e compacto. O Casarão botará na feira do MIS uma banca com discos de R$ 1,99.

autoramas

Mas quem disse mesmo que não haverá lançamentos de discos especialmente para o Record Store Day brasileiro? A gravadora independente HBB vai lançar no MIS um split de sete polegadas das bandas Autoramas (foto acima) e Mundo Alto. O disquinho, vinil marrom e com projeto gráfico assinado por Antônio Augusto, conta com duas faixas de cada uma das bandas.

Ah, a entrada para a celebração do Record Store Day é gratuita. Mas é preciso retirar uma senha com uma hora de antecedência para cada uma das palestra na recepção do MIS.

Mais informações, no site do MIS.

* As fotos de vinis, as deste post e a da home da Popload, são de Letícia Godoy, da feira no MIS de 2014, a primeira edição.

>>

Brasil acorda para o Record Store Day. Superfeira de discos do MIS terá 70 expositores, algumas bandas e um Kid Vinil

>>

* Coisa muito séria nos EUA e Inglaterra, o Record Store Day agora em abril agita o mercado da música, em especial o de discos e mais especial ainda o de loja de discos, com grandes e pequenos artistas se envolvendo de forma efetiva, seja U2, seja Parquet Courts. São preparados para a data lançamentos especiais em edições limitadas, relançamentos de discos famosos em versões de luxo, programação de shows pequenos dentro das lojas e tudo mais.

O Record Store Day nasceu como um movimento das lojas de discos independentes americanas em 2007 e sempre ocorre no terceiro sábado do mês de abril. A ideia surgiu em um encontro de donos de record stores em Baltimore, para discutir sua sobrevivência em tempos de música virtual, em que até superlojas tipo Virgin, Tower Records e HMV foram à falência como tais. Hoje, o Record Store Day lá é uma organização com sede, diretoria e CNPJ.

Screen Shot 2015-04-08 at 15.29.45

O Brasil, com a sobrevivência de pequenas lojas indies de São Paulo e o surgimento de algumas novas na esteira da importante revitalização do vinil e dos estabelecimentos enquanto ponto de encontro com bar e palco para shows, tenta há algum tempo pular na barca do Record Store Day, com iniciativas ainda que tímidas durante estes últimos anos. Mas agora a coisa parece que pode decolar. O Museu da Imagem e do Som, o MIS, na avenida Europa, resolveu abraçar a causa que até então acontecia modesta no underground.

Então, no dia 18, sábado da outra semana, em parceria com Locomotiva Discos (loja agitadora de Marcio Custódio, no Centro de SP), o MIS em sua área externa com entrada para o auditório e o foyer organiza um feirão de discos para comemorar a data, com entrada gratuita. Serão cerca de 70 expositores para fazer acontecer venda, troca e compra de CDs novos e usados, raros, importados e nacionais.

Screen Shot 2015-04-08 at 16.29.53

O padrinho do evento não podia ser mais bem escolhido. Ou pelo menos ter o melhor nome para a ocasião. O expert em discos, produtor, jornalista, empresário, colecionador, músico e outras tantas alcunhas sonoras Kid Vinil vai ser o “mestre-de-cerimônias” deste Record Store Day brasileiro. Kid aproveitará o evento para autografar sua biografia, “Kid Vinil – O Herói do Brasil”, que está sendo lançada. Ele autografará ainda o compacto em vinil de “Beatriz”, canção de sua atual banda, o Kid Vinil Xperience.

O feirão de discos do RSD brasileiro acontecerá das 12h às 20h e terá pocket-shows de bandas e artistas grupos independentes, a serem anunciados. O conhecido Romulo Fróes é um deles.

O evento tem um… evento criado no Facebook, aqui.

* RECORD STORE DAY BRASILEIRO – É óbvio que temos um chão a percorrer para termos um RSD no mesmo nível, mas esse feirão dentro de uma instituição como o MIS é bem importante para o mercado independente de discos daqui.
Coisas legais e/ou diferentes estarão disponíveis no Record Store Day no MIS, como:
– algumas cópias do álbum “Molhado de Suor”, disco de 1974 de Alceu Valença (raro, original da época, primeira prensagem, R$ 390,00)
– “Tropicália: ou Panis et Circencis”, primeira edição, 1968, original de época, em mono, autografado por Caetano Veloso, Gilberto Gil e Gal Costa, R$ 700,00)
– Mutantes/Mutantes, primeira edição desse álbum, em mono, R$ 650,00).
Serão lançados neste dia, na feira, discos como:
– o álbum duplo “Girls in Peacetime Want to Dance”, do Belle & Sebastian
– “Tudo Esclarecido”, da cantora Zélia Duncan
– “Vitória”, recém-lançado álbum do Dead Fish depois de um hiato de cinco anos
– “Convoque Seu Buda”, do Criolo

>>

BOWIE EM SP. Mostra sobre os 50 anos de carreira fica "di bowie" até abril

>>

macacao preto vinil

Macacão de vinil usado na turnê de Aladdin Sane, em 1973

Sobrevivemos ao Kubrick. Que venha a avalanche BOWIE (flood é marolinha)! A partir de agora e até 20 de abril, não tem escapatória: o seu Instagram, ou qualquer outra rede social de preferência, será dominado por fotos (ou spoilers?) da exposição David Bowie que começa HOJE no MIS, em São Paulo. Mesmo que, convém lembrar, os cliques com ou sem flash são proibidos dentro do museu. Não dá uma de brasileiro, né? Haha. Pelo menos muito. 😉

Mas, OK, toda histeria coletiva tem fundamento e será perdoada. É o Bowie… E a mostra que chega ao Brasil é a primeira retrospectiva internacional sobre o cantor e seus 50 anos de carreira. David Bowie Is foi importada diretamente do museu Victoria and Albert (V&A), de Londres, e chega em São Paulo antes mesmo de dar uma voltinha pela Europa — após a capital inglesa, passou apenas por Toronto. Toma essa, Nova York. Paris e Los Angeles, como é?

A Popload foi convidada a um tour inicial que aconteceu ontem, com a presença de Victoria Broackes e Geoffrey Marsh, representantes do V&A, de Alex Ellis, Embaixador do Reino Unido no Brasil e de Marcelo Araujo, secretário de Estado da Cultura. Durante a apresentação, foi anunciada a intenção de uma parceria fixa com o museu londrino, o que pode significar muitas outras exposições exclusivas e incríveis como esta. André Sturm, diretor executivo e curador geral do MIS, conseguiu fechar a vinda dessa mostra ao Brasil antes mesmo que ela fosse aberta ao público na Inglaterra. O desafio, segundo ele, será bater o recorde de (centenas de milhares de) visitantes que David Bowie Is levou ao V&A. Vai, Brasil-il!

Original_photography_for_the_Earthling_album_cover_1997__Frank_W_Ockenfels_3[1].

Bowie vestindo casaco de Alexander McQueen na capa do disco “Earthling”, de 1997

A versão brasileira é um pouco menor que a inglesa, referente mais ao espaço em si que na quantidade de itens. Ficaram de fora trechos e fotos da infância de Bowie, que abriam a mostra em Londres, além de um pequeno espaço dedicado à música “Space Oddity” e sua repercussão. O gigantesco painel oval com figurinos em caixas suspensas e cobertas por telões e jogos de luzes, que fechavam a expo no V&A, também encerra a exibição aqui, mas em formato “pocket”.

David Bowie:Ziggy Stardust

Macacão de tricô assinado por Kansai Yamamoto para a turnê de Aladdin Sane

Com seus 300 itens cuidadosamente selecionados pelos curadores que tiveram acesso ao David Bowie Archive, David Bowie Is é uma experiência obrigatória para quem gosta de música, sendo louco pelo cantor ou não. Se não por ele, pelo prazer de acompanhar a trajetória de um artista completo (que escreve, atua, produz, cria, pinta, palpita, reinventa estilos, choca e até faz um mullet laranja virar ícone) e o impacto que ele teve/tem na música e na moda até hoje.

lyrics original

Sem entregar tudo o que rola lá dentro: os cômodos são separados por temas, não em ordem cronológica, dentro de um “labirinto” escuro. São setlists, desenhos, fotos raras, colagens, storyboards, letras de músicas escritas à mão, instrumentos, cenas de filmes, clipes, pinturas e figurinos. Das 47 roupas cênicas que vieram ao Brasil, destaca-se o macacão preto de vinil (aquele com quadris e coxas enormes) assinado por Kansai Yamamoto, que abre este post e estampa o cartaz principal na entrada do MIS. Perca um tempinho a mais na “ala Berlim”, que traz algumas pinturas não tão conhecidas feitas por Bowie, inclusive duas que retratam Iggy Pop. E assista ao vídeo no qual Bowie explica, calmamente e com muita classe, o funcionamento do “Verbasizer”, engenhoca inventada por ele e que ajuda no processo de construção das letras. Durante a visita, o fone de ouvido é obrigatório (e gratuito), deixando o visitante em transe e, ainda bem, em silêncio. Sensível aos movimentos, ele aciona o áudio conforme você anda pelas instalações, transmitindo automaticamente as músicas e entrevistas.

colagem feita por Bowie

Para quem quiser levar um pouco da mostra para casa, o livro “David Bowie Is”, lançado especialmente para a exposição em Londres, ganhou uma tradução para o português e foi editado no Brasil pela Cosac Naif. A edição nacional custa R$ 119,90 e está à venda no site da editora e na lojinha do museu. Há também almofadas com o rosto do Bowie (não se esqueçam da fronha do Morrissey, que hoje é relíquia haha) e, SIM, uma bolsa com a frase “Tô De Bowie”, ou algo assim. Essa raridade é só no Brasil mesmo, pode ter certeza.

DAVID BOWIE @ MIS
Avenida Europa, 158, Jd. Europa, 2117-4777.
3ª a 6ª, das 12h às 20h
Sábados: das 11h às 21h
Dom. e feriados: das 11h às 20h
Ingressos: R$ 10 (terça-feira é grátis!)
Ingressos Online: R$ 25, clique aqui
Até 20/4.