Em Morrissey:

Morrissey fala de “raiva monumental” pelo terrorismo em Manchester e culpa autoridades

>>

240517_moz2

Aniversariante da semana e filho de Manchester, o big mouth Morrissey também fez um pronunciamento contra o ataque terrorista a sua cidade natal. Bem do jeito dele, em um post comovido no Facebook, Moz disse que estava comemorando o seu aniversário em Manchester enquanto recebia notícias da bomba no Manchester Arena.

“A raiva é monumental”, ele diz, antes de culpar a Rainha, a Primeira-Ministra Theresa May, o prefeito de Londres e o prefeito de Manchester pela situação atual. “Theresa May diz que estes ataques ‘não nos quebrarão’, mas ela vive em uma bolha à prova de balas e não precisa identificar nenhum jovem em um necrotério de Manchester hoje. ‘Não vão nos quebrar’ significa que ela não será quebrada, nem suas políticas de imigração. Os jovens de Manchester já estão quebrados. Obrigado mesmo assim, Theresa”, escreve, de início.

Morrissey atacou também a rainha Elizabeth II, que não cancelou uma recepção no palácio de Buckingham na terça, “para a qual nenhuma crítica é permitida na imprensa livre da Inglaterra”.

“Na Inglaterra hoje, todos parecem ter medo de dizer oficialmente o que dizemos em particular. Os políticos dizem que não têm medo, mas eles nunca são as vítimas. É fácil não ter medo quando você está protegido da linha de fogo. O povo não tem essa proteção”, completou.

>>

Com a ajuda do Johnny Marr, Broken Social Scene tenta limpar algumas lágrimas de Manchester

>>

240517_bss2

Os ingleses (e o mundo) ainda tentam entender o que aconteceu na noite do dia 22 de maio, segunda-feira, quando 22 pessoas morreram em um ataque terrorista durante o show da cantora Ariana Grande em Manchester. Aos poucos, artistas começam a fazer os seus pequenos tributos e a se manifestar nas redes sociais.

A mais sensível delas, por enquanto, veio do grupo canadense Broken Social Scene, que se apresentou na cidade ontem, um dia depois do atentado. O show foi o primeiro da turnê mundial da banda, que retornou aos estúdios recentemente depois de um longo hiato e irá lançar um novo álbum em julho.

Para sua homenagem às vítimas, em sua maioria crianças e adolescentes, eles chamaram logo um herói da cena local, o ex-Smiths Johnny Marr. Juntos, Marr e BSS tocaram a música “Anthems For a Seventeen-Year-Old Girl”, do disco ‘You Forgot It In People’. Antes de apresentar o convidado especial, Kevin Drew, um dos líderes da armada canadense, agradeceu aos fãs por estarem ali em um dia tão triste como aquele: “Obrigado por terem vindo. O mais importante é hoje estarmos aqui juntos, todos nós”. Veja o vídeo da apresentação abaixo:

O Broken Social Scene liberou na semana passada o single que dá nome ao novo disco, “Hug of Thunder”, com participação da Feist. A banda já havia lançado a boa “Halfway Home”, do mesmo projeto. Leia mais aqui.

>>

Ah não… Morrissey cancela mais um show e já bate aquele desespero

>>

161115_moz6

Mundo indie em alerta. De novo, por causa de Steven Patrick Morrissey. O maior inglês vivo cancelou mais um show por problemas de saúde, algo que tem se tornado mais regra do que exceção nos últimos cinco anos (ou mais).

Primeiro, é bom recapitular o papo que a Popload relatou ontem. Na segunda, Morrissey abandonou seu show na cidade de Tucson, Arizona, na sexta música, por problemas na voz. No início da apresentação, o astro britânico disse que havia “deixado parte de sua boca em Guadalajara”, mas que ia cantar até se precisasse cair morto. Não caiu, mas não terminou o show também.

Ainda ontem, Moz tinha um show marcado em San Antonio, mas a apresentação foi cancelada e a casa de shows local soltou um comunicado dizendo que o evento não iria ocorrer, mesmo, devido aos problemas de saúde do cantor, para que ele tenha uma plena recuperação. A título de curiosidade, este é o terceiro cancelamento de um show de Morrissey na cidade em tipo seis meses.

Há mais ou menos dois anos, o ex-Smiths confirmou que estava livre de um câncer no esôfago, mas contou em entrevista ao Larry King que a depressão, por exemplo, era algum comum em sua vida. “Ela nunca alivia, para mim. Eu tenho tido isso por muitos e muitos anos. Eu a chamo de ‘cachorro preto’. Ela nunca vai embora. É a primeira coisa que eu percebo quando acordo de manhã. Não tem cura. Não tomo remédios para isso. Já senti de tudo. Para mim, é um estado de espírito”, disse na ocasião.

Moz tem ao menos mais dois shows para cumprir nesta tour pela América do Norte: nesta sexta, 14 de abril, em Houston, e no dia seguinte em Dallas. Vamos ver se continuam de pé ou o cantor volta para casa.

>>

Everyday is silent and grey. Morrissey perde a voz e abandona show nos Estados Unidos

>>

Fotos: Tucson.com

Fotos: Tucson.com

Começou a rodar a internet de forma mais intensa um papo sobre o (não) show de Morrissey em Tucson, Arizona, na última segunda-feira.

O herói da música alternativa e maior britânico vivo perdeu a voz na sexta música de sua apresentação, “Everyday Is Like Sunday”, e abandonou o palco. Na hora, muita gente achou que era um chilique básico do cantor, mas ele não voltou.

Minutos depois, um de seus músicos foi ao microfone e anunciou ao público que a voz de Moz sucumbiu. “Vocês ouviram, ele estava tentando. Ele veio e tentou. Sua voz realmente detonou. Pedimos desculpas, ele pede desculpas. Vocês sabem que ele tentou”.

Um outro vídeo mostra Moz, mais cedo, falando que estava com problemas na garganta. “Deixei parte da minha boca em Guadalajara. Mas vou ficar aqui, vou cantar. Se necessário, caio morto aqui”, disse o cantor, que ainda bem, não precisou cair morto.

Nesta quarta, ele tem um show agendado em San Antonio e, até o momento, a apresentação está confirmada.

>>

Filme sobre Morrissey, não autorizado, tem novo nome que cai bem: “England Is Mine”

>>

“I decree today that life
Is simply taking and not giving
England is mine – it owes me a living
But ask me why, and I’ll spit in your eye”

161115_morrissey

Uma das figuras mais controversas e geniais da história do pop, o inigualável Morrissey, terá parte de sua vida contada nos cinemas. Sem a bênção dele, é claaaaro.

O filme, que está sendo arquitetado pelo produtor Orian Williams desde 2014, vai abordar a juventude do cantor e termina no momento em que ele conhece Johnny Marr e dá início a uma das mais turbulentas e excepcionais parcerias do rock, com a criação dos Smiths.

O longa, inicialmente, iria se chamar “Steven”, em referência ao nome de batismo de Moz (Steven Patrick Morrissey). No entanto, Orian, que também foi responsável pela cinebiografia “Control”, que conta a vida de Ian Curtis, informou em entrevista para a SiriusXM neste final de semana que o filme tem um novo título: “England Is Mine”, termo retirado da música “Still Ill”, dos Smiths.

No bate-papo, Orian conta que o mote da produção é explorar o triunfo de um jovem sobre uma infância alienada de forma a tornar-se na estrela cultuada que é hoje em dia. O ator escolhido para interpretar Morrissey no filme é o escocês Jack Lowden (“War & Peace”). Mark Gill e William Thacker são os responsáveis pelo roteiro.

>>