Em my magical glowing lens:

CENA – Circo indie toma Sorocaba neste final de semana. Festival Circadélica faz sua terceira edição. A segunda deste século (?!)

>>

1 - cenatopo19

arena-circadelica

* Respeitável público indie!
Neste semana, uma vez em São Paulo, bota a Popload Radio no Bluetooth do carro e dirija por uma horinha até Sorocaba, no interior, para os picadeiros do festival Circadélica, esforço cada vez maior, mais vistoso da turma da banda Wry, liderada pelo intrépido guitarrista e produtor Mario Bros.

Cerca de 28 bandas e artistas de vários tamanhos na cena independente brasileira compõem essa terceira edição do festival, que acontece neste sábado e domingo. Sendo que, na real, a primeira edição aconteceu em 2001, outros tempos, outro momento do indie nacional, outra hora da grande era “dourada” atual dos festivais brasileiros. Já falaremos de 2001. O festival foi ressuscitado Agora o assunto é 2018.

Emicida, Tropkillaz, O Terno, Jaloo, Tagore, A Banda Mais Bonita da Cidade, Bike, Flora Matos, My Magical Glowing Lens, Vanguart, Baleia, Fresno e Jaloo estão entre os destaques e dão a variadíssima cara do Circadélica deste ano.

Os shows vão das 13h às 23h nos dois dias, e as duas tendas de shows são rodeadas de lojinhas de roupas, tatuagens, food trucks, enquanto artistas circenses com ou sem pernas de pau passeiam entre o público, para assegurar o clima de “música e diversão” que é o mote do Circadélica.

Untitled-6

As info de ingressos, para um ou os dois dias, estão no site do festival. O line-up completo, com os horários da programação, estão aqui embaixo:

Sábado – 28/7

Palco TNT
13h – Fones
13h45 – Miêta
14h30 – Deb and the Mentals
15h30 – Bike
17h – Jonnata Doll e Os Garotos Selvagens
19h – My Magical Glowing Lens
21h – Tagore

Palco Principal
13h30 – Paramethrik
14h10 – Menores Atos
15h05 – Zander
16h15 – Selvagens à Procura de Lei
18h – Fresno
20h – Flora Matos
22h – Tropkillaz

Domingo – 29/7

Palco TNT
13h – Os Pontas
13h45 – Sky Down
14h30 – Kill Moves
15h30 – Hierofante Púrpura
17h – Gorduratrans
19h – E a Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante
21h – Baleia

Palco Principal
13h30 – Benziê
14h10 – Zimbra
15h05 – A Banda Mais Bonita da Cidade
16h15 – Jaloo
18h – Vanguart
20h – O Terno
22h – Emicida

Captura de Tela 2018-07-27 às 7.46.07 PM

***

* CIRCADÉLICA 2001 – Vale contar esta mesma historinha que eu botei aqui na Popload na cobertura do Circadélica do ano passado. Ela é assim:

Para você ver como o indie andou de 2001 para cá, um pouco do Circadélica da época em que Strokes e White Stripes eram bandinhas alternativas desconhecidas, sendo que os nova-iorquinos nem o primeiro álbum havia lançado. O festival sorocabano, já considerado enorme à época, teve 21 bandas escaladas. Um dos melhores shows do festival, foi o Prole, de Americana. Uma rara gravação de meia hora do Circadélica 2001 é tesouro puro, com trechos dos shows do Pelvs (RJ), Grenade (PR), Walverdes (RS) e MQN (GO).

O Thee Butchers’ Orchestra, uma das principais bandas daquela época, apresentou músicas de seu disco novo no Circadélica 01. Outras bandas que fizeram parte do festival há 17 anos: Garage Fuzz, Astromato, Maybees, Holly Tree, Muzzarelas, Biggs, entre outras. Os Pin Ups estavam escalados para se apresentar no festival, mas não compareceram, porque a banda, que voltou a existir hoje, mais ou menos, havia decidido acabar à época.

“O Circadélica veio para mostrar que é possível montar festivais de rock de médio porte em um país no qual predominam o samba e o pagode”, foram palavras do organizador Mário Bross, vocalista e guitarrista do Wry, lá em 2001. Acrescentemos funk e sertanejo para a edição 2, do ano passado, e a 3, deste ano. O Circadélica 2001 marcou também a despedida do Wry do Brasil, indo tentar a sorte na Inglaterra, por onde ficou por alguns anos.

***

* As fotos deste post são de divulgação da edição do festival no ano passado, a segunda, que é a primeira dos novos tempos. A que ilustra a chamada da home da Popload para o festival deste ano é do Tagore, feita por José de Holanda.

>>

Popload Radio: Hoje tem o programa CENA, destacando M.O.O.N.S. em session, Aldo the Band e My Magical Glowing Lens ao vivo

>>

* E atenção, muita atenção. O CENA, programa que dá voz à cena independente nacional dentro da Popload Radio, que por si só já dá voz à cena independente nacional (dãr) mudou de dia. Agora acontece às quartas-feiras, sempre às 21h, empurrando o SOMA, de Isadora Almeida, para às terças-feiras, mesmo horário.

Então, o portfólio de programas da Popload Radio fica assim: Segunda tem o Popscene, apresentado por este ser aqui. Na terça a Isadora Almeida vem com o fofo SOMA. Às quartas fica o CENA. Nas quintas-feiras temos o importante Boom Bap, apresentado pelo mafriend MasterSan. Na sexta-feira entra o eletrônico Pitch, do electroDJ Fiervo. Aos sábados tem o Música para Viajar, armado pelo Lucio Caramori.

O CENA desta noite, que, de novo, vai ao ar hoje às 21h, com reprise na quinta (amanhã) às 16h e na sexta às 11h, resgata o especial “O QUE VEM POR AI EM 2018” na cena indie brasileira, iniciado no programa da semana passada. Estamos falando de expectativa de lançamentos de discos.

No último CENA, conversamos sobre e tocamos Holger, Papisa, Supervao, Der Baum, Carne Doce e botamos o mineiro JP Cardoso para fazer uma session especial para no nosso estúdios, o Mobile Studio Pro.

O programa desta noite traz notícias dos discos do grupo de um homem só mineiro, o M.O.O.N.S., da familiar armada paulistana ALDO THE BAND e da banda de uma mulher só, o My Magical Glowing Lens, da talentosa guitarrista Gabriela Deptulski.

O primeiro fez uma session exclusiva para a Popload Radio. A terceira vem com 20 minutos de um show ao vivo dela em dezembro, dentro da SIM – Semana Internacional de Música, em São Paulo.

Vamos ouvir?

cena

** A Popload Radio pode ser ouvidas em aplicativos. Tem app para iPhone e para celulares do sistema Android. Pode ser ouvida por aqui mesmo, neste site, na barra principal acima ou na aba “radio”, no menu. Também é alcançada no Facebook da Popload/Popload Gig, no item “Popload Radio”, na barra à esquerda.
 E está disponível no TuneIn, a plataforma americana de streaming ao vivo, que tem milhares de rádios cadastradas.

>>

Popload Radio: Primeiro programa CENA ganha reapresentação hoje à noite

>>

1 - cenatopo19

Cópia de popload_radio_p

* Para quem ousoooou perder, a gente vai repetir nesta semana a estreia do programa CENA, na Popload Radio, a conexão radiofônica com o melhor da produção indie nacional. O CENA estreou na semana passada e fez um retrato sonoro do que foi o ano de 2017 na produção independente nacional, na versão de um ranking, um top 10 de melhores do ano.

Para lembrar, a lista dos dez melhores discos nacionais do ano, vencida por um EP, e que vai conduzir o CENA da Popload Radio, foi a seguinte:

1. Supervão – TMJNT (EP) – Rio Grande do Sul
2. Baco Exu do Blues – Esú – Bahia
3. Tim Bernardes – Recomeçar – São Paulo
4. Letrux – Letrux em Noite de Climão – Rio de Janeiro
5. Boogarins – Lá Vem a Morte – Goiás (foto de destaque da home)
6. Djonga – Heresia – Minas Gerais (foto abaixo)
7. Far From Alaska – Unlikely – R. N. do Norte
8. Giovani Cidreira – Japanese Food – Bahia
9. Gorduratrans – Paroxismos – Rio de Janeiro
10. My Magical Glowing Lens – Cosmos – Espírito Santo (foto abaixo)
11. Young Lights – Young Lights – Minas Gerais

Captura de Tela 2018-01-16 às 5.55.12 PM

Do Supervão, trio gaúcho psicodélico novinho que chegou ao topo da lista ainda com um EP (o disco cheio de estreia sai neste ano), além de botar para rolar uma música do disquinho campeão, o “TMJNT”, colocamos ainda para audição, no final do programa, meia hora de um show que o trio gaúcho fez no Oculto, bar de Porto Alegre que é uma espécie de Casa do Mancha local, mas no formato de um sobrado. O show aconteceu no começo de dezembro no minifestival do Mais Shows, entidade produtora indie dos agitos no Sul.

O áudio da apresentação do Supervão em POA foi captado por Marcelo Conter, professor de produção fonográfica no Rio Grande do Sul e dono do projeto A Dobra Lo-Fi, que consiste em gravar shows no Sul com um microfone só, garibar ele com equipamentos baratos em seu estúdio caseiro e reverberar tudo no Mixcloud, para o chamado desdobramento do pop underground sem fins lucrativos, que é o conceito que o Marcelo defende.

* Então, o CENA vai ao ar hoje de novo, às 21h, com reprises amanhã às 16h e quinta às 11h.

** A Popload Radio pode ser ouvidas em aplicativos. Tem app para iPhone e para celulares do sistema Android. Pode ser ouvida por aqui mesmo, neste site, na barra principal acima ou na aba “radio”, no menu. Também é alcançada no Facebook da Popload/Popload Gig, no item “Popload Radio”, na barra à esquerda.
 E está disponível no TuneIn, a plataforma americana de streaming ao vivo, que tem milhares de rádios cadastradas.

>>

Popload Radio estreia programa sobre a CENA independente brasileira. Chamado exatamente assim: CENA

>>

1 - cenatopo19

popload_radio_p

Ainda na semana de novidades da Popload Radio, estreia nesta noite, às 22h30 (originalmete era às 21h), o programa CENA, representante radiofônico da grande manifestação da cena independente brasileira em seu viés mais amplo, com toda a musicalidade que mescla indie de guitarras, indie-MPB, hip hop, psicodelia gringa, psicodelia brasileira nível Mutantes ou os mineiros viajantes, shoegaze paulistano, um certo metal ou punk periféricos. Cantado em português ou inglês. Já falei aqui e vou repetir: a CENA brasileira anda muito loka. E tínhamos a obrigação de transformar isso num programa, além de apenas tocar suas músicas na rádio.

O CENA vai ao ar todas as terças às 21h. Apenas hoje, devido a problemas técnicos, ele entra às 22h30. Reprises acontecerão quartas às 16 e quintas às 11h.

O programa de estreia, na linha do que foi o Popscene desta semana, com o Top 10 dos álbuns gringos de 2017, vai trazer músicas dos melhores discos nacionais de 2017, eleitos pela Popload, em lista publicada no final de dezembro.

Para lembrar, a lista dos dez melhoresdiscos nacionais do ano, vencida por um EP, e que vai conduzir o CENA da Popload Radio, foi a seguinte:

1. Supervão – TMJNT (EP) – Rio Grande do Sul
2. Baco Exu do Blues – Esú – Bahia
3. Tim Bernardes – Recomeçar – São Paulo
4. Letrux – Letrux em Noite de Climão – Rio de Janeiro
5. Boogarins – Lá Vem a Morte – Goiás
6. Djonga – Heresia – Minas Gerais (foto abaixo)
7. Far From Alaska – Unlikely – R. N. do Norte
8. Giovani Cidreira – Japanese Food – Bahia
9. Gorduratrans – Paroxismos – Rio de Janeiro
10. My Magical Glowing Lens – Cosmos – Espírito Santo
11. Young Lights – Young Lights – Minas Gerais

Captura de Tela 2018-01-09 às 6.09.52 PM

Tenho sonhado há um tempinho já, desde que a movimentação independente brasileira passou a ter uma representatividade absurda de CENA mesmo, com bandas fortes, artistas fortes, festivais cada vez mais fortes no Brasil inteiro, de ponta a ponta, circuito integrado, diálogo de diversas variáveis entre os envolvidos locais, pensando local e agindo global, enfim, inclusive exportando e importando bandas, pessoas e ideias em intercâmbios dos mais frutíferos. Isso, que acontece com força de CENA verdadeira, desde 2015 mais ou menos, já é uma grande realidade e ganha aqui o seu programa radiofônico.

Então, a Popload Radio tem o prazer de apresentar esse novo programa, chamado exatamente CENA, que é o título de uma campanha editorial que acostumamos a fazer aqui já tem uns dois anos, meio que para chamar geral a atenção para o vigor da cena independente brasileira, com todo viés integrado.

O ano passado todo, mais do que ir aos festivais gringos, passei visitando as cenas locais, de Manaus a Santa Maria no Rio Grande do Sul, passando por Goiania, Brasilia, Coritiba e Belo Horizonte, por exemplo, para constatar in loco e mais profundamente que a cena indie brazuca pulsa geral e uníssona, de norte a sul, de leste a oeste. E o que é melhor: junto e misturada.

Do Supervão, que foi escolhido por este site como o responsável por fazer o disco do ano, além de botar para rolar uma música do EP campeão, o “TMJNT”, vamos colocar ainda para audição, no final do programa, meia hora de um show que o trio gaúcho fez no Oculto, bar de Porto Alegre que é uma espécie de Casa do Mancha local, mas no formato de um sobrado. O show aconteceu no começo de dezembro no minifestival do Mais Shows, entidade produtora indie dos agitos no Sul.

O áudio da apresentação do Supervão em POA foi captado por Marcelo Conter, professor de produção fonográfica no Rio Grande do Sul e dono do projeto A Dobra Lo-Fi, que consiste em gravar shows no Sul com um microfone só, garibar ele com equipamentos baratos em seu estúdio caseiro e reverberar tudo no Mixcloud, para o chamado desdobramento do pop underground sem fins lucrativos, que é o conceito que o Marcelo defende.

Bom, é isso. Se der, ouça esse primeiro CENA. Em sua estreia hoje à noite ou nas reprises de quarta ou quinta. Acho que vai ser divertido e importante fazê-lo.

** A Popload Radio pode ser ouvidas em aplicativos. Tem app para iPhone e para celulares do sistema Android. Pode ser ouvida por aqui mesmo, neste site, na barra principal acima ou na aba “radio”, no menu. Também é alcançada no Facebook da Popload/Popload Gig, no item “Popload Radio”, na barra à esquerda.
 E está disponível no TuneIn, a plataforma americana de streaming ao vivo, que tem milhares de rádios cadastradas.

** Amanhã contamos mais outra das novidades da Popload Radio 2018.

>>

CENA – OS MELHORES DISCOS DE 2017 DO INDIE NACIONAL, PELA POPLOAD. Inclui EP e hip hop :)

>>

popload_cena_pq

* Esta vai ser a última vez que a Popload vai usar a vinheta CENA desse jeito aí de cima. A cena nacional não vive mais o “boom”. Ela é uma realidade, além de “booms”. 2017 mostrou isso. O processo era lento mas seguro. 2017 solidificou. O ano serviu para dá-la corpo, seja através de festivais bacanas e numerosos e bem organizados e bem curados e diferentes entre si, seja pelas grandes bandas, cantores vivendo uma proporcional beatlemania, público empolgado e enchendo os lugares e as redes, produções decentíssimas próprias feitas em casa, produções em ótimos estúdios com ajuda profissional, agitadores em papeis fundamentais, intercâmbio cada vez mais vivo entre cenas estaduais e inclusive com a cena gringa, casas de shows decentíssimas e de todos os tamanhos, seja no Auditório do Ibirapuera (SP) ou na salinha do Oculto (RS).

2017 foi o ano inédito em que a Popload foi mais em festivais brasileiros do que internacionais. Visitou e retratou cenas diversas em suas particularidades, no Mapa do Rock. Buscou novas tendências de Manaus ao Rio Grande do Sul. Aliás, dá para escrever um livro só sobre a cena nova gaúcha, a quebra geracional, o novo e o velho que quase nem se conhecem, seus artífices e suas articulações, a mudança de eixo e de comportamento. Mas isso é uma outra história.

O ano de 2017 foi tão louco e variado que a lista da Popload dos dez melhores discos de 2017, na nossa humilde opinião, tem 11!!!!! Tem indie, indie-MPB, hip hop, psicodelia, showgaze, quase metal. É cantado em inglês, é cantado em português. Tem EP!!!!!! EP que foi colocado em primeiro lugar, ainda por cima. A CENA tá muito loka.

Bom, lista é lista. E aqui vai a nossa.

2 - MELHORESDISCOS2017 - NACIONAL copy

1. Supervão – TMJNT (EP) – Rio Grande do Sul
2. Baco Exu do Blues – Esú – Bahia
3. Tim Bernardes – Recomeçar – São Paulo
4. Letrux – Letrux em Noite de Climão – Rio de Janeiro
5. Boogarins – Lá Vem a Morte – Goiás
6. Djonga – Heresia – Minas Gerais
7. Far From Alaska – Unlikely – R. N. do Norte
8. Giovani Cidreira – Japanese Food – Bahia
9. Gorduratrans – Paroxismos – Rio de Janeiro
10. My Magical Glowing Lens – Cosmos – Espírito Santo
11. Young Lights – Young Lights – Minas Gerais

Captura de Tela 2017-12-29 às 10.12.05 AM

A gente escolheu muito o EP de cinco músicas e 20 minutos do Supervão porque ele sintetiza um estado de coisas na CENA independente que a gente acha importante. Essa mudança de foco da importante no novo rock gaúcho (já falamos sobre, logo acima), o trio ser de São Leopoldo e não de Porto Alegre, a referência da psicodelia dos moleques ser o Boogarins e não o Tame Impala, o jeitão MPB brazuca por cima da tal psicodelia ao mesmo tempo que exala um Flaming Lips em alguns momentos. E, óbvio, a qualidade das músicas, a construção do disquinho, o show ao vivo meio “arsy”. Explicado, mais ou menos?

Feliz 2018, galera. Para nós e para a CENA. Ano que vem tem mais. Stay gorgeous, stay musical.

***

>>