Em Nirvana:

James Blake apronta ao piano e faz cover linda de “Come As You Are”, do Nirvana

>>

180119_jamesblake2

Se tem alguém que vem aproveitando pacas as lives de quarentena, este sujeito é o produtor e músico inglês James Blake.

Nos últimos meses, em suas diversas performances remotas, Blake fez covers de Billie Eilish, Radiohead e Joy Division, para citar apenas três destes improvisos.

Ele também mostrou músicas inéditas, incluindo a canção “You’re Too Precious”, lançada oficialmente como single.

Agora, Blake apareceu na rede com uma cover incrível de “Come As You Are”, um dos grandes sucessos do Nirvana, que na mão do britânico ganhou um tom melancólico e doce. Affe…

>>

Ao piano e de regata, Rivers Cuomo faz cover de “Heart-Shaped Box”, do Nirvana

>>

120520_weezer2

Mais um dia normal no novo mundo das lives. Não sei se vocês já repararam, mas aos poucos estamos nos acostumando a ver artistas fazendo covers de outras bandas, de canções que a gente não imaginava.

Tipo o Rivers Cuomo, do Weezer, que botou uma regatinha, sentou ao piano e mandou uma cover de “Heart-Shaped Box”, do Nirvana. Ele atendeu a pedidos de fãs durante uma live.

O resultado está aí:

>>

Glass Animals e a quarentena criativa. Covers legais, recomeços e um vídeo novo que vai explicar o mundo

>>

* Mais um para a turma que resolveu inventar algo novo durante a quarentena, o simpático quarteto de indie-eletrônico inglês Glass Animals, na verdade seu líder, Dave Baylay, tem aproveitado seu confinamento em estúdio, em Londres, para arriscar algumas covers bem… bem… caseiras, por falta de uma palavra mais precisa. E não deixam de ser ótimas.

Em mensagem no canal de Youtube da banda, e nos próprios vídeos das covers, Bayley diz que está aceitando ideias e sugestões de covers.

Captura de Tela 2020-05-06 às 9.17.20 AM

O primeiro “episódio” dessas versões começou lá em março com a icônica “Heart-Shaped Box”, do Nirvana. Na sequência já rolaram “Young & Beautiful”, da young and beautiful cantora americana Lana del Rey, entre outras. Até mais recentemente teve a dançante-sexy “Hotline Bling”, do rapper canadense Drake, postado uns dias atrás e com uma convidada na linha “live de Stories”, dividindo a tela: a cantora-revelação britânica Arlo Parks.

Os vídeos são bem despretensiosos e bacanas de ver, como se você fosse amigo de Bayley e estivesse ali na casa dele. A primeira das covers, a do Nirvana, começou com o celular gravando em vertical, depois passou a horizontal, ocupando a tela cheia, porque alguém deve ter dado um toque nele que assim ficaria mais legal. Mas por algum motivo ele voltou a gravar na horizontal, haha.

Há todo um preparatório nas sessões até o músico do Glass Animals chegar às músicas em si. Um papinho, uma passagem de som, um teste aqui e ali, outro papinho. Fofo.

O grupo de Oxford se prepara para o lançamento do seu terceiro álbum, “Dreamland”, previsto para julho deste ano. Também recentemente, e no meio das covers todas, Bayley usou esse mesmo estúdio, mas com assessoria distante de uma produtora, para gravar o novo vídeo do Glass Animals, para a faixa-título “Dreamland”. Música e vídeo bem bons.

Tal qual os vídeos simplões das covers, mas no fim excelentemente bem produzido com os recursos que se tinha na hora, o lado visual e oficial de “Dreamland” mostra a preparação para a gravação, um verdadeiro making of bem divertido. No final, aparecem os créditos das filmagens, da ideia, concepção, direção, decorador, operador de câmera, elenco e tudo o mais. Todas as funções técnicas trazem um nome só: Dave Bayley. Daqui uns anos, esse vídeo do Glass Animals vai poder explicar o mundo, sob um certo ângulo.

O Glass Animals já estava em turnê antes da pandemia e fazia parte do line-up do cool “All Points East”, festival de Londres, que obviamente foi cancelado. A tour + lançamento do disco novo, que haviam começado em fevereiro antes de o mundo parar, marcaram a volta do baterista Joe Seaward à banda, ele que se feriu gravemente em 2018 em um acidente de bicicleta na Irlanda. Seaward passou por duas cirurgias complicadas na cabeça, como resultado do desastre, além da perna com fraturas expostas. Ele teve que aprender a falar, ler e andar novamente. E tocar, claro.

O Glass Animals, as covers e o incrível vídeo de “Dreamland”:

>>

O Nirvana vive! Grohl, Novoselic e Smear se reúnem em show em Los Angeles e convidam a St. Vincent, o Beck e a filha do Dave

>>

060120_nirvana2

Antigos membros do Nirvana se reuniram na noite de sábado, no Art Of Elysium Gala, em Los Angeles, para celebrarem o legado deixado pela banda norte-americana, que chegou ao fim com a morte de seu mentor, Kurt Cobain, em 1994.

Dave Grohl, Krist Novoselic e Pat Smear tocaram cinco canções. Foi o primeiro encontro do trio desde 2018.

Para as performances vocais, eles receberam convidados especialíssimos. St. Vincent, a linda, cantou “Lithium”. Já o herói indie Beck emprestou sua voz para a clássica “In Bloom”. Violet, filha de Grohl, cantou “Heart-Shaped Box”.

Eles ainda tocaram “Been A Son” e a cover de David Bowie, “The Man Who Sold the World”, que ficou famosa também na versão do Unplugged MTV do Nirvana. St Vincent e Beck fizeram parte da banda o show todo.

060120_nirvanaslider

** Nostalgia do Beck

Um dos convidados, Beck Hansen relembrou em breve entrevista ao Los Angeles Times que foi ali mesmo no Hollywood Palladium, há exatos 30 anos, que ele encarou um dos shows mais brutais de sua carreira, justamente do Nirvana.

“Foi o mosh pit mais insano da minha vida”, disse o cantor. “Lembro de ter sido levantado do chão o show inteiro”.

Beck ainda falou que não parou por aí. “Saí do mosh pit e minhas mãos estavam sangrando. E eu não sabia qual era a razão”.

Detalhe: o Sonic Youth tocou na mesma noite.

O show insano que o Beck fala é este aqui:

** Esta é a Violet, filha do Dave, aquele cara que parece o baterista do Nirvana.

Foto: Kevin Mazur/Getty Images

Foto: Kevin Mazur/Getty Images

** Aqui, o show inteiro.

SETLIST
Lithium (St. Vincent)
In Bloom (Beck
Been A Son (Beck)
Heat Shaped Box (Violet Grohl)
Man Who Sold The World (Beck)

>>

Apenas: dois momentos gloriosos do MTV Unplugged, com Nirvana e Courtney Barnett

>>

011119_nirvana2

** Lá nos anos 90, quando a MTV ajudava a moldar o caráter e era o principal canal de entretenimento jovem do mundo, a emissora eternizou algumas apresentações incríveis especialmente de bandas de rock tocando acústico. Era o MTV Unplugged.

Um dos projetos mais emblemáticos foi o do Nirvana, que relançou mês passado em vinil o show gravado em 1993 e divulgado no ano seguinte. Junto com os vinis, o “grupo” tem soltado vídeos brutos da apresentação e o mais recente deles é o de Something In The Way, remasterizado.

** Mais de duas décadas depois, sem o mesmo barulho e em um contexto totalmente diferente, a MTV, que deixou de ser música há muito tempo, tem tentado retomar o projeto Unplugged. E o mais recente, registrado de forma bem intimista, é o da princesinha Courtney Barnett. Gravado em Melbourne, o show vem sendo divulgado aos poucos em vídeos. Um destes é a versão lindona para So Long, Marianne, de Leonard Cohen.

O MTV Unplugged ainda está vivo?

>>

>>