Em nobat:

TOP 50 DA CENA – Dá licença que a Ana Frango Elétrico chegou no ranking revoltado e viajante. Um oferecimento de D2, Iggor e Gordo. Pá!!!

1 - cenatopo19

* A gente quase botou aqui no ranking a música em que o Tim Bernardes canta uma parte, em português, no disco do grupo americano Fleet Foxes. Ficamos pensando se seria forçar demais a amizade, emboooooora fique aqui registrado o maior crossover de CENAs que se tem notícias. Acabamos deixando de fora, mas achamos justo que incluir a música, pelo menos, na playlist, como uma faixa bônus.
Se bem que o caráter “internacional” da globalizada CENA brasileira já esteja representado com a presença da carioca Ana Frango Elétrico no topo do Top, que está concorrendo ao Grammy Latino. Solta a Frango e vem com a gente (sdd, Bonde do Rolê!). E pela Sartør, cantora brasileira fazendo electrotrap maneiro em Los Angeles. Porque a CENA tá tão boa que não cabe mais só aqui no Brasil.
Marcelo D2, João Gordo e Iggor Cavalera em altos postos nos cheira a espírito teen. E tudo bem também. Anos 90 mandando recado aos anos 20.
Tudo isso num top 10 que ainda tem o Matuê, anos 20, mandando Charlie Brown Jr., o recado aos anos 00.
Que viagem (no tempo)!!!

2 - 960x960_AnaFrango

1 – Ana Frango Elétrico – “Mama Planta Baby” (Estreia)
Ana vai conquistar o mundo. A gente já sabia e o mundo agora parece que está sendo informado. Indicação ao Grammy, livro e um novo single que deixa a gente com a certeza de que a sua produção segue afiada em um som que ela explica assim: “Pensei numa melodia que pudesse ser cantada para plantas e bebês, trazendo timbres que têm me interessado, como a flauta, órgão e violão, misturando elementos da bossa-nova, chamber-pop e soft-eletro-indie. Quis explorar efeitos, estéreos e repetições trazendo elementos em comum ao ‘Little Electric Chicken Heart’, como dobras, coros, metais, e divergindo em outros aspectos, como forma e timbres”.
2 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (Estreia)
Em um beat inspirado do Kamau, Rodrigo Ogi deixa mais uma letra nota dez em um disco que não é o seu este ano – o outro exemplo é o som que escreveu pra Kiko Diinucci. Marcelo D2 em uma track sua soa quase como participação de luxo, consequência de sua ideia de montar um superálbum gravado e escrito remotamente durante a pandemia por muitas vozes e canetas. Que sacada e que generosidade com os mais novos.
3 – Revolta – “Hecatombe Genocida” (Estreia)
Nosso “We Are the World” do mundo invertido. “Cem mil mortos entupindo o poço da escuridão/ A justiça vai caindo/ Facistas na contramão/ O terror em forma de governo/ Misturado com ódio e veneno/ Extermina toda a razão/ Patriotas de pele mais clara/ Mundo podre da corrupção”, diz a letra da banda que tem em suas fileiras “apenas” João Gordo (Ratos de Porão), Prika Amaral (Nervosa), Guilherme Miranda (Entombed AD e Krow), Moyses Kolesne (Krisiun), Castor (Torture Squad) e Iggor Cavalera (Cavalera Conspiracy e Mixhell).
4 – Carne Doce – “Hater” (1)
Single a single eles foram conquistando espaço em um disco que firma a banda em outros níveis da música brasileira, se é que existem outros níveis além de onde eles já estão. A banda está fazendo grandes músicas. Cada vez maiores. E, veja bem, “Interior”, o álbum, mostra o Carne Doce muito além de “apenas” ser a “banda da Salma”
5 – Leveze – “Aurora” (Estreia)
Ex-Cabana Café e Parati, o Leveze foi por anos a “viagem secreta” de Lanfranchi, que agora toma uma forma mais escancarada e não menos delicada. É só começar a ouvir o delicioso “Aclimação12-20” (Cavaca Records), álbum recém-lançado da melhor chillwave com guitarrinha doce, para entender de primeira.
6 – Luedji Luna – “Bom Mesmo É Estar Debaixo D`água” (Estreia)
Música que vai dar o nome ao disco cheio, seu segundo, que sai em outubro, foi composta por ela em parceria com François Muleka. Um som sobre afeto, sobre respeitar o tempo do outro, o ritmo do outro, segundo a cantora. Vem disco bom por aí.
7 – SARTØR – “NEVER COMING HOME” (Estreia)
Em maiúsculas, como um grito, esse som afasta SARTØR de Isadora Sartor, seu nome pessoa física. O single apruma o caminho que a paulistana radicada em LA escolheu para pautar sua vida e sua música. De ex-guitarrista de um duro death metal a produtora de um pop maleável e moderno.
8 – Rohmanelli – “Toneaí” (Reestreia)
O hit ácido/crítico/carnavalesco de Rohmanelli volta ao top 50. O single está incluindo no bom álbum “Brazil’ejru, Vol 1”, seu primeiro trabalho 100% em português.
9 – Autoramas – “Dinâmica de Bruto” (2)
Repare. A gente ainda precisa de banda como os Autoramas. “Dinâmica de Bruto”, nome ótimo, está no mesmo EP a ser lançado pela banda neste mês, em vinil, pela gravadora espanhola Family Spree Recordings. A música tem um viés político e um vídeo beatlemaníaco, por assim dizer. É ver para entender.
10 – Matuê – “Máquina do Tempo” (3)
Será que agora o trap nacional rompe sua já gigante bolha de popularidade e alcança os números do mainstream brasileiro? Vale acompanhar a esperta pegada do Matuê neste som do seu primeiro álbum. Um trap acelerado e divertido que dá um leve aceno para o pop em um bem sacado sample de uma linha de baixo do Charlie Brown Jr. Este som já irritou youtubers conservadores, algo que sempre é saudável.
11 – Tagua Tagua – “Só Pra Ver” (Estreia)
12 – The Baggios – “Hendrixiano” (4)
13 – JP – “Eu Quero Perder Você” (5)
14 – Nobat – “Cárcere” (6)
15 – Gabrre – “De Noite Eh Dia de Sair” (7)
16 – Cat Vids – “Ash Ketchum” (8)
17 – PLUMA – “Leve” (9)
18 – Luiza Lian – “Geladeira” (10)
19 – Bruno Del Rey – “O Amigo Que Esperava” (11)
20 – BK – “Movimento” (12)
21 – Nana – “Independência ou Morte” (13)
22 – O Cientista Perdido – “Não Cabe Em Você” (15)
23 – Terno Rei – “São Paulo (Acústico)” (16)
24 – Vivian Kuczynski – “Pele” (17)
25 – Boogarins – “Cães do Ódio” (19)
26 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (20)
27 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (21)
28 – Luiza Brina – “Oração 12” (22)
29 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (23)
30 – Yannick Hara – “Eu Quero Mais Vida Pai” (24)
31 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (26)
32 – Wry – “Travel” (28)
33 – Letrux – “Vai Brotar” (30)
34 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (31)
35 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (32)
36 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (33)
37 – Rincon Sapiência – “Malícia” (31)
38 – Marcelo Perdido – “Bastante” (34)
39 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (36)
40 – Don L – “Kelefeeling” (38)
41 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (39)
42 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (40)
43 – ÀIYÉ – “Pulmão” (41)
44 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (43)
45 – Edgar – “Carro de Boy” (44)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é de Ana Frango Elétrica, em foto de Hick Duarte.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – Sobre haters e lovers, Carne Doce chega ao topo. Ranking traz guitarras altas, um oferecimento de Autoramas, The Baggios e Cat Vids

1 - cenatopo19

* Não tinha para ninguém. Não fosse pela força de cada uma das suas canções, praticamente todas talhadas para pelo menos engatar um top 3 aqui, a completude deste novo álbum lançado sexta passada bota o grupo goiano Carne Doce no topão do nosso ranking. Mostrando seu “interior”, seu lado bom por dentro, ainda que com espinhos.
E, como ninguém pode parar os Autoramas, como eles sempre disseram, toma um rock no segundo lugar. Seguido de perto por um “rockão” em quarto, do da banda sergipana The Baggios. E sem mencionar já mencionando o aspecto aspiracional roqueiro desta semana com o Cat Vids, a banda-gato que surfa a surf music do Autoramas quase na mesma onda.
Em terceiro está o Matuê, segurando firme o trap brazuca no top 3.
O ranking ainda traz profecias, artes visuais, axé-indie e baladinhas gaúcho-californianas.
Que ranking é este!!!

WhatsApp Image 2020-09-23 at 12.36.27

1 – Carne Doce – “Hater” (3)
Carne Doce e seu disco novo estreiam no topo. Não tinha outro jeito. Single a single eles foram conquistando espaço em um disco que firma a banda em outros níveis da música brasileira, se é que existem outros níveis além de onde eles já estão. A banda está fazendo grandes músicas. Cada vez maiores. E, veja bem, “Interior”, o álbum, mostra o Carne Doce muito além de “apenas” ser a “banda da Salma”.
2 – Autoramas – “Dinâmica de Bruto” (Estreia)
Repare. A gente ainda precisa de banda como os Autoramas. “Dinâmica de Bruto”, nome ótimo, está no mesmo EP a ser lançado pela banda neste mês, em vinil, pela gravadora espanhola Family Spree Recordings. A música tem um viés político e um vídeo beatlemaníaco, por assim dizer. É ver para entender.
3 – Matuê – “Máquina do Tempo” (1)
Será que agora o trap nacional rompe sua já gigante bolha de popularidade e alcança os números do mainstream brasileiro? Vale acompanhar a esperta pegada do Matuê neste som do seu primeiro álbum. Um trap acelerado e divertido que dá um leve aceno para o pop em um bem sacado sample de uma linha de baixo do Charlie Brown Jr. Este som já irritou youtubers conservadores, algo que sempre é saudável.
4 – The Baggios – “Hendrixiano” (Estreia)
“Hendrixiano” é um “rockão” em homenagem ao grande guitarrista americano Jimi Hendrix, cujo aniversário de 50 anos de sua morte se deu neste final de semana. O fuzz é carregadão mesmo, parte do tributo ao maior guitarrista da história. Surra de riffs, com sotaque sergipano. Coisa fina.
5 – JP – “Eu Quero Perder Você” (2)
Um inspirado suinguezinho indie-MPB indicado para ouvir num fim de tarde em Itapuã. Mas, se não for possível a indicação, serve para ouvir bem em qualquer outro lugar. Estamos gostando demais desta nova fase do mineiro JP, ex-indie atual axé.
6 – Nobat – “Cárcere” (Estreia)
Musicada em cima de letra poética-profética que Nobat fez em parceria com o amigo poeta Marcelo Diniz, este som é a trilha sonoras destes tempos. Tem participação vocal de Giovani Cidreira, para completar a dramacidade da coisa. Detalhe que a canção estava escrita havia doze anos. Eu, hein?
7 – Gabrre – “De Noite Eh Dia de Sair” (5)
Uma música sobre a banalidade da vida do jovem nos dias atuais. Gabrre tem 22 anos e sabe do que está falando. Título em português, letra em inglês, a forma do título e um belo som que dá vontade de dar um rolê noturno, ainda que um rolê errado. Saudade disso, hein?
8 – Cat Vids – “Ash Ketchum” (Estreia)
Loucurinha boa este som. Veloz e pegajoso. Daquelas músicas que pede por repetições. A participação especial da Brvnks abrilhanta ainda mais o jogo.
9 – PLUMA – “Leve” (6)
Grupo novo esperto que saiu de um TCC. Todos estudavam produção e a banda extrapolou o curso. Que pelo visto foi bom e proveitoso, já que a banda tira um som de muita qualidade no estúdio. Coisa fina.
10 – Luiza Lian – “Geladeira” (Estreia)
Daqueles casos em que o belo vídeo recupera uma música na nossa cabeça. Luiza sempre acertando em suas produções visuais e ampliando suas ideias musicais.
11 – Bruno Del Rey – “O Amigo Que Esperava” (Estreia)
12 – BK – “Movimento” (4)
13 – Nana – “Independência ou Morte” (7)
14 – Kill Moves – ““Timeless Visions” (8)
15 – O Cientista Perdido – “Não Cabe Em Você” (9)
16 – Terno Rei – “São Paulo (Acústico)” (10)
17 – Vivian Kuczynski – “Pele” (11)
18 – Alfamor – “Semente” (12)
19 – Boogarins – “Cães do Ódio” (13)
20 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (14)
21 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (15)
22 – Luiza Brina – “Oração 12” (17)
23 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (18)
24 – Yannick Hara – “Eu Quero Mais Vida Pai” (19)
25 – Mai – “Bananeira de São Tomé” (20)
26 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (21)
27 – Nuven (feat. Apeles) – “Janela” (22)
28 – Wry – “Travel” (24)
29 – Thunderbird – “Insuportável” (25)
30 – Letrux – “Vai Brotar” (26)
31 – Apeles – “Tudo Que Te Move” (27)
32 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (28)
33 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (29)
34 – Marcelo Perdido – “Bastante” (30)
35 – Rincon Sapiência – “Malícia” (31)
36 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” (36)
37 – Duda Brack – “Contragolpe” (37)
38 – Don L – “Kelefeeling” (38)
39 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (39)
40 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (40)
41 – ÀIYÉ – “Pulmão” (41)
42 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (42)
43 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (43)
44 – Edgar – “Carro de Boy” (44)
45 – Douglas Germano – “Valhacouto” (45)
46 – Kiko Dinucci – “Veneno” (46)
47 – Jhony MC – F.A.B. (47)
48 – Djonga – “Procuro Alguém (48)
49 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
50 – Troá! – “Bicho” (50

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** A imagem que ilustra este post é da banda Carne Doce, em foto de Jaime Silveira.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

CENA – Nobat lança música que previu o isolamento de hoje. Composta há 12 anos

1 - cenatopo19

* Uma peça sonora de 12 anos atrás algo visionária virou belo single que o compositor mineiro Nobat lança agora, com um importante reforço vocal do baiano Giovani Cidreira.

“Eu aqui trancado em meu apartamento/ Procurando tempo/ Busco o tempo pra voltar/ Viver”, frase forte de “Cárcere”, cabe direitinho neste 2020 que nos fez cárceres de nós mesmo.

Captura de Tela 2020-09-18 às 2.12.31 PM

E é exatamente “Cárcere”, musicada em cima de letra poética-profética que Nobat fez em parceria com o amigo poeta Marcelo Diniz, que chega agora aos streamings para ser outra das trilhas sonoras destes tempos, tipo a do Arctic Monkeys (isto é uma outra história, depois eu conto).

“É sobre a clausura. Sobre a asfixia do tempo. Eu a compus esta música há 12 anos com meu amigo Marcelo Diniz, poeta de BH. A princípio talvez nem nós sabíamos o que queríamos dizer com aquelas palavras. Mas o tempo foi decantando a coisa e trazendo algumas pistas. Ela sempre foi uma música que eu amei, mas nunca soube usá-la no meu trabalho. Eis que no meio deste momento supercomplicado pelo qual estamos atravessando, ela pede para nascer’, explicou Luan Nobat no Twitter.

Pandemia à parte, o isolamento de “Cárcere” é maior. “Encarcerado pelos versos que eu mesmo escrevo” e “Eu mesmo calo gotas de uma dose que eu nunca bebo” são frases proferidas pelo dueto mineiro-baiano que, acompanhadas do dramático piano, chega a dar um negócio.

A participação de Giovani Cidreira também acentua a conexão da música com a atualidade, uma vez que a intervenção do artista baiano foi completamente desenvolvida durante o distanciamento social (até mesmo seus vocais foram gravados pelo aplicativo de mensagens Whatsapp).

“Cárcere” é a primeira música inédita de Nobat desde o lançamento de seu disco “Estação Cidade Baixa”, 2018. E vai servir como uma ponte para o próximo álbum, previsto para 2021.

>>