Em notorius big:

POPNOTAS: Kylie Minogue tá de parabéns, o doc da vida (e não da morte) do Notorious B.I.G., o fim do Yuck, o Brit Awards e mais Rec-Beat lindão

>>

* Canção hino da musa australiana Kylie Minogue, “In My Arms”, do álbum “X”, completou 13 anos na segunda-feira. E a cantora fez um tweet para celebrar. E lembrou a última vez que tocou a música em um show, justamente o que ela fez aqui no Brasil dentro do festival GRLS! em São Paulo. Sim, o nosso GRLS!. Ainda teve elogio: “Nunca ouvi uma plateia cantar tão alto”.

* Tudo indica que “Biggie: I Got a Story to Tell”, da Netflix, seja um documentário bem revelador sobre a vida do rapper nova-iorquino Notorious B.I.G. antes da fama. Pelo trailer lançado, teremos muitas imagens inéditas e depoimentos de parceiros próximos com novas histórias. De acordo com a mãe do artista, Voletta Wallace, uma das produtoras do filme ao lado de Sean Combs (sim, ele mesmo: Puff Daddy, P. Diddy, Puffy ou Diddy), “Biggie” será “o primeiro documentário a focar nas experiências da vida de meu filho, e não nas circunstâncias de sua morte. É uma celebração de quem ele era e de onde veio. É assim que ele gostaria de ser lembrado”. Estreia na plataforma dia 1º de março e desde já é obrigatório.

* Com um breve texto no Instagram, Max Bloom, guitarrista e vocalista do Yuck, anunciou que a banda acabou. Na mensagem, que também lembra que este ano o álbum de estreia da banda, homônimo, completa dez anos, Max agradece aos fãs, apoiadores e aos colegas de banda, inclusive Daniel Blumberg, guitarrista e principal vocalista da formação original que deixou o grupo após o primeiro disco. Sem Daniel, que ingressou em carreira solo, Max relata que as coisas não foram simples. A banda, que se apresentou no primeiro Popload Festival lá no distante 2013, veja só, ainda lançou mais dois álbuns. Todo mundo meio que desconfiava que o Yuck não ia durar muito desde que Max soltou, no ano passado, seu primeiro trabalho solo.

* A nossa premiação predileta neste mundo, o BRIT Awards, que seria por agora em fevereiro, só vai rolar em maio. Mais exatamente no dia 11/5, na O2 Arena, em Londres. De acordo com os organizadores, esteja o mundo como estiver até lá, a premiação não deve rolar nos moldes tradicionais. Ano passado, o evento foi inesquecível – vale reler nossa cobertura emocionada.

* CENA – A gente destacou ontem por aqui dois shows do festival pernambucano Rec-Beat, em sua edição virtual em lugares icônicos em São Paulo e Recife. Aconteceu por quatro horas no último domingo, o de Carnaval sem Carnaval. As apresentações das quais falamos foram as do mestre baiano Mateus Aleluia, na igreja Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, e a do grupo O Terno, no viaduto Santa Efigênia, ambos no Centro de São Paulo. Outra grande atração do Rec-Beat que foi gravado na região central paulistana foi o da cantora Luiza Lian (foto na home), que tomou lugar na escadaria do Theatro Municipal. Coisa linda de ver.

Tudo do Rec-Beat, essa edição carnavalesca de visitações históricas, está no canal do Youtube do festival. Além das atrações citadas, teve MC Troia, brega-funk recifense direto do Cais da Alfândega; Getúlio Abelha, na Praça Antônio Prado, em SP; Céu, que se apresentou no topo de um prédio tendo a paisagem urbana de São Paulo ao fundo; Spokfrevo Orquestra, com uma apresentação no Marco Zero, o maior reduto do Carnaval do Recife; e o bloco Ilú Obá de Min, outro a ter sua performance registrada desde o Largo do Paissandu, na capital paulista.

>>

Especial Popload: 20 discos essenciais de 1994

>>

especialpopload94_4

* Ontem contamos a história que fez de 1994 um dos anos mais importantes de lançamentos de discos dos últimos tempos no exterior e aqui também, na revelação de novas bandas, novas cenas, reafirmações de nomes já de alguma forma conhecidos. Tudo na colheita do plantio sonoro da revolução de 1991. Ouvimos até participantes da cena brasileira.

Neste especial 1994 temos mais dois posts, que entram no ar hoje. O primeiro segue agora. Soltamos, abaixo, a lista que, no nosso entender, dá conta dos 20 discos mais importantes lançados há 20 anos, neste bendito 1994, o tema de nossa efeméride.

A ideia foi tentar equilibrar entre lançamentos internacionais e no Brasil, com uma leve pendência a favor do primeiro grupo, por motivos óbvios.

E, acredite, se no caso nacional a gente acha que varreu os álbuns mais importantes lançados, do lado gringo deixamos muito lançamento bom de fora. Pelo menos mais uns bons 10 discos relevantes para o ano, para o momento.

Então ficamos assim:

oasis_dm

* Oasis – “Definitely Maybe”
Primeiro álbum dos irmãos Liam e Noel Gallagher, “Definitely Maybe” bateu o recorde de disco de estreia com venda mais rápida no mercado inglês, retomou o britpop que os Stone Roses tinham ameaçado emplacar e virou por alguns anos a principal banda do planeta.

beastieboys_ill

* Beastie Boys -“Ill Communication”
Quarto registro de estúdio do trio de Nova York, o álbum foi responsável por posicionar o chamado “rap branco” num mercado maior, mais… branco. O disco é puxado pelo super hit “Sabotage”, single que ganhou um famoso e premiado vídeo produzido por Spike Jonze e ajudou a MTV a ser relevante.

raimundos

* Raimundos – “Raimundos”
O disco de estreia dos Raimundos tomou de assalto a música brasileira com o inovador forró-core, mistura do popular forró com som hardcore, pesado. Foi lançado pelo lendário selo Banguela Records, dos Titãs em parceria com o produtor Carlos Eduardo Miranda. E fez meu sobrinho deixar de ouvir bobagem para se interessar por rock. Foi daqui para Nirvana e Ramones. Tudo bem que ele se perdeu de novo, depois, haha.

chicozumbi


* Chico Science & Nação Zumbi – “Da Lama ao Caos”

Obra-prima do rico e curto catálogo de Chico Science, o primeiro álbum da Nação Zumbi foi o pontapé inicial para o movimento manguebeat. Mescla de rock pesado com funk e música regional, é considerado por muitos como um dos melhores discos nacionais de todos os tempos. Psicodelia extraída do maracatu. Música brasileira com ideia e com conceito.

beck

* Beck – “Mellow Gold”
Um dos pontos altos da carreira do cantor, compositor e instrumentista norte-americano, “Mellow Gold” é o terceiro álbum de estúdio de Beck e puxado por um dos maiores hinos do indie: “Loser”. Música que, numa era em que Kurt Cobain queria que o mundo e o dinheiro e a fama o deixassem em paz e Beavis & Butt-head davam cara a uma geração, fez todo o sentido do mundo.

skank

* Skank – “Calango”
Maior revelação da música mineira desde o famoso movimento Clube da Esquina, o Skank despontou no cenário nacional com uma nova proposta sonora que misturava rock, ska e reggae. Com o segundo disco, “Calango”, os mineiros venderam mais de um milhão de cópias, passaram a ser falados além-MG e, mais que isso, se tornaram uma das bandas mais populares do país.

greenday

* Green Day – “Dookie”
Espécie de respiro neopunk no início dos anos 90, o Green Day viveu um grande dilema ao lançar o ótimo “Dookie”, seu terceiro álbum, considerado o mais comercial da banda até então. Dilema mas que rendeu $$$$$ e botou a cena do “novo punk” na ordem do dia. Polêmicas à parte, o disco fez o grupo explodir, a cena explodir e chegou a ganhar o Grammy de “Melhor Disco de Música Alternativa” da época. Foi o maior resultado de Malcolm McLaren sem ser uma banda que tivesse qualquer coisa a ver com o Malcom McLaren.

marisa

* Marisa Monte – “Verde, Anil, Amarelo, Cor-de-Rosa e Carvão”
Provavelmente o melhor álbum da carreira de Marisa Monte, seu terceiro. E o primeiro produzido pela cantora, esperta, trabalhando em conjunto com o famoso Arto Lindsay. Um dos mais vendidos e premiados da época, o disco autoral também possui versões de músicas de Jorge Ben Jor e Lou Reed.

portishead

* Portishead – “Dummy”
Álbum de estreia da banda de Bristol, “Dummy” foi uma das obras responsáveis por consolidar o estilo trip hop no mercado. O disco venceu a aclamada premiação inglesa “Mercury Prize” como melhor disco do ano.

notorius


* Notorious B.I.G. – “Ready to Die”

Álbum de estreia do rapper norte-americano, em caráter quase autobiográfico, “Ready to Die” conta as aventuras do rapper enquanto um jovem criminoso. Foi o único disco que Notorious B.I.G. lançou em vida, já que ele foi assassinado poucos dias antes do lançamento de seu segundo registro, “Life After Death” (1997).

cassia

* Cássia Eller – “Cássia Eller”
Prestes a pedir demissão de sua gravadora na época, (Polygram), devido ao desempenho ruim de seus dois primeiros álbuns, Cássia resolveu gravar o terceiro disco sem que a própria gravadora soubesse (e interferisse). Daí… O álbum foi feito na época em que ela se tornou mãe, fato que se tornou uma das grandes inspirações da cantora.

mundolivre

* Mundo Livre S/A – “Samba Esquema Noise”
Mistura de sons eletrônicos, batidas de maracatu, samba e rock, o Mundo Livre S/A foi um dos expoentes do movimento manguebeat ao lado de Chico Science e a Nação Zumbi. O álbum de estreia do MLSA também foi lançado pelo Banguela Records, junto com o primeiro dos Raimundos.

prodigy

* The Prodigy –“Music for a Jilted Generation”
Segundo disco do grupo inglês que surgiu como grande novidade na eletrônica dos anos 90, misturando batidas de pista com pegada quase punk. O Prodigy, através deste álbum, foi um dos responsáveis por começar a levar a música eletrônica para grandes arenas, a cultura rave para o mainstream.

blur

* Blur – “Parklife”
Ao lado do Oasis, o Blur foi responsável por aquecer o até então morno mercado britânico, que se preparava para a avalanche do britpop. O petardo sonoro de Damon Albarn rendeu sucessos como “Girls & Boys”, “This Is a Low” e a faixa que deu título ao álbum.

racionais


* Racionais MC’s – “Racionais MC’s”

Compilação que é considerada o terceiro álbum da maior banda do rap nacional, o disco homônimo, surgiu para dar uma forma conjunta e mais forte aos pequenos hits de alcance periférico, literalmente. A coletânea é marcado pela faixa “Homem Na Estrada” (93), um dos pontos altos da carreira do grupo. O disco tem o mérito de tirar do gueto do hip hop paulistano para um público mais diversificado e mostrar as crônicas líricas de Mano Brown sobre a vida na cadeia ou, o que pode ser pior por mais incrível que possa parecer, fora dela.

weezer

* Weezer – “Weezer”
Também conhecido como “Disco Azul”, o álbum homônimo revelou o Weezer para o mundo. Dele, surgiram vários hits como “Buddy Holly” e “Say It Ain’t So”, sem mencionar a fantástica, mas algo datada “Undone – The Sweater Song”. A produção foi assinada por Ric Ocasek, ex-vocalista da banda The Cars.

offspring

* Offspring – “Smash”
Um dos expoentes do neopunk americano ao lado do Green Day, o Offspring entrou para a história com “Smash”, álbum lançado pela Epitaph Records e que virou, atenção, “o disco mais vendido em todos os tempos comercializado por uma gravadora independente”.

orappa

* O Rappa – “O Rappa”
Um som eclético, engajado e com letras de cunho político. Foi assim que o Rappa balançou o cenário pop do país em 1994. O álbum de estreia do grupo de Marcelo Yuka e Falcão contou com a participação especial de Bezerra da Silva na faixa “Candidato Caô Caô”.

soundgarden


* Soundgarden – “Superunknown”

A banda já tinha três álbuns na bagagem, mas foi com “Superunknown” que o Soundgarden alcançou fama mundial, em pleno “velório” do grunge por causa da morte de Cobain. Os singles “Spoonman” e “Black Hole Sun” foram premiados no Grammy. E o grunge ganhou uma sobrevida.

nin

* Nine Inch Nails – “The Downward Spiral”
Considerado por parte da crítica e dos fãs como melhor álbum da banda, o terceiro disco do grupo chocou a cena independente, fertou com o mainstream, mesmo Trent Reznor querer fugir cada vez mais de algo “palatável”. O disco é extremamente conceitual e sinistro, mas vendeu 5 milhões de cópias. Fez do difícil Reznor um dos principais nomes do rock independente (e além). Nele encontra-se um dos maiores sucessos do NIN, “Closer”.

>>