Em patti smith:

#SpoilerAlert: O que esperar dos shows da PATTI SMITH no Popload Festival e no Popload Social

>>

pfpattismith

Lester Bangs, o famoso crítico musical, acertou quando cravou na primeira linha de sua crítica ao álbum de estreia de Patti, “Horses”, que ali estava uma artista no sentido clássico da palavra. Mais do que isso: o auê da mídia e dos que procuram a mais nova sensação iam passar, Patti ficaria.

Patti Smith logo deixou provado para o mundo que não era apenas uma compositora ou cantora. Poeta, fotógrafa, pintora, escritora, jornalista de rock, sendo que muitas dessas ocupações feitas antes do seu álbum de estreia, ela foi atrás de dar seu recado onde achasse que a mensagem coubesse. E mais importante que o meio, talvez até do que a mensagem, tinha a energia.

Talvez por isso ela estava presente quando o punk nasceu e estava muito além do punk quando o gênero encarou a decadência, de sua primeira fase, pelo menos. Patti Smith nunca ficou decadente. Teve a energia de saber pausar a carreira nos anos 80 e voltar com enorme repercussão anos depois apoiada em muito por nomes que existem influenciados por ela, como o Michael Stipe, por exemplo.

Tem a energia para ler 200 livros por ano, manter três cadernos de anotações, fazer uma parceria artística com Kevin Shields, o líder de uma de suas bandas favoritas, My Bloody Valentine – ou seja, energia para gostar de coisas que não aconteceram na época dela, justamente, por talvez nunca ter pensado no termo “na minha época”.

Patti Smith já veio ao Brasil, mas nunca tocou em São Paulo. Foram shows históricos e de carga política alta em véspera de eleição nacional, o distante 2006. Dessa vez, não deve ser diferente. Patti Smith deve aparecer em São Paulo ainda mais energizada e disposta a dar seu recado nos dois shows marcados na cidade, dia 15/11 no Popload Festival, e no dia seguinte no Popload Social, em show solo para cerca de mil pessoas no Auditório Simon Bolívar. As chamas pelo mundo não cessaram, pelo contrário. O recado sobre o poder estar nas pessoas só faz mais sentido a cada dia que passa.

281019_pattismith2

Mesmo que não lance um disco novo desde 2012, Patti parece cada vez mais ativa e presente na estrada. Seu show atual está afiado. Em um repertório que mistura canções próprias e covers bem selecionados, onde reafirma sua história. Procure os vídeos atuais dela em apresentações quase intimistas em teatros pelo mundo. Não tenho dúvidas que a carga de um show de festival, uma multidão e uma sede por energia não renda um show ainda melhor que esses.

Falei de uma resenha histórica lá no começo do post e é bom lembrar que Patti Smith é a história ainda em curso. Energia. Movimento criativo. Suas músicas podem datar de muito tempo atrás, mas são a mensagem feitas para o presente e não uma sucessão de boas músicas do “rock clássico”. Um show de Patti Smith pode virar livro, uma crônica, uma nova música. O que ela tem a dizer, fazer de sua visita a São Paulo? Muita coisa, imagino. Quem não quer ter uma chance de ver isso de perto?

Por que você precisa conhecer a PATTI SMITH…

Setlist recentes

Patti Smith anda com setlists que alternam clássicos de seu repertório com covers de clássicos. Como mencionamos no texto de abertura, a disposição das músicas parece conservadora, mas as músicas não são e a postura de Patti no palco está bem longe disso.

O setlist colocado aqui representa a média dos 35 shows mais recentes que Patti Smith fez este ano.

Wing
Are You Experienced?
Redondo Beach
Ghost Dance
My Blakean Year
Beds Are Burning
Dancing Barefoot
Beneath the Southern Cross
I’m Free
After the Gold Rush
Pissing in a River
Because the Night
Gloria

Nossas Favoritas

A partir do setlist do show embarcamos em 50 músicas que te ajudam a decifrar a discografia da Patti Smith.

Top 5

As cinco músicas mais tocadas por Patti na atual turnê. Essas não devem ficar de fora.

A autora Patti Smith

Patti escreve livros desde o anos 70. Na maioria, livros de poesia. Porém são suas memórias, talvez seu material mais popular no campo da literatura, que ganharam versões em português. Por aqui, já temos “Só Garotos”, “M.Train” e logo chegam mais dois: “Devoção” e “O Ano do Macaco”, um livro de memórias mais recentes onde ela aborda uma turnê pelos Estados Unidos em 2016, ano em que Trump foi eleito. Um dia antes do show ela vai até o Sesc Pompéia para falar do seu trabalho literário.

WhatsApp Image 2019-10-15 at 15.41.13

Nesta quarta-feira, dia 30,a Companhia das Letras, o Popload Festival e o Trovadores do Miocárdio (coletivo formado por escritores, poetas e performers) vão celebrar a obra literária e a música de Patti Smith. O espetáculo vai revisitar as memórias e divagações poéticas em torno dos livros “Só Garotos”, “Linha M” e os novos “Devoção” e “O Ano do Macaco”. Serão duas apresentações (na sexta-feira o espetáculo acontece no Rio de Janeiro). Em São Paulo os ingressos estão esgotados!

A intérprete Patti Smith

Patti faz ótimas versões para algumas músicas. Algumas que parecem ter sido feitas para ela cantar e algumas que você nem vai acreditar que ela já gravou. Aqui um rápido Top 3:

“Everybody Wants to Rule the World”

“Gimme Shelter”

“Heart Shaped Box”

O CORAL TEM O PODER

Patti Smith como convidada ilustre do Choir! Choir! Choir!, coral canadense que faz versões marcantes de músicas que adoramos. O vídeo foi gravado em abril em Nova York e lançado em setembro. Detalhe para a participação especial de Stewart Copeland (The Police) na “percussão” improvisada (uma frigideira). Imagina esse coro no Memorial da América Latina, imagina:

Patti Smith nas redes sociais

Sessão de autógrafos? Imagina no Brasil

Setlist feito a mão. Ou seja, podemos ter músicas escolhidas no calor do momento?

Fotos com amigos importantes? Ela tem. No caso, Dylan.

Keanu

Steven Jordan. Só um dos melhores bateristas do mundo

ÚLTIMOS INGRESSOS!

>>

Atenção, Brasil! Atração do Popload Festival, Patti Smith fará show extra beneficente em SP, dentro do projeto Popload Social

>>

281019_pattismith2

Uma das maiores artistas de todos os tempos, não apenas pela sua obra irreparável, mas também pelo seu reconhecido engajamento em causas sociais, PATTI SMITH fará um show beneficente em São Paulo, um dia após estrelar o Popload Festival.

A cantora norte-americana vai se apresentar no sábado, 16 de novembro, no Auditório Simón Bolívar, no Memorial da América Latina. As entradas serão divididas entre ingressos distribuídos mediante participação em ações de trabalho voluntário e venda de ingresso solidário.

O show faz parte da aba de cidadania POPLOAD SOCIAL, nesta que será a única apresentação de Patti Smith no país fora do festival.

As apresentações da precursora do punk serão as primeiras dela em São Paulo em toda a carreira. Em sua última visita ao Brasil, ela esteve envolvida em eventos apenas em Curitiba e Rio de Janeiro.

INFORMAÇÕES IMPORTANTES

As vagas de voluntariado para este Popload Social estão abertas no site da ATADOS, plataforma social online que conecta pessoas a oportunidades de voluntariado em causas sociais. Os interessados deverão escolher a ONG para qual desejam realizar a ação e, após realizado o voluntariado, cada vaga dará direito a 1 (um) ingresso exclusivo, nominal e intransferível para o show. As ONGs parceiras desta edição são BEABA, APAE, Move Institute, Cruz Vermelha, Banco de Alimentos e Greenpeace.

A venda de ingresso solidário para esta apresentação será através do site da Ticketload. Parte do dinheiro arrecadado será revertida para o BEABA, instituto que tem como missão desmistificar o câncer para crianças, adolescentes e seus acompanhantes.

O POPLOAD SOCIAL

O Popload Social é um projeto inovador sempre com ações especiais relacionadas aos eventos produzidos pela marca Popload. Através dele, centenas de fãs puderam e podem assistir a shows gratuitamente em troca de suas participações como voluntários em ONGs parceiras das mais variadas causas. A cada evento, vagas são disponibilizadas aos interessados em ajudar projetos sociais e, em troca, eles podem ver as suas bandas favoritas! O projeto também oferece shows gratuitos em espaços públicos da cidade, como o Metrô de SP, alcançando milhares de pessoas com entretenimento acessível e de qualidade. Em 2017, o Popload Social realizou um show gratuito da cultuada cantora inglesa PJ Harvey para mais de mil voluntários!

SERVIÇO – POPLOAD SOCIAL apresenta PATTI SMITH

Data: 16 de novembro de 2019, sábado
Abertura das portas: 19h
Início do show: 21h
Local: Auditório Simón Bolívar – Memorial da América Latina || Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664 – Barra Funda, São Paulo – SP, 01156-001
Capacidade: 1.009 pessoas
Ingressos: a partir de R$ 60,00 || Limite de 2 ingressos por CPF

Classificação etária: a partir de 18 anos desacompanhados. Menores entre 14 e 18 anos somente acompanhados de um responsável legal. Proibida a entrada de menores de 18 anos. Este evento requer autorizações específicas, acompanhe a atualização da expedição de alvarás através do site oficial.

INGRESSOS

INGRESSO GRATUITO ATRAVÉS DE TRABALHO VOLUNTÁRIO:
Os voluntários devem acessar o site da ATADOS e escolher a ONG para qual desejam realizar a ação. Após realizado o voluntariado, cada vaga dará direito a 1 (um) ingresso exclusivo, nominal e intransferível para o evento Popload Social apresenta Patti Smith. Somente os voluntários que se cadastraram através da plataforma e realizaram a ação no dia e no horário estabelecidos pelas ONGs terão direito ao ingresso.

INGRESSO SOLIDÁRIO: R$ 60,00 (meia-entrada) e R$ 120,00 (inteira)

VENDA DE INGRESSO SOLIDÁRIO:

BILHETERIA OFICIAL – SEM TAXA DE CONVENIÊNCIA
UnimedHall – Av. das Nações Unidas, 17.955 – Santo Amaro – São Paulo (SP).
Segunda-feira – FECHADA (*excepcionalmente aberta no dia 28/10)
Terça-feira a Sábado: das 12h às 20h
Domingo e feriados: das 13h às 20h
Limite de 2 ingressos por pessoa/CPF

LOCAIS DE VENDA – COM TAXA DE CONVENIÊNCIA
Pela Internet: www.ticketload.com
Taxa de Conveniência: 10%
Limite de 2 ingressos por CPF

Meia-entrada: obrigatória a apresentação do documento previsto em lei que comprove a condição de beneficiário no ato da compra e entrada do evento (para compras na bilheteria oficial e pontos de venda físicos) / na entrada do evento (para compras via internet). Para mais informações acesse: www.ticketload.com/meia-entrada

>>

Patti Smith se une a coral popular para cantar um de seus maiores clássicos. Com direito ao Stewart Copeland, do Police, batucando numa frigideira

>>

300919_patti2

Grupo que aparece com frequência aqui na Popload, o Choir! Choir! Choir!, coral coletivo que é mestre em cantar músicas que a gente adora, aprontou mais uma há alguns meses com a deus Patti Smith e só tivemos acesso ao encontro por agora.

Antes, sempre é bom recapitular que o projeto é liderado pelos canadenses Davved Goldman e Nobud Adilman e tem como mote reeditar, como um coral, canções populares. O mais interessante é que o projeto é aberto a qualquer um que queira cantar nas sessions constantes do grupo, que acontecem semanalmente nos fundos de um bar de Toronto.

Em abril deste ano, Patti Smith, atração especialíssima do Popload Festival deste ano, cantou junto com o coral uma versão de seu sucesso “People Have The Power”. Como se não bastasse, Stewart Copeland, baterista do The Police, foi um dos mais de 200 colaboradores da versão. Ele apareceu batucando uma “Brazilian samba frying pan”, ou, na tradução literal, uma frigideira brasileira, conforme anunciado na imprensa americana. Sério.

A reedição de “People Have the Power” foi feita em abril deste ano, no teatro público de Nova York, e foi divulgada para chamar a atenção da próxima apresentação que o Choir! Choir! Choir! fará no dia 13 de outubro na fronteira dos Estados Unidos com o México, quando 500 pessoas em San Diego unirão suas vozes com outras 300 em Tijuana (México) para cantar “With a Little Help From My Friends”.

>>

Podcast Popload – A resistência ao tempo, que foi especial aqui, ganha voz e música e vai para o ar

>>

* No começo do mês, em post oferecido pelo TNT Energy Drink, a Popload trouxe aqui um especial sobre a resistência ao tempo de cinco grandes nomes do rock.

Foto sem data Charlie Watts, Keith Richards, Mick Jagger e Ron Wood, integrantes da banda Rollings Stones.

Esses nomes pensados, de astros que envelheceram (e bem) aos olhos do público, foram de Mick Jagger (75 anos) e seus companheiros de Stones, os da foto acima; U2 (todos os quatro integrantes estão chegando nos 60; Bono tem 59); Iggy Pop (72) anos; Debbie Harry, do Blondie (73); e nossa Patti Smith (72), grande atração do Popload Festival deste ano, em novembro.

Para ilustrar ainda mais essa ilustre amostra de ídolos que não tinham em quem se inspirar e construíram suas trajetórias percorrendo momentos revolucionários que lhe permitiram e permitem ainda, todos, resistir ao tempo, a gente organizou um podcast para uma história oral dessa resistência, outro produto também com oferecimento da TNT.

Aproveitamos também para alargar esse especial, assinalando também, com música tocada, algumas bandas novas que fazem canções com gêneros que resistiram ao tempo. Alguns dos exemplos são os punks do Idles e a já musa dance linha “pista de dança” da Georgia, dois grandes exemplares da nova música britânica. A gente explica melhor no podcast.

Esse podcast “Resistência ao Tempo na Música: vai ser colocado na Popload Radio, rádio deste blog, durante esta semana e por diversos horários.

Entra hoje às 22h e tem várias reprises programadas. Anote:
– amanhã, quarta, 16h
– quinta, 11h
– sexta, 20h
– sábado, 12h
– domingo, 18h

** A Popload Radio pode ser ouvida em aplicativos. Tem app para iPhone e para celulares do sistema Android. Pode ser ouvida por aqui mesmo, neste site, na barra principal acima. Também é alcançada no Facebook da Popload/Popload Gig, no item “Popload Radio”, na barra à esquerda.
 E está disponível no TuneIn, a plataforma americana de streaming ao vivo, que tem milhares de rádios cadastradas.

*** A Popload Radio está sendo carregada com músicas novas e as nem tão novas, mas básicas para as nossas vidas. Tanto gringas quanto as da nossa CENA. Uma nova programação está em curso, para ir entrando aos poucos. Aguarde novidades contínuas.

>>

Especial Popload: A resistência ao tempo de cinco grandes nomes do rock

>>

* Este post é oferecido por TNT Energy Drink

Desde que discos são gravados, shows realizados ou mesmo que existe o universo pop tal como conhecemos, envelhecer aos olhos do público é um desafio para poucos. Dentro do rock, por exemplo, a questão do tempo é ainda mais complicada. Questão essa que, por razões óbvias, não era enfrentada no surgimento do gênero, mas que inevitavelmente passou a ser encarada por alguns de seus principais protagonistas…

Para ilustrar melhor essa situação, basta imaginar que o jovem Mick Jagger não tinha como se espelhar em nenhum senhor de 75 anos vocalista de uma banda de rock. Donos de momentos geniais e revolucionários, mas também alvo de muitas críticas, pensamos em cinco exemplares únicos de resistência ao tempo na história do rock. Exemplares que ainda podem ser encontrados em palcos pelo mundo este ano. E um deles bem perto de nós.

***

Untitled-7

Rolling Stones – (Mick Jagger, 75 anos, foto. Keith Richards, 75 anos. Charlie Watts, 78 anos. Ronnie Wood, 72 anos)

Começando a pesquisa para este texto, uma breve procura por “Rolling Stones” no Google para descobrir quando a banda foi formada. O primeiro link oferecido é sobre um show que a banda acabou de fazer no Canadá. Vinte músicas, duas horas de apresentação e Mick Jagger dançando pelo palco a seu modo. Alguém aí se lembra da notícia de que ele passou por uma cirurgia cardíaca há alguns meses? Ah, detalhe, também vimos quando os Rolling Stones começaram: 1962, ano também do primeiro show deles.

Onde encontrar os Rolling Stones em 2019.

***

bono

U2 – (Bono, 59 anos, foto. The Edge, 57 anos. Adam Clayton, 59 anos. Larry Mullen Jr., 57 anos)

Não é que o U2 esteja por aí há mais de 40 anos. É que eles estão por aí por todo esse tempo com a mesma formação. Sim, a banda já teve uns outros integrantes, mas foi antes de se chamar U2. E o que importa é que o quarteto que segue unido até hoje estava lá desde o começo, em 1976. Dos pequenos shows até as grandes arenas e estádios do mundo. Até o recorde de turnê mais lucrativa da história. E ainda com fôlego para visitar este ano pela primeira vez Singapura e a Coréia do Sul, com uma turnê que passou pelo Brasil no distante ano de 2017.

Onde encontrar o U2 em 2019.

***

Captura de Tela 2019-07-04 às 5.34.48 PM

Iggy Pop – (72 anos)

Talvez nem venha ao caso falar da resistência de Iggy Pop a si mesmo por conta de alguns detalhes de sua vida pessoal. Só pela energia disposta no palco ele já deixa muita gente sem acreditar como o homem ainda segue de pé e correndo e pulando e cantando tanto a cada apresentação. Se Iggy não teve a regularidade de shows dos Rolling Stones e do U2 ao longo dos anos, pelo menos conseguiu empatar o jogo com sua disposição e entrega. Em 2015, tivemos a chance de ver sua aula magna de rock, como definiu Pedro Antunes no “Estadão”, no Popload Festival. Aula magna de rock, disposição e energia, vale ressaltar.

Onde encontrar o Iggy Pop em 2019.

***

blondie

Blondie – (Debbie Harry, 73 anos, foto. Chris Stein, 69 anos. Clem Burke, 64 anos)

O Blondie é outro exemplo de resistência que tivemos o prazer de ver ao vivo em um Popload Festival. Debbie Harry, Chris Stein e Clem Burke passaram por hiato, pelos integrantes que foram embora e por um longo período com a banda parada depois de uma fase de muitas brigas e poucos ingressos vendidos. Quem viu o Blondie chegar neste estado aos anos 80 provavelmente nunca imaginaria que a eles AGORA voltariam a ter uma década tão produtiva quanto a dos anos 70 (foram exatamente três álbuns lançados entre 2011 e 2017). Mas foi o que aconteceu. E eles seguem na estrada, lógico.

Onde encontrar o Blondie em 2019.

***

patti

Patti Smith – (72 anos)

Prometemos que íamos falar de um símbolo de resistência ao tempo que ia se apresentar aqui por perto e chegou a hora de destacar a musa Patti Smith. Com tantas atividades e interesses artísticos diversos, a vida de Patti Smith no palco não é só intensa e cheia de momentos complicados (como quando caiu do palco e quebrou uma vértebra), mas também vem se mostrando mais presente com o passar do tempo, especialmente após sua retomada em 1996 depois de uns bons anos ausente dos discos e das apresentações ao vivo. A cantora, que chega a São Paulo no dia 15 de novembro para o Popload Festival, vem de um 2019 movimentado com muitos shows e festivais importantes pelo mundo, assim já tinha sido em 2018.

Onde encontrar a Patti Smith em 2019.

**

* O energético TNT patrocina o Popload Festival 2019.

>>