Em Paul McCartney:

Com uma pequena ajuda dos amigos Ringo Starr e Ronnie Wood, Paul McCartney junta Beatles e Stones em Londres

>>

Foto: MJ Kim

Foto: MJ Kim

A noite de domingo, 16 de dezembro, foi marcada por um encontro de parte da realeza do rock britânico na linda O2, em Londres. É lá que Paul McCartney, o jovem de 76 anos, fez seu último show neste ano.

O ex-beatle fez um show de três horas, com um setlist formado, como ele diz, “por músicas antigas, novas, e as que existem entre elas”. Divulgando seu novo disco “Egypt Station”, lançado em setembro passado, Paul recebeu dois velhos amigos no palco.

Primeiro, ele chamou o guitarrista Ronnie Wood, dos Rolling Stones. Em seguida, veio o outro beatle vivo, Ringo Starr, para tocar sua bateria levada prontamente para o palco, onde o trio emendou a clássica “Get Back”, para grande euforia dos fãs.

Nunca é demais lembrar que Paul volta ao Brasil no fim de março, quando fará dois shows no Allianz Parque, em São Paulo, e um no Couto Pereira, em Curitiba. Macca agora entra em período de férias e retoma sua agenda justamente na América do Sul, dia 20 de março, em Santiago.

O registro de “Get Back”, em Londres, abaixo.

>>

Quanto mais Paul, melhor. McCartney abre nova data em SP após esgotar ingressos do primeiro show

>>

120918_paul6

Mr. Paul McCartney fará um show extra no Allianz Parque, o estádio mais lindo do Brasil (talvez do mundo) em março. O ex-beatle esgotou rapidamente os ingressos para a apresentação do dia 26 de março e abriu uma nova data para o dia 27.

As vendas começam no dia 12 de dezembro, depois da manhã, no primeiro minuto depois da meia-noite. Às 10h, abre as bilheterias físicas nos pontos de venda oficiais da Time For Fun.

Paul vem ao Brasil com a turnê “Freshen Up”, do disco “Egypt Station”, lançado em setembro deste ano. Além dos shows em SP, Macca também vai tocar em Curitiba, dia 30 de março, no Estádio do Coritiba.

101218_paul2

>>

Paul dentro do Brasil de novo: McCartney confirma shows em São Paulo e Curitiba no fim de março

>>

120918_paul2

Depois de ficar muito tempo sem tocar no Brasil, Paul McCartney não tem se esquecido de nós nesta década. O ex-beatle, que esteve no Brasil no fim de 2017, confirmou dois shows no país em março do ano que vem com sua turnê “Freshen Up”.

Dia 26 de março, o lendário músico inglês toca no Allianz Parque, em São Paulo. Dia 30 de março, será a vez do estádio Couto Pereira, em Curitiba, receber nosso beatle querido.

As vendas de ingressos começam no primeiro minuto da próxima quinta-feira, 6 de dezembro. Ele vem ao país com o show de seu novo disco, “Egypt Station”, lançado em setembro.

031218_paul2

** MAIS SOBRE INGRESSOS

Informa a T4F que: para os shows da The Freshen Up Tour no Brasil em São Paulo e Curitiba, haverá pré-venda exclusiva para fãs cadastrados no site internacional de Paul McCartney. Essa ação tem início às 10h do dia 04 de dezembro (terça-feira) e encerra às 20h de 05 de dezembro (quarta-feira). Os fãs receberão diretamente do site as instruções e código de acesso. O estoque da pré-venda é limitado.

** PREÇOS

SÃO PAULO
PAULSP

CURITIBA
PAULCTBA

>>

Com o gás em dia, Paul McCartney mostra novas músicas e suas canções imortais em Austin

>>

091018_paul2

Uma das maiores lendas vivas da cultura pop, senão a maior, Paul McCartney nos últimos anos tem feito tantos shows pelo mundo que resolveu abrir exceções até para festivais, tipo de eventos que, dado sua grandeza, era meio “impossível” dele participar.

A mais recente aparição do ex-beatle em um festival ao ar livre foi no último final de semana no Austin City Limits, no Texas, onde Paul tocou no domingo. Ele está com seu novo show do disco “Egypt Station”, lançado mês passado. Sem deixar de fora, claro, sua fila de clássicos que já estão em nossas vidas desde os anos 60.

O novo álbum é o primeiro de Paul desde “NEW”, que saiu em 2013, e foi gravado em Los Angeles, Londres e Sussex, com produção assinada pelo cada vez mais ascendente Greg Kurstin, que nos últimos anos emendou ótimos trabalhos com nomes do calibre de Adele, Beck, Liam Gallagher e Foo Fighters.

Abaixo, o show completinho. Viva o Paul!

Paul McCartney Setlist Austin City Limits 2018 2018, Freshen Up

>>

Paul duro, parte 2 – Na lata, Macca diz quem acabou com os Beatles: “Foi John”

>>

120918_paul_slider2

Falamos mais cedo que Paul McCartney anda sem freio, dando detalhes até de aventuras sexuais dos Beatles. Pois bem. Ele também tem falado de coisa séria em suas recentes entrevistas de divulgação do disco “Egypt Station”. Entre os assuntos, talvez o mais embaçado deles: o fim dos Beatles. Na versão de Paul, a culpa é do John. Mas, antes, é preciso recapitular o que a “História” conta.

Basicamente, o que se diz é que depois que o empresário Brian Epstein morreu, em agosto de 1967, a parte de “negócios” dos Beatles virou uma bagunça administrativa e contábil. A caminho da falência, mesmo. Se cuidar das coisas de uma banda indie em São Paulo dá um trabalho do cão, imagina cuidar dos Beatles no final dos anos 60… Acontece que, como John Lennon andava zoado de LSD e outras experimentações, Paul resolveu tomar as rédeas do business e cuidar dos Beatles. No meio daquele caos, Paul virou “chefinho” enquanto Lennon viajava, agora com sua “amiga” Yoko Ono, que havia conhecido um ano antes e viraria sua mulher um ano depois. Nessas, John começou a fazer pirraça contra a “autoridade” do Paul e a coisa azedou ainda mais.

Paul queria que o pai e o irmão de Linda McCartney fossem os novos empresários dos Beatles, mas John foi contra e defendia que quem tinha que ficar com a vaga seria o empresário americano Allen Klein. Os Beatles a essa altura estavam um caos no estúdio e no escritório. Assim, a treta perdurou por um tempo.

Lenon então decidiu avisar: “Vou vazar”. Mas pediram para ele guardar segredo até o disco “Let It Be”, o décimo terceiro e último álbum dos Beatles, sair. O disco, que começou a ser gravado em janeiro de 1969, levou mais de um ano para ficar pronto. Sendo lançado, enfim, em maio de 1970. Algumas semanas antes de o disco sair às lojas, Paul anunciou que estava fora da banda.

Pois bem. Cortando para 2018.

120918_paul7

Na tal entrevista para a GQ americana, Paul falou brevemente sobre essa parte de assumir os negócios dos Beatles. Ele conta que ficou magoado porque ficou com a fama de ter sido o pivô do fim da banda e que, de tanta gente falar, tinha hora que ele acreditava.

“Uma das minhas tristezas foi quando nos separamos, e a única maneira de salvar a parte comercial era eu processando os Beatles, então isso era como uma mágoa total. E o resquício disso é que eu era o culpado. Eu era ‘o cara que quebrou os Beatles’. Então eu passei um bom tempo fazendo esse exercício de pensamento: ‘Não, não fui eu. John queria Yoko, então ele disse que estava deixando os Beatles’. Mas por causa do incidente do processo, saiu a notícia de que eu era o vilão. E o pior era que eu meio que comprei isso. Minha neura era tipo: “Não, não, não, não, não… Sim!… Não, não foi você… Foi você!’. Eu realmente não era o culpado, mas a partir do momento que todo mundo pensa que você é, então talvez eu fosse mesmo”.

120918_paul6

Em outro papo, este com o radialista doido e ícone Howard Stern, Paul foi além. Enquanto o apresentador falava de forma sutil sobre a banda, de que todo mundo tem uma teoria, Paul foi enfático: “Eu sei quem terminou: foi John”. Para espanto de Stern, daí o papo se desenvolveu.

“Houve um encontro em que John reuniu a banda toda e disse: ‘caras, estou deixando o grupo'”, contou Paul, que falou que o fator Yoko também influenciou, já que havia um combinado entre os quatro que nenhuma figura externa poderia influenciar nos processos dos Beatles. Macca chegou a classificar a presença de Yoko nos ensaios e gravações do grupo como “intrusiva”. “Nunca tivemos que lidar com isso. John sempre amou mulheres de personalidade forte. Sua mãe era uma mulher forte, sua tia também. Hoje olhando para aquela época vejo que ele estava totalmente apaixonado por ela e isso deve ser respeitado”.

Posteriormente, Paul disse que se sente aliviado por ter aparado as arestas com Lennon. “Superamos, por sorte. Me sinto abençoado por isso. Se não tivéssemos ficado bem, não sei como iria lidar com isso”.

As declarações de Paul podem ser conferidas abaixo.

** As fotos de Paul são de COLLIER SCHORR / GQ
** A foto de Paul e Lennon é da Mirrorpix

>>