Em pedestrian at best:

Courtney Barnett sacode a TV aberta americana, como atração do “Saturday Night Live”

>>

Screen Shot 2016-05-23 at 8.44.44

* A fofura master Courtney Barnett, guitarrista australiana que vem ao Brasil em novembro para o Popload Gig, foi a grande atração musical do final de temporada do programa “Saturday Night Live”, neste final de semana. Foi a primeira apresentação de Barnett para um canal aberto em rede nacional nos EUA.

Mostrando as incríveis “Nobody Really Cares If You Don’t Go To The Party” e “Pedestrian at Best”, ambas de seu bombado disco de estreia, o “Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit”, Courtney Barnett, como bem disse o site americano “Consequence of Sound”, fez “kick-ass performances” no “SNL”. Ela foi apresentada, no programa, pelo grande comediante (entre outras mil coisas) Fred Armisen, de “Portlandia” (entre outras mil coisas).

Screen Shot 2016-05-23 at 8.40.53

Faço minhas as palavras do CoS para a participação da guitarrista no programa americano: “Not trying to be hyperbolic, but it definitely came across as one of the more impressive SNL debuts in recent memory, and will likely be a performance people will revisit about for years to come”.

O “Saturday Night Live” volta em outubro. Courtney Barnett vem em 16 de novembro, para brilhar no Popload Gig em uma mesma noite que terá show do herói indie-hippie Edward Sharpe, com sua Magnetic Zeros, em espetacular dobradinha de shows no Audio Club, na Barra Funda. Ingressos já à venda no Ticketload (cóf).

** O “SNL” ainda deu uma zoada na situação política brasileira e entrevistou uma “Dilma tropical”. Bobagem pura.

>>

Courtney Barnett chega ao palco do histórico Fillmore, em San Francisco. Temos imagens

>>

Untitled-11

* Em plena e em outra turnê americana, a guitarrista australiana Courtney Barnett segue divulgando seu ótimo último álbum “Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit”, lançado em março deste ano. Barnett se apresentou ontem à noite no extrafamoso Fillmore, em San Francisco, clube com uma atmosfera “peculiar” na cena roqueira americana e que já sobreviveu a um terremoto e ao Thom Yorke. Acho que a última vez que eu passei pela casa, se é que me lembro, foi para ver o Wilco, em 2001, talvez. Ou foi Echo & The Bunnymen? Enfim. Ontem, então, foi a hora da fofa da Barnett, com seu conhecido cabelo cool desgrenhado, mandar seu som quase-Nirvânico no histórico palco do Fillmore. Temos um vídeo cool filmado para (ou por uma) TV de ela tocando e cantando a gostosa “Nobody Really Cares If You Don’t Go to the Party” e o hit “Pedestrian at Best”. Coisa linda:

>>

Um rolê com a Courtney Barnett pelos EUA e Austrália

>>

Screen Shot 2015-07-01 at 16.42.05

* Eis-nos aqui com nosso post diário da minha amiga australiana Courtney Barnett, um dos novos nomes mais legais da música de hoje e, ouso dizer, uma espécie de… Ok, não vou ousar dizer.

Pelo lado americano, a rádio indie cool de Minneapolis, a The Current (89.3), soltou dois vídeos do festival que ajuda a bancar na cidade do Minnesota, o Rock the Garden, que aconteceu no final de junho. São dois momentos em performance de Barnett para o hit “Pedestrian at Best” e ainda para a fofa “Dead Fox”, ambas de seu álbum de estreia, “Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit”, lançado em março.

Este é especial. Também hoje foi revelado, desta vez lá pelos lados australianos, um vídeo também de “Pedestrian at Best”, tirado de um festival de maio realizado na casa de Barnett, a cidade de Melbourne, uma das mais legais do planeta. O show aconteceu no clube Forum em um dos três dias que Barnett, de camiseta do Sonic Youth, tocou por lá, com todas as datas esgotadaças. Pelo jeito que registraram o vídeo no Youtube, o concerto inteiro de Barnett em Melbourne vai aparecer a qualquer hora.

* As imagens, tanto do post quanto da home da Popload, são do show de Melbourne.

>>

Mais uma session linda com a “Kurt” Barnett. Para inglês ver

>>

Screen Shot 2015-03-26 at 11.14.54

* Quem consegue parar a Courtney Barnett. A guitarrista australiana lança seu disco de estreia, na verdade o segundo álbum mas OK, nesta semana. É o lindo “Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit”, já um dos discos do ano fácil. Barnett acabou de chapar o Sxsw, no Texas, dias atrás, e amanhã começa um significativo giro de shows no Reino Unido, depois uma miniturnê em casa, na Austrália, para daí emendar uma grande turnê de clubes e festivais nos Estados Unidos.

Agora, na Inglaterra, Courtney Barnett passou ontem nos estúdios da Radio One, em Londres, para mostrar ao vivo no programa da Annie Mack (tchau, Zane Lowe) três faixas do seu début. A session toda, com as músicas “Pedestrian at Best”, “Dead Fox” e a maravilhosa “An Illustration of Loneliness”, está disponível apenas em player fechado para os britânicos.

Mas o Youtube guarda a performance dela no single “Pedestrian at Best”. Repare como ela é tipo o Nirvana (já disse que ela é filha bastarda do Cobain). Uma versão ao vivo nunca é igual à outra e nunca igual à original de estúdio. E ainda assim é sempre incrível.

Se a gente aqui se entusiasma com a Courtney Barnett? Imagina…

>>

A brilhante Courtney Barnett às vezes senta e pensa… E às vezes só senta

>>

Screen Shot 2015-02-06 at 8.44.10

* Agora sim. No final de 2013, a cena indie recebeu com certa volúpia as músicas da especialíssima Courtney Barnett, cantora australiana (de Melbourne!!) e guitarrista canhota que aparecia em rádios e sessions e festivaizinhos com um punhado de canções ótimas sobre desajustes cotidianos. Voz e melodias próprias que lembrava o “rock de meninas” do indie americano dos 90, mas com uma personalidade e uma pegada toda dela. Uma espécie de filha-herdeira do grunge. Não só pelo nome “Courtney”, a “guitarra invertida” de Cobain e o vocal remetendo a um adolescente Throwing Muses.

A garota não tinha um álbum para mostrar, apenas dois EPs. Na rapidez de inseri-la no circuito, transformaram os dois EPs no que seria um disco cheio, o “Sea Of Split Peas”. E lá se foi a Courtney Barnett tocar em rádios e festivais por todos os lados em 2014.

Agora o verdadeiro álbum de estreia vai chegar. Courtney Barnett lança seu disco début no dia 23 de março, com um nome que faz jus a seus profundos e brilhantes poemas bestas do dia-a-dia: “Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit”.

O anúncio do disco foi seguido à revelação de shows na Inglaterra, no resto da Europa, nos EUA, incluindo neste último apresentações em festivais bons como Sasquatch e Bonnaroo, dois concertos seguidos no Bowery Ballroom (Nova York) e uma passagem pelo Mohawk, de Austin.

“Sometimes I Sit and Think, and Sometimes I Just Sit” virá com 11 faixas, entre elas umas com nomes na linha “Elevator Operator”, “An Illustration of Loneliness (Sleepless in NY)”, “Aqua Profunda!” e “Nobody Really Cares if You Don’t Go to the Party”.

De cara, Courtney Barnett já solta o primeiro single, sound and vision, chamado “Pedestrian at Best”, que a gente bota para rodar aqui embaixo. No vídeo dá para ver: Barnett é uma palhaça. A música, obviamente, é ótima. Não é, Kurt?

>>