Em phantogram:

Phantogram ressurge com primeira música inédita em três anos e avisa que vai tocar outras novas nos próximos shows

>>

210518_phantogram2

Duo formado por Sarah Barthel e Josh Carter, o Phantogram lançou nesta sexta “Into Happiness”, a primeira música original deles desde 2016.

A faixa abre os trabalhos para a turnê de verão que a dupla fará pela América do Norte e, quem sabe, para o sucessor do disco “Three”.

O Phantogram aproveitou para informar aos fãs que a banda vai mostrar outras músicas inéditas nos próximos shows.

>>

Por um motivo sério e nobre, Phantogram lança uma música inédita e uma cover do Sparklehorse

>>

210518_phantogram2

Duo formado por Sarah Barthel e Josh Carter, o Phantogram resolveu lançar duas músicas com rendas revertidas para a American Foundation for Suicide Prevention (AFSP) que, como o nome diz, é uma instituição que visa auxiliar na prevenção de suicídios, prática infelizmente cada vez mais comum no mundo de hoje.

O duo de Nova York preparou uma nova música, “Someday”, e ainda uma cover do Sparklehorse, “Saturday”. A cover não foi escolhida por acaso, uma vez que o Sparklehorse era um projeto liderado pelo saudoso Mark Linkous, que se suicidou com um tiro no peito, em 2010.

A vocalista Sarah Barthel também precisou conviver com um suicídio na família recentemente. Sua irmã Becky se suicidou na época em que o Phantogram estava produzindo seu terceiro disco, “Three”, lançado em 2016. “Praticamente todas as canções daquele disco foram inspiradas ou sofreram mudanças de alguma forma a partir da morte da Becky”, contou a cantora, em comunicado.

As duas canções podem ser ouvidas abaixo.

>>

Tudo bem lindo. Phantogram tocando Radiohead em session na Austrália

>>

Captura de Tela 2017-01-17 às 8.22.30 AM

* O belo duo electroindie Phantogram, de Nova York, passou o Réveillon na Austrália, e aproveitou os primeiros dias do ano para fazer shows e mostrar seu mais recente álbum, “Three”, o terceiro (jura?!), em Sydney. Obviamente, caíram nos estúdios da espetacular rádio local Triple J para uma session básica.

É muito singular ouvir a Triple J aqui do Brasil, pelo seu ótimo app. Com a diferença de fuso que gira em torno das 12 horas, ouvir a Triple J numa manhã calma é às vezes pegar a programação, lá, de uma bombada noite. E vice-versa. Você querer algo “mais animado”, à noite aqui, é encontrar os DJs tocando músicas “maneiras” lá. Enfim.

E lá foi o Phantogram fazer uma participação em especial para a rádio. Eles da Triple J tem o excelente “Like a Version”, que incentiva os visitantes a tocarem uma música cover de alguém “fora da casinha” do artista em performance.

Daí que Sarah, Josh e banda sacaram uma espetacular versão para “Weird Fishes/Arpeggi”, musicaça do “In Rainbows”, disco de 2007 da turma do Thom Yorke. De chorar.

O Phantogram tocou também a bela “Cruel World”, de seu álbum lançado em outubro do ano passado.

Oh, Sarah.

>>

Phantogram mostra belas canções tristes e barulhentas na TV americana

>>

141216_phantogram2

Sarah Barthel e Josh Carter, dupla conhecida como Phantogram, mostraram em rede nacional canções de seu mais recente álbum, “Three”, que fala sobre falta de perspectiva e desilusão com o mundo.

O duo de Nova York tocou no programa do Jimmy Kimmel, em seu palcão outdoor lindo, com aquela velha premissa de sempre: às vezes tudo calmo e soturno, às vezes um barulho infernal.

Na TV, o Phantogram tocou “Same Old Blues”, “You Don’t Get Me High Anymore” e “You’re Mine”, em performances cheia de intensidade. Basta dar uma olhada a seguir.

>>

Barulheira programada e músicas sobre desilusão. Só uma session do Phantogram na Holanda

>>

161116_phantogram2

Na estrada divulgando o bom disco novo “Three”, o duo norte-americano Phantogram andou fazendo uma session na rádio 3voor12, emissora indie da rede holandesa VPRO, recentemente.

Dupla formada por Sarah Barthel e Josh Carter, o Phantogram tem um som de altos e baixos. Na mesma hora que parece estar tudo calmo, vem uma barulheira intensa. Quando a vida parece estar boa, o mundo se torna um lugar ruim para se habitar. Ou seja, uma banda de sonoridade bipolar, tipo Cocteau Twins em alguns momentos.

O fato é que as músicas do disco novo, que fala sobre falta de perspectiva e desilusão com o mundo, funcionaram bem ao vivo. O duo tocou três canções na emissora: “You Don’t Get Me High Anymore” e “Cruel World”, do disco novo, e a antiga “Fall in Love”. Tudo foi devidamente registrado e pode ser conferido em vídeo, abaixo.

>>