Em Popload:

Popload vai ali e já volta. De olho em mudanças futuras, site para com as postagens até a próxima sexta

>>

* A Popload vai passar a partir de amanhã e pelas próximas duas semanas por uma série de mudanças e aperfeiçoamentos que, se tudo correr como planejado, culminará numa novidade que será contada na hora certa, mas que aponta para um futuro do site. Mas deve interromper o fluxo normal de postagens.

Mudanças e inquietude acontecem aqui mesmo. Sempre foi assim: de uma coluneta de jornal impresso a uma plataforma 360º que conta hoje com cobertura noticiosa e opinativa diária atendendo à cena internacional e brasileira, um festival que já teve sete edições, uma selo de shows que já trouxe ao país cerca de 50 nomes,uma rádio, presença constante nas redes sociais e um braço social, a Popload sempre foi se adequando a seu tempo. E não vai ser diferente agora.

A primeira medida é que, por conta desses primeiros ajustes, de caráter tecnológico, deixaremos de postar qualquer coisa aqui por três dias. Voltamos na sexta-feira.

O restante vamos contando conforme as big news vão chegando, ok?

Espera pela gente?

Até sexta!!

popload2

>>

Melhores discos do ano da POPLOAD, internacional: Fiona Apple, sim, ela mesma, é a primeirona num 2020 de 42 álbuns de destaque

>>

fetch

* Olha. Se a gente pegar as sete listas de melhores álbuns de 2020 aqui elaboradas, cada um do top 10 do ano da galera díspare que faz a Popload, chacolhar, misturar, jogar para cima e ver o que bate, o que coincide ou o que maaaais coincide, o álbum da especialíssima Fiona Apple fica em primeiro lugar no geral, de forma marcante.

O rico “Fetch the Bolt Cutters” talvez seja seguido pelo misterioso grupo inglês SAULT, com qualquer um de seus dois discos lançados em 2020. Tem um vislumbre de boa colocação para os álbuns de Run the Jewels e da Phoebe Bridgers, talvez a Dua Lipa, mas de resto é tiro para tudo quanto é lado.

O que nos leva a crer que este ano maluco de 2020, e suas nuances todas, sua palheta de cores zoadas, suas camadas difusas, pautou a variação musical mais do que qualquer coisa. Ou não! Talvez só que a Popload é feita por gente que pensa diferente entre si, mas que converge cada um a seu modo para o mesmo fim: o bem da música independente seja ela de vanguarda, clássica, indie de guitarras, hip hop, dance, pop, o que for.

Porque no fim, se não erramos na conta, abaixo foram citados 42 álbuns diferentes, dentro dos dez de cada um.

Veja aí o que você acha. (A lista d)Os melhores do ano da Popload, por quem faz a Popload, ficou assim:

** Lúcio Ribeiro

1. Fiona Apple – “Fetch The Bolt Cutters”
2. SAULT – “Untitled (Black Is)”
3. Tame impala – “The Slow Rush”
4. Sports Team – “Deep Down Happy”
5. Fontaines DC – “A Hero’s Death”
6. IDLES – “Ultramono”
7. Phoebe Bridgers – “Punisher”
8. Waxahatchee – “Saint Cloud”
9. Dua Lipa – “Future Nostalgia”
10. Rina Sawayama – “SAWAYAMA”

***

** Isadora Almeida

1. Fontaines D.C – “A Hero’s Death”
2. Haim – “Women in Music Pt. III”
3. Tame impala – “The Slow Rush”
4. Fleet foxes – “Shore”
5. Sault – “Untitled (Rise)”
6. Fiona Apple – “Fetch the Bolt Cutters”
7. Dua Lipa – “Future Nostalgia”
8. Sorry – “925”
9. Laura Marling – “Song for Our Daughter”
10. Vários – “Blue Note Re:imagined”

***

** Vinicius Felix

1. Fiona Apple – “Fetch The Bolt Cutters”
2. Run the Jewels – “RTJ4”
3. Thundercat – “It Is What It Is”
4. Bob Dylan – “Rough and Rowdy Ways”
5. Phoebe Bridgers – “Punisher”
6. Rina Sawayama – “SAWAYAMA”
7. Dua Lipa – “Future Nostalgia”
8. Laura Marling – “Song for Our Daughter”
9. Porridge Radio – “Every Bad”
10. J Hus – “Big Conspiracy”

***

** Daniela Swidrak

1. SAULT – “Untitled (Black Is)”
2. Phoebe Bridgers – “Punisher”
3. Sorry – “925”
4. Fontaines DC – “A Hero’s Death”
5. Fiona Apple – “Fetch the Bolt Cutters”
6. IDLES – “Ultramono”
7. Porridge Radio – “Every Bad”
8. Sports Team – “Deep Down Happy”
9. Working Men’s Club – “Working Men’s Club”
10. EOB – “Earth”

***

** Dora Guerra

1. Fiona Apple – “Fetch the Bolt Cutters”
2. Moses Sumney – “Grae”
3. Sault – “Untitled (Black Is)”
4. Phoebe Bridgers – “Punisher”
5. Gorillaz – “Song Machine”
6. Rina Sawayama – “SAWAYAMA”
7. Róisín Murphy – “Róisín Machine”
8. Perfume Genius – “Set My Heart on Fire Immediately”
9. HAIM – “Women in Music Part III”
10. Mac Miller – “Circles”

***

** Fernando Scoczynski Filho

1. Deftones – “Ohms”
2. Fiona Apple – “Fetch the Bolt Cutters”
3. Alain Johannes – “Hum”
4. Zeal & Ardor – “Wake of a Nation”
5. Nine Inch Nails – “Ghosts VI: Locusts”
6. Bambara – “Stray”
7. Grimes – “Miss Anthropocene”
8. Mr. Bungle – “The Raging Wrath of the Easter Bunny Demo”
9. EOB – “Earth”
10. Refused – “The Malignant Fire”

***

** Alexandre Gliv Zampieri

1. Smashing Pumpkins – “CYR”
2. Pet Shop Boys – “Hotspot”
3. Starbenders – “Love Potions”
4. Killer Be Killed – “Reluctant Hero”
5. Code Orange – “Underneath”
6. The Jaded Hearts Club – “You’ve Always Been Here”
7. Local H – “LIFERS”
8. Run The Jewels – “RTJ4”
9. AC/DC – “Power Up”
10. Dua Lipa – “Future Nostalgia”

***

** Tallita Alves

1. Jessie Ware – “What’s Your Pleasure?”
2. Caribou – “Suddenly”
3. Lady Gaga – “Chromatica”
4. Haim – “Women in Music Part III”
5. Tame Impala – “The Slow Rush”
6. Yves Tumor – “Heaven to a Tortured Mind”
7. Dua Lipa – “Future Nostalgia”
8. Perfume Genius – “Set My Heart on Fire Immediately”
9. Waxahatchee – “Saint Cloud”
10. The Avalanches – “We Will Always Love You”

>>

Holy Shit! Nosso querido Father John Misty lança disco ao vivo para ajudar “vítimas musicais”

>>

fjmfoto

* Através do necessário Bandcamp, o dândi indie Father John Misty acaba de lançar um disco ao vivo chamado “Off-Key in Hamburg”, áudio de 20 músicas suas de concerto na cidade alemã, com sua banda e uma ajuda orquestra da Neue Filarmônica de Frankfurt. O show aconteceu em agosto do ano passado.

Toda a renda de quem comprar o disco no Bandcamp (custa 10 dólares) vai para o MusiCares COVID-19 Relief Fund, fundo criado para ajudar todo a galera dos bastidores da música que deixou de trabalhar por conta dos cancelamentos e adiamentos causados pela quarentena para aliviar o contágio do coronavírus no mundo.

capafjm

Tal performance de Josh Tillman, o cara atrás da persona, pertence a sua elogiada tour de shows maravilhosos para acompanhar seu último disco, “God’s Favorite Customer”, de junho de 2018. Essa turnê passou por São Paulo, dentro de um Popload Gig “dupla-face” no lindo Auditório Simón Bolivar, no Memorial da América Latina.

Neste disco ao vivo beneficente do FJM estão todos seus hits incríveis, incluindo “Hollywood Forever Cemetery Sings”, “Mr. Tillman”, “Nancy from Now On”, “I Love You, Honeybear” e “Holy Shit”. Esta última foi postada por Tillman em sua conta do Youtube para servir de teaser para o álbum. Olha que beleza e repara perto do fim a orquestra de Frankfurt transformando a música fofa do Father John Misty num Nirvana lascado.

>>

OS MELHORES DE 2019 – Os shows nacionais e internacionais que ficaram na memória da galera da Popload

>>

melhores2019_showsinternacionais

Se crise significa bons discos, pode significar poucos shows por aqui. Mas o Brasil segue firme na rota de muitas atrações, de bons festivais, de artistas gringos de todos os tamanhos. Deu para ver muita coisa boa esse ano em nossas terras. Talvez até o melhor show do ano ao somar com coisas que vimos lá fora? Talvez.

E foram tantos shows que nossa lista lista tem apresentações que rolaram as vezes até duas vezes, como o Shame, Arctic Monkeys, Patti Smith. Por isso, contamos a atração, não um show específico.

Espero que entendam a razão de um show da Popload liderar essa lista. Alguém ganha da Patti Smith? Acho que não.

Quando o assunto é a música brasileira, aqui vale repetir o papo dos discos feitos aqui: a CENA está rica. E 2019 foi especial porque também vimos atrações que não vemos há tempos nos discos, caso do Cansei De Ser Sexy, Racionais, Los Hermanos. Ao mesmo tempo, vimos ao vivo nossos artistas favoritos do ano.

Primeiro a gente fala dos shows internacionais. Em seguida, os nacionais.

INTERNACIONAIS

Patti Smith
Dois shows impecáveis de proporções diferentes. No teatro ou em festival, Patti Smith é parte da história da música viva, ativa, vibrante. Um aula de presença, energia. Estamos na espera pelo livro que ela vai escrever inspirada nos shows daqui.

Arctic Monkeys
Se não são a banda do momento mais, ganham pontos pela qualidade inegável do show. E ficaram bem ranqueados porque quase todo mundo votou neles. os anos fazem bem ao Arctic Monkeys.

Shame
Um show espetacular, daqueles de derrubar uma casa. E eles quase derrubaram o palco do Breve e no Balaclava Festival.

Little Simz
Mais Popload. Little Simz foi a grande revelação do Popload Festival. Show lindo mesmo no frio, um pouco de chuva. Enxuto, forte, repleto de músicas de um dos melhores lançamentos do ano. Quando volta, Little Simz?

Courtney Barnett
Guitarra, baixo e bateria. Nada mais. Mas parece que Courtney Barnett sabe fazer uma sinfonia com tão pouco. Impecável sua guitarra, suas letras, voz, tudo.

Kendrick Lamar
Ainda sentimos os grave deste show ecoar. Que banda. Que telões. Que homem.

Daughters
Outro show pesadíssimo. Certeiro. Banda que sabe o que faz, fora do palco, inclusive.

Paul McCartney
Pode vir quantas vezes quiser, sempre entre os melhores.

King Crimson
Um clássico que finalmente tocou por aqui.

Land Of Talk
Show belíssimo de uma banda ainda a ser descoberta por muita gente. Procura agora, se ainda não ouviu.

Jorja Smith
Que voz e que canções carrega Jorja Smith. Ganhou a simpatia da plateia. Ela até fez a camiseta da seleção, que a banda toda vestiu durante o show, ser legal de novo.

Quem votou:

Vinicius Felix
Patti Smith
Kendrick Lamar
Courtney Barnett
Arctic Monkeys
Little Simz

Fernando Scoczynski Filho
Daughters
King Crimson
Arctic Monkeys
Paul McCartney
Slayer

Lúcio Ribeiro
Patti Smith
Shame
Courtney Barnett
Kendrick Lamar
Daughters
Little Simz
Arctic Monkeys
Jesus and Mary Chain
Paul McCartney
Fantastic Negrito

Isadora Almeida
Shame
Patti Smith
Land Of Talk
Jorja Smith
Little Simz
Hot Chip
Kamasi Washington
The 1975
Paul McCartney
Daryl Hall e John Oates

melhores2019_showsnacionais

NACIONAIS

Boogarins
O Boogarins é uma banda ao vivo e uma banda nos discos. As duas excelentes. Sim, é a mesma banda, mas vale o papo aqui. Tem que ver ao vivo pelo menos uma vez para começar a entender a viagem deles. Melhor show disparado, o único citado em todas as nossas listas.

Terno Rei
Ano que fica na história da banda. Seu disco mais popular e shows que fazem o nome deles ir mais longe. Fãs que cantam tudo, disputa por ingressos. Fiquem de olho por onde eles vão tocar ano que vem.

YMA
Outro show em fase e crescimento. YMA é enorme no palco. Mostra seu belo disco, faz caras, dança, chama o público para brincar com ela. Dos mais divertido que vimos em 2019.

Cansei De Ser Sexy
Volta histórica. Feliz 2004. Quando ninguém esperava, o Cansei fez um show que mostrou que a banda ainda faz (muito) sentido. Será que vem mais por aí?

Los Hermanos
Com um single inédito depois de um longo silêncio, os Los Hermanos voltaram (mais uma vez) maiores do que quando “deixaram” a CENA. Tem quem questione, mas é para poucos.

Racionais MC’s
Os nossos Beatles em um show espetacular com banda. Para celebrar os 30 anos de uma história incrível.

Caetano Veloso
Caetano, os filhos, em um show que é bonito pelo valor de cada música selecionada. Um show que conta história. A história familiar de Caetano, de sua própria história.

Duda Beat/Edgar
Já que eles empataram no nossos critério, vale a menção dupla. Dois novos nomes da cena que fazem bonito no palco. Atrações para ficar atento em 2020.

Quem votou:

Fernando Scoczynski Filho
Odradek
Rakta
Boogarins
Sepultura
Nervosa

Lúcio Ribeiro
Cansei De Ser Sexy
Racionais
Edgar
Rakta
Boogarins
Mulamba
Teto Preto
YMA
Terno Rei
Moons

Isadora Almeida
Los Hermanos
Caetano Veloso
Duda Beat
Terno Rei
Tuyo
Boogarins
Pabllo Vittar
Sandy e Junior
YMA
E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante

>>

OS MELHORES DE 2019, pela Popload – Os álbuns que agitaram a CENA verde e amarela

>>

1 - cenatopo19 melhores2019_discosnacionais

Se o ano lá fora foi dos bons, vale repetir o mesmo papo por aqui. Foi um ano e tanto para a CENA.

No ano que a cultura brasileira precisou provar que é mais forte que as dificuldades que já eram velhas conhecidas, muita música foi feita. Músicas feitas por jovens artistas, por veteranos da CENA. Feita no indie, feita no rap, na linhagem da MPB. Feita com engajamento, feita de olho em extrapolar limites conhecidos.

Com certeza, não ouvimos tudo de bom que foi feito, mas fica o recorte e a vontade de sempre: ouvir tudo. O que você já ouviu da lista?

Boogarins – Sombrou Dúvida
Nossa melhor banda, talvez. A mais bem sucedida lá fora atualmente, com certeza. O quarteto fez mais um disco e tanto. Mais dúvidas que respostas, um som mais burilado, novos caminhos apontados. E mesmo sendo tão esquisitos como sempre, foram tocar até na Globo dessa vez.

Ana Frango Elétrico – Little Electric Chicken Heart
Aliterações, rimas psicodélicas, letras cifradas e uma voz que queremos ouvir repetidas vezes. Ana Frango Elétrico as canta com uma voz que no álbum faz duvidar que possa ser tão modular e afinada ao mesmo tempo, mas que ao vivo encanta como uma peça de arte moderna, que você não entende completamente mas sabe que é algo incrível.

Terno Rei – Violeta
Vale repetir o que já falamos por aqui: muito indie para ser MPB, muito MPB para ser indie. E muito bom para você ignorar. E aqui está uma das músicas mais acertadas e lindas do ano: “Dia Lindo”.

Black Alien – Abaixo de Zero: Hello Hell
A experiência de Black Alien fez a diferença aqui. No que talvez seja seu melhor trabalho em termos de produção – coesa, moderna, acertada -, ele dá show em letras trabalhadíssimas que soam fluídas como um improviso.

Vivian Kuczynski – Ictus
A voz. A produção. As letras. Vivian tem 17 anos e já apresenta uma maturidade absurda. Mais do que isso, coloca sua música para conversar com os nossos trabalhos favorito

Brknks – “Morri de Raiva”
Na tradição do melhor da música alternativa dos anos 90, Brknks consegue que aquele velho som soe atual, feito para 2019. Seja nas letras bem sacadas, no tom, no clima, até quando quer soar tristinha.

Rakta – Falha Comum
Ter o trio reduzido a uma dupla parece que não afetou a ampliação dos horizontes da Rakta. Pelo contrário. Aqui elas vão mais longe na experimentação. Mais difícil de rotular do que nunca, uma viagem mais válida do que nunca.

Apeles – Crux
A experiência lá fora, na Alemanha e em Portugal, coloca o trabalho do Apeles em outro patamar. Lições para si e para a cena em uma mistura de folk, dream pop e experimentalismos.

Emicida – “AmarElo”
Emicida segue no trabalho de afirmar o rap como parte da música brasileira e não como acessório de luxo. Aqui a missão soa mais bem acabada do que nunca. Tem gente que vai falar que não é rap, mas é sim.

MC Tha – “Ritos de Passá”
Quem ainda tem dúvidas da importância do funk na música brasileira pode começar por aqui a desbravar o tamanho do gênero e suas possibilidades. MC Thá já rastreou o que fazer e como fazer isso muito bem.

Quem votou:

Isadora Almeida
10 – Bruna Mendez – Corpo Possível
9 – Papisa – Fenda
8 – Gumes – Adorei Você
7 – Brknks – “Morri de Raiva”
6 – Apeles – Crux
5 – O Terno –
4 – Raça – Saúde
3 – Ana Frango Elétrico – Little Electric Chicken Heart
2 – Boogarins – Sombrou Dúvida
1 – Terno Rei – Violeta

Lúcio Ribeiro
10 – Brknks – “Morri de Raiva”
9 – Papisa – Fenda
8 – Apeles – Crux
7 – Rakta – Falha Comum
6 – Supervão – Faz Party
5 – Ana Frango Elétrico – Little Electric Chicken Heart
4 – Boogarins – Sombrou Dúvida
3 – Terno Rei – Violeta
2 – Vivian Kuczynski – Ictus
1 – Black Alien – Abaixo de Zero: Hello Hell

Fernando Scoczynski Filho
5 – Ana Frango Elétrico – Little Electric Chicken Heart (6)
4 – Deafkids – Metaprogramação (7)
3 – Brvnks – Morri de Raiva (8)
2 – Rakta – Falha Comum (9)
1 – Boogarins – Sombrou Dúvida (10)

Vinicius Felix
10 – Nill – Lógos
9 – YMA – Par de Olhos
8 – Fresno – sua alegria foi cancelada
7 – Ana Frango Elétrico – Little Electric Chicken Heart
6 – Vivian Kuczynski – Ictus
5 – Black Alien – Abaixo de Zero: Hello Hell
4 – Djonga – Ladrão
3 – Nego Gallo – Veterano
2 – MC Tha – “Ritos de Passá”
1 – Emicida – “AmarElo”

>>