Em primavera pro:

CENA – Indie Brasil invade o festival espanhol Primavera Sound. Com Liniker, Tiê, FingerFingerrr e muito mais

>>

cena

100217_liniker_slider

Evento cada vez mais procurado pelos indies, o espanhol e lindo Primavera Sound anunciou as atrações de seu Primavera Pro, espécie de festival dentro do festival, com showcases que visam fomentar o intercâmbio cultural através da música, e que recebe bandas novas e emergentes de diferentes partes do mundo.

Como tem se tornado tradição nos últimos anos, o Brasil estará super bem representado e fará uma nova invasão indie em terras espanholas graças às mãos das atuantes armadas A Construtora e Balaclava.

Marcarão presença em Barcelona, entre os dias 31 de maio e 4 de junho, nomes como Aeromoças e Tenistas Russas, BIKE, FingerFingerrr, Liniker e os Caramelows (esses dois últimos com passagens recentes pelo South by Southwest), Marrakesh, Me & The Plant (preparando disco novo) e Tiê.

Ao todo, serão 29 atrações de 10 países diferentes neste lado tratado com tanta importância pelo evento quanto a curadoria de suas bandas em sua programação “de festival”.

* Confira, abaixo, a lista completa das atrações do Primavera Pro:
Adelaida (Chile)
Aeromoças e Tenistas Russas (Brazil)
BIKE (Brazil)

Billy Carter (South Korea)
De Mónaco (Chile)
DIEALRIGHT (South Korea)
Entropia (Poland)
FingerFingerrr (Brazil)
G-C (South Africa)
Hańba! (Poland)
JAAA! (Poland)
Leyya (Austria)
Lígula (Spain)
Liniker e os Caramelows (Brazil)
Marley BloO (South Africa)
Marrakesh (Brazil)
Me & The Plant (Brazil)

Meridian Response (Spain)
Miss Garrison (Chile)
no metal in this battle (Luxembourg)
PATiENTS (South Korea)
Persian Pelican (Italy)
Radio 123 (South Africa)
RBP (South Korea)
SHAO (China)
Sharman Den (Spain)
Shijo X (Italy)
Tiê (Brazil)
Wrongonyou (Italy)

280317_primaverapro2

>>

Indie brasileiro invade o Primavera Festival para tocar e falar

>>

* Popload em Barcelona.

* O texto abaixo foi publicado hoje na capa da Ilustrada, caderno cultural da Folha de S.Paulo. É replicado aqui, sem cortes e com foto e vídeo.

IMG_3082

A cena independente brasileira está em conexão direta com um dos principais festivais da Europa hoje, o espanhol Primavera Sound, um dos primeiros da temporada de verão do Hemisfério Norte, que a gente se deslocou até aqui em Barcelona para ver de perto.

O evento tem aberto cada vez mais espaço para bandas nacionais tocarem e para produtores trocarem experiências em palestras sobre o estado de coisas da música e de festivais no Brasil em particular e na América do Sul, em geral. Um garagem punk aqui e uma discussão sobre como ser herói no Brasil fazendo festival com o dólar deste tamanho. Um grupo de electro-rock quase pelado acolá e um papo sobre políticas públicas para a música no Brasil.

Os paulistanos Inky, Aldo The Band, O Terno (foto acima), o Quarto Negro e Nuven, projeto eletrônico de Gustavo Teixeira, mais o curitibano Water Rats, e o potiguar Mahmed, se apresentaram tanto no palco Nightpro, um local para ver e ouvir novíssimas tendências dentro do Primavera Festival, quanto nos shows de dia no suntuoso CCCB, o centro de cultura contemporânea de Barcelona.
Todas as bandas foram trazidas a Barcelona por instituições brasileiras que desenvolveram um rico intercâmbio com o Primavera, como os festivais Bananada (de Goiânia) e Do Sol (de Natal) e o selo de discos e produção de shows Balaclava, de São Paulo.

As performances do Inky, assim como a do Aldo The Band, atraíram um bom público no Primavera Sound, conquistado mais pela curiosidade e pelo desempenho inicial das bandas do que por saberem quem exatamente estava no palco naquela hora. No Aldo, que começou com poucas pessoas na plateia, acabou com muita gente formando uma verdadeira pista de dança em frente à banda, inclusive. Bandas de estilos bem diferentes como O Terno (rock sessentista, uma jovem guarda mais atualizada e pesada) no CCCB ou o paranaense Water Rats (garagem punk) tocando no último dia às 4h da manhã atraíram público considerável para vê-los.

O intercâmbio com um festival tão importante hoje para a música independente mundial (as atrações principais foram Radiohead, Brian Wilson, LCD Soundsystem) rendem várias aberturas para culturas indies “distantes” do eixo Europa-EUA, como a brasileira. O Aldo The Band, por exemplo, para aproveitar a vinda à Espanha, cavaram um show em Portugal e outro num festival de Liverpool, Inglaterra, a terra dos Beatles.

“A gente faz shows com o Primavera desde 2010 e começamos trazendo duas bandas do Brasil”, afirma Fabrício Nobre, produtor do festival goiano Bananada e um dos elos da ligação com o festival espanhol. “Hoje estamos ao todo trazendo sete. O interesse está naturalmente crescendo. O bacana é que fazemos uma pré-curadoria com umas 20 bandas para indicar aos espanhóis. Eles é que ouvem e decidem quem vem, quantos vêm. Quem sabe em 2017 venham mais.”

Na foto acima, o grupo paulistano Terno se apresentando no CCCB, em Barcelona. Na home da Popload, a banda Inky em performance no mesmo local.

Abaixo, o vídeo do Quarto Negro tocando no palco NightPro, dentro do Primavera Festival 2016.

** A Popload voa pela Europa a convite da KLM e Air France.

>>