Em raça:

TOP 50 DA CENA – Letrux “manobra” a CENA e vem para o topo. O encantador Mateus Aleluia chega para… encantar. No mais, temos Nuven, Ella, Perdido…

1 - cenatopo19

* Letrux fez a magia (bruxaria). Com a “desculpa” de lançar um vídeo, sacou a música “Vai Brotar” de seu belo disco deste ano, ali do meio de outras músicas legais, e botou ela numa evidência que, quando tirada do álbum para brilhar sozinha, fica gigante. E roubou o topo, que é só dela nesta semana.
E que coisa linda é a chegada à CENA de um disco novo do grande Mateus Aleluia, baiano 76 anos, dando umas lições de vida em forma de música?
E, como se não bastasse, nossas “dez +” da semana tem hip hop, dream pop, nova MPB, eletrônica. Pensa que playlist linda e representativa isso tudo forma.
É o estado de coisas da CENA brasileira, ali, documentada em canções.

3 - 960x960_letrux

1 – Letrux – “Vai Brotar” (Estreia)
A manutenção de um disco depende em parte de nós, em parte do artista. Letrux lança o vídeo de “Vai Brotar” e nos lembra do ótimo álbum que pegou a gente lá no começo do ano. E em particular, de uma música. E, mais particular ainda, desta letra. “Você ficou cínico com o tempo/ Eu fiquei muito mais espiritualizada/ Acreditando em carta, sonho e passe”. Só nós achamos que “Vai Brotar” tem uma vibe grandiosa meio Arcade Fire?
2 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (Estreia)
A beleza de um disco de Mateus Aleluia em 2020 é um presente que ilumina este ano esquisito. Aqui, na produção de Ronaldo Evangelista e com músicos da CENA por perto, como Thiago França, Sérgio Machado, entre outros, a conversa de Mateus se aproxima da nova geração, que já se ligou na importância dele e dos Tincoãs. “Amarelou” ainda conta com ele: João Donato.
3 – Thiago Nassif – “Voz Única Foto Sem Calcinha” (1)
Estamos de cara com esse disco que ainda reúne Negro Leo, Ana Frango Elétrico, Arto Lindsay, Vinicius Cantuária. Esta que escolhemos (poderiam ser outras) lembra os discos do Caetano com a banda Cê. Thiago parece pegar aquela vibe onde Caetano deixou e botou mais barulhinhos. E aproveitamos e matamos a saudade da voz da Ana Frango em uma inédita. Essa cena do Rio…
4 – Ovo ou Bicho – “Moços” (2)
Essa cena do Rio… parte 2. A conexão está escancarada. O Thiago Nassif é quem mixou esse som do ótimo quarteto do Rio, que chama a atenção em uma viagem que tem doses tropicais do Mutantes e um pique Doors na brisa que a música vira lá para o meio dela.
5 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (3)
Elza é sempre obrigatória. Em um acerto desses, então. A união dela com o rapper mineiro Flávio deu jogo. Uma pancada que sabe carregar versos delicados como “Todos os dias me levanto/Olho no espelho sempre me encanto/Com o meu cabelo e a cor da pele dos ancestrais”.
6 – Nuven (ft. Ale Sater), “Par de Ondas” (Estreia)
Tudo funciona de forma bonita aqui. Música, batidas, voz, vídeo, fotografia, letra, edição. A realidade sintética da música do Nuven e a realidade melancólica que sai da boca de Sater, da forma que sai, levam a uma pegada de autoconhecimento através da solidão.
7 – Ella from the Sea – “Side by Side” (Estreia)
Single que puxa o EP dessa cantora paulistana que usa a música como terapia para a alma. Algumas soluções ela também encontra no tarot. O nõo se chama “Moon” à toa. A vibe aqui é “Grimes vai para os ano 80 e entra para o Cocteau Twins”. Atmosfera é tão densa que dá para cortá-la com uma faca.
8 – Pedro Pastoriz – “Dolores” (Estreia)
“Dolores” é a faixa de abertura do álbum solo de Pedro, que faz a voz, o banjo e o violão na conhecida banda indie-bluegrass Mustache & Os Apaches. Aqui estamos em seu terceiro álbum solo, “Pingue-Pongue com o Abismo”. O nome pode assustar, mas vale escutar.
9 – Marcelo Perdido – “Bastante” (Estreia)
O disco curto de Marcelo, que saiu por um certo selo CENA, nos capturou, lógico. A cinematográfica e também breve “Bastante” é nosso destaque da vez. Um disco de se ouvir em um gole só este, mas não de se beber só uma vez.
10 – Yannick Hara (ft Big the Kiid e Asaph) – “Vida Offline” (Estreia)
Yannick escreveu aqui quase todos os dramas de uma geração angustiada e online. Algumas músicas vêm em camadas. Esta não: é na lata.
11 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (4)
12 – Hellbenders – “Pra Entreter” (5)
13 – Autoramas – “Boneco” (6)
14 – Jup do Bairro – Pelo Amor de Deize (7)
15 – Rincon Sapiência – “Malícia” (8)
16 – Raça – “Domingo” (9)
17 – Ana Frango Elétrico – “Caspa” (10)
18 – CESRV – ” Mix It Up” (11)
19 – Tuyo – “Sem Mentir” (12)
20 – Francisco – “Vitória-Rege” (13)
21 – Nevilton – “Irradiar” (14)
22 – Gustavo Bertoni – “Sit Down, Let’s Talk” (15)
23 – Wado – “Arcos” (16)
24 – Amen Jr. – “Ladeira Abaixo” (17)
25 – Vella – “Delírio Besta” (18)
26 – Karol Conka – “Tempos Insanos” (20)
27 – Jadsa – “Quietacalada” (21)
28 – Hiran – “Gosto de Quero Mais” (22)
29 – Giovanna Moraes – “Sai por Inteira” (23)
30 – ATR e Luedji Luna – “Batom” (26)
31 – JP – “Chorei Dendê” (27)
32 – Rohmanelli – “Do Jeito Que o Mundo Está” (29)
33 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” – (31)
34 – Duda Brack – “Contragolpe” (32)
35 – Compositor Fantasma – “Não Sabendo Que Era Impossível” (33)
36 – Don L – “Kelefeeling” (34)
37 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (35)
38 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (36)
39 – ÀIYÉ – “Pulmão” (38)
40 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (39)
41 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (40)
42 – Edgar – “Carro de Boy” (41)
43 – Douglas Germano – “Valhacouto” (42)
44 – Kiko Dinucci – “Veneno” (43)
45 – Jhony MC – F.A.B. (44)
46 – Cícero – “Às Luzes” (45)
47 – Djonga – “Procuro Alguém (46)
48 – Vovô Bebê – “Êxodo” (48)
49 – Troá! – “Bicho” (49)
50 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, a cantora carioca Letrux, a primeira a repetir o cartaz desta seção com foto diferente.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

TOP 50 DA CENA – Thiago Nassif agarra o topo e não larga. Nas dez primeiras entram rap-funk, hard rock e punk. E a psicodélica Ovo ou Bicho

1 - cenatopo19

* O Rio de Janeiro dá aquele abraço no Top 50 nesta semana, cravando nomes de sua CENA por todo lugar do nosso ranking principal. A começar pelo topo. Thiago Nassif, Ovo ou Bicho, Negro Leo. Não estamos nem considerando a Elza, carioca, mas já um patrimônio nacional muito além da CENA do Rio.
Hard rock e punk entram lindos na nossa “dez mais” com petardos ótimos de Hellbenders e Autoramas, respectivamente. Jup do Bairro continua ali, divina e roqueira. Rincon Sapiência chega chegando com um quase-funk malicioso.
A banda paulistana Raça e a …carioca… Ana Frango Elétrico chegam com músicas de 2019, mas vídeos novos incríveis que as recolocam para tocar.
Que CENA!!!

3 - PHOTO-2020-07-29-09-50-32

1 – Thiago Nassif – “Voz Única Foto Sem Calcinha” (2)
Thiago Nassif chega ao primeiro lugar. Estamos de cara com esse disco que ainda reúne Negro Leo, Ana Frango Elétrico, Arto Lindsay, Vinicius Cantuária. Esta que escolhemos (poderiam ser outras) lembra os discos do Caetano com a banda Cê. Thiago parece pegar aquela vibe onde Caetano deixou e botou mais barulhinhos. E aproveitamos e matamos a saudade da voz da Ana Frango em uma inédita. Essa cena do Rio…
2 – Ovo ou Bicho – “Moços” (Estreia)
Essa cena do Rio… parte 2. A conexão está escancarada. O Thiago que está no primeiro lugar é quem mixou esse som do ótimo quarteto do Rio, que chama a atenção em uma viagem que tem doses tropicais do Mutantes e um pique Doors na brisa que a música vira lá para o meio dela.
3 – Elza Soares e Flávio Renegado – “Negão Negra” (Estreia)
Elza é sempre obrigatória. Em um acerto desses, então. A união dela com o rapper mineiro Flávio deu jogo. Uma pancada que sabe carregar versos delicados como “Todos os dias me levanto/Olho no espelho sempre me encanto/Com o meu cabelo e a cor da pele dos ancestrais”.
4 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (1)
Destacar uma música do novo álbum do Negro Leo é só uma formalidade para avisar: ouça este disco todo. Uma obra experimental que versa sobre o lacre, uma espécie de praga dos nossos tempos com enormes consequências políticas, sociais, sentimentais. Como essa forma de lidarmos com nós mesmos e com o mundo tem sentido em meio às coisas mais zoadas que estão por aí? E achamos um barato que as músicas mais pop do disco são as instrumentais… Não que isso signifique algo – ou será que significa? Essa cena do Rio… parte 3.
5 – Hellbenders – “Pra Entreter” (Estreia)
A fase em português do Hellbenders já caiu no nosso gosto. E amamos a provocação lançada em “Pra Entreter”, que, além de mirar em possíveis críticos da nova etapa da banda, bate em um certo consumo de música. Esse que encara o som só como trilha sonora e não obras que contam história ou que mereçam mais atenção. Musicaça por onde se olhe. Inclusive no vídeo.
6 – Autoramas – “Boneco” (Estreia)
O som puxa um EP da banda a ser lançado em setembro em vinil pela gravadora espanhola Family Spree Recordings. “Boneco” é originalmente da Detrito Federal, marcante banda punk dos anos 80 da Brasília de Gabriel Thomaz. O “intercâmbio sonoro” veio depois que o vocalista Alex Podrão, do Detrito, cantou em show do Autoramas em Brasília no ano passado. Presenteados com a canção, o Autoramas souber aproveitar o brinquedo novo. Climão punk delícia.
7 – Jup do Bairro – Pelo Amor de Deize (3)
Aí vem a Jup e joga a CENA para o alto. Esta roqueira parceria de Jup do Bairro e Deize Tigrona, que descobrimos ser (também) uma grande roqueira, estremece. Além da pancada sonora, ela pega firme em mostrar a profunda amizade de Jup e Deize, que ultrapassa os momentos complicados, como o da depressão de Deize. Ou da propria Jup. Vai, levanta!
8 – Rincon Sapiência – “Malícia” (Estreia)
Em um som pra cima, Rincon não deixa de refletir sobre o ódio que o racismo produz. Malícia tem aproveitado aqui seu duplo sentido – a intenção ruim de algo ou alguém ou a maneira sagaz de lidar com um entrave. A malícia no som e na dança é um jeito de encarar um mundo que odeia sem razão tantas pessoas.
9 – Raça – “Domingo” (Estreia)
Som de 2019 que lança clipe em 2020 sempre tem vez por aqui. Se for bom, claro. É o caso de “Domingo” do Raça. Um vídeo que pode dar um certo gatilho se você está em casa há alguns meses.
10 – Ana Frango Elétrico – “Caspa” (Estreia)
Outro som de 2019. Um lyric video que apresenta uma versão de meia hora da música em questão? Só com Ana Frango Elétrico uma ideia dessa ia funcionar. E funciona brilhantemente aqui em “Caspa”, uma música que pedia essa versão ampliada, digamos.
11 – CESRV – ” Mix It Up”
12 – Tuyo – “Sem Mentir” (4)
13 – Francisco – “Vitória-Rege” (5)
14 – Nevilton – “Irradiar” (6)
15 – Gustavo Bertoni – “Sit Down, Let’s Talk” (7)
16 – Wado – “Arcos” (8)
17 – Amen Jr. – “Ladeira Abaixo” (9)
18 – Vella – “Delírio Besta” (10)
19 – Jay Horsth – “Você” (11)
20 – Karol Conka – “Tempos Insanos” (12)
21 – Jadsa – “Quietacalada” (13)
22 – Hiran – “Gosto de Quero Mais” (14)
23 – Giovanna Moraes – “Sai por Inteira” (16)
24 – 1LUM3 – “Extremo” (18)
25 – The Baggios – “Quareterna Serigy” (19)
26 – ATR e Luedji Luna – “Batom” (20)
27 – JP – “Chorei Dendê” (21)
28 – Nelson D. – “A Grande Revolta” (23)
29 – Rohmanelli – “Do Jeito Que o Mundo Está” (26)
30 – Marcelo Perdido – “Não Tô Aqui pra Te Influenciar” (27)
31 – Kunumí MC – “Xondaro Ka’aguy Reguá (Guerreiro da Floresta)” – (28)
32 – Duda Brack – “Contragolpe” (29)
33 – Compositor Fantasma – “Não Sabendo Que Era Impossível” (30)
34 – Don L – “Kelefeeling” (31)
35 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (32)
36 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (34)
37 – Giovani Cidreira, Mahal Pita – “Mago de Mim Mesmo” (35)
38 – ÀIYÉ – “Pulmão” (36)
39 – Os Amanticidas – “Paisagem Apagada” (37)
40 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (38)
41 – Edgar – “Carro de Boy” (39)
42 – Douglas Germano – “Valhacouto” (40)
43 – Kiko Dinucci – “Veneno” (42)
44 – Jhony MC – F.A.B. (44)
45 – Cícero – “Às Luzes” (45)
46 – Djonga – “Procuro Alguém (47)
47 – Letrux – “Déjà-Vu Revival” (48)
48 – Vovô Bebê – “Êxodo” (49)
49 – Troá! – “Bicho” (50)
50 – Febem, Fleezus e CESRV – “Terceiro Mundo” (45)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o cantor e guitarrista Gabriel Thomaz, do Autoramas.
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix, talvez o maior estudioso da nossa CENA. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>

CENA – Clube da luta indie. Banda Raça sai na porrada em seu novo vídeo

>>

cena

raça-clipe-56

* A banda paulistana Raça, que no ano passado soltou o bem interessante “Saboroso”, seu segundo disco, ainda mais saboroso por fazer parte do cast do selo Freak, arrancou do álbum a faixa “Levado” para transformar num vídeo, digamos, violento. Ambientado em sala de aula (na verdade filmado nas dependências da Trackers, é talvez a representação do bulling que descamba para as vias de fato.

“Levado” é provavelmente a música que eu mais goste de “Saboroso”. Acho engraçado que sempre me dá a impressão que a imposição vocal do Raça não cabe dentro da musicalidade da banda. Parece uma voz deslocada do som. É sempre um desconforto bom, pelo lado da estranheza, começar a ouvir uma canção do Raça. Só que, no fim dela, você já acha que música, voz, tema das letras, tudo faz o maior sentido do mundo.

raça-clipe-60

O uniforme que a galera usou nesse vídeo, a camiseta e o short, virou merchandise oficial da banda, a ser vendido nos shows. Talvez venha com sangue junto. Talvez.

As fotos espalhadas por este post e a que está na home da Popload, destacando o vídeo, é de Anna Mascarenhas, que tem trabalhos publicados por “Dazed” e “Noisey”.

raça-clipe-27

O Raça está alinhavando shows em São Paulo em março. Antes, no comecinho do mês, dia 3 mais precisamente, o quarteto (quinteto?) toca em Vila Isabel, no Rio de Janeiro, no Swing Cobra, estúdio-espaço de shows ligado à banda Ventre que está botando para borbulhar o indie carioca.

Aqui, o vídeo pancadaria indie de “Levado”.

raça-clipe-80

>>

CENA – Indies no rolê. Ao vivo com Boogarins, Carne Doce, Papisa, Raça, FingerFingerrr

>>

cena

Captura de Tela 2017-01-31 às 5.44.54 PM

* Fim de semana para lá de movimentado na cena independente. Relatos do show conjunto dos grupos goianos Boogarins (foto) e Carne Doce no sempre lendário Circo Voador, no Rio de Janeiro, sábado, dão conta de que a parada foi séria e não menos que épica. A invasão goiana à Lapa carioca levou um mundaréu de gente para testemunhar duas das melhores bandas ao vivo do país, cada uma em sua pegada. Em São Paulo rolou a quarta edição do festival Música Cerebral, que em três dias juntou bandas legais do naipe de Autoramas (RJ), FingerFingerrr (SP, Bike (SP), Brvnks (GO), Raça (SP) e Lumen Craft (SP), sempre em dobradinhas de shows. Ainda em SP, no domingo, um sensacional novo espaço para shows pequenos apareceu na Pompéia, perto do Palmeiras (cóf). A articulada Filipa Andreia, do projeto ultrafeminino WE ARE NOT WITH THE BAND (porque, afinal, a mulherada cada vez mais É A BANDA), abriu sua casa na Zona Oeste paulistana para ocasionalmente virar um lugar para shows, brechós e tatuagens. No caso dos shows, abriu sua garagem, literalmente. E lá, entre outras atrações, rolou no domingo passado uma apresentação pocket da Papisa, de Rita Oliva, e um show solo da cantora do Brvnks, Bruna Guimarães. Teve ainda Filipe Alvim e Alambradas na mesma programação.

Abaixo, a gente vê um pouco dessa movimentação toda de um fim de semana besta qualquer na fervente cena indie nacional.

** Um PS sobre o FingerFingerrr. O duo teve ontem uma música tocada no importante programa “El Sonido”, da mais que importante KEXP, de Seattle, uma das rádios mais legais do planeta. O El Sonido joga seu foco para cima da mais relevante produção musical da América do Sul e Central e pode abrir caminhos para bandas dentro da KEXP mesmo, de Seattle, da música americana em geral. O que rolou na KEXP foi “Eu Só Ganho”, faixa do álbum de estreia do duo garageiro punk de SP, lançado no ano passado.

FingerFingerrr_KEXP_El_Sonido

** PS2: dentro da programação indie-dominical da Garagem da Filipa, como já dito, teve show solo da “havaiana” Bruna Guimarães, cantora e guitarrista da boa banda goiana Brvnks. Bruna, ou Brvnks, atuou sozinha, porque no lugar não cabia a banda inteira. Mas temos uma foto algo interessante do começo do show de Bruna, com ela tocando e seus parceiros na porta, acompanhando.

IMG_0061

** A foto do Boogarins que abre este post mais a imagem da Salma Jô, do Carne Doce, que está na home da Popload são do Mídia Ninja.

>>

CENA: Carne Doce, de Goiânia, encabeça dois festivais indies em SP

>>

cena

* Destaque da mais que destacada cena goiana de bandas independentes e num atual gás de shows por causa do lançamento recente de seu belo segundo disco, “Princesa”, o Carne Doce vai protagonizar dois festivais em São Paulo, foi anunciado nesta semana.

salma

* FESTIVAL CRIA – Festival anunciado já para o dia 9 de outubro, na Casa das Caldeiras, produzido pelo núcleo de agitadores e bandas e selo e coletivo Freak. Vai ter shows, DJs, feira gastronômica, filmes, mercado de arte e moda, exposições, palestras e lançamento de revista.

O CRIA vai acontecer das 15h às 22h. O evento, no Facebook, está aqui.

Além do Carne Doce, vão se apresentar as bandas Strobo (Pará), FingerFingerrr, Cupin, Raça e Monza.

* SECRET FESTIVAL – Acontecendo em São Paulo e Curitiba, o festival que ainda não divulgou seu local (secret!) soltou suas duas atrações, para o evento, e firmou novembro como data de sua realização. A produção do Secret apenas afirma que o evento vai rolar em um casarão da década de 30 com capacidade para duas mil pessoas.

O quinteto Carne Doce mais a carioca Mahmundi se apresentam pelo festival no dia 6/11. Em Curitiba, a edição-extra é antes, no dia 4/11, e só Mahmundi está confirmada na escalação. Nas duas cidades, o evento terá seis atrações cada. O local, só com apenas 48 horas de antecedências do festival.

O Secret é inspirado no Sofar Sounds, uma política de encontros musicais em shows íntimos. O festival, que acontece desde 2012, já teve como sedes o Centro Cultural Rio Verde, a Red Bull Station e o Estúdio Trama, respectivamente. Inky, Tiê e O Terno já se apresentaram no Secret.

O ingresso do Secret Festival, em seu primeiro lote, sai por R$ 70 e pode ser comprado no site do evento.

*** A foto que abre este post e a da home, da Salma Jô (Carne Doce) atuando, foram tiradas do Instagram da banda.

>>