Em radiohead:

Generalidades: Thom Yorke fala do seu problema com o sucesso, da morte da ex-esposa, e cita as músicas que levaria para uma ilha deserta

>>

240919_thomyorke2

O gênio Thom Yorke foi o convidado do mais recente episódio do Desert Island Discs, da BBC Radio 4, que consiste especialmente em depoimentos nos quais os participantes escolhem 8 músicas, um livro e um item “luxuoso” para levar para uma ilha deserta. No meio disso, eles também falam sobre generalidades.

Thom, por exemplo, falou que se tornou uma pessoa extremamente irritada a partir do sucesso do Radiohead ainda nos anos 90. “Comecei a me tornar um cara controlador e não me importante com o que eu dizia ou a quem eu magoava. Anos depois, conversei com a banda e pedi desculpas. Quando começamos a gravar o OK Computer, as portas se abriram e passamos bons momentos gravando o disco”.

Ele contou que quem o ajudou neste processo foi Michael Stipe, líder do REM. “Ele me ajudou quando as coisas ficaram loucas. As pessoas falavam comigo como se eu fosse Jesus”.

Outro tema delicado abordado pelo vocalista do Radiohead foi a morte de sua ex-esposa, Rachel Owen, vítima de câncer, e de como isso impactou na vida dos filhos Noah e Agnes. “Eu não posso ser a mãe deles, mas estamos bem. Estou muito orgulhoso de ambos. Até me surpreende, não consigo acreditar que têm algo a ver comigo. Eles são excelentes pessoas. Quando a mãe deles morreu, foi um período muito difícil e passamos por muita coisa. Ela sofreu muito e espero que tenhamos saído disso bem, espero que esteja acontecendo isso”.

Sobre os itens que levaria para uma ilha deserta, Yorke escolheu as seguintes canções: “Born Under Punches” (Talking Heads), “After the Goldrush” (Neil Young), “Lilac Wine” (Nina Simone), “Talk About The Passion (REM), “It’s Raining Today” (Scott Walker), “Freeman Hardy & Willis Acid” (Squarepusher/AFX), “5. Le Jardin Féerique” (Labeque Sisters) e “Blue Horizon” (Sidney Bechet).

Yorke ainda escolheu o livro “Zen Mind, Beginner’s Mind” de Shunryu Suzuki e um gravador portátil como seu item de luxo para levar para a ilha.

Para ouvir a íntegra do programa, basta clicar aqui.

>>

ANIMA! Thom Yorke lança novo álbum solo e até curta-metragem no Netflix

>>

270619_thomyorke_2

Já está entre nós desde as primeiras horas desta quarta-feira “ANIMA”, novo disco solo de Mr. Thom Yorke, o primeiro solo dele em cinco anos.

O projeto é resultado, mais uma vez, da parceria do líder do Radiohead com o produtor e seu braço direito Nigel Godrich. Junto com as 9 canções inéditas lançadas nas principais plataformas de streaming, Thom também lançou um curta-metragem de mesmo nome no Netflix. O filme, rodado em Praga e Les Baux-de-Provence, tem direção de Paul Thomas Anderson e conta com faixas do novo disco.

O último álbum solo de Yorke era, até então, “Tomorrow’s Modern Boxes”. Neste novo álbum tem a canção “Dawn Chorus”, nome familiar para os fãs de Radiohead, já que apareceu na época do disco “A Moon Shaped Pool”.




>>

Alô? Thom Yorke dá pistas sobre nova música através de ligação telefônica misteriosa

>>

111018_thom2

Do jeito que ele gosta, Thom Yorke está nos avisando que vem com novidades por aí. A espera por um terceiro disco solo do líder do Radiohead, parece, está próxima de terminar.

Thom botou uma música inédita, “Not The News”, para rodar ao final de uma ligação telefônica misteriosa. O número inglês – 07588 733 111 – apareceu em uma publicidade nas estações de metrô e cabines telefônicas de Milão, e em um anúncio no jornal norte-americano Dallas Observer.

Na peça em Milão, o número vem acompanhado de uma frase: “Você tem problemas ao lembrar de seus sonhos?”. Quando se liga no número, pertencente à “Anima Technologies”, há logo um aivso: “esta empresa foi forçada a abandonar o produto que vinha divulgando”. Em seguida, entra a música, que vem sendo mostrada por Thom em seus shows desde o ano passado.

>>

#VazaJatoIndie – Radiohead diz que sessões do “OK Computer” foram hackeadas e disponibiliza material de forma oficial e gratuita por 18 dias

>>

030118_thom2

Semana passada, o mundo da música ficou em choque com o vazamento de 18 horas de gravações até então privadas do discão “OK Computer”, um dos mais definitivos do rock nos últimos tempos.

Espalhadas em 18 mini-discos, as gravações incluem trechos não-finalizados, versões demo, versões descartadas, sons ao vivo, outros incompreensíveis.

Uma semana depois da notícia, mesmo com a “promessa” de fãs em não “passar pra frente” o material, o Radiohead se pronunciou através de Jonny Greenwood, que disse que a banda foi hackeada. “Alguém roubou o ‘minidisc’ de arquivo do Thom do tempo do álbum ‘OK Computer’ e alegadamente exige 150 mil dólares ou ameaça divulgá-lo”, disse o guitarrista.

Diante da crise, o Radiohead resolveu disponibilizar a íntegra do material de forma oficial e gratuita por 18 dias em sua conta no Bandcamp. Os registros datam de 1995 a 1998. A partir de 11 de julho, as 18 horas de gravações serão vendidas pelo preço simbólico de 18 libras, com toda a renda revertida para o sociopolítico Extinction Rebellion.

A nota de Jonny e as gravações gratuitas – por 18 dias – estão disponibilizadas abaixo.

>>

OK, internet… Vazam mais de 18 horas de gravações das sessions de “OK Computer”, do Radiohead

>>

* BOOOOOOOOOOOOOOM!!!

100717_radiohead2

Provavelmente nem o fã mais otimista do Radiohead esperaria por essa. Cerca de 18 horas de gravações de sessions do discaço “OK Computer” foram parar na internet. A origem? Não se sabe. Mas é material para ficar esmiuçando por semanas.

Espalhadas em 18 mini-discos, as gravações incluem trechos não-finalizados, versões demo, versões descartadas, sons ao vivo, outros incompreensíveis.

Entre os registros estão, por exemplo, versões prematuras de faixas como “Paranoid Android”, “Let Down” e “Palo Alto”, além de versões de passagem de som de “No Surprises” e até session ao vivo de “Motion Picture Soundtrack”.

Fãs da banda inglesa têm discutido sobre o material e criaram até um documento online separando e avaliando o grau de raridade/importância de cada gravação. No entanto, o combinado é de “não passar para frente” os arquivos.

Aqui, a lista completa dos arquivos, organizadas pelos fãs do Radiohead no Reddit.

>>