Em radiohead:

Thom Yorke remixado. Quem curte?

>>

* A gente, claro.

111018_thom2

O genial Thom Yorke é desses sujeitos que não conseguem ficar em casa coçando. Com as férias do Radiohead, ele acelerou em sua carreira solo e lançou ano passado o projeto ANIMA. E dele serão lançadas duas remixes.

Construídas pelo do techno britânico Overmono, dos irmãos Tom e Ed Russell, as novas versões são para a faixa “Not the News”, carro-chefe do último trabalho solo de Yorke.

As faixas serão lançadas oficialmente no dia 7 de fevereiro com direito a edição especial em vinil de 12″. A “Remix 1” foi liberada e pode ser conferida abaixo.

>>

De novo a maravilhosa Biblioteca Pública do Radiohead. E mais dicas de tesouros escondidos nela

>>

* Novo brinquedo favorito dos indies, a monumental “Radiohead Public Library”, ou a Biblioteca do Radiohead, foi lançada ontem e chapou a internet musical. Tem TUDO do Radiohead ali, de shows completos a camisetas de turnê. Os singles, lados B, arte, fotos, vídeos, um mundo Radiohead.

Captura de Tela 2020-01-21 às 2.15.52 PM

Ontem selecionamos quatro highlights para você perder hora na companhia do Thom Yorke, incluindo o show de SP de 2009, o do Bonnaroo Festival de 2006, o polêmico em Israel de 2017 e um famoso de Nova York na época do “OK Computer”, dos anos 90.

Mas a gente fuçou mais (continuamos fuçando) e queremos compartilhar aqui com você mais SEIS dicas de tesouros que tem essa deliciosa “Radiohead Public Library”. A ver:

1. “There There”

O vídeo é antigo, do disco “Hail to the Thief” (2003), mas estava disponível numa qualidade horrível no YouTube. Agora surge em alta definição, mais bonito que nunca. E continua sendo um dos melhores vídeos do Radiohead.

https://radiohead.com/library/#httt/there-there/1:55

2. “Kid A” blips
Uma série de curtos vídeos promocionais para o disco “Kid A”, o quarto da banda, de 2000. Seguem o estilo de arte incomum (às vezes bizarro) que acompanhava o Radiohead na época, com trechos de faixas. São praticamente stories promocionais do Instagram, só que uns 15 anos antes de isso existir.

https://radiohead.com/library/#kida/blips/0:5

3. “Live from Dublin, 2000” (Kid A)
Falando em Kid A, esse show da época tem um estilo visual único, filmado com câmeras estáticas posicionadas no palco. Tem cara de vídeo clandestino, feito com câmeras escondidas. A MTV brasileira exibiu este vídeo algumas vezes, se lembramos bem.

https://radiohead.com/library/#kida/2000-10-07-live-from-a-tent-in-dublin

4. “Live at the Astoria” (1994)
A Library não se sustenta apenas com material inédito – também tem coisa que está disponível comercialmente. Aí encontramos “Live at the Astoria”, show gravado antes do lançamento de “The Bends”, primeiro grande (popular?) disco da banda, mas já contendo muitas músicas do mesmo. Para quem tem alguma saudade de músicas do début “Pablo Honey” ao vivo, também vale a pena.

https://radiohead.com/library/#bends/1994-05-27-live-at-the-astoria

5. “Meeting People Is Easy” (1998)
Outro DVD que pode ser comprado, mas aqui aparece de forma gratuita. É um documentário que mostra o grupo em turnê com “OK Computer”, e o quão terrivelmente deprimidos estavam na época. Vale uma olhada.

https://radiohead.com/library/#okc/meeting-people-is-easy

6. “Polyfauna 2”
Por último, um app. É uma experiência interativa feita à época do lançamento de “The King of Limbs”, mas que tinha ficado inutilizável após atualizações de sistema da Apple. Agora, o app foi adaptado para funcionar em sistemas modernos, e continua interessante.

https://apps.apple.com/br/app/polyfauna-2/id793263070

>>

Lá vem eles!! Radiohead libera sua completíssima biblioteca online. Tem, entre muuuuitas coisas, o show de 2009 em São Paulo completinho

>>

* De uns anos para cá, o Radiohead tem dado bons exemplos de como se esforçar para agradar seu público. É só se lembrar de quando o grupo inglês ofereceu vários de seus shows completos no YouTube ou liberando horas de demos do disco “OK Computer” que supostamente foram roubadas num ataque de hacker. É o tipo de serviço que normalmente fica delegado aos superfãs de uma banda, disponibilizando conteúdo até que seja tirado do ar por algum detentor de direitos.

Com o Radiohead não é bem assim. E hoje a banda de Thom Yorke fez mais uma coisa que nos faz desejar que todo grande nome da música copiasse o Radiohead um pouco mais.

Captura de Tela 2020-01-20 às 11.37.05 AM

Foi colocado online o monumental site “Radiohead Public Library”, que tem praticamente TUDO o que você quiser sobre a banda, meticulosamente organizado. O conteúdo está dividido por eras relacionadas a cada álbum da banda. E contém coisas tipo: o disco em si, seus singles e lados B, arte, textos, fotos, merchandise clipes, e shows completos. É muita coisa para absorver de uma vez só, mas temos algumas dicas de por onde começar.

* Primeiramente, o histórico show do Radiohead em São Paulo, de 22 de março de 2009 (o Radiohead botou 2008 na Library), disponibilizado na íntegra, com filmagem profissional, e pela primeira vez. Não tem o logo da emissora que exibiu o show por aqui, mas também não é a versão em HD (infelizmente).

* Segundo, talvez o santo graal do Radiohead, também da fase “In Rainbows”: o show deles no festival Bonnaroo, em 2006, anterior ao lançamento do disco em si. Esse concerto é gigante (28 músicas, 2h30) e já havia aparecido algumas vezes como um bootleg em áudio e de uma filmagem da plateia. Thom Yorke mencionou que planejavam lançar de maneira oficial. Agora, finalmente está disponível, completo, em vídeo profissional.

* Terceiro, o polêmico show realizado em Tel Aviv, em 2017. Também longo. Também disponibilizado pela primeira vez (acreditamos).

E, quarta e última dica, a banda em performance em New York, na fase OK Computer (1997), provavelmente a favorita de muitos fãs.

Há muito o que escavar nesta nova ação do Radiohead. É ou não é uma banda admirável e à frente no tempo?

>>

Ed O’Brien, do Radiohead, declara amor ao Brasil com seu novo single chamado… “Brasil”. Com “S” mesmo

>>

051219_ed2

Enquanto o Radiohead curte mais um período de longas férias, seus integrantes seguem tocando seus chamados projetos paralelos.

Depois de Thom Yorke soltar o disco “ANIMA”, em julho, e Jonny Greenwood partir para uma vibe de música clássica, o guitarrista Ed O’Brien enfim vai lançar seu primeiro disco solo, que já vem sendo trabalhado há um bom tempo, mais precisamente desde 2012, quando Ed veio para o Brasil morar com sua família.

E é justamente essa inspiração vinda de nossas terras verdes e amarelas que está refletida na faixa… “Brasil”. A canção dura quase 9 minutos e tem Ed cantando.

Há alguns anos, Ed falou de sua relação de amor com o país, que com certeza ajudou a culminar na faixa. “Tivemos uma experiência verdadeiramente profunda vivendo naquele país extraordinário. Fizemos novas conexões com pessoas e lugares. E acabamos indo ao Carnaval no Rio em 2013. Verdadeiramente o maior show na Terra. Uma explosão de luz, melodia, ritmo e amor”.

Ed adotou a nomenclatura EOB nesta nova fase e reuniu um time de músicos de respeito no projeto, entre eles Laura Marling, Glenn Kotche (Wilco), Adrian Utley (Portishead) e Colin Greenwood (Radiohead).

Sua banda de turnê terá integrantes como o baterista Omar Hakim (David Bowie) e ainda a dupla Dave Okumu (guitarrista) e Nathan East (baixista), do The Invisible.

“Brasil” pode ser ouvido abaixo.

>>

Generalidades: Thom Yorke fala do seu problema com o sucesso, da morte da ex-esposa, e cita as músicas que levaria para uma ilha deserta

>>

240919_thomyorke2

O gênio Thom Yorke foi o convidado do mais recente episódio do Desert Island Discs, da BBC Radio 4, que consiste especialmente em depoimentos nos quais os participantes escolhem 8 músicas, um livro e um item “luxuoso” para levar para uma ilha deserta. No meio disso, eles também falam sobre generalidades.

Thom, por exemplo, falou que se tornou uma pessoa extremamente irritada a partir do sucesso do Radiohead ainda nos anos 90. “Comecei a me tornar um cara controlador e não me importante com o que eu dizia ou a quem eu magoava. Anos depois, conversei com a banda e pedi desculpas. Quando começamos a gravar o OK Computer, as portas se abriram e passamos bons momentos gravando o disco”.

Ele contou que quem o ajudou neste processo foi Michael Stipe, líder do REM. “Ele me ajudou quando as coisas ficaram loucas. As pessoas falavam comigo como se eu fosse Jesus”.

Outro tema delicado abordado pelo vocalista do Radiohead foi a morte de sua ex-esposa, Rachel Owen, vítima de câncer, e de como isso impactou na vida dos filhos Noah e Agnes. “Eu não posso ser a mãe deles, mas estamos bem. Estou muito orgulhoso de ambos. Até me surpreende, não consigo acreditar que têm algo a ver comigo. Eles são excelentes pessoas. Quando a mãe deles morreu, foi um período muito difícil e passamos por muita coisa. Ela sofreu muito e espero que tenhamos saído disso bem, espero que esteja acontecendo isso”.

Sobre os itens que levaria para uma ilha deserta, Yorke escolheu as seguintes canções: “Born Under Punches” (Talking Heads), “After the Goldrush” (Neil Young), “Lilac Wine” (Nina Simone), “Talk About The Passion (REM), “It’s Raining Today” (Scott Walker), “Freeman Hardy & Willis Acid” (Squarepusher/AFX), “5. Le Jardin Féerique” (Labeque Sisters) e “Blue Horizon” (Sidney Bechet).

Yorke ainda escolheu o livro “Zen Mind, Beginner’s Mind” de Shunryu Suzuki e um gravador portátil como seu item de luxo para levar para a ilha.

Para ouvir a íntegra do programa, basta clicar aqui.

>>