Em REM:

No Instagram, uma historinha do REM sobre um certo vídeo de 1986. Ganhamos a semana

>>

* Michael Stipe apareceu, do nada, para lembrar na conta do Instagram de sua ex-banda, a fantástica REM, o vídeo de “Fall on Me”, uma das históricas músicas do grupo de Athens, Georgia.

Do nada, não! O vídeo de “Fall on Me” foi filmado em 11 de agosto de 1986, portanto um aniversário de 34 anos, de uma música que enfiou de vez o grupo na goela da MTV americana e teve mais atenção ainda das rádios alternativas dos EUA.

Do nada, em termos. “Fall on Me” faz parte do quarto disco do REM, “Lifes Rich Pageant”, que fez seu aniversário de 34 anos agora no final de julho.

Stipe, que tinha 26 anos à epoca, lembra que o vídeo foi filmado numa pedreira nos arredores de Bloomington, Indiana. Fala do processo de edição, das pontuações da letra. De que estava vivendo um tórrido romance e que a pedreira testemunhou isso. Falou da qualidade experimental e radical do vídeo, comparado aos outros da banda. E que quando ele e o namorado foram embora de Bloomington ele comprou um táxi amarelo e o dirigiu até Athens. Brinca (ou não) que o táxi acabou atingido por um raio com ele dentro, depois. Entendedores entenderão.

Mas, historinha à parte, foi bom para lembrarmos REM, “Fall on Me” e o vídeo.

Ver essa foto no Instagram

FALL ON ME i shot the video for ‘fall on me’ at an abandoned quarry outside bloomington, indiana. it was a single roll of film that, after processing, i turned upside-down and then had the lyric subtitled over the image. i removed 2 or 3 seconds of the film to match the length of the song, otherwise it is intact and unedited, as it was shot in camera, a technique i learned from james herbert. there is a misspelling in the lyric— see if you can find it. i am usually a very good speller, but this was an exception to that rule. i was also never good with punctuation, as seen here, and in the title of the album this song features on. i was 26 years old, having a torrid love affair and the quarry was a key background to this tryst (we are still in touch). 'fall on me' was about to catapult r.e.m. into a new light amongst fans, radio programmers, and mtv. it was experimental and radical, certainly compared to whatever other videos were out there at that time, but mtv played it all the same. when we left bloomington, i bought a yellow taxi and drove it to athens, georgia. it was later struck by lightning with me in it. —michael HQ note: the 7" & 12" single for "Fall On Me" was released on August 11, 1986. #michaelstipe #billberry #peterbuck @lordmillsey #fallonme #lifesrichpageant

Uma publicação compartilhada por R.E.M. (@rem) em

>>

Michael Stipe e Aaron Dessner espalham amor em rede nacional com bela performance de “No Time For Love Like Now”

>>

230620_stipedessner2

Uma das dobradinhas legais do mundo pop alinhavadas recentemente é a de Michael Stipe, eterna cara e voz do R.E.M., com Aaron Dessner, músico do incrível The National.

Recentemente, eles lançaram juntos a deliciosa “No Time For Love Like Now”, que até pelo título cai super bem para o momento vivido por todos nós. Na faixa, Stipe canta que não há espaço para loucos e discussões hoje em dia. Há tempo apenas para o amor. Fofo.

E a dupla reverberou essa mensagem positiva no programa de Jimmy Fallon, com a primeira performance da canção, cada um em sua casa. O resultado pode ser conferido abaixo.

>>

Michael Stipe canta que no mundo não há espaço para os loucos agora. Apenas para o amor…

>>

300320_michaelstipe2

Além de ser um dos maiores gênios que o rock nos ofereceu, Michael Stipe é reconhecido também pelo seu alto poder de engajamento em causas sociais. E com esse momento surreal que o mundo vive, ele não poderia ficar de fora.

Ele utilizou as redes sociais de sua antiga e eterna banda, R.E.M., para mostrar uma demo de uma nova música, feita em parceria com Aaron Dessner, músico do incrível The National.

A dobradinha ótima resultou em “No Time For Love Like Now”, na qual Stipe canta que não há espaço para loucos e discussões hoje em dia. Há tempo apenas para o amor.

A versão improvisada pode ser conferida abaixo.

>>

Música do R.E.M. banida na época do 11 de setembro agora é hit de novo graças ao… coronavírus

>>

rem_endoftheworld

A música e as voltas que o mundo dá… Canção de título sugestivo e que costumava fechar as apresentações do R.E.M. mundo afora, “It’s the End of the World as We Know It (And I Feel Fine)”, lançada originalmente em 1987, voltou a ser hit graças à preocupação-quase-pânico da população por causa do coronavírus.

Nos últimos dias, a faixa que faz parte do discão “Document” invadiu o Top 100 do iTunes (Apple) e iniciou esta semana na 54ª posição do ranking, à frente de hits contemporâneos como “Good as Hell”, da Lizzo, e “Shallow”, da Lady Gaga.

A posição é ainda melhor do que a da época do próprio lançamento, quando alcançou o 69º lugar.

Esta não é a primeira vez que acontecimentos cotidianos rebuscam a canção eternizada na voz de Mr. Michael Stipe.

Em 2001, na época dos atentados terroristas de 11 de setembro, “It’s the End of the World as We Know It (And I Feel Fine)” foi uma das dezenas de músicas banidas por redes de rádios e TVs, por conterem trechos que eram potenciais “gatilhos” para a população envolvendo o trauma da época.

Naquela oportunidade, o principal questionamento em cima da música do R.E.M., que nada tinha a ver com ataques terroristas ou surtos futuros como o coronavírus, foi banida por conter a repetição contínua do trecho “It’s the End of the World as We Know It”.

Se o mundo vai acabar, não sabemos. Mas a trilha sonora, parece, está sendo escolhida.

>>

Querendo ajudar a salvar o mundo, Michael Stipe mostra sua segunda música solo

>>

260619_stipe2

Aos poucos, a vida musical vai caminhando para o genial Michael Stipe, ex-líder do gigante e finado R.E.M., que completou 60 anos bem vividos no último sábado.

Stipe soltou nesta segunda-feira um vídeo para sua segunda música solo, “Drive To The Ocean”, que durante 2020 terá toda a sua arrecadação doada à instituição Pathway2Paris, que tem como mote o engajamento em prol para que cidades assinem o Acordo de Paris por mudanças climáticas no planeta.

A primeira canção de Michael, “Your Capricious Soul”, foi lançada em outubro do ano passado com a mesma intenção. Na ocasião, Stipe disse que queria acrescentar sua voz a esta inspiradora mudança de consciência. “Acredito que podemos trazer a mudança necessária à melhoria do nosso planeta Terra”.

“Drive To The Ocean” pode ser ouvida abaixo.

>>