Em royal blood:

Top 10 Gringo – O “mundo” é do Dry Cleaning. Nem o ótimo Lil Nas X conseguiu impedir. Mas vamos seguir em frente, como diz o Jungle

>>

* Segue agitado o mundo gringo de novidades musicais. Uma semana que olhamos até para o que tem de mais pop no universo, mas sem esquecer do indie. Inclusive, premiando pela segunda vez seguida nossa banda da vez. É nossa culpa ou deles? E olha que a disputa foi bem apertada. Mas o coração (e a guitarra) falou mais alto.

lilquadrado

1 – Dry Cleaning – “Unsmart Lady”
Segue nossa obsessão pela nova banda pós-punk inglesa Dry Cleaning. Uma obsessão que agora cada vez mais é do mundo todo, como analisamos em um post sobre as críticas que “New Long Leg”, seu álbum de estreia, vem recebendo agora que veio à luz, na última sexta-feira. Nossa predileta da vez é a absurda “Unsmart Lady”, o novo single, um som tipicamente quase falado que pega as ofensas que as mulheres recebem quando são desacreditadas e diminuídas e as arremessa nos agressores. Que banda!

2 – Lil Nas X – “Montero (Call Me by Your Name)”
Lil Nas X chegou pesado aqui, ainda que demonstrando uma leveza sonora incrível. Uma música onde resolve contar sobre uma paixão das mais fortes, de peito aberto. Pensando em sua história, ele mesmo relata que não planejava abrir questões da sua sexualidade assim, mas que, se isso ajuda outras pessoas a ficarem mais livres, é necessário. Este cara é bom.

3 – Jungle – “Keep Moving”
Que som esperto este novo da ótima dupla funk-soul-brother Jungle, dos produtores Josh Lloyd-Watson and Tom McFarland, que deu a largada para um novo e necessário álbum deles. “Keep Moving” é um mantra de superação que balança bem os graves do seu foninho. Segura esta.

4 – Demi Lovato – “Anyone”
Demo Lovato passou por poucas e boas por conta das drogas, para dizer o “mínimo”. Neste ainda complicado pós-reabilitação, seu novo disco tem canções dolorosas, como “Anyone”, um grito desesperado por ajuda desesperado, daqueles dados quando parece que ninguém mais pode te ajudar. Não é sempre que divas pop abrem a real desta maneira.

5 – Olivia Rodrigo – “Deja Vu”
A gente não ia deixar o fenômeno Olivia Rodrigo passar batido. Tudo bem que não demos o moral devido para o primeiro single dela, o hit “Drivers License”, mas até que funcionou essa espera. Curtimos bem mais este som novo.

6 – St. Vincent – “The Melting of the Sun”
É meio chover no molhado que a St. Vincent tem uma das guitarras mais espertas do mundo hoje, mas é preciso reforçar isso. Nesta balada, segundo single de seu álbum “Daddy’s Home”, que sai no próximo 14 de maio, ganhamos de presente um senhor solo de guitarra, que nem parece com solo de guitarra, mas é, sim. É uma coisa tão fora da curva que até fica difícil reparar no que veio antes ou depois desse evento nesta música.

7 – Angel Olsen – “It’s Every Season (Whole New Mess)”
Angel Olsen parece ter gostado da experiência de revistar suas próprias músicas. No álbum “Whole New Mess”, de 2020, ela buscou parte do repertório do seu disco de 2019, “All Mirrors”. Agora, em um álbum que vai reunir as duas experiências, solta essa inédita que é justamente a releitura de uma das inéditas do disco de releituras. Deu para entender?

8 – Royal Blood – “Limbo”
A gente vem cobrindo aqui a virada que o Royal Blood anda dando em seu som – aproximando suas raízes roqueiras de um som mais dance. Dessa safra, “Limbo” talvez seja a obra mais bem acabada, ao conseguir colocar esses dois universos, que às vezes são tão distintos, em uma conversa agradável.

9 – The Joy Formidable – “Into the Blue”
Talvez a nossa banda favorita do País de Gales, hoje. O grupo mantém sua habilidade de melodias certeiras e dinâmicas espertas de andamento e volume nesse retorno às atividades com um belo single que anuncia um novo álbum ainda sem nome. Que venha formidável.

10 – Garbage, “The Men Who Rule the World”
Uma porrada do Garbage nos responsáveis por colocar nosso mundo em risco – sim, os terríveis capitalistas. Shirley Manson mira em quem patrocina violência, pobreza, machismo e outras catástrofes do mundo.

****

****

* A imagem que ilustra este post é rapper e cantor Lil Nas X.
** Repare na playlist. A gente inclui as 10 mais da semana, ou quase isso, mas sempre deixa todas as músicas das semanas anteriores. Pensa no panorama que isso vai dar conforme o ano for seguindo…
*** Este ranking é formulado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix.

>>

Royal Blood e seu vídeo meio “clube dos motoqueiros rebeldes”. De capacete preto, claro

>>

* Alguém pensou em Black Rebel Motorcycle Club? Ou seria uma homenagem ao Daft Punk, saudoso?

Captura de Tela 2021-04-01 às 12.09.05 PM

A gente deu por aqui recentemente a história do duo britânico Royal Blood, o single “Limbo” e o show no metaverso. Eles lançaram anteontem a música nova numa plataforma de games e tal.

Agora chegou o vídeo para nós, mortais, incrível, envolvendo as motos. É na real um balé de motoqueiros. O som é dos melhores, cheio de nuances e dos ritmos que formam a dupla, musicalmente. Mas “Limbo” parece ir além.

“Limbo” vai estar em “Typhoons”, terceiro disco do Royal Blood, que sai agora em 30 de abril. E segue os singles “Trouble’s Coming” e “Typhoons”, ambos muito bons.

Acho melhor você ver logo o vídeo, um dos melhores do ano.

>>

Royal Blood faz show no metaverso para galera dos games. Entenda.

>>>>

Desde outubro do ano passado, a gente vem avisando que o próximo disco do duo britânico Royal Blood promete ser dos bons. Depois de “Trouble’s Coming” e “Typhoons”, música que aliás dá nome ao disco e ganhou um vídeo para lá de sensacional, a banda de Mike Kerr e Ben Thatcher divulgou seu terceiro single, chamado “Limbo”, e tocou a faixa pela primeira vez ao vivo num “show virtual”, mas não como você está pensando.

A dupla de Brighton se apresentou nesta semana de uma forma um pouco peculiar, no “metaverso” digamos assim, na plataforma de videogame Roblox. Durante uma premiação chamada “Bloxy Awards”, que celebra “a paixão, talento e criatividade da comunidade Roblox de criadores e jogadores”. Mike e Ben apresentaram um set de três músicas em forma de avatares.

Sobre “Limbo” os caras definiram como “sem dúvida o mais ambicioso e selvagem que nos permitimos ser”. Lembrando que o lançamento de “Typhoons” rola no dia 30 de abril.

A apresentação completa você pode conferir na Rolling Stone, mas abaixo você confere um trailer para entender melhor do que se trata.

***

****

Popnotas – A linda música nova do Rincon Sapiência. Wolf Alice no palácio. Caetano fase inglesa. Royal f*cking Blood ao vivo. O disco do Joe Strummer. A mistura Pa Salieu e Mahali

>>

– Fizemos um post aqui hoje da banda Wolf Alice tocando no último programa do Jools Holland, na BBC inglesa, mas tiveram outras atrações de destaque. O galês veteraníssimo, conhecidíssimo e “Sir” Tom Jones foi a atração da noite para entrevista e uma palhinha conjunta com o condutor da bagaça, Jools Holland itself. Além dele e da banda da Ellie Rowsell, teve também a talvez grande aposta da música britânica para este ano, o especialíssimo rapper Pa Salieu (pronuncía-se “Salu”), 23 anos, inglês de Coventry com ascendência ligada à Gâmbia e precursor do chamado “afroswing”. Tudo isso já falamos aqui. No Holland ele aparece acompanhado da ótima cantora Mahalia, atriz e cantora de mistura inglesa e jamaicana. Eles cantam “Energy”, a música que lançaram juntos há três meses e anda tocando muito nas rádios do Reino Unido. Olha que bonita esta dupla.

***

– Clássico do blues, daquelas canções sem dono, “Junco Partner” é uma das paixões de Joe Strummer. Registrou ela em seus tempos de The 101ers, gravou ela no fundamental The Clash e tocava a canção ao vivo com os Mescaleros, a banda que acompanhava seu nome. A coletânea “Assembly”, que vai trazer as melhores gravações de seu período solo, conta uma versão inédita e acústica da canção. O disco só saí no fim do mês, mas “Junco Partner” já está por aí com direito até a um vídeo de animação.

***

– Está no ar um papo com Caetano Veloso que rolou durante o 24º Cultura Inglesa Festival. A conversa com o poeta, escritor e compositor Felipe Franco Munhoz, aborda o exílio em Londres, a fase inglesa da discografia de Caetano e seu repertório em inglês. A conversa está disponível até o dia 28 de março. Vale acompanhar os 40 minutos dessa ideia. Quem quiser dar uma olhada nas outraS atrações do festival, só ir aqui.

***

– A esperta dupla inglesa Royal Blood (foto na chamada da home) fez uma session à distância para a rádio indie WKQX, de Chicago, na quinta passada, para a série deles chamada “Thursday Live”, sempre convidando uma banda para tocar ao vivo lá (quando dava) ou mandar gravada (nos atuais dias). É ao vivo, via canal de Youtube da emissora, mas eles deixam depois para ver quando quiser. O Royal Blood, estupendos ao vivo, tocou por uns 20 minutos. Foram cinco músicas, entre elas os últimos singles “Trouble’s Coming” e “Lights Out”. Confere que vale a pena demais.

***

Já ouviu a mais nova música do rapper Rincon Sapiência? Só nós achamos aqui a Música do Ano?

>>

Duo britânico Royal Blood libera live incrível com músicas novas ao vivo

>>

Captura de Tela 2021-02-11 às 3.06.45 PM

* Uma das mais contundentes bandas ao vivo dos últimos anos no cenário independente, o duo inglês Royal Blood está a caminho de seu terceiro disco, que sai em abril e se chama “Typhoons”. A julgar pelos singles novos mostrados, que discaço está por vir, de responsabilidade do duo baixo-bateria Mike Kerr e Ben Thatcher.

Tem uma pequena prova disso, uma live que o Royal Blood liberou de cinco músicas, as duas primeiras os singles novos, “Trouble’s Coming” e “Typhoons”, que dá nome ao disco. Com até dois ajudantes para engrossar o som.

Uma lindeza isso aí.

***

* As músicas da live do Royal Blood
Trouble’s Coming
Typhoons
Figure It Out
Lights Out
Little Monster

>>