Em run:

Lah Di Da: Foo Fighters mostra música nova em show na Islândia. E a filha de Dave Grohl, 8, toca bateria em “uma música”

>>

Captura de Tela 2017-06-18 às 3.22.50 PM

* A banda americana Foo Fighters começa a dominar os noticiários depois de ficar congelada por uns dois aninhos. No começo do mês, o grupo liderado pelo gente-boa Dave Grohl, mostrou outra música nova, “Run”, a que começa calma chatinha e depois melhora bem, virando quase um Mastodon. Eles já haviam mostrado em maio, numa apresentação beneficente e em formato, digamos, acústico a canção “The Sky Is a Neighborhood”.

Os planos da banda para este 2017 são gravar o novo e nono álbum de carreira e fazer shows, tipo em lugares como Glastonbury e Roskilde.

Daí que, seguindo o planejado, o Foo Fighters tocou sexta passada na Islândia, no Secret Solstice Festival. Aconteceram algumas coisas nesse concerto, você precisa saber (e ver).

1. Primeiro que a turma do Dave Grohl entregou mais uma música nova, chamada “Lah Di Da”.

2. Depois que “Run”, o single novo, foi tocado pela primeira vez ao vivo no Secret Solstice.

3. Terceiro que essa citada “The Sky Is a Neighborhood”, a outra nova, foi tocada também pela primeira vez em show, num jeito assim “mais Foo Fighters”.

4. Por último, “o ponto alto” da apresentação do Foo Fighters no festival islandês foi quando a filha de Dave Grohl, Harper, 8 anos, se juntou à banda no palco para tocar bateria em uma improvisada cover de “We Will Rock You”, clássico do lendário grupo inglês Queen (foto lá em cima). “Há duas semanas atrás, minha filha me disse ‘Papai, quero tocar bateria’. Eu disse ‘Ok, você quer que eu te ensine?”. Daí Grohl pediu para ela se dirigir à bateria de Taylor Hawkins, que ficou do lado para dar suporte à menininha, enquanto Grohl disse “Bem, tem um outro Grohl sentado na bateria, agora”. Foi uma piada interna muito bonita, que fica muito externa quando você lembra que Dave Grohl começou na música como baterista de uma das principais bandas de rock de todos os tempos.

>>

Meio Mastodon: a volta acelerada e pesada do Foo Fighters com a nova “Run”

>>

010617_foofighters2

Após um raro hiato de três anos sem aparecer muito, o Foo Fighters lançou hoje seu novo single, “Run”, acompanhado de vídeo estiloso dirigido por Mr. Dave Grohl e tudo.

O som chega para dar gás na turnê do grupo, que tocará em diversos festivais no verão europeu (tipo Glastonbury, Roskilde e Rock Werchter), e, claro, abrir os trabalhos para o sucessor de “Sonic Highways”, lançado em 2015.

No vídeo, o Foo Fighters envelhece uns 30 anos com a missão de revigorar o ambiente em um lar de idosos, dando início a um pequeno caos no lugar, algo que pode ser uma referência à nova fase sonora da banda. A faixa dura tipo seis minutos, começa edificante e vira Mastodon, com direito a uma dancinha cool nos segundos finais do vídeo.

>>

CENA – Charly Coombes, inglês, lança “Run”, seu disco bem paulistano

>>

* É praticamente um CENA, vai. O cara é gringo, mas mora aqui em SP já tem um tempo. E criou seu novo álbum aqui. E toca por aqui. E produz bandas da CENA daqui. E fez música para a cidade. Então:

cena

O inglês Charly Coombes, multiinstrumentista radicado há três anos no Brasil e com nome ligado à cena britânica por entre outras coisas ser o irmão mais novo dos Coombes do Supergrass, lançou na última sexta-feira, via Spotify, seu terceiro disco, o belo e cheio de texturas “Run”.

“Run” vem expandir o alcance do britpop multifacetado de Coombes, que se lançou solo em 2013 com o debut “No Shelter”, que foi seguido por “Black Moon”, este já um disco “brasileiro” do músico.

CHARLY COOMBES-RUN-LO RES-2-3

Charly Coombes já havia lançado, no começo do mês, o single de “SPX”, sigla para “Sao Paulo Experiment”, em homenagem à cidade que virou sua cidade, talvez a música mais grandiosa do terceiro álbum, exaltamente para resumir o sentimento que o inglês tem da grandiosa São Paulo.

São Paulo, para Coombes, representa o que Berlim representou para seu conterrâneo David Bowie, quando o famoso ídolo morto recentemente foi viver tempos de experimentalismos na cidade alemã.

CHARLY COOMBES-RUN-DIGITAL COVER

“Run” obviamente esbarra no britpop, mas centra força em algo mais antigo que ele, pelo forte uso de sintetizadores. Tá mais para Duran Duran que para Oasis. O disco foi gravado em seu próprio estúdio, em sua casa, aqui em São Paulo.

Abaixo, você ouve “Run”, um álbum inglês, porém “nosso”.

** As fotos deste post e da home da Popload são de Rayana Coombes, brasileira, a mulher do músico.

>>