Em Sam Herring:

Com o demônio no corpo, Sam Herring invade a TV britânica com o Future Islands

>>

040517_futureislands2

Oba. Sam Herring na TV. Tudo bem que parece notícia velha, mas não dá para deixar passar qualquer performance ao vivo do Future Islands, todas catalisadas na figura de seu vocalista desengonçado e cool, de voz agressiva que às vezes dá medo de tão intensa. Roooooooooooarrrrrrr!!!!!!

A mais recente apresentação do grupo norte-americano para divulgar seu novo disco, “The Far Field”, foi no tradicional e eclético “Later…”, do Jools Holland, na BBC.

Por lá, a armada de Baltimore tocou algumas canções novas, entre elas o single “Cave”, performance que foi ao ar no episódio desta semana. Uma segunda parte chega nos próximos dias, com outras canções.

O álbum é o primeiro deles em três anos e pinta como sucessor do ótimo “Singles”. “The Far Field” tem 12 faixas inéditas e uma participação luxuosa da eterna musa Debbie Harry, do Blondie, na canção “Shadows”.

>>

Oba: Sam Herring em ação. Future Islands faz mais uma apresentação intensa na TV

>>

130417_futureislands_2

Sempre é bom ver o Future Islands em ação, graças ao seu atípico vocalista, Sam Herring, um dos caras mais intensos que pisam em palcos hoje em dia.

Na estrada para divulgar o recém-lançado “The Far Field”, o Future Islands apareceu no programa do Conan O’Brien para mostrar o single “Cave”, um dos melhores sons do disco.

O álbum é o primeiro deles em três anos e pinta como sucessor do ótimo “Singles”. “The Far Field” tem 12 faixas inéditas e uma participação luxuosa da eterna musa Debbie Harry, do Blondie, na canção “Shadows”, a 11ª do disco.

O show do Sam pode ser visto abaixo.

>>

Future Islands lança novo álbum que tem, inclusive, a luxuosa Debbie Harry

>>

190615_futureislands

Sexta-feira é o dia oficial de lançamentos e hoje o bicho está pegando. Quem está botando seu novo disco na praça nesta sexta-feira de meu Deus é o digníssimo Future Islands. Banda norte-americana que faz um indie “agitado”, graças especialmente ao seu incrível vocalista (e, her…, dançarino) Sam Herring, eles apostam em “The Far Field” para a manutenção da curva ascendente na carreira.

O álbum é o primeiro deles em três anos e pinta como sucessor do ótimo “Singles”. “The Far Field” tem 12 faixas inéditas e uma participação luxuosa da eterna musa Debbie Harry, do Blondie, na canção “Shadows”, a 11ª do disco.

O projeto vem puxado pelos singles “Ran” e “Cave” e fará o grupo de Baltimore cair na estrada para uma turnê mundial.

>>

Pare tudo o que você está fazendo e veja o Sam Herring cantando a nova do Future Islands no Fallon

>>

100217_futureislands2

A gente sabe bem como funciona o Sam Herring no palco, quando está cantando e dançando as músicas do seu incrível Future Islands. Disparado o cantor e entertainer mais destacado do indie, ele tem como diferencial seu comportamento ortodoxo no palco.

Como falamos aqui dia desses, ele se veste com camisas floridas por dentro da calça skinny (no começo do show, claro, porque depois…), tem visual zero de galã bonitinho, dança tresloucado de fazer inveja ao Father John Misty, urra como se tivesse vomitando sentimentos direto do coração para fora e esmurra o peito como se fosse ter um ataque de nervos e metralhar a galera toda abaixo dele.

Estávamos todos com saudade de tudo isso até a banda aparecer no programa do Jimmy Fallon para mostrar seu novo single, “Ran”, parte integrante do novo álbum da trupe de Baltimore, “The Far Field”, com lançamento previsto para 7 de abril.

Se Samuel aprontou das suas? O vídeo fala por si…

Música do ano, dança do ano. Future Islands no Jools Holland. Post repetido (mais ou menos)

>>

Screen Shot 2014-10-08 at 9.32.35

* Está combinado. Cada vez que o grupo Future Islands, de Baltimore, emitir um som, e principalmente um visual do improvável e maravilhoso vocalista Sam Herring dançando, a gente fala deles aqui na Popload.

Postamos aqui já, por estes dias, o Future Islands fazendo performance da maravilhosa “Seasons (Waiting for You)”, maravilhosa por si só, ainda mais ilustrada pela dancinha bizarra de Herring.

Vamos respeitar. O cara no meio da música, de tão intensa que ela fica, urra e bate no peito perto do microfone, com o barulho seco de soco no coração interferindo no som da canção. No fim da performance de “Seasons”, emoções à flor da pele, ele dá uma rebolada debochada que nem o André do Aldo consegue.

Daí que pintou uma outra música dessa apresentação do Future Islands no Jools Holland. É a bonita “A Dream of You and Me”, também do álbum “Singles”, lançado neste ano. Não tem a contundência urgente e sufocante de “Seasons”. Mas está tudo lá, na intensidade de Herring.

Vamos de “A Dream of You and Me”, então. Mas, ÓBVIO, vamos repetir “Seasons” primeiro. Você merece ver, se não deu bola para este post anterior a que me referi.

>>