Em samantha:

Indie-cult que atravessa gerações. Rexy terá disco relançado e ganha homenagem até do Ariel Pink

>>

150316_rexy_disco

Este é mais um dos acasos que só a música pode proporcionar. Samantha Urabani, cantora que além da banda Friends tem seu nome ligado ao grande Blood Orange por suas colaborações, abriu seu próprio selo recentemente, chamado URU. E um dos seus primeiros lançamentos é de música velha, mas uma sacada incrível. Na próxima sexta-feira, 18 de março, o selo relançará “Running Out Of Time”, disco meio que esquecido do duo inglês de synthpop Rexy, de 1981.

O álbum é daqueles que não vingaram tanto assim na época, mas vira e mexe tem gente nova relembrando. Tanto que a própria Samantha, como chamariz para o lançamento (e para seu próprio selo, claro), regravou a faixa “Alien”. E convidou alguns amigos para fazerem o mesmo. O doidinho neozelandês Connan Mockasin gravou a faixa título, enquanto Ariel Pink reeditou “In The Force”, em parceria com a banda de dream pop de Los Angeles Puro Instinc.

As releituras podem ser ouvidas abaixo, junto com as faixas originais.

>>

Samantha, do Friends, passou por aqui

>>

* Friends banda, não o “Friends” seriado.

A boneca Samantha Urbani e sua esperta banda Friends, do Brooklyn, tocaram em um evento chamado “All for Music”, que ocupou um casarão stáile alugado no bairro do Morumbi, no domingo à tarde/noite. O minifestival caseiro teve ainda, entre as atrações, o DJ Zegon e a dupla australiana Flight Facilities.

O All for Music é ligado ao festival gaúcho MECA, que aconteceu no sábado em uma fazenda com lago perto da Praia de Atlântida, a pouco mais de uma hora de Porto Alegre. Além de Friends e Flight Facilities, o Meca teve ainda os britânicos do Citizens!, o canadense Dragonette, eos brasileiros Holger e Dis Moi, entre outras atrações.

Mas, voltando à mansão paulistana, o show do Friends, dadas as circustâncias de um “show no quintal”, foi bem bom. A banda tocou seus hits indies do disco de estreia, “Manifest”, do ano passado, mais uma ou duas músicas novas. Para enxergar melhor o público (e também ser mais vista), Samantha subia em uma estrutura de frente ao palco. Tudo certo.

Festinha bem boa. A gente curte baladas assim em fins de tarde e ao ar livre. Uma coisa tipo esta, diria Samantha:

>>