Em saturday night live:

Lil Nas X leva seus dois singles bombásticos para o “Saturday Night Live”. E rasga “lá” a calça de couro no pole dance

>>

Captura de Tela 2021-05-24 às 12.50.39 AM

* O rapper cantor americano Lil Nas X foi a atração de encerramento desta 46ª temporada do programa “Saturday Night Live”, bem, no sábado à noite, na TV americana. O problema foi o “Live”, que marca o lendário programa nova-iorquino de sketches humorísticos e excelentes números musicais.

No momento em que fazia uma graça em um pole dance, perto do fim da performance de seu recente single-sucesso “Montero (Call Me by Your Name)”, tipo como no vídeo oficial do hit, a apertada calça de Lil Nas X rasgou na região da virilha. Nem foi tão embaraçoso assim, mas, como era a estreia de Lil Nas X no “SNL”, ao vivaço, ele mandou uma série de Twitter engraçada, logo depois do programa acabar: “OMFG NO” e “NOT MY PANTS RIPPED ON LIVE ON TV”, foram algumas das tuitadas deles. Na hora do rasgo, Lil Nas X fez uma cara de “oops” e não pode se jogar no pole como pretendia.

A misteriosa música que ele ia usar como segunda apresentação no sábado do “SNL” deixou de ser misteriosa na sexta, quando ele lançou “Sun Goes Down”, outro dos singles que vai estar no próximo disco, ainda sem maiores informações. O novo single é outro sobre sua homossexualidade, desta vez a dificuldade de lidar com seus amigos, quando mais novo. Que só tinha paz quando estava trocando ideias nas comunidades de fãs da rapper Nicki Minaj. Isso está na letra.

Abaixo, Lil Nas X e seu problema com a calça em “Montero (Call Me by Your Name)” e abrindo seu coração e citando Nicki Minaj na novíssima “Sun Goes Down”, tudo ao vivo, no “Saturday Night Live”.

>>

Olivia Rodrigo nas alturas. Cantora fecha semana mágica no “Saturday Night Live”. Disco de estreia sai sexta

>>

* Para o alto e avante, está a carreira da moçoila ex-disney Olivia Rodrigo, 18 anos, a cantora pop californiana mais falada do mundo nos últimos dez dias, em que ela acumulou uma apresentação no Brit Awards, capa da “NME”, single novo lançado (“Good 4 U”), com vídeo, a veiculação de teaser do disco de estreia (“Sour”), que sai na próxima sexta-feira. e dois recordes com a música “Drivers License”, seu single anterior: um pessoal e uma bela marca geral. Primeiro que a canção ultrapassou 500 milhões de streams no Spotify. Segundo que esse feito tornou “Drivers License” o hit mais rápido de uma artista solo a atingir tal marca, com 62 dias de lançamento.

E, no último sábado à noite, a cereja do bolo em seus agitos: Olivia Rodrigo, que tem esse nome se apresentou na TV americana. Ela foi a atração musical do programaço “Saturday Night Live”, para o qual fez performances exatamento desses dois de seus três singles do disco début: o recém-lançado e agitadinho “Good 4 U” e o meloso “Drivers License”.

Tudo aí embaixo, para a sua apreciação e devido posicionamento.

>>

Popnotas – O FBI e o “assassinato” de Kurt Cobain. Miley Cyrus e o menino Kid Laroi no “Saturday Night Live”. Weezer tocando metal ao vivo. O hub de shows do Pearl Jam. E o Passenger para acalmar tudo

>>

– A cantora pop roqueira Miley Cyrus (foto na home) foi a grande atração musical do agitado “Saturday Night Live”, um dos mais importantes programas da TV americana há muitos anos, principalmente nos belos serviços prestados ao som que a gente gosta. O programa foi agitado porque o apresentador da semana foi o doido bilionário Alon Musk. Até sua mulher, a outra doidinha Grimes, apareceu num dos quadros de humor deste “SNL”. Miley Cyrus cantou não duas, mas três canções. Primeiro uma versão de pegada diferente para a “Plastic Hearts”, single de seu mais recente disco. de mesmo nome, lançado no final do ano passado. Depois ela fez uma homenagem às mães cantando “Light of a Clear Blue Morning”, de sua avó, a famosíssima Dolly Parton. Mas o barulho mesmo da presença de Cyrus no “Saturday Night Live” foi que ela levou o menino The Kid Laroi, australiano sensação de 17 anos, que a gente falou um monte sobre aqui. Ela cantou a versão dueto que fizeram do megahit dele, “Without You”, lançada há 10 dias. Foi a primeira vez do rapaz no “SNL”. Foi assim:

– Nirvana voltou tanto ao assunto ultimamente que parece que estamos naquele revolucionário começo dos anos 90. A última é que o FBI revelou os arquivos da “pasta Kurt Cobain”, que investigou se o suicídio do roqueiro, que fez aniversário de 27 anos no último dia 5 de abril, não se tratava na verdade de assassinato, uma teoria conspiratória bastante falada à época. O x-file de Cobain apresentado tem apenas dez páginas, nada muito profundo nas investigações de que foi um crime. Cita até que foram levados a investigar por causa da quantidade de fãs que duvidavam que o final de Cobain era “apenas” a de um cara atormentado que quis tirar a própria vida. O dossiê mencionava em suas páginas até que essa conspiração gerou inclusive um filme com cara de documentário, o “Kurt & Courtney”, do diretor inglês Nick Broomfield, em 1998. O filme, Broomfield, que escreveu, produziu e narrou o doc, suscitava que Courtney Love, a viúva roqueira, poderia estar envolvida nessa “real morte” de Cobain. “Kurt & Courtney” iria estrear no famoso festival de Sundance, mas Love impediu a exibição, ameaçando o evento de processo. Maaaais Nirvana: Mechas do cabelo de Cobain, cortado em 1989 e guardadas por uma amiga durante viagem da tour do primeiro álbum, ‘Bleach’, estão a leilão de memorabilias de rock, aqui. Os lances para comprar os cachos do líder do Nirvana, entre outras coisas, se encerram nesta semana, dia 15.

– Bem, vocês sabem que o Weezer lançou sexta-feira passada seu segundo disco no ano, este de HEAVY METAL, chamado “Van Weezer”, uma homenagem às influências metaleiras de seus integrantes no passado, é o que dizem. Hoje à noite eles mostram uma canção desse disco “pesado” no programa do Jimmy Fallon. Amanhã a gente replica a performance aqui. Na sexta mesmo, dia do lançamento do disco, eles tocaram músicas do “Van Weezer” ao vivo em um show especial para as emissoras alternativa e de rock do conglomerado de rádios americano IHeartMedia. Foi um show de dez músicas que reuniu as músicas “metais”, digamos, com alguns de seus hits. E gerou o vídeo de 50 minutos, abaixo. Contém entrevista com o Rivers Cuomo.

– O grupo Pearl Jam, já que o assunto aqui é Seattle, lançou neste domingo um hub na internet para conectar banda e fãs a um acervo de 186 shows, botando de cara mais de 5.400 faixas ao vivo à disposição da galera, seja áudio e vídeo, no Youtube, na Apple Music, Spotify, Deezer e outros canais de streaming. Chama “Pearl Jam Deep”. O objetivo, segundo a nota oficial, é “presentear os fãs que acompanham a banda há mais de 20 anos e, ao mesmo tempo, dar acesso a uma nova geração de admiradores do Pearl Jam na era do streaming. Está tudo aqui. Além da imersão em diversos shows da banda de Eddie Vedder, vai ser possível ter acesso a playlists com a curadoria dos próprios seguidores do Pearl Jam e ainda construir o seu “show dos sonhos” do Pearl Jam, montando o setlist.

– O músico inglês indie-folk Passenger, projeto do engajado Mike Rosenburg, lançou um vídeo de performance acústica para seu último single, a faixa “What You’re Waiting for”. A música está em seu já famoso álbum “Songs For The Drunk and Broken Hearted”, seu décimo-segundo disco, talvez o primeiro disco “grande” de 2021, lançado em 8 de janeiro. O álbum, que ficou bem nas paradas de vendagens durante o mês de lançamento, tem toda sua venda física revertida a ongs que ajudam a restaurar paisagens naturais prejudicadas por desmatamento. Cada cópia do disco adquirida na loja oficial do artista na internet gera uma árvore nova plantada. O vídeo acústico foi gravado para a Radio 2, da BBC. No mesmo cenário, o Passenger aproveitou para gravar também uma performance para “Sword from the Stone”, principal single do disco, a que abre o “Songs For The Drunk and Broken Hearted” e escrita em conjunto com o amigo Ed Sheeran. Essa “Sword from the Stone” foi enviada para passar sexta-feira no “The Late Show with Stephen Colbert”, na TV americana. Tudo aqui embaixo.

>>

The Kid Laroi, o fenômeno australiano de 17 anos, vai experimentar o “Saturday Night Live”. Na carona da Miley Cyrus

>>

* As línguas mais apressadas (más?) falam que não passa de um “novo Justin Bieber”, o que não necessariamente é uma grande pecha para se carregar. Mas tem gente boa que aponta que o menino tem talento. O pop americano, desse mais voltado aos teens e que mistura hip hop, umas escorregadas trap, às vezes um flerte com indie, e já uma coleção de carinhas marrentas, tem registrado todos os dias o crescimento absurdo do novo meteoro musical The Kid Laroi, moleque de 17 anos que tem um teste de ouro para explodir mais ainda neste sábado: ele vai pegar uma carona boa ao se apresentar no lendário programa nova-iorquino “Saturday Night Live”, junto com Miley Cyrus, a convidada musical na semana.

kidlaroi

Aparente um sucesso orgânico, quase espontâneo, The Kid Laroi já saiu de Sydney e está bem instalado em Los Angeles e bem amarrado, sustentado por números espetaculares nos streamings e nas conexões pesadas, já com gente como a citada “madrinha” Miley Cyrus, Machine Gun Kelly, Marshmello, Juice WRLD (que morreu recentemente), entre outros, todos contribuintes diretos ou indiretos de seu disco de estreia, na verdade uma mixtape, lançada em julho de 2020 com o singelo nome de “F*CK LOVE”, que teve dois lançamentos, um posterior com a extensão “(Savage)”, que saiu em final de novembro em edição deluxe quando entenderam o fenômeno que o rapaz era.

Em uma dessas reportagens alardes da revista “Time”, eles resumem assim a trajetória do foguete: “Só nos últimos três meses, The Kid Laroi lançou colaborações com Miley Cyrus e Justin Bieber, quebrou o recorde das paradas australianas, alcançou o top 10 em uma dúzia de países, assinou um contrato mundial enorme com a Sony, ganhou o prêmio de compositor revelação do ano no importante prêmio australiano APRA. E agora, amanhã, chega ao “Saturday Night Live” levado pelas mãos de Miley, que recentemente colaborou com um remix para o maior hit de Laroi, a canção “Without You”, quase um “Wonderwall” nos violões do começo, que tem 400 milhões de streamings no Spotify. É o que eles vão cantar no “SNL”.

Como um bom menino de seu tempo, The Kid Laroi, que se chama Charlton Howard e é cantor, compositor, músico prodígio e produtor idem, mostra uma consciência de sua evolução desenfreada na música também em seu comportamento nas redes sociais, o que conta muito para sua geração. Ele fala abertamente de questões de “mental health” e de gêneros sexuais, além de preocupações com meio ambiente, consciência de pandemia, esses pontos. Australiano, né?

Em fevereiro, como não podia deixar de ser, o apresentador Jimmy Fallon cooptou The Kid Laroi para um número musical no seu programa. A canção performada foi o meloooooso hit “Without You”, sem Miley e cujo vídeo tem 400 milhões de views no YT. Baladinha com voz de Liam Gallagher (né?), um solo de guitarra bizarro num momento final, nada das caídas para o hip hop.

A gente bota agora esse vídeo do Fallon de fevereiro, para guardar lugar para o novo, ou os novos, que virão amanhã, pós-“Saturday Night Live” e na companhia de Miley Cyrus. Antes, o recém-lançado vídeo da dupla, lançado agora no começo de maio quando fizeram circular a colab para o maior hit do rapaz.

>>

Popnotas – O documentário tombado da Karol Conká. O menor show do mundo na “Tiny Desk”. O volume dois do Boogarins. E as homenagens do Kid Cudi ao Kurt Cobain

>>

– A hoje nacionalmente polêmica rapper curitibana Karol Conká, que há poucos meses saiu algo cancelada do programa global “Big Brother Brasil”, do qual participou, com taxa de votação altíssima, está ganhando um mimo da emissora carioca, para ajudá-la na retomada de sua carreira. Vem aí o documentário “A Vida Depois do Tombo”, título muito bom que brinca não só com seu episódio no famoso reality quanto com seu maior sucesso, o single “Tombei”, de 2014. O doc sai no final do mês, dia 29, na Globoplay, prometendo “bastidores de seu novo projeto”, além do impacto do reality show em sua carreira.

***

– O menor show do mundo só poderia ter acontecido dentro da série “Tiny Desk”, do conglomerado de rádios americanas NPR. Esta performance especial foi feita, ainda que para a “Tiny Desk”, dentro da versão virtual do South by Southwest deste ano. E foi protagonizada pelo inovador trio de hip hop experimental Clipping., de Los Angeles. Foram seis músicas tinies em 15 minutos. Tipo impressionante de tão pequeno este show.

***

– Banda indie brasileira de alto padrão musical ainda que lançando demos, outtakes ou sonorizando memórias, o Boogarins acaba de lançar o volume 2 de seu “Manchaca”, disco que remonta à temporada que o quarteto goiano passou na casa de mesmo nome em Austin, Texas, em 2016, que resultaria no EP “La Vem a Morte”, de 2017, e no álbum “Sombrou Dúvida”, de 2019. O volume 1 foi lançado em agosto do ano passado. Este “Manchaca: A Compilation of Boogarins Memories, Demos and Outtakes from Austin, TX – Vol. 2” traz 12 faixas, sendo a última delas a “Far and Safe”, versão em inglês da famosa “Te Quero Longe”), que teve letra reformulada e vocal de Erika Wennerstrom, da banda Heartless Bastards, de Ohio. Contamos essa história aqui, há umas semanas. Abaixo, o disco todo.

***

– O importante rapper americano Kid Cudi foi a atração de anteontem do programa “Saturday Night Live”. No “SNL”, Cudi apresentou ao vivo duas músicas de seu sétimo disco, “Man on the Moon III: The Chosen”, lançado em dezembro: “Tequila Shots” e “Sad People”, esta última com o rapper cantando com um vestido floral, em um tributo a Kurt Cobain, ex-Nirvana, cujo 27º aniversário da morte por suicídio se deu semana passada. Várias vezes Cobain apareceu em palco ou capa de revista usando vestido. “Sad People” traz uma letra que pede carinho e amor a pessoas abatidas pela tristeza, na linha “mental health” que se espalhou pela música, em vários gêneros. Na primeira música interpretada pelo rapper, “Tequila Shots”, ele cantou com uma camiseta do saudoso comediante Chris Farley, ex-“SNL”, morto também nos anos 90, este por overdose de drogas. Por cima da camiseta, Kid Cudi vestia um desses sweaters de lã, verde, também uma marca de vestimenta de Cobain. Confira as duas performances com todas as homenagens, abaixo.

******

* A imagem que ilustra a chamada para este post na home da Popload é uma montagem tirada do site musical americano “Consequence of Sound”. E traz Kid Cudi e Kurt Cobain usando vestidos florais parecidos.

>>