Em sia:

Em forma de música, Sia diz que as meninas podem tudo. Inclusive caçar águias

>>

271115_sia2

A incansável Sia arrumou um tempinho para lançar mais um material em 2016. Ela, que soltou não faz muito tempo o disco “This Is Acting”, dedicou boa parte do ano se envolvendo em funções relacionadas ao cinema.

Além de colaborar com a trilha do filme “My Little Pony”, que sai ano que vem, e ainda ser encarregada de fazer canções para “Vox Lux”, ela lançou “Never Give Up” para “Lion” e ainda regravou Nat King Cole na trilha de “Procurando Dory”. O próximo passo da australiana é uma colaboração para “The Eagle Huntress”.

O documentário conta a história de uma menina de 13 anos da Mongólia, chamada Aisholpan, que resolve se tornar a primeira menina caçadora de águias, buscando por um ponto final na dominação masculina, que durava até então 2 mil anos.

A música cantada por Sia é “Angel By The Wings”, que vai de encontro à mensagem passada pelo filme, destacando a força da mulher e o empoderamento da mesma, assunto tão em voga no mundo hoje em dia. Atualmente, o documentário está sendo exibidos em salas selecionadas pelo mundo.

>>

Sia chama o Kendrick Lamar para seu novo hit (mas tira ele do vídeo)

>>

* Encontro de titãs pop do momento, a cantora australiana SIA lançou a boa “The Greatest”, meio retrato dos nossos tempos, uma canção Lady Gaga com mais estilo. E SIA ganha fácil no extramúsica.

“The Greatest”, que começa tem no meio um rap do bamba Kendrick Lamar. A canção pode ser ouvida, “comme il faut”, aqui no Spotify.

sia2

O vídeo traz uma boa e uma má notícia. A participação de Kendrick Lamar não cabe na teatralização by SIA da música, então ficou fora. Mas o vídeo traz a eminência teenage de SIA, a linda Maddie Ziegler, sua dançarina oficial para “clipes” e para shows.

“The Greatest”, foi anunciado, vai fazer parte do disco novo da australiana, “We Are Your Children”, ainda com data de lançamento sob mistérios.

Ouça a música com Lamar, veja o vídeo com Ziegler.

>>

“Novo Coachella”, de Nova York, teve de SIA a Diplo, mais uma le tigre e um beastie boy

>>

* Nesta era doida de festivais sem fim, principalmente no verão dos países “lá em cima”, que engloba Europa e EUA, aconteceu neste final de semana a primeira edição do Panorama Festival, evento de música e arte talhado pela produtora multimilionária Golden Voice para ser o “Coachella da Costa Leste”. Pois bem.

Screen Shot 2016-07-24 at 23.03.23

O festival, armado na Randall’s Island, uma ilha de rio entre Manhattan e o Queens, que no passado entre outras coisas era utilizada para isolar os doentes de varíola, teve como headliners a banda canadense Arcade Fire e seu show de sempre, para o bem e para o mal, o Kendrick Lamar e o caseiro LCD Soundsystem, que diferentemente do que viu diante de si no festival escocês T in the Park, teve um enorme público para prestigiá-lo. New York I love you and you bring me up, James Murphy deve ter pensado.

Screen Shot 2016-07-24 at 22.58.11

Outras atrações bombator do Panorama, pelo que li/acompanhei, foram a incrível SIA, a farra do Major Lazer do Diplo, o show novo do Blood Orange e o Despacio, a tenda soundsystem bem louca do James Murphy e dos 2ManyDJs, com sete torres de som ao redor da pista, um globo giga ao centro e o foco não no DJ, mas sim na galera. Vocês lembram-se disso no Coachella, né?

Teve Broken Social Scene, The National, Kurt Vile e Sufjan Stevens para os indies das antigas. E Daughter, Anderson.Paak, Julian Ruin (a banda da heroína Kathleen Hanna, ex-Le Tigre e pilar do movimento GLS da música na maior cidade do mundo) e o Front Bottoms para os avant-indies. E vários outros.

Fizemos uma compilação rápida de uns momentos bons deste primeiro Panorama, as it follows.

* Beastie boy original, músico do lendário grupo de hip hop do pedaço, encheu de som de sua ex-banda em DJ set disputadíssimo, no Panorama. Tipo assim:

* Arcade Fire marchando entre o público no final do show, batucando e metalizando David Bowie com a Preservation Hall Jazz Band. Reinterpretaram “Rebel Rebel”, “Suffragette City” e “Heroes” de modo zoneado. Aqui, a parte de “Heroes”.

* A balada do Despacio em 11 minutos.

>>

SIA e Diplo juntos e misturados em canção para trilha de filme de terror

>>

16_siadiplo

A incansável SIA está envolvida em mais um projeto. Depois de lançar seu disco “This Is Acting” há poucos meses, a cantora australiana divulgou a faixa “Waving Goodbye”, que compõe a trilha sonora do filme “The Neon Demon”, com lançamento previsto para agosto.

A canção foi produzida por ninguém menos que o bamba Diplo e é dessas eletronices pop cool que tem tudo para bombar nas pistas.

“The Neon Demon”, o filme, é protagonizado pela atriz Elle Fanning e tem roteiro baseado em “um grupo de supermodelos que irá aos extremos na tentativa de encontrar o caminho do sucesso, incluindo vodu e canibalismo”. A inspiração partiu da história de Isabel Bathory, conhecida como Condessa Sangrenta, uma serial killer do século XVI que, dizem, se banhava com o sangue de suas vítimas para se manter jovem.

A direção é de Nicolas Winding Refn e já há todo um burburinho em torno do longa, após a receptividade não ter sido das melhores no festival de Cannes.

“Waving Goodbye”, a nova parceria da SIA com o Diplo, pode ser ouvida a seguir.

>>

Sia em versões acústicas e remixadas. Tudo muito bom do mesmo jeito

>>

271115_sia2

Sia está no gás. Depois do disco “This Is Acting”, lançado no início deste ano e que reúne canções que ela originalmente fez para outros artistas, tipo Adele, Rihanna e Beyoncé, mas que acabaram voltando para seu domínio, a cantora australiana liberou mais dois materiais interessantes. No caso, dois EPs.

O primeiro deles consiste em seis versões acústicas de faixas do próprio “This Is Acting” e de seu álbum anterior, “1000 Forms of Fear”. As releituras foram feitas em caráter exclusivo para o Spotify Sessions.

O outro lançamento reúne remixes de seu último single, “Cheap Thrills”. O EP tem sete versões assinadas por Hex Cougar, Le Youth, RAC, Nomero, Sted-E & Hybrid Heights, Cyril Hahn, e John J-C Carr.

Os dois EPs podem ser ouvidos na íntegra, cortesia do Spotify.

>>