Em silva e criolo:

Top 50 da CENA: Marabu estreia 2021 no topo. Criolo crava seu nome duas vezes nas “dez mais”. Isso porque o ano está só começando

1 - cenatopo19

* 2021 ainda está devagar. Normal. Com pandemia ou sem pandemia, o começo de ano dos brasileiros, na música, geralmente, sempre é menos apressado que os do gringos, que funcionam diferente nesta época do ano. Coisa do clima, coisas de país com Carnaval – se bem que…

Uma certeza é que está complicado colocar trabalhos novos na rua com todas as dificuldades de tempo, espaço e grana. Considerações iniciais feitas, algumas novidades aparecem na nossa primeira listagem do ano. Algumas já de 2021, outras perdidas do fim de 2020.

Vamos assim, devagar.

WhatsApp Image 2020-12-23 at 15.17.15

1 – Marabu – “Capítulo 5: Sereno” (Estreia)
Nosso disco favorito de funk em 2020. Sim, disco. E conceitual. Em um gênero que ama os singles, Marabu chega com o excelente “Fundamento”. Um álbum que passeia por misturas do funk com outros ritmos apresentando diversos pontos de vistas de uma noite pelas quebradas de SP. “Sereno”, por exemplo, se aproveita de uma clave de funk que também está nos terreiros. Por isso que um Ogã puxa a batida.

2 – Criolo – “Fellini” (Estreia)
30 anos de rap não é para qualquer um. E a experiência parece só fazer bem a Criolo. “Fellini” é em parte isso. Uma intersecção interessante de experiência e experimentação. Como em um filme de Fellini, Criolo consegue dar sentido a diversas pontas soltas, narrativas e ideias. Aparentemente, não há um sentido claro na letra. E, ainda que os ouvintes tirem mil conclusões diferentes, todas parecem friamente calculadas pelo compositor. Trabalho nível grande mestre.

3 – Linn da Quebrada – “quem soul eu”
“quem soul eu” é um som conhecido do pessoal que viu a Linn no palco durante os shows de Trava Línguas, sua experimentação no palco ao lado de BadSista que vai dar em álbum neste ano. BadSista escreveu que criar uma versão definitiva de som que mudava cada vez que rolava ao vivo foi um desafio. A gente devolve que esse desafio foi cumprido com sucesso.

4 – Kamau – “Pensei” (Estreia)
Por falar em experiência no rap, parece que “Pensei” do Kamau parece ser uma boa reflexão sobre seu trabalho. Sempre calculado, pensando. Na calma e seriedade de quem não transforma a obra em um mero produto que nasce está pronto para ser consumido e esquecido.

5 – IVYSON – “Trilho” (Estreia)
Ainda não pesquisamos muito sobre o IVYSON, nem escutamos o disco todo. Mas é bem bonito e delicado o trabalho desse jovem compositor de Recife. Vamos ouvir esse EP “Retalhos” dele e voltamos com mais detalhes, porque merece.

6 – Maglore (feat. Josyara) – “Liberta” (Estreia)
A Maglore teve uma sacada e tanto. Revistar o baú de canções abandonadas pelo caminho todo mundo faz. A banda quis ir mais longe. Pegou as sobras do seu disco de estúdio mais recente, “Todas as Bandeiras”, e acrescentou participações especiais luxuosas. Essa com o feat. da Josyara levanta a pergunta aqui entre nós: “Quem cortou essa do disco?”

7 – Wry – “Absoluta Incerteza” (Estreia)
Da boa parte em português do álbum “Noites Infinitas” – a parte em inglês é tão boa quanto – se destaca “Absoluta Incerteza”. Não sei se a canção foi escrita antes ou depois da pandemia, mas é bem bom o encaixe de versos como “É louco pensar como vai ser depois, né?”.

8 – Silva e Criolo – “Soprou” (2)
Uma brisa leve. Um som relax onde Silva e Criolo quase que conversam com a música. Um som bom ainda para imaginar que se está indo para a praia neste ano de pouca praia.

9 – Rico Dalasam e Jup do Bairro – “Reflex” (3)
Na revisão de seu primeiro EP, Rico Dalasam abre o espaço onde antes botava uma reflexão sua para que Jup do Bairro mande seu texto. “Existem corpos que nunca viverão o amor de forma horizontal/ Muito cruel, eu sei bem/ Mas talvez esse sentimento criado por vocês/ Não tenha sido para ser vivido em plenitude por todos”. Pá!

10 – YMA – “White Peacock” (4)
Aqui no Top 50 a cena clássica de fim de ano é ver alguém se preparando para o próximo. É o caso da YMA em novo single-maravilha, com direito a sax, lógico, e todo um clima de amadurecimento completo – voz, produção, letra. Vem discão em 2021? Apostamos que sim.

11 – Ana Frango Elétrico – “Mulher Homem Bicho” (5)
12 – Edgar – “Também Quero Diversão” (6)
13 – Luedji Luna – “Chororô” (8)
14 – Black Alien – “Chuck Berry” (9)
15 – Vovô Bebê – “Bolha” (17)
16 – Sabotage e MC Hariel – “Monstro Invisível” (11)
17 – The Baggios – “Mantrayam” (12)
18 – Emicida e Gilberto Gil – “É Tudo Pra Ontem” (13)
19 – JP – Essa Mulher Vai Acabar com a Minha Vida (14)
20 – WillsBife, Don L – “Por Minha Conta” (15)
21 – Zé Manoel – “História Antiga” (19)
22 – Liniker – “Psiu” (22)
23 – Ítallo – “O Time da Mooca” (23)
24 – Tuyo – “Sonho da Lay” (24)
26 – Carabobina – “Pra Variar” (26)
27 – Mahal Pita – “Oração ao Pretos-moços” (27)
28 – Guilherme Held – “Corpo Nós” (28)
29 – KL Jay – “Território Inimigo” (29)
30 – Rodrigo Alarcon – “Na Frente” (30)
31 – Marcelo D2 – “4º AS 20h” (31)
32 – Rohmanelli – “Toneaí” (32)
33 – BK – “Movimento” (33)
34 – Vivian Kuczynski – “Pele” (34)
35 – Boogarins – “Cães do Ódio” (35)
36 – Jup do Bairro – “Luta por Mim” (36)
37 – Dexter, Djonga, Coruja BC1, KL Jay, Will – “Voz Ativa” (37)
38 – Mateus Aleluia – “Amarelou” (38)
39 – Valciãn Calixto – “Nunca Fomos Tão Adultos” (39)
40 – Letrux – “Vai Brotar” (40)
41 – Negro Leo – “Tudo Foi Feito pra Gente Lacrar” (41)
42 – Don L – “Kelefeeling” (42)
43 – Mahmundi – “Nós De Fronte” (43)
44 – Rico Dalasam – “Mudou Como?” (44)
45 – ÀIYÉ – “Pulmão” (45)
46 – Coruja BC1 – “Baby Girl” (46)
47 – Edgar – “Carro de Boy” (47)
48 – Jhony MC – F.A.B. (48)
49 – Djonga – “Procuro Alguém (16)
50 – Troá! – “Bicho” (50)

***

***

* Entre parênteses está a colocação da música na semana anterior. Ou aviso de nova entrada no Top 50.
** Na vinheta do Top 50, o rapper/cantor Criolo.
** Este ranking é pensado e editado por Lúcio Ribeiro e Vinícius Felix. Com uma pequena ajuda de nossos amigos, claro.

>>