Em simulation theory:

Veredito: o disco novo do Muse e a teoria do “f*da-se”

>>

* A gente precisou ouvir algumas vezes para “entender” onde Matt Bellamy quer ir com este novo álbum da banda inglesa Muse, lançado sexta passada. O poploader Fernando Scoczynski Filho tem uma teoria boa.

121118_muse2

Finalmente está entre nós o oitavo disco do Muse, “Simulation Theory”. A banda, que sempre foi genial ao vivo, apontava para uma genialidade similar em estúdio até o quarto LP, “Black Holes & Revelations” (2006). Depois, começou a oscilar: cada lançamento conseguia acrescentar algumas músicas boas ao repertório, mas vinha recheado de material totalmente esquecível. O último LP, “Drones” (2015), mesmo marcando um retorno ao rock cheio de riffs, não foi exatamente um sucesso entre os fãs, nem com a imprensa musical. Depois de tantos anos de críticas, é apenas lógico que “Simulation Theory” viria a ser o disco em que o Muse ligou o foda-se. Com o perdão da palavra, claro.

Explicamos: desta vez, não soa como se a banda estivesse tentando um som “mais pop”, “mais épico”, ou mais qualquer coisa, senão “mais Muse”. A faixa de abertura, “Algorithm”, é um synth pop à la trilha sonora do filme “Drive”, mesclada com uma pegada orquestral, e é exatamente como você imaginaria o Muse fazendo esse som.

Em seguida, “The Dark Side” continua sendo o óbvio destaque que já era quando saiu como single. A forma como Matt Bellamy canta o verso “I hail from the dark side”, exagerando ao enunciar “darkkkk”, é o perfeito exemplo da atitude que permeia o disco. A capa obviamente inspirada nos anos 80 não é acidente nenhum: tudo isso é um exagero consciente, o que norte-americanos gostam de chamar de “campy”. As despretensiosas “Thought Contagion” e “Pressure”, que também foram singles, se encaixam ainda melhor quando inseridas nesse contexto. É o tal do foda-se, em ação, fazendo bem ao disco, levando a música onde precisa ir para ser divertida.

Aqui na Popload já frisamos que os flertes do Muse com um som mais eletrônico e pop não são exatamente o problema da banda – a quantidade de breguice é o problema. Qualquer seja o estilo que o Muse adote numa música, há vezes que eles conseguem ficar num nível aceitável de breguice (referências: Queen e Depeche Mode), e as que não conseguem (referências: Bon Jovi e Savage Garden). Em “Simulation Theory”, acontecem os dois, claro, mas de uma maneira mais complexa.

A introdução de “Propaganda” é o tipo de coisa que merece vídeos de reação em redes sociais. Uma mistura absurda de um riff e um loop vocal que remete a “Rockit” de Herbie Hancock, só que bem mais absurdo e ridículo. Daí a música em si alterna entre esse loop e um pop estilo Justin Timberlake; de repente, entra um solo de violão com slide, tipo trilha sonora de faroeste. É provavelmente a coisa mais esdrúxula que você escutará em 2018. Antes do ouvinte ter tempo para assimilar isso tudo, entra “Break It to Me”, que mistura guitarras do Rage Against the Machine com vocalizações indianas e sintetizadores de filmes de invasão alienígena. E, veja só, não estamos dizendo que isso tudo é necessariamente ruim. É, no mínimo, engraçado.

Ao mesmo tempo que o Muse se comprometeu a deixar as músicas absurdas bem absurdas, também deixou as chatas bem chatas. Já comentamos na Popload o horroso single “Something Human”, com cara de Chainsmokers; agora, este vem acompanhado da insuportável “Get Up and Fight”, que parece um cover infeliz de 30 Seconds to Mars. Em todo disco da banda também há aquelas faixas praticamente indistinguíveis: você, fã de Muse, consegue lembrar algum trecho de “Explorers”? Ou do refrão de “MK Ultra”? Ou de qualquer coisa de “Aftermath”? É bem provável que você também não lembrará de “Blockades” e “The Void” daqui a algum tempo. É o foda-se, em ação, criando músicas que você quer pular.

Mas, ao mesmo tempo, o Muse não ligou o foda-se, porque se deu ao trabalho de incluir no disco versões alternativas para nove de suas 11 faixas. Enquanto algumas são meras releituras acústicas, destacam-se as versões “Alternate Reality” para “Algorithm” e “The Dark Side”, que sugerem a interessante hipótese de um Muse que continuasse fazendo o som épico da era “Absolution” (2003).

Já “Dig Down (Acoustic Gospel Version)” é genial, e surpreende ao exibir um Muse com tamanho bom gosto e auto-controle – chega a superar a versão normal do disco. Com a facilidade absoluta de criar playlists nos aplicativos de streaming, qualquer um pode fazer um mix do álbum como quiser, inserindo as versões que bem entender, e removendo “Get Up and Fight” da face da Terra.

A liberdade artística do Muse pode ter seu custo em músicas ruins, mas, no fim, é uma delícia. “Simulation Theory” é o disco mais divertido da banda nesta década, causando as reações mais extremas: há as músicas muito boas, as muito ruins, e as muito ridículas. Pode não ser o melhor trabalho da banda, mas, para um oitavo álbum, é melhor que algo seguro e medíocre. Finalmente, um saldo acima da média.

>>

Atenção. O Muse soltou música boa. Esqueça “aquela outra” e conheça “The Dark Side”. Banda vem ao Brasil no ano que vem, não é, Matt?

>>

* No mês passado, comentamos por aqui os singles que o Muse vem lançando de um ano para cá, lentamente gerando hype para seu próximo álbum de estúdio. Enquanto os dois primeiros (“Dig Down” e “Thought Contagion”) foram até OK, o último, “Something Human”, irritou geral, ultrapassando os limites aceitáveis de breguice. Hoje, o Muse soltou um quarto single, “The Dark Side”, junto com mais um vídeo e o aguardado anúncio de seu novo disco. E o limite da breguice? Foi super respeitado.

“The Dark Side” puxa para o lado mais eletrônico do Muse, mas com referências de pop respeitável, tipo Depeche Mode ou Daft Punk. Ao mesmo tempo, não parece uma cópia – tem cara de Muse, e está entre as coisas boas que a banda fez nesta década.

Esse “lado escuro” do Muse deve agradar muito seus fãs mais antigos mesmo. Embora Matt Bellamy, o dono da banda, anda sendo interpelado no Twitter a respeito de uma “raiva” que ele não botaria mais nas letras, e que o grupo teria perdido “um sentimento frustrado de solidão” que tinha antes.

Matt tem uma resposta para isso:

Untitled-6

O vídeo você confere mais abaixo, aqui. Antes, a capa e tracklist do novo disco, chamado “Simulation Theory”, que sai em 9 de novembro, em varias configurações com faixas extra.

No ano que vem, andamos lendo “por aí”, o Muse será uma das grandes atrações do Rock in Rio. Você vem mesmo, Matt?

muse


** “Simulation Theory”, a capa

image1


** “Simulation Theory”, o tracklist

Algorithm
The Dark Side
Pressure
Propaganda
Break It To Me
Something Human
Thought Contagion
Get Up and Fight
Blockades
Dig Down
The Void

** “The Dark Side”, o vídeo

>>