Em somebody that I used to know:

Gotye, agora na versão impressora, scaneadora e computador old-school

>>

* Lembra que, não faz muito tempo, o cantor belga-australiano Gotye lançou uma incrível “versão Youtube” para seu massacrante hit mundial, “Somebody That I Used to Know”, uma das músicas mais vistas e tocadas no planeta nos últimos tempos?
Era uma “sinfonia de galera”. Gotye pegou algumas dos 10 trilhões de covers, paródias, releituras para a música no Youtube, picotou e colou tudo, e construiu a “Somebodies – A Youtube Orchestra”. Para os padrões Gotye nem foi tão sucesso. Teve “só” 3,5 milhões de views. Resultado fraco.

Enfim, eis que agora surge “Somebody That I Used to Know” na versão “Old School Computer Remix”, também incrível, feita por uma empresa de eletrônicos do Canadá. É o hino indie da dor de cotovelo “cantado” por scaneadora/impressora HP e tocado por um computador old-school. Assim: dois hardrivers fazem a bateria e o prato (chimbal), tem o xilofone comandado por um microcontrolador PIC16F84A e…

Acho que desta vez podemos DECLARAR ENCERRADO para sempre o período de covers e versões para “Somebody That I Used to Know”. Obrigado.

>>

Gotye lança "Somebodies", seu grande hit em forma de sinfonia de galera

>>

* Genial. O belga-australiano Gotye, dono de uma das músicas mais tocadas (e mais vistas) no mundo nos últimos dois anos, relançou a própria em uma nova “versão criativa”. Pegou muitas das milhares de covers e releituras e parodias para “Somebody That I Used to Know” feitos por galera “comum” e editou o vídeo “Somebodies – A Youtube Orchestra”. A execução do vídeo, a colagem das várias versões de coral, sopros e assopros, xilofone e tudo mais, é ótima. Dá uma olhada.

Não tem 24 horas de lançamento no próprio Youtube e já tem quase 600 mil visitas. Será que também passa dos 100 milhões? Não duvido.

>>

Segura a Kimbra agora

>>

* Kimbra é neozelandesa, tem 21 anos e está talhada a virar a presença feminina mais forte na música pop nos próximos dois meses, pode esperar. Aliás, se uma garota que está de carona em um vídeo com mais de 100 milhões de views no Youtube já não ter uma presença forte…

Kimbra (o nome dela é mesmo Kimbra) é a convidada pelo fenômeno belga-australiano Gotye no vídeo “Somebody That I Used to Know”. Faz a parte feminina da DR indie que os dois têm na música mais tocada hoje nos EUA e Inglaterra.

Agora Kimbra segue forte sua vida própria, sempre em números grandes. Já recebi 200 emails avisando dos shows que ela vai fazer no festival South by Southwest, do Texas, na semana que vem. Seu disco de estréia, “Vows”, que saiu em agosto do ano passado na Nova Zelândia/Austrália, tem data de chegada ao mercado americano no dia 22 de maio. Nos EUA, o álbum chega turbinado com canções novas.
Kimbra vai integrar a grande turnê americana que o Gotye vai fazer a partir do fim do mês. Depois, no final de maio, emenda uma tour sozinha, como atração de abertura do bombado grupo indie Foster the People.
Ainda agora em março e no meio de abril, vai se aventurar solo em Nova York, com dois shows, um no Mercury Lounge, outro no Troubadour. As duas datas estão esgotadas, já.

Nasce uma estrela.

* Abaixo, o vídeo de “Settle Down”, velho single (2010) que ainda está com um desempenho bem fraco no Youtube. Só 7,5 milhões de views.

>>

O indie belga-australiano Gotye e o vídeo COVER de quase 14 milhões de views

>>

* Botei toda a info no título para você sentir de cara a pegada. Primeiro que é um vídeo de cover. Depois que é uma cover de um cara indie. Daí, o cara indie é um belga que mora na Austrália. Aí, pensa, na segunda-feira o vídeo tinha 4,5 milhões de views e falei: “vou postar”. Quando fui ver, tinha 8,7. Hoje, dois dias depois do post aqui da Popload, já tem 13,7 milhões. E contando. 13.7 milhões de views em 7 dias. Isso porque deve ter mais, e o Youtube ainda não “atualizou” a contagem.

* Gotye e sua música “Somebody That I Used to Know”, um indie-jogral ele-ela dramático, virou hit na Austrália no ano passado, virou falação em blogs americanos, levou o cara a ser confirmado no Coachella 2012 e hoje tem 38 MILHÕES DE VIEWS. Aí, agora em janeiro, a banda canadense Walk Off the Earth fez um interessante e cool vídeo-cover da música, chamou uma cantora de banda psychobilly para fazer o “papel da mulher” na canção, e virou um fenômeno gigantesco em cima do estrondoso fenômeno. Ah a internet e a galera criativa…

* Então ficamos assim: imagem do vídeo-cover milionário. Depois, do vídeo-artsy mais milionário ainda da versão original. Depois de depois, faça o comparativo com o vídeo-fenômeno caseiro d’A Banda Mais Bonita da Cidade, “Oração”, que nos chocou em 2011. Não deixe de reparar ainda nos “likes” e “dislikes”.

* Afogue-se nos números:

>>

Vídeo do ano? E de uma cover? Olha o Gotye aí…

>>

* Não sei se você vai lembrar, mas em outubro a gente falou por aqui do Gotye, um cantor e compositor nascido belga, criado australiano, dono de um certo indie-brega (mas não brega escrachado; e sim daquele brega que você não pretende fazer algo brega mas acaba virando. enfim…). Na época ele tinha virado megahit na Austrália e começou a chapar nos blogs americanos graças a um hit de dor de cotovelo estilo jogral chamado “Somebody That I Used to Know”, bem boa. Mas que dor de cotovelo, a música é uma verdadeira DR indie. Na discussão do relacionamento, Gotye fazia o lado masculino e chamou a neozelandesa deusa Kimbra para fazer o “papel da mulher” na canção. Zoeei até dizendo que a música parecia tipo “Jane e Herondy”, sabe qual?

* A música tinha um “vídeo arte” bem bacana (hipster pacas, mas legal). E olha lá o belga-australiano Gotye confirmado no Coachella 2012. Mas então.

* Neste começo de 2012 apareceu a banda canadense Walk Off the Earth com uma cover inusitada do hit “Somebody That I Used to Know”, do Gotye. A música em si ficou tão boa quanto a original. O negócio é o vídeo. Inusitado. Simples de morrer. F*da!! Veja aí e me diz:

* Essa cover do Walk Off the Earth, pelo que estou entendendo, é o primeiro fenômeno indie da internet em 2012. Em cinco dias, mais de 8,7 milhões de views. Ontem, quando eu vi o vídeo pela primeira vez, estava com 4,5 milhões. CACETA?!?!

* A loira que participa, como convidada, é Sarah Blackwood, da banda psychobilly canadense Creepshow.

* É. Essa história não pára de ficar boa, não?

>>