Em south by southwest:

CENA – Festival South by Southwest vem conversar com a cena brasileira na Semana Internacional de Música de São Paulo

>>

cena

* Você acha que a movimentação da cena independente nacional já decretou o final do ano? Olha direito…

De 7 a 11 de dezembro, a cada vez maior SIM – Semana Internacional de Música de São Paulo promove em sua quarta edição, no Centro Cultural SP, um grande intercâmbio entre nossa CENA e a cena latina, americana, européia, australiana, a p*rra toda, com uma programação que apresentará 27 shows diurnos (gratuitos), e principalmente palestras, rodas de debates, encontros de negócios e mostra de cinema (para estes, precisa comprar um “badge”) .

Exclusivo: entre as várias discussões interessantes em que o SIM jogará sua luz de “music convention” para encurtar caminhos para a cena brasileira no exterior estará o principal festival independente do mundo, o texano South by Southwest, a maior vitrine alternativa para as cenas de qualquer lugar do planeta. Inclusive a brasileira.

SXSW-1-266x266

A comitiva do Sxsw estará representada, em São Paulo, pela representante internacional do SXSW no Brasil, Tracy Mann; pela diretora, curadora e, ATENÇÃO, responsável por escolher as bandas brasileiras que tocam no evento, Stacey Wilhelm; e pelo líder de uma nova programação para compositores e produtores internacionais no SXSW (a ser testada na edição 2017), Mark Gartenberg. O trio fará parte da mesa “O SXSW e a porta de entrada para o mercado americano”.

Outras das conferências altamente recomendadas:
1. 9 de dezembro, 15h30: Espaço na rádio. Qual teu dial ou link?
Com Maggie Collins (Triple J/Austrália), Patrícia Palumbo (Rádio Vozes), Roberta Martinelli (Som a Pino, Eldorado FM/São Paulo, SP), Patrick Tor4 (Frei Caneca FM/ Recife, PE), Paulo Proença (Rádio Inconfidência/Belo Horizonte, MG), Verônica Pessoa (Faro MPB, MPB FM/Rio de Janeiro, RJ), Julianna Sá (Programa Radar, Roquette-Pinto/ Rio de Janeiro, RJ) e Alberto Benitez (Radio Ibero 90,9/México). MEDIADOR: Ricardo Rodrigues.

2. 10 de dezembro, 15h30: Novos festivais de música no Brasil.
Com Camila Cortielha (Festival Transborda/ Belo Horizonte, MG), Anna Penteado (Vento Festival/ Ilha Bela, SP), Guilherme Marconi e Thiago Custódio (Coala Festival/ São Paulo, SP), Katia Abreu (Dia da Música/ São Paulo, SP), Mancha Leonel (Festival Fora da Casinha/ São Paulo, SP), Gabriel Caixeta (Festival Timbre/Uberlândia, MG). MEDIADOR: Ricardo Rodrigues.

Captura de Tela 2016-11-18 às 5.09.58 PM

* Abertura: o fenômeno Liniker e seus Caramelows e a cantora carioca Mahmundi fazem os shows de abertura da SIM no Auditório do Ibirapuera, no dia 7/12, de graça. A apresentação de Liniker terá, como convidada especial, a veterana cantora Elza Soares. Mahmundi sobe ao palco às 20h.

Mais shows da SIM, acontecerão no próprio Centro Cultural SP, na “programação diurna”, e também espalhados por clubes de São Paulo, entre eles Cine Joia, Z Carniceria, Centro Cultural Rio Verde, o Z Carniceria, jazznosfundos, na chamada “programação noturna”.
O encerramento da Semana Internacional acontecerá no Mirante 9 de Julho.

* Pro-BADGE: A SIM vende credencial que dá acesso a todo seu conteúdo e garante a entrada a todos os eventos e espaços da convenção, entre eles a Pro-Area, no Centro Cultural São Paulo, e a Pro-Area Virtual, no Facebook. Até dia 30/11, sai por R$ 280. Depois, R$ 350.

Mais informações sobre o badge e sobre shows e palestras no site oficial da SIM São Paulo.

>>

É rock!!! O incrível show do Far From Alaska no Sxsw, de Natal direto para Austin

>>

310316_ffa_texas

A pesada banda “de rock” Far From Alaska, orgulho do Rio Grande do Norte, recém estreou em solo gringo, com shows pela América do Norte.

Um deles, especialíssimo, rolou no gigante South by Southwest, em Austin, e agora foi divulgado no canal oficial do evento. A apresentação dura cerca de 25 minutos e aconteceu no dia 18 de março. Destaque para a ótima vocalista Emmily Barreto vestindo camisa do Nirvana.

SETLIST
00:00 – Intro
01:19 – Thievery
04:50 – Another Round
09:20 – Deadmen
12:27 – Communication
16:20 – About Knives
20:10 – Dino Vs Dino

>>

South by Southwest “musical” ocupa Austin até domingo e discute o jeito de se ouvir música

>>

150316_sxsw2

Nada menos que 2 mil bandas e artistas farão de Austin a capital mundial da música nesta semana, em mais uma edição do fenomenal South by Southwest, evento que há três décadas começou apenas musical, mas foi se tornando ao longo dos anos um ponto de encontro para se discutir também diversos gêneros de arte (especialmente cinema), tecnologia, novas tendências de mercado e por último a internet, sua interatividade e usabilidade.

O evento começou mesmo na sexta passada com seu tradicional Keynote, ou o painel de apresentação do approach do evento em 2016. O convidado para o bate-papo foi apenas o presidente Barack Obama. Coisa pouca. Mas é de hoje em diante que o Sxsw ganha seus contornos musicais.

Até domingo, Austin vai abrigar esses milhares de shows (mesmo!) que englobam desde artistas independentes ao Iggy Pop e sua superbanda com o Josh Homme. Mas as atividades iniciais começaram com uma roda de discussão sobre os serviços de streaming da atualidade, tipo Spotify, Tidal ou o Beats, da Apple.

Em 2015, os serviços de streaming dobraram os números do ano anterior. Ao todo, ano passado, músicas foram tocadas em plataformas oficiais por 317 bilhões de vezes.

“Por mais que os serviços de streaming estejam substituindo as gravadoras, lojas de varejo e até as lojas virtuais como o jeito mais eficiente de oferecer música para o consumidor, eles não são os mais amistosos com os artistas. O objetivo dessas plataformas é atrair o consumidor para um maior número de vendas e construir um negócio. Em último âmbito estruturar a forma como estamos ouvindo música, mas não necessariamente de um jeito que esteja ajudando os artistas para que seus produtos sejam vendidos”, alertou a executiva Marisol Segal.

“Houve um consenso solto centrando-se na ideia do streaming como um exemplo potencialmente benéfico da tecnologia expandindo o alcance da música, do mesmo jeito que um dia inventaram o fonógrafo, rádio, cassetes e discos. Hoje há mais pessoas que escutam uma ampla variedade de músicas e diversas bandas novas foram apresentadas para um público que não as conhecia”, contrapôs o pesquisador Jon Maples.

“A verdade é que música agora pode ser acessada em todos os lugares e a qualquer hora via smartphones, por exemplo. Mas o outro lado da discussão é que as plataformas de streaming sugerem mais um triunfo comercial do que da arte em si, ponderou o jornalista Greg Kot”, do Chicago Tribune.

Enquanto o papo cabeça vai rolar durante toda a semana em oficinas, palestras e workshops, diversas bandas farão shows (alguns de surpresa) em clubinhos, restaurantes, teatros e até nas ruas de Austin. A boa notícia é que muitos deles serão transmitidos ao vivo.

A Billboard, por exemplo, mostra a partir desta quarta-feira em seu canal exclusivo shows de Future, Santigold, Blood Orange e Jamie xx. A NPR vai botar o rapper Vince Staples para tocar no famoso Stubbs. E vai ser também no Stubbs, na sexta, o concorrido show do considerado ‘the next big thing’ do festival, o afro-coreano nascido na Califórnia (!) Anderson Paak, 30 anos, que mistura R&B, hip hop e soul.

A Popload vai tentar ficar de olho nas movimentações e shows que terão transmissão ao vivo. Sxsw será assunto em voga por aqui nos próximos dias.

Abaixo a SIA fazendo uma apresentação especial no fim de semana como “aquecimento” para o Sxsw, em performance gravada para o programa do Jimmy Kimmel direto de Austin.

>>

Strokes faz um lindo show ruim em Austin, no pré-South by Southwest

>>

CdcjE6cUYAA55RD

* A parte musical do gigantesco South by Southwest, em Austin, Texas, o festival mais vitrine de nova música do planeta, começa oficialmente amanhã, mas o entorno do Sxsw já bomba. Na sexta-feira, nossos amigos Strokes tocaram num evento bancado pela marca Samsung para divulgar sua nova linha de aparelho celular, um festival dentro do festival, que dura por toda esta semana.

O show dos Strokes, claro, contou com Albert Hammond Jr., o guitarrista que se apresentou ontem no Lollapalooza em São Paulo, o que o fez chegar no domingo cedo e às 16h já estar no palco de Interlagos.

Como parte da loucura que são os eventos musicais na fantástica Austin, o pequeno festival da Samsung aconteceu num desativado prédio dos correios da cidade texana. Ou seja: lugar minúsculo, para poucos. E ainda na noite teve show da banda The Arcs, o projeto paralelo “sério” de Dan Auerbach, o guitarrista dos Black Keys, que lançou o primeiro disco no final do ano passado.

Os Strokes, não é novidade, têm se arrastado como banda. Tem sido difícil sair uma apresentação realmente decente deles nos últimos anos. Pelo menos uma à altura da importância que a banda teve no rock nos anos 2000. E, em Austin, além de não ter acontecido nenhuma surpresa, nenhum anúncio de algo, nenhuma música nova, ainda por cima Julian Casablancas estava numa performance terrível, segundo li. “Lame”, como dizem lá, esquecendo as letras e tudo mais. No meio teve uma piadinha qualquer sobre os Chili Peppers.

Mas, enfim, foi um show de hits. E os hits dos Strokes ainda são os hits dos Strokes.

Abaixo dá para ver a banda tocando “Reptilia” no prédio dos correios de Austin. E, se você realmente quer uma pista do que foi os 40 minutos da turma de Julian neste pré-Sxsw, tem uma gravação de computador na linha Periscope do show todo, logo embaixo. Gravação esta feita por um brasileiro. Tem gritos de “C*ralho” e tudo, haha.

>>

Sxsw 2015 – Courtney Barnett (e sua legião de fãs) em dose dupla

>>

sxsw2015_poploadselo

Ela é a bola da vez. A australiana Courtney Barnett, que enfim lança seu álbum de estreia em formato físico na próxima semana, vem sendo uma das atrações mais badaladas do super badalado South by Southwest, em Austin. Em função na cidade desde o início da semana, Barnett tem agendados cinco shows oficiais, fora aqueles não anunciados que sempre rolam aqui e ali no Texas.

200315_barnett01

Dois vídeos profissa foram registrados pela galera dos sites incríveis Pitchfork e NPR.org. O primeiro é ela tocando “An Illustration of Loneliness (Sleepless in NY)” em uma tenda bem pequena, durante o dia. O outro é para a pesada “Nobody Really Cares If You Don’t Go To The Party”, gravada em show no Stubbs BBQ. Olha só como os shows da menina andam cheios.

As duas faixas estão no discaço “Sometimes I Sit And Think, And Sometimes I Just Sit”

>>