Em t4f:

Se (não) juntas já causam, imagina juntas: gigante do entretenimento T4F se associa à Popload

>>

Captura de Tela 2019-02-28 às 4.14.32 PM

Quando tudo isso aqui era mato, a Popload, que já se chamou “Download” e era uma tripa em página de lançamento de discos na Folha de S.Paulo, foi parar no mundo virtual dentro de uma seção de articulistas chamada “Pensata”, dentro da Folha Online (igualmente da “Folha”). Isso lá por 2000. A coisa tomou proporções “ousadas”, o “Pensata” ficou pequeno demais para a Popload, ganhou espaço nobre no caderno “de papel” Ilustrada e logo encaramos o desafio de se tornar um site. As popices semanais passaram a ser publicadas por aqui diariamente, tipo em 2006.

Depois, veio o próximo passo. Não apenas o de falar sobre bandas para o nosso público, mas, também, trazê-las ao Brasil, para perto desse “nosso” público. Nascia em 2009 o Popload Gig, selo de shows que se tornou referência no Brasil da “nova música”, tanto internacional quanto da CENA brasileira, abrindo as portas para grupos iniciantes da cena rock e eletrônica. E até com um Nick Cave, um LCD Soundsystem, um Tame Impala e uma Courtney Barnett no meio de mais de 50 atrações.

Já que o negócio aqui é se arriscar, surgiu a bela e bem louca (e estúpida também, haha) ideia de se fazer um festival. Um festival “diferente” dos festivais. Um festival que a gente iria. Sem reclamar como se reclama de festivais. E lá em 2013 o cultuado trio inglês The XX apareceu por aqui para dar sua benção. Ano após ano, a Cat Power veio nos ver, o incrível Iggy Pop também. A PJ Harvey botou seu nome em nosso humilde mural de atrações. O Wilco acabou com um período de longo espera e saciou seus fãs. A Lorde, menina que a gente viu crescer, pisou em nosso palco já na sua fase “Que mulher!”, e o Blondie, só o Blondie, fez sua estreia em terras brasileiras. Popload corrigindo o erro histórico da história dos shows legais no Brasil. Quanta honra, Debbie Harry.

Em meio a todas essas fases, mudanças, erros, acertos, ideias e muito suor, a Popload dá um novo passo, talvez o maior de sua curta e tão intensa história, e firma a partir desta quinta-feira, 28 de fevereiro, uma parceria com a Time For Fun (T4F), a maior empresa de mercado de entretenimento ao vivo da América Latina.

Fazem parte, a partir de agora, do pacote da T4F, a plataforma 360º da Popload, que inclui: Popload News, Popload Festival, Popload Gig, Popload Social, Popload Radio e Ticketload.

As duas passam, então, a produzir os shows e festivais de forma conjunta, com o compromisso de continuar levando um conteúdo e atrações de qualidade para um público cada vez maior. E melhor. Porque o nosso compromisso é fazer as coisas bem-feitas.

Depois a gente fala mais disso, porque o trabalho continua, apesar de estar só começando. Afinal, o Popload Festival 2019 está logo ali.

Untitled-4

* Obrigado pela parceria de sempre. A gente aqui deixa uma musiquinha para ilustrar este momento.

>>

O que está acontecendo, Morrissey? Produtoras confirmam show no Brasil e na Argentina!

>>

Plantão Morrissey: Alarme Falso?

…Previously on Morrissey’s…: A turnê-não-turnê-daí-turnê do Morrissey no Brasil está virando uma montanha russa — com emoção. Na semana retrasada, ela foi ameaçada de ser cancelada por causa de uma intoxicação alimentar do cantor no Peru. Depois, passou para o status “adiada”. Depois, “confirmada”. Até que a última notícia que recebemos, na semana passada, era a de que o cantor havia cancelado oficialmente a turnê. Nesses dois “cancelamentos”, a palavra veio da equipe do Morrissey, ou através de recados do próprio para o site quase-oficial True To You. Este foi o último:

E daí que ontem, a Rolling Stone argentina disse, via twitter, que a empresa Time For Fun confirmou o show de São Paulo e o de Buenos Aires. Detalhe: a T4F brasileira ainda não se pronunciou sobre o assunto. Com isso, se a informação da revista hermana for verdade, estariam cancelados os shows no Rio de Janeiro e em Brasília!

Para colocar ainda mais suspense na história toda, o Correio Braziliense garante, em matéria publicada ontem, que o show do cantor está SIM confirmado em Brasília.

O site do jornal apresentou uma nota oficial da Vision Produções, produtora do show do cantor em Brasília, dizendo que a apresentação do músico não foi cancelada na cidade e que ele-himself se pronunciaria amanhã, 22/7, sobre o show na capital. Essa eu quero ver, hein?

Portanto, é bem provável que amanhã voltaremos com mais um episódio da série. Abaixo, a nota publicada pelo jornal de Brasília:

“A Vision Produções confirma show do ex-The Smiths, Morrissey, no dia 2 de agosto em Brasília. Após o cancelamento do show do cantor no Peru devido à uma intoxicação alimentar, alguns blogs e sites vêm divulgando informações do cancelamento da turnê na América do Sul. Devido à estas repercussões o cantor fará a confirmação de seus show oficialmente na segunda-feira, 22 de julho. Os ingressos para o show de Brasília continuam à venda.”

>>

Quer ir ao show da Regina Spektor? Popload ajuda!

>>

A cantora, compositora e pianista Regina Spektor retorna ao Brasil para dois shows em abril, como já anunciamos aqui há um tempo. É o indie americano com sotaque russo invadindo o gigante Credicard Hall, em São Paulo (10 de abril), e o Citibank Hall, no Rio de Janeiro (11 de abril)!

O show que vem ao Brasil, com realização da produtora Time For Fun, faz parte de uma turnê mundial que teve inicio no ano passado para divulgar o último CD da cantora, “What We Saw from the Cheap Seats”. É a segunda vez que ela passa por aqui. A primeira foi em 2010, no eco-festival SWU:

A Popload e a Beltrano Musical, em parceria com a T4f, ajudam você a ir ao show da Regina Spekor! Mas, tem que ser fã mesmo!

Para concorrer, você deve curtir a página da Beltrano Musical e responder a pergunta que está na imagem abaixo lááá nos comentários do Facebook. Não adianta deixar seu comentário aqui que não vale! Você deve também dizer para qual cidade está concorrendo, SP ou RJ.

As cinco primeiras pessoas (de cada cidade) que acertarem a resposta, levam um par de ingressos. Você só pode participar uma vez, então capricha. Corre lá!

Clique, curta, responda e concorra:

>> Informações sobre ingressos, que vão de R$ 45 a R$ 400, podem ser obtidas no site da T4f.

A zica dos shows no Brasil 2012. Como você acha que vai ser em 2013?

>>

Pelo menos nos últimos três bons anos, o mercado de shows internacionais no Brasil foi provavelmente o que mais cresceu no mundo todo. Neste meio tempo, o país deve ter recebido uma quantidade na casa do milhar de shows gringos, desde o Miike Snow ao Paul McCartney (três vezes!!!), viu o Rock In Rio voltar, o SWU aparecer e sumir (faliu neste ano), e nomes como Sónar e o Lollapalooza apostarem no nosso mercado, de gama, variedade e público tão amplos. Sem falar na “ameaça” já pública de o bombado Coachella ser realizado aqui no ano que vem.

Pode botar o Popload Gig nessa história, eu deixo. O festival foi formado em 2009 com a ideia de fazer uma edição a cada seis meses, e que, hoje, depois de quase 20 edições em três anos, tem potencial, se quiséssemos ($$$$$), de acontecer todo mês, às vezes duas vezes num mesmo mês. Dezenas de empresas trouxeram bandas gringas especialmente para seus eventos. Vieram, encararam longa viagem, tocaram em festa fechada e foram embora. Pensa.

O negócio ficou tão bom por aqui que já temos dois megafestivais de 2013 com umas 80 atrações já anunciadas, já vendendo ingressos faz tempo. Um deles é do segundo semestre do ano que vem.

Fora a história dos crowdfundings, que começou com o Queremos no Rio de Janeiro e hoje já tem até “iniciativas gringas” armando shows do tipo no Brasil.

E tudo mais.

Só que as últimas semanas definitivamente acenderam um sinal de alerta em todo mundo envolvido na organização de shows, passando por quem compra ingresso e quem gosta de analisar isso, leia-se imprensa.

Lady Gaga e o assombroso caso do público que sumiu

Tudo começou com a surpreendente baixa venda de ingressos das duas maiores e mais caras turnês da atualidade. Lady Gaga, maior e mais controversa popstar que surgiu na música nos últimos anos, fez shows para metade do público esperado em sua turnê que recém passou por Rio, São Paulo e Porto Alegre. A produtora que trouxe a turnê ao país teve que se virar com promoções de última hora para que a cantora não tocasse para “ninguém” em sua turnê “monster”.

Do mesmo problema sofre Madonna, a maior e mais controversa popstar de todos os tempos. A poucas semanas de chegar ao país, a mesma produtora precisou tomar uma medida emergencial de reajustes absurdos nos preços de seus ingressos que baixaram, por exemplo, de R$ 360 para R$ 200 (pista).

A gente soube que antes de tudo isso, o “campeão de vendas” Planeta Terra Festival, também não atingiu o público esperado. O espaço do Jockey Club, a nova casa do evento indie mais tradicional do país, teve que ser “remodelado” duas vezes para “cortar os vazios”, parece.

Mas, nos últimos dias, o bicho pegou. Uma semana do “desconforto” se iniciou na sexta passada, quando o Coldplay, que tem lotado estádios pelo mundo todo, comunicou que não poderá tocar na América do Sul na data prevista, isso apenas três dias depois de confirmar “com muita alegria” mais uma visita por aqui.

Chris Martin anunciou o cancelamento dos shows na América do Sul na internet antes de comunicar os produtores locais

No último final de semana, em São Paulo, o Cavalera Conspiracy (que a princípio tocaria no Espaço das Américas ao lado do Mastodon e do Slayer) precisou mudar seu show para a bem menor Via Marquês, chegou a cancelar essa apresentação e só remarcou o show para o Cine Joia aos 45 do segundo tempo. Os motivos podem ser outros, mais variados que apenas as tais “venda de ingressos”, mas enfim.

A louquinha e talentosa cantora Fiona Apple, um dos grandes nomes do momento, anunciou na terça que não pode vir ao país e jogou a culpa na sua pitbull que está doente e pode ficar mais doente ainda se ela viajar. Então ela decidiu não vir. O Black Label Society cancelou sua apresentação em Fortaleza alegando que não recebeu cachê e, pior, uma das produtoras envolvidas soltou um comunicado informando “se isentar do reembolso aos fãs”, jogando a responsabilidade para uma produtora local.

O Sublime With Rome, com show agendado para o HSBC Hall nesta sexta, informou na tarde de hoje que a apresentação foi adiada, sem dar maiores detalhes. Mais um para a conta.

Ontem, uma notícia que diz respeito muito a gente mas que circulou forte apenas nos cadernos e sites de economia, apontou que a gigante do entretenimento Time for Fun (T4F) teve sensível queda nos resultados da empresa por causa de cancelamentos e baixa venda de ingressos em shows nos quais eram esperadas altas vendagens (Coldplay, Lady Gaga, Madonna e Fiona Apple são/eram da T4F). Não é que a empresa não lucrou, longe disso. Mas esse arranjo de situações variadas no showbis fez a T4F diminuir seu lucro em 2012 em quase 30%. Para uma empresa grande e estruturada, isso é assimilado de certa forma. Para quase todos os restos dos montes de produtores existentes, seria a morte.

Essa “fase” macabra de cancelamentos, somada à situação esquisita da economia, juntando um certo, talvez, esgotamento de shows para um público grande que não tem tanta grana assim para gastar em shows toda hora, mais os ingressos discutivelmente caros, mais o enquadramento da política sempre controversa da “meia entrada” (que, já foi anunciado, vai mudar sua política de abocanh… de utilização em 2013), mais a prometida fiscalização do Ecad, mais o fechamento de importantes casas de shows, mais a abertura de outras importantes casas de shows e arenas e clubes que a gente sabe que vão abrir, tudo isso puxado por todos os lados, de ponta-cabeça e esticado aqui e acolá, promete para o ano que vem uma nova ordem desse “case” interessante que se tornou o assunto “shows internacionais no Brasil”.
Quem viver 2013 verá.

** Queria ouvir o que você acha de tudo isso, para um possível post-continuação. O espaço dos comentários é sua tribuna livre. Use-o.

>>